• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 18° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 13° / 4°
Céu nublado
Ter.
 13° / 6°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O castelo, o jardim e os outros

Opinião  »  2017-02-16  »  António Gomes

"O prédio ao lado do edifício da CM “Alvarenga” deve dar lugar a habitações"

O bom senso aconselha a que se alargue o tempo de debate público e que se promova o mesmo, projeto a projeto.
Só assim podemos garantir as melhores soluções, as mais equilibradas e as mais consensuais. A aplicação dos dinheiros públicos em torno do PEDU vai muito para além dos mandatos autárquicos, é a cidade para as próximas gerações.


Quanto a mim, o elevador para o castelo é um atentado à memória e à história desta cidade, esteticamente é um monstro visível de vários sítios, inclusive da praça 5 Outubro. Não são necessários três acessos diretos ao castelo e mais um indireto, esta ideia tem de ser parada, o que não impede de pensar a acessibilidade ao Castelo para toda a gente, mas como é proposto não.
A zona situada entre o parque Almonda (Horta das Pedras) e o rio tem um projeto que não inova em nada, e que se esquece do principal património ali existente, o Moinho do Duque, em ruínas é certo, mas que no meio de tanto milhão valeria a pena apostar na sua reconstrução. Junto ao caminho pedonal proposto faz todo o sentido correr um canal de água e a ponte deve inovar, saindo do tabuleiro superior do parque e construir dois vãos por cima do jardim e do rio. Parte do relvado proposto deve dar lugar a plantas autóctones.


O projeto para o jardim municipal e avenida devem parar imediatamente. Depois de destruídos os castanheiros que ficaram impedidos de oferecer sombra à avenida e aos torrejanos, querem agora substituir o atual jardim, inclusive na zona do café “do Razões” por uma modernice sem sentido. Não existe uma ideia para salvaguardar as margens do rio, não existe uma ideia para alargar a ponte que vem da biblioteca e assim poder ter dois sentidos, permitindo o encerramento ao trânsito automóvel na rua de Trás os Muros. Diminuir a largura da avenida em dois metros não é aceitável, muito menos porque não se cria um corredor para promover o uso da bicicleta.


O largo do Salvador deve ser preservado e não substituído por outro, a cor da pedra a utilizar na rua da Câmara Municipal e no Terreiro de Santa Maria deve respeitar o enquadramento, particularmente o castelo. O prédio ao lado do edifício da CM “Alvarenga” deve dar lugar a habitações como até foi sugerido por um dos arquitetos… e não a lojas e espaços de lazer de duvidosa utilização.

Por fim, porque é exequível e possível, aprove-se a recuperação de uma dúzia de casas para arrendamento, mesmo lá no centro da cidade, onde as ruínas marcam a paisagem, porque com ruínas não temos pessoas a viver lá e só com pessoas podemos almejar uma cidade com futuro.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)


Deus 2.0 »  2017-11-29  »  José Ricardo Costa

O problema da existência de Deus foi, até ao século XIX, tema incontornável da Filosofia, não havendo filósofo que não metesse a sua colherada nem que fosse para deitar veneno. Depois, quase recebeu a extrema-unção.
(ler mais...)


Propólis: um poderoso antibiótico natural »  2017-11-29  »  Juvenal Silva

As abelhas protegem com segurança o seu reduto, a colmeia: contra os fungos, os vírus e as bactérias que se formam com a decomposição dos bichos que tentam entrar nos seus enxames, como ratos, vermes, aranhas, etc.
(ler mais...)


Os corvos-marinhos estão de volta. »  2017-11-29  »  Nuno Curado

Já há alguns anos que os choupos encostados à ponte da Levada são o pouso matinal de um grupo de corvos-marinhos que frequenta a cidade. Para quem não os conhece, parecem umas garças de cor preta e bico mais grosso, com uma mancha branca e amarela na face.
(ler mais...)


“A política é como os amigos” »  2017-11-29  »  Rosa Amora

A política, meus amigos, é como vocês. Por vezes leve, às vezes pesada, pode ser tão brincalhona como tão séria que chega a doer.
E a amizade é mesmo como a política. Tem altos e baixos, é inspiração, é luta, é carinho pelos outros.
(ler mais...)


A Nikita em Torres Novas (ou uma crónica pessoal pouco ou nada revolucionária no Centenário da Revolução de Outubro) »  2017-11-29  »  José Mota Pereira

Recuemos a 1985. Ao final desse ano. Elton John lançou “Nikita” um dos seus maiores sucessos musicais. A temática era claramente influenciada pelo ambiente de mudança que se começava a viver na Europa de Leste, desde que em março, na União Soviética, Gorbachev chegara a secretário geral do PCUS, anunciando um plano de reformas – a Perestroyka – que viria a alterar o mapa do mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)