• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Uma questão de memória?

Opinião  »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

" Talvez seja egoísmo, mas o ser humano é mesmo assim: profusamente egoísta."

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.

A verdade é que considero que o meu raciocínio lógico supre esta deficiência com a qual os deuses desejaram presentear-me e, portanto, sou feliz com minha imperfeição.

A questão com que me debato é, no entanto, a universalização desta lacuna: pode-se afirmar que vivemos num mundo que viaja à velocidade da luz, à boleia da tecnologia, e, consequentemente, somos brindados com informação proveniente dos infinitos cantos do mundo (nunca entendi porque é que se diz que o mundo tem cantos). É lógico que o nosso disco rígido não comporta tantos gigabytes de conteúdo e somos obrigados a ignorar, ainda que inconscientemente, alguns dados de menor relevância.

Mas, quais os critérios com que o nosso inconsciente faz uma seleção da informação? Julgo que guarda aquilo que menos nos aflige e flagela, e deita fora todo o material que nos desconforta. E porquê? Se os cinco sentidos recebem diariamente toneladas de dados, seria impensável prestar atenção e desvendar todos os pormenores de situações desagradáveis com as quais teríamos de ter compaixão e que poderiam, inerentemente, aleijar o nosso bem estar emocional: trata-se de uma boa manutenção da nossa felicidade. Talvez seja egoísmo, mas o ser humano é mesmo assim: profusamente egoísta.

O problema desta universalização é a tendência para negligenciar os contextos de dado acontecimento e para julgá-lo, naturalmente, com base em memórias recentes e não representativas da realidade.
Penso que este solo é adequado ao florescimento do populismo, que se nutre da memória seletiva da maioria dos recetores e executa, quase sem obstáculos, os seus objetivos, dando ensejo ao crescimento de frutos putrefactos e cujo consumo tem consequências nefastas.

Cabe-nos a nós, enquanto indivíduos conscientes e racionais, pugnar por juízos de valor mais assertivos e que tenham por sustento a maior quantidade de juízos de facto possível.

Com bons pilares se construirá uma casa mais estável e mais sólida.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?