• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Março 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 26° / 11°
Céu limpo
Dom.
 24° / 11°
Períodos nublados
Sáb.
 25° / 9°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O desassossego

Opinião  »  2019-01-11  »  Anabela Santos

"Estamos na “época alargada” de reivindicações. Na minha opinião, pertinentes e mais que justas."

Ou eu estou num estado de loucura que me faz confundir o real com o irreal, ou vivo num país imaginário, num sonho (menos bom) permanente, ou totalmente enganada vinte e quatro horas por dia.

Não são poucas as vezes que ouço ou leio nos meios de comunicação que o país vive tempos tranquilos. Ora, o endividamento está a diminuir, há uma queda gradual do desemprego, a economia está a crescer e a população está otimista. Ou seja, foi devolvida a confiança e a esperança aos portugueses.

No entanto, e há sempre um “no entanto”, um “mas” ou um “porém”, esta minha mania de ser pessimista, ou talvez realista demais, diz-me que no meu mundo continuo a ver insatisfação, crítica, dificuldades, lutas e desassossego.

No meu mundo continua a haver um elevado número de desemprego, este de longa duração, especialmente na camada jovem.

Isto é muito grave. Gravíssimo! Muito preocupante e precisa de solução urgente. Alguém os acuda! Sentem-se perdidos à procura de um futuro que não chega.

Sim, há muitos que têm emprego, obviamente, ou uma espécie disso. Trabalho precário, que está muito próximo da exploração. Empregos não qualificados e muito mal pagos tendo em conta as horas que  são obrigados a fazer sem qualquer tipo de remuneração. Para piorar, não há, ou eu não conheço, uma entidade que regule esta desumanidade.

Depois, estamos na “época alargada” de reivindicações. Na minha opinião, pertinentes e mais que justas.

Não sei o número, mas sei que os dedos das minhas mãos não chegam para contar os pré avisos de greves e as greves efetivas que houve e parece-me que continuará a haver, no setor público e privado.

Apesar do que dizem sobre o estado da nação, a luta continua, não para, a insatisfação é notória. Não entendo!

Professores, polícias, militares, juízes e procuradores reivindicam a contagem de tempo de serviço, o descongelamento da progressão de carreira. Os enfermeiros querem um vencimento mais digno, reforma aos cinquenta e sete anos, revisão da carreira, entre outros. Os coletes amarelos pedem a redução da taxa de impostos, aumento do salário mínimo nacional, combate à corrupção no governo, serviço de qualidade no SNS. Os estivadores, registos e notariado, trabalhadores de saúde, trabalhadores das Finanças, e … reivindicam, reivindicam, reivindicam.

Depois da imagem que foi deixada pelo nosso primeiro-ministro, haverá razão para esta luta constante?

No meu mundo, sim. Vejo forças policiais, guardas prisionais, professores, auxiliares de educação, profissionais de saúde e muito mais, sem meios para exercerem condignamente o seu serviço. O SNS é deplorável,  trabalhadores insatisfeitos, trabalho precário, mal pago, jovens sem esperança, apoios a serem retirados ou diminuídos a instituições de solidariedade sem fins lucrativos, IPSS, mostrando, assim, a pouca preocupação pelas pessoas desfavorecidas. Tantas coisas a apontar.

Retomo o início do texto … serei louca ou pertenço a um grupo de pessoas que tal como Bernardo Soares, semi-heterónimo de Fernando Pessoa, vive inquieto, insatisfeito e considera que deveriam existir “Ilhas para os inconfortáveis”, aqueles que deambulam, sentem e pensam, refugiam-se no sonho, transfiguram a realidade e vivem desassossegados?

 

 

 Outras notícias - Opinião


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)


#Hashtag »  2019-03-22  »  Margarida Oliveira

Se no imediato, os 200 anos estimados pela ONU para o alcance da igualdade entre mulheres e homens parecem uma espécie de eternidade inatingível, na verdade, olhando a linha temporal da humanidade, eles representam apenas o último pedaço do último degrau, desta luta milenar.
(ler mais...)


Prioritário? As estradas. »  2019-03-22  »  António Gomes

Vem isto a propósito das obras de reabilitação do largo do Rossio. Decidiu, a maioria socialista na CM, dar prioridade à realização de obras no Largo General Humberto Delgado (Rossio). O projeto não se sabe bem o que é, visto que o PS decidiu alterar aquilo que foi aprovado em reunião de câmara.
(ler mais...)


Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música »  2019-03-22  »  Ana Sentieiro

É com alguma indignação entrelaçada com revolta que exponho um assunto secundário numa panóplia de assuntos, dos quais, o salário do Ronaldo agarra o protagonismo e leva-o de férias para a Grécia no seu jato privado, com direito a champanhe e não espumante! Parece que ninguém está interessado em dar relevo à falta de cultura musical dos millennials.
(ler mais...)


Brasil, China, Entre-os-Rios e Novo Banco »  2019-03-09  »  Jorge Carreira Maia

1. A DOENÇA DO BRASIL. Apesar de sermos latinos e de permitirmos coisas inaceitáveis nos países do centro e do norte da Europa, ainda é difícil para os portugueses compreender a doença que ataca com virulência inusitada o Brasil.
(ler mais...)


Remodelação, Bloco, Greves e Exames »  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia

1. REMODELAÇÃO DO GOVERNO. A importância da remodelação do governo ocorrida no início da semana é, do ponto de vista da orientação política, tendencialmente nula.
(ler mais...)


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


Aero… coisa, mas muito séria »  2019-02-21  »  António Gomes

A noticia teve origem na informação prestada em reunião de câmara pelo vice-presidente da mesma: aeroporto internacional, 4 Kms de pista, 160 voos/dia, 200 milhões de investimento, etc..

E foi apresentada com pompa e circunstância, uma grande mais valia para Torres Novas e arredores.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia Remodelação, Bloco, Greves e Exames
»  2019-02-21  »  António Gomes Aero… coisa, mas muito séria
»  2019-02-21  »  Margarida Oliveira Mulher
»  2019-02-21  »  José Ricardo Costa Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar.
»  2019-02-21  »  Anabela Santos Opções