• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Janeiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 14° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 13° / 3°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  14° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Atrás dos vinhos, sem pressas, há muito para provar

Sociedade  »  2018-04-20 

David Policarpo veio de Évora e convida os torrejanos

Quando fechou o Zé da Ana, o clássico, o gourmet, instalou-se na vila um sentimento de orfandade e luto cerrado e Torres Novas nunca mais foi a mesma. É verdade que a elitista taberna do Bué já tinha encomendado a alma há muito, bem como o inesquecível “reservado” do Café Portugal, para não falar da adega do Valeriano do Solar do Melro e outros botecos menos conhecidos. Mas o Zé da Ana era o último e fiel representante dessa estirpe de nobres petisqueiros e encarnava, ele próprio, os elevados princípios dessa plebeia aristocracia da patuscada.
Mestre Zé dominava a sala, os pedidos e as ansiedades dos clientes como antes disso era o senhor do meio campo dos “amarelos”, a distribuir jogo quase de olhos fechados, nas calmas, sem alaridos, bola a pingar para o tiro do Matos ou a cabeça do Nabiça. Era esse o jogo, na prestigiada casa de pasto: ninguém levantava cabelo e não havia privilégios. Mestre Zé dobrava-se perante o rigor e não vacilava nunca. Era por ordem de chegada e essa sequência aparentemente confusa do entra e sai que durava até às duas e picos, hora de fechar a porta, não o atrapalhava. Como um moderno computador, ele registava na cabeça essa ordem tão complexa como a arquitectura dos planetas, mais os pedidos. Não adiantava falar, Mestre Zé avisava a malta só com o olhar e cada olhar era um decreto com força de lei.
Então o jogo do Zé da Ana (José Pedro, se faz favor) era outro: por falar em bola, aquilo era de outra galáxia e assentava num quarteto ímpar: o carapau de escabeche, o pastel de bacalhau, a costoleta panada e o queijo amanteigado, a que se juntava o vinho que mestre Zé transportava do depósito que tinha no Lamego, mesmo em frente do Almonda Parque onde tinha conhecido a glória. Era do Cartaxo, mas do bom, e foi assim durante anos. Quem nunca provou os pastéis de bacalhau ou os carapaus que desciam do piso de cima, os deuses a tenham em descanso, Carolina querida, não sabe o que é nada.
Os tempos são outros, entretanto. Agora é tudo mais à moderna e é mais difícil convencer as gentes do petisco a sair de casa ou a demorar-se até lá chegar. Ir atrás dos vinhos e encontrar uma mesa repleta de pequenas iguarias pode ser uma agradável surpresa. A ideia da petisqueira “Atrás dos Vinhos” surgiu há dois anos, “com o objetivo de oferecer a Torres Novas um ponto de encontro intimista e familiar, onde depois do trabalho os amigos ou a família se podem reunir para degustar um bom vinho e experimentar os petiscos” do David Policarpo, conta o próprio. David é um apaixonado pela cozinha desde a infância (aos nove anos já fazia bolos e tartes para restaurantes em Évora, tendo-se formado mais tarde na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril).
Filho de mãe francesa e de pai alentejano, a sua cozinha combina pratos que vão desde a sopa de tomate à alentejana ou açorda alentejana, passando pela tartiflette ou o cassoulet (de origem francesa) e acabando num sericá ou num clafoutis. Mas há muitas mais coisas bem portuguesas, conforme a ocasião: queijos e enchidos, favas, ovos…
David trabalha com a mulher, Marta Nunes Ferreira, uma historiadora de Arte com experiência em hotelaria adquirida em Évora – cidade Património Mundial. A sua sensibilidade artística faz com que artistas locais se apropriem naturalmente do espaço, onde deixam em depósito as suas obras. Outros deixam cantigas e folguedos, que a casa apadrinha essas celebrações mais festivas e calorosas.
A cozinha é aberta: a ideia é quebrar as fronteiras habituais entre cliente e quem recebe, “em ambiente de descontracção onde as amizades vão despontando e as conversas vão buscar, por vezes, as memórias gastronómicas de clientes”, assegura David. Os clientes, aliás, são um referencial importante para este casal ir aprendendo o que as pessoas gostam de forma genuina, porque lhe trazer à memória sabores da infância ou das zonas de onde são originárias.
Resta dizer: o “Atrás dos Vinhos” localiza-se na rua de “Trás-os-Muros”, que se abre a partir do túnel da 1.º de Dezembro em direcção ao castelo, logo a seguir àquela patusca carranca de sorriso enigmático que atiçou a curiosidade de gerações de torrejanos. E está aberto todos os dias, excepto ao domingo, entre as 18 e as 23 horas.
Salvé David, salvé Marta! Que sejam longos os dias deste abraço forte e tranquilo do quente Alentejo a esta vilória adormecida aos pés do velho castelo moirisco. J.C.L

 

 

 Outras notícias - Sociedade


JORNAL TORREJANO de luto: morreu Joaquim da Silva Lopes »  2019-01-17 

Joaquim da Silva Lopes, primeiro director desta série do JORNAL TORREJANO, tinha 72 anos e era natural de Curvaceiras (Paialvo, Tomar).

Radicado em Torres Novas desde o início da década de 70 do século passado, residira entretanto durante alguns anos em Riachos, onde colaborou estreitamente com o jornal “O Riachense”, de que foi sub-director.
(ler mais...)


Constância: mais de 100 mil euros para criar espaço multiusos no centro da vila »  2019-01-14 

Estão a decorrer obras de remodelação do Largo Cabral Moncada, no centro de Constância, com o objectivo de o transformar num espaço multiusos, informou a câmara municipal em comunicado. Na mesma informação prestada pelo município, lê-se que a solução encontrada foi objecto de uma “reflexão cuidada” e a ideia é transformar aquele ermo num novo “cartão de visita”.
(ler mais...)


Alcanena: antigo “kalifa” subiu ao palco do São Pedro »  2019-01-11 

O Cine-Teatro São Pedro recebeu, no dia 5 de Janeiro, com casa cheia, o concerto de Ano Novo pela filarmónica da Sociedade Musical Mindense, dirigida pelo maestro João Carlos Roque Gameiro. O concerto contou com a participação de três gerações de percussionistas: Rui Venâncio, Isaac Achega e José Pedro Menezes.
(ler mais...)


Águas do Ribatejo reforça abastecimento no concelho de Torres Novas »  2019-01-11 

Ampliação do reservatório do Cerejal custa cerca de um milhão de euros e vai aumentar cinco vezes a reserva de água para a cidade e lugares envolventes

 As obras de construção de duas novas células junto do reservatório do Cerejal, em Torres Novas, estão em curso, prevendo-se que a empreitada esteja concluída no último trimestre de 2019.
(ler mais...)


Barquinha: Ilha de Almourol requalificada para acolher melhor os visitantes »  2019-01-10 

Os mais de 70.000 visitantes anuais do castelo de Almourol, concelho de Vila Nova da Barquinha, tem agora melhores condições de segurança e conforto para visita ao monumento nacional como fim das obras de valorização e arranjo paisagístico da ilha, esclarece uma nota da autarquia.
(ler mais...)


Rodoviária do Tejo: sindicatos anunciam greve para amanhã »  2019-01-02 

Segundo uma nota da estrutura distrital da CGTP, vai ter lugar amanhã, dia 3 de Janeiro, com prolongamento até ao final do dia 4, a greve dos trabalhadores das empresas Rodoviária do Tejo e Rodoviária do Lis.

A complementar esta forma de luta, diz a CGTP, estão a ser organizados pelo Sindocato dos Transportes, sindicato afecto à CGTP-IN, piquetes de greve nas principais filiais de ambas as empresas no distrito de Santarém, adiantando que os trabalhadores vão deslocar-se para a sede do Grupo Barranqueiro (Lisboa), onde se concentrarão em protesto.
(ler mais...)


Novo ano com fogo e luz em Torres Novas e na Chamusca »  2018-12-30 

A chegada do novo ano, em Torres Novas, vai ser assinalada na praça central da cidade, onde a partir das dez horas da noite deverá iniciar-se a animação musical. À meia-noite, as atenções vão estar viradas para o castelo, de onde será lançado fogo-de-artifício.
(ler mais...)


Torres Novas: Anonymous for the Voiceless vão estar na praça, amanhã »  2018-12-28 

Ligado a ideias ambientalistas e de defesa dos animais, com forte empenho na defesa de uma alimentação vegan (que rejeita a inclusão de produtos de origem animal), o grupo Anonymous for the Voiceless vai estar amanhã, sábado, pelas 15 horas, na praça 5 de Outubro, para uma acção de divulgação.
(ler mais...)


50 anos do Zeca em Lapas evocados em dois concertos na sexta à noite »  2018-12-26 

A passagem dos cinquenta anos do concerto de José Afonso nas grutas de Lapas (28 de Dezembro de 1968) vai ser assinalada em Torres Novas por duas iniciativas, no mesmo dia, à mesma hora.

O grupo LaFontinha tinha anunciado há mais de um ano e divulgado num semanário local, há cerca de três meses, a realização de um concerto para celebrar a efeméride, e era intenção do grupo realizá-lo exactamente nas grutas de Lapas.
(ler mais...)


Barquinha: posto de carregamento de veículos eléctricos já funciona »  2018-12-19 

Já pode carregar o seu automóvel eléctrico no centro histórico de Vila Nova da Barquinha, anuncia a autarquia em nota de imprensa. Hoje, 19 de Dezembro, entrou em funcionamento o novo carregador rápido (20 – 30 minutos) de veículos eléctricos instalado na Rua Marechal Carmona, em frente à igreja matriz, com capacidade para dois veículos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2018-12-19  Barquinha: posto de carregamento de veículos eléctricos já funciona
»  2019-01-17  JORNAL TORREJANO de luto: morreu Joaquim da Silva Lopes
»  2018-12-19  Destilaria da Brogueira: passagem de ano com o Fatias de Cá
»  2018-12-26  50 anos do Zeca em Lapas evocados em dois concertos na sexta à noite
»  2018-12-28  Torres Novas: Anonymous for the Voiceless vão estar na praça, amanhã