• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 16° / 6°
Céu nublado
Sex.
 15° / 7°
Períodos nublados
Qui.
 15° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  13° / 9°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Casa Espanhol encerrou: o eterno adeus ao comerciante mais antigo de Torres Novas, que o "Canja" continua fino

Sociedade  »  2018-05-30 

João José Lopes trabalhou na loja quase 78 anos

 

Mais de cem anos depois, se contarmos o tempo em que a loja esteve na cave do velho teatro Virgínia, encerrou as portas a Casa Espanhol, em Torres Novas. Na quarta-feira, dia 30 de Maio de 2018.

Tudo começou numa pequena loja que pouco mais era que um corredor, sob o velho teatro Virgínia, paredes meias com a Praça do Peixe, na rua Nova. Ali teve início, no princípio do século XX, um pequeno negócio de amola facas e tesouras, que era propriedade de um cidadão espanhol. Já então era a “loja do espanhol”.

No início dos anos XX chega a Torres Novas o cidadão espanhol Juan Lopez, com a sua roda de amolador, depois de uma temporada em Mira de Aire, onde conhecera a mulher que com ele havia de casar. Era de Laña del Monte, perto de Orense, na Galiza. Não fugiu da guerra civil, como se escreve amiúde por aí – o conflito que ensanguentou a Espanha só teria início em 1936.

Nessa altura, anos 30, já Juan Lopez tinha há muito a loja do seu velho conterrâneo, que lha havia passado por questões de afinidade, de pátria e de ofício. E, em 1929, já lhe tinha nascido em Torres Novas, ali bem perto da praça do peixe, no bairro de Valverde, João José Lopes, o segundo filho – primeiro tinha nascido a irmã, Lucília. Quando Juan Lopez morreu, em 1940, a pobreza assolava o país, a vila e em especial aquela família. Com 11 anos, João José Lopes não teve outro remédio: no dia seguinte ao enterro do pai, a mãe entregou-lhe a chave da loja e ele foi abri-la. Começou a trabalhar na loja. Onze anos e a sustentar a família. Não parou até hoje. Quase 78 anos de trabalho.

Mudada para a rua Carlos Reis a escassos metros do seu local inicial, a Casa Espanhol foi durante décadas referência comercial na sua área. Na zona, eram poucos e cada vez menos os artesãos especializados em cofres e fechaduras, ou na arte de afiar lâminas de tipografia, um dos ramos de negócio que foi determinante na sobrevivência da loja. Nos anos 70, a Casa Espanhol vendia, para além de guarda-chuvas e uma gama vasta de produtos de cutelaria, vidros e objectos de decoração. A produção de chaves era massiva (não havia mais nenhuma loja na vila e arredores), muita gente mandava arranjar guarda-chuvas, as tesouras de poda e de tosquiar eram negócios fortes e sazonais, havia muitas tipografias e pequenas gráficas e, na arte de abrir cofres e resolver problemas difíceis com fechaduras, não havia artista como o João José Lopes, o “João Espanhol” para os torrejanos e terras em redor.

A abertura dos mercados nos anos 80, o fim de muitas tipografias, os hábitos de consumo que ditavam novas regras (já não se arranjavam guarda-chuvas como antigamente, as tesouras e facas começaram a usar-se e deitar-se fora), a importação massiva de guarda-chuvas mais baratos e de fraca qualidade oriundos de mercados emergentes, foram o cenário perfeito para que a Casa Espanhol começasse a perder a importância comercial que tivera.

A loja, propriedade de João José Lopes e de seu irmão Manuel Joaquim Lopes, nunca deu para enriquecer ninguém. Mas, nos últimos 20 anos, o negócio mal dava para pagar à empregada, quando dava. Com 88 anos feitos neste mês de Maio, há muito que João Espanhol poderia ter fechado a loja, mas quis resistir até poder. O trabalho foi para ele uma questão vital, de sobrevivência física, uma estratégia de luta contra a ordem natural das coisas. Só a debilidade da sua saúde, que se acentuou há pouco mais de ano e meio, levou João Espanhol a encarar, embora com dificuldade, o fecho de uma loja que foi mais que uma vida. Nela trabalhou quase 80 anos, uma raridade em qualquer parte do mundo nos tempos que correm e muito mais nos outros, quando a esperança de vida não permitia estas missões de longo curso. Na quarta-feira e último dia desta incrível caminhada, não é dia de descanso: há muito trabalho ainda por acabar para os últimos clientes, diz o João Espanhol.

Para Torres Novas, representa o fim da actividade profissional do mais antigo comerciante da cidade e o encerramento de portas de uma das três lojas mais antigas. Mais que isso, o fim da presença diária de uma figura humana que é uma referência de um tempo longo, de um tempo em que a vila era habitada e tinha gente com vida e com história.

A outra “Casa Espanhol”

A loja do João Espanhol não era apenas um espaço comercial. Foi desde sempre uma tertúlia aberta à passagem diária e ao convívio de amigos, muitos, que o João Espanhol tinha e tem. Desde o início dos anos 70, ali se alinhavam as pequenas conspirações da luta contra o regime: a Casa Espanhol era uma espécie de sede autorizada da oposição. Com a democracia, passou a ser igualmente um entreposto logístico do PCP, de que nunca o João Espanhol escondeu simpatias. Ali se ia buscar o “Avante” ou as entradas para a festa, na loja se faziam inscrições para os almoços do 25 de Abril, ali o “Canja” tinha uma espécie de capelinha dedicada aos políticos da sua devoção, com cartazes e retratos de Álvaro Cunhal ou Fidel Castro.

Este cenário politizado nunca foi impeditivo para os amigos do João Espanhol, o "Canja": sabiam-no um homem de convicções mas, mais que isso, um homem de grande generosidade, amigo dos seus amigos. Com ele, o abraço, a amizade e a alegria de viver estavam primeiro que a política. Por isso trabalhou tanto e tanto tem vivido.

Ali naquela loja estava também uma pequena exposição documental da segunda vida do João Espanhol, que ele teve uma segunda vida: a de artista das canções, campeão de Portugal das cantigas no concurso “À procura de uma estrela”, vocalista do conjunto Níger durante décadas. Mas essa história dava um livro. J.C.L.

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


ENTREVISTA: Rosário Marcelino, primeira presidente da Banda Operária »  2018-12-11 

Rosário Marcelino, mulher, mãe, trabalhadora e presidente da BOT:

 “Com esta acumulação de funções alguém tem ficado para trás. E é sempre a família que fica

 Maria do Rosário Nalha Marcelino tem 50 anos, é natural da Chamusca e viveu em Lisboa até aos 17 anos, altura em que se mudou para Torres Novas.
(ler mais...)


Renova apresenta livro em Espanha sobre instalação com rolos de papela higiénico de 20 quilómetros »  2018-12-11 

   Com vídeo 

A Renova apresenta na próxima quinta-feira, dia 13, o livro “Explosão de Cor RAL 7”, na Escola de Design de Sevilha, uma obra que resulta do trabalho de uma equipa de professores e de estudantes do último curso de Design de Interiores.
(ler mais...)


Renova apresenta livro em Espanha sobre instalação com rolos de papela higiénico de 20 quilómetros »  2018-12-11 

A Renova apresenta na próxima quinta-feira, dia 13, o livro “Explosão de Cor RAL 7”, na Escola de Design de Sevilha, uma obra que resulta do trabalho de uma equipa de professores e de estudantes do último curso de Design de Interiores.
(ler mais...)


Ambiente: ProTejo prepara manifestação em defesa de activistas processados »  2018-12-11 

Ainda não se sabe bem como, nem quando, mas o movimento ProTejo pretende organizar uma manifestação em em defesa de activistas ambientais que enfrentam processos judiciais. Activistas que têm dado voz e o peito às balas relativamente a problemas ambientais, nomeadamente focos de poluição no rio Tejo e seus afluentes.
(ler mais...)


Alcanena: “Aquanena” deverá ser o nome da empresa municipal de águas e saneamento »  2018-12-11 

Depois de uma primeira tentativa falhada, a câmara e assembleia municipal de Alcanena aprovaram o nome da recém criada Empresa Municipal de Águas e Saneamento de Alcanena E.M., S.A.. Aquanena é o nome desta nova entidade jurídica, que aparece para fazer a gestão destes serviços que estavam entregues à Austra e Luságua.
(ler mais...)


Constância mantém qualidade de água “exemplar” »  2018-12-11 

O município de Constância mantém o selo de qualidade exemplar de água para consumo humano, atribuído pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), refere a autarquia em comunicado de imprensa.
(ler mais...)


Recolha de sangue em Parceiros de Igreja »  2018-12-11 

A Associação de Dadores de Sangue de Torres Novas, em colaboração com o motoclube “Os Marzias” de Parceiros de Igreja (Torres Novas), promove mais uma colheita de sangue no próximo dia 16 de Dezembro, entre as 9 e a 13 horas, na sede dos motards, em frente ao edifício da junta de freguesia.
(ler mais...)


Ponte da Bácora: obras ainda não começaram, mas custos já aumentaram 30% »  2018-12-10 

 

Mais de 120 mil euros (até ver) para uma ponte pedonal secundária parecem não comover a maioria socialista, que não encontra outras prioridades para gastar o dinheiro do município.

O projecto do PEDU para a zona da Bácora e respectiva ponte e para o que resta da margem do rio na antiga Horta das Pedras, onde pomposamente se quer instalar o “parque Almonda”, foi mote para alguma discussão na reunião camarária de 21 de Novembro.
(ler mais...)


Alcanena: câmara facilita acesso a medicamentos »  2018-12-07 

Realizou-se, no passado dia 28 de Novembro, a assinatura do protocolo do “Programa abem: Rede Solidária do Medicamento”, celebrado entre a Associação Dignitude e o Município de Alcanena, com a presidente da Câmara de Alcanena, Fernanda Asseiceira, a representar o município e Maria de Belém Roseira, ex-ministra, a Associação Dignitude, tendo a sessão contado também com a presença e a intervenção do Director da Segurança Social de Santarém, Renato Bento.
(ler mais...)


Barquinha: Loja Social promove venda de Natal »  2018-12-06 

A Loja Social de Vila Nova da Barquinha vai promover, juntamente com os seus parceiros, uma venda de Natal que se irá realizar entre os dias 17 e 22 de Dezembro de 2018, na Rua Dr. Barral Filipe, n.º 21, junto à Estação dos CTT de Vila Nova da Barquinha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2018-11-27  Morreu João Manuel Henriques (“Sapateiro”)
»  2018-11-12  Vêm aí as couves com feijões de Torres Novas
»  2018-11-23  Aprovado o estudo prévio para a reabilitação da Levada/Caldeirão
»  2018-11-15  Barquinha: “o valor do sal”
»  2018-11-13  Morreu Adelino Bairrão Pinho