• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Abril 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 17° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 13° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Seg.
 20° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 11°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Torres Novas: Tribunal de Contas recusa visto e insiste na dissolução da empresa municipal Turrisespaços

Sociedade  »  2014-08-22 

Deliberações da câmara e da assembleia municipal sobre o contrato programa para 2014 e sobre o PAPAF são consideradas nulas pelo TC, que aponta um sem número de violações à lei. Câmara apresentou ao TC estudo assinado por um antigo autarca condenado a pena de prisão por crimes de peculato. Maioria socialista vai ter de dissolver a empresa.

Em decisão tomada no dia 12 de Agosto, o Tribunal de Contas volta recusar o visto prévio ao contrato programa celebrado entre o município de Torres Novas e a empresa municipal Turrisespaços para 2014 e defende que a empresa já devia ter sido extinta. O Tribunal vai mais longe e diz que as decisões da câmara municipal e da assembleia municipal, de aprovação do contrato-programa e do contrato de prestação de serviços (PAPAF) para 2014, são nulas e que foram violadas uma série de normas legais relativas ao regime jurídico do sector empresarial local e também do POCAL.

Recorde-se que, face à recusa do visto do Tribunal de Contas comunicada no passado mês de Junho, a câmara não aceitou a sugestão do TC de ponderar a dissolução da empresa. Em vez disso, tentou, à última hora, defender a tese de que a empresa está a caminho da sustentabilidade e pediu um parecer à empresa BDO, que juntou à resposta que deu ao TC já em finais de Julho, argumentando que iria proceder a uma remodelação da empresa, nomeadamente com o regresso de equipamentos como as piscinas e o teatro Virgínia para a propriedade do município. O estudo da BDO é assinado por Fontão de Carvalho, ex-vice presidente da câmara de Lisboa no tempo de Carmona Rodrigues, um revisor oficial de contas que, nesse cargo de autarca, foi condenado em 2010 a um ano e meio de prisão, com pena suspensa, por crimes de peculato.

A resposta do TC é clara e desmonta a tese da sustentabilidade da Turrisespaços, demonstrando que o contrato de prestação de serviços (PAPAF-Programa de Apoio à Actividade Física e Desportiva) é, na prática, mais um subsídio à exploração encapotado, pelo que o rácio entre receita própria da empresa e transferências financeiras do município não está próximo dos 50%, como consta na contabilidade apresentada, mas abaixo dos 40%, claramente aquém da margem prevista na lei, retirando-se que a empresa está longe de cumprir os parâmetros exigidos para a sua continuidade.

O Tribunal refuta a natureza do PAPAF, tal como esse programa é apresentado, dizendo que é mais um subsídio à exploração para atingir de forma tortuosa os parâmetros legais exigidos, e insiste na ilegalidade das deliberações da câmara e da assembleia, nomeadamente da retroactividade dessas mesmas decisões, pelo facto de, aquando da aprovação do contrato de prestação de serviços, em Dezembro de 2013, se remeter para despesas de actividades desenvolvidas desde o mês de Setembro anterior.

O TC refere ainda que foram violadas diversas normas legais de execução financeira, com a autorização e aprovação de contratos sem prévia cabimentação da despesa e sem o visto prévi o TC recorda que um contrato-programa remete sempre as suas consequências para o futuro e não pode ter efeitos retroactivos.

Com esta decisão do TC, que ainda podia ter recurso, parece ser o fim de linha da empresa municipal Turrisespaços, restando agora à câmara municipal de Torres Novas proceder à internalização dos trabalhadores e das actividades desenvolvidas pela empresa, solução sempre rejeitada por Pedro Ferreira e defendida há muito pela oposição.

Na realidade, Pedro Ferreira já anunciou que a maioria socialista não vai recorrer da decisão do Tribunal de Contas e que, ao abrigo da lei, vai proceder-se a concursos que permitam a integração dos 17 trabalhadores da Turrisespaços nos serviços municipais, já que os restantes fazem parte do quadro do município.

 

Pedro Ferreira: actividade do Teatro Virgínia não fica comprometida

O presidente da câmara de Torres Novas garante que a programação do teatro Virgínia e a actividade futura prevista para aquele equipamento cultural não vão ficar em causa com a dissolução da Turrisespaços. ”A internalização, no município, do pessoal e actividades da empresa municipal, estão previstas na lei e a estratégia estará montada para não inviabilizar essas actividades”, diz Pedro Ferreira, lembrando que ”a Feira dos Frutos Secos já fora entretanto assumido ser o município a realizar, face ao processo em curso com o TC e que poderia comprometer a sua realização, que estava já tão perto”.

Quanto ao ”estudo” apresentado pela câmara ao TC e que não foi tido em conta para a decisão do tribunal de recusar o visto ao contrato-programa com a Turrisespaços, Pedro Ferreira reconhece que o ”apelo ao TC” foi consubstanciado em metas projectadas e que ”estava consciente de que o TC poderia não tomar em consideração um novo modelo contabilístico para a empresa municipal”. Mas como outros municípios também o fizeram, o autarca diz que quis ”defender a empresa municipal até ao fim” por acreditar nela ”como modelo dinamizador, em Torres Novas, do Teatro Virgínia, e das actividades desportivas e outros eventos”.

Quanto ao processo de dissolução da empresa e à internalização do pessoal e das actividades na estrutura do município, o presidente da câmara disse ao JT que, ”podendo [o processo] não ficar de imediato concluído, as principais deliberações da câmara e assembleia municipal ocorrerão ainda em Agosto e início de Setembro”.

 

Oposição já não acreditava

Entretanto, a oposição não deu qualquer crédito à resposta da maioria socialista ao Tribunal de Contas e ao ”estudo económico” em que a resposta se baseava, cenário que viria a confirmar-se inteiramente, com o acórdão do TC a dar razão a muitas ”teses” já avançadas pelo BE e CDU e pelas opiniões que a vulso iam sendo manifestadas pelo PSD. Na reunião em que a maioria PS apresentou a resposta que iria seguir para o TC, os comunistas consideravam que o documento, ”não só vinha desrespeitar a decisão do TC, que, claramente não vai visar a empresa municipal”, mas vinha também ”pedir a esse órgão de soberania, que se esqueçesse (para não utilizar outras expressões) da legislação em vigor, o que é uma situação bem mais grave”. A CDU recordava que, desde Setembro de 2013 a Câmara Municipal deveria ter ponderado a dissolução da empresa municipal. ”Desde essa data, até ao dia de hoje, foram trocados inúmeros ofícios entre as duas entidades, sem que a vereação da oposição alguma vez tenha sido auscultada”: queria agora a maioria PS que toda a vereação deliberasse ”um ofício de resposta ao TC?”

Na mesma reunião de 6 de Agosto, pela voz de Graça Martins, em substituição de Helena Pinto, o BE repetia a sua posição de sempre: ”As funções atribuídas à Turrisespaços são da competência da Câmara Municipal e podem ser exercidas por ela”, lembrando que os bloquistas sempre foram muito críticos sobre a sua gestão, baseados na análise detalhada dos documentos contabilísticos e respetiva fundamentação programática, e sempre afirmaram que ”o futuro da empresa deveria passar pela internalização dos respetivos serviços e dos seus trabalhadores”. ”A maioria socialista assume alguns erros do passado em termos de relacionamento e gestão da Turrisespaços, mas não tira as consequências devidas e tenta manter a empresa com base num modelo frágil e confuso, que não garante o cumprimento dos critérios da Lei no futuro, pois muita coisa fica por esclarecer e não serve os interesses do Município” dizia o BE, acrescentando que, em vez da resposta ao TC, se deveria ”proceder de imediato à internalização dos serviços e dos trabalhadores/as da Turrisespaços, promovendo a estabilidade necessária para que se possam desenvolver as atividades culturais e desportivas já agendadas e futuras”, antevendo a decisão que o Tribunal iria tomar.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Associação do Património denuncia abate de choupos na Ribeira »  2019-04-17 

 Ontem, dia 16 de Abril, foram cortados pela base vários choupos em bom estado, junto ao mouchão do rio Almonda, na ponte entre as Ribeiras. Mais cinco árvores estarão marcadas para abate, todas árvores de grande porte, sem sinais evidentes de doença ou secura, e com funções ecológicas relevantes, denuncia a Associação do Património de Torres Novas em comunicado de hoje, 17 de Abril.
(ler mais...)


Associação Protectora dos Animais tem novos corpos sociais »  2019-04-06 

Foram eleitos ontem, dia 5 de Abril. os novos órgãos sociais da Associação Protectora dos Animais de Torres Novas (APA) para o triénio 2019-2022. A direcção continua a ser presidida por Rosário Pires Bento, que lidera a APA desde 2013, anuncia nota de imprensa da associação.
(ler mais...)


Pedro Triguinho absolvido em processo da Fabrióleo »  2019-03-22 

Pedro Triguinho, activista do movimento ambientalista Basta!, de Torres Novas, foi absolvido na sexta-feira, no Tribunal de Torres Novas, num processo em que era acusado de difamação por uma então administradora da empresa Fabrióleo, que lhe moveu a acção a título pessoal.
(ler mais...)


Pias Longas: trabalhos no aterro continuam, vereador do ambiente nada diz »  2019-03-13 

Os trabalhos relacionados com a ampliação do aterro do topo sul da pista do aeródromo de Pias Longas, situado na fronteira entre os municípios de Ourém e Torres Novas, continuam em marcha, isto apesar de uma fiscalização da câmara de Torres Novas ter confirmado, logo na altura da denúncia por este jornal, que milhares de toneladas de pedras e terra estavam a ser despejadas para dentro da território do concelho de Torres Novas numa área de elevado potencial ambiental e que integra a Reserva Ecológica Nacional.
(ler mais...)


Alterações climáticas: Maria Lamas promove aula aberta no auditório municipal »  2019-03-08 

Dando sequência a idêntica iniciativa do ano transacto, a escola Maria Lamas volta a promover uma aula aberta, desta vez no auditório municipal (edifício da biblioteca Gustavo Pinto Lopes), e sob o tema “Alterações climáticas e biodiversidade”.
(ler mais...)


O triunfo dos porcos: só câmara pode impedir mega-suinicultura »  2019-03-04 

Depois de amanhã, o executivo municipal vai ser chamado a deliberar sobre um assunto de enorme importância ambiental para o concelho: a instalação de uma suinicultura na Quinta de Caniços, freguesia de Brogueira, a dois passos da Reserva do Paul e perto de povoações.
(ler mais...)


Maioria quer gastar mais de 600 mil no Rossio em mais uma obra inútil »  2019-02-28 

Não se pinta um único banco de jardim há anos, as pontes do jardim das rosas estão interditas, à volta do castelo é só ruína, há calçadas e passeios escavacados por todo o lado, nada é mantido.
(ler mais...)


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-03-22  Pedro Triguinho absolvido em processo da Fabrióleo
»  2019-04-06  Associação Protectora dos Animais tem novos corpos sociais
»  2019-04-17  Associação do Património denuncia abate de choupos na Ribeira