• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 21 de Agosto de 2018
Pesquisar...
Sex.
 35° / 19°
Céu limpo
Qui.
 37° / 19°
Céu limpo
Qua.
 38° / 19°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  38° / 21°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Fabrióleo: IAPMEI propõe encerramento, empresa vai contestar

Sociedade  »  2018-02-15 

Vistorias do passado mês de Janeiro foram conclusivas:

A edição on-line do semanário Expresso, de 30 de Janeiro, lançou a confusão generalizada ao dar como certa a ordem de encerramento da Fabrióleo por parte
do Governo. Na sua edição de papel, alguns dias depois, o semanário de Balsemão não escreveu uma única linha sobre tão badalada “notícia”, focando-se apenas no
“caso Celtejo”. Mas o relatório do IAPMEI propõe mesmo o encerramento da empresa, que nos últimos dias distribuíu milhares de cartas pelo concelho a querer demonstrar as suas razões.

O Expresso, jornal de Lisboa, citava fontes do governo e da APA, Agência Portuguesa do Ambiente, e adiantava que a ordem de encerramento se devia a falta de licença de laboração por parte da empresa sediada em Carreiro da Areia, Torres Novas. O Expresso tinha tido acesso, afinal, ao relatório final o IAPMEI relacionado com as diversas vistorias realizadas nesse mês de Janeiro, relatório com data de 29 de Janeiro, e que propõe, efectivamente, o encerramento da Fabrióleo.

Tendo o relatório, documento interno e então ainda longe de ser tornado público, a data de 29 de Janeiro, é claro como a água que qualquer garganta funda de corredor soprou para o Expresso o teor do mesmo, e que o semanário extravazou o alcance do seu conteúdo concreto, levando jornais nacionais e televisões ao engano, quando anunciaram, uns mais assertivos que outros, que o Governo tinha encerrado a Fabrióleo. Nada de mais exagerado.

Aliás, e como o JT alertou na sua edição on-line, os contornos da notícia não eram claros, “até porque não se adiantava o modo como a decisão do Governo se materializaria, nomeadamente se ela teria efeitos antes de uma decisão judicial ou se o executivo iria impor uma medida arbitrária, alegando a gravidade da situação em que labora parte das instalações sem licença”, como então se escreveu.

A empresa veio logo afirma que não tinha recebido qualquer ordem de encerramento e que tudo fazia parte de uma campanha discriminatória contra a Fabrióleo, adiantando que, ao contrário do que dizia a notícia do Expresso, “tem todas as licenças necessárias para laboração”. Nesse dia, 30 de Janeiro, é bastante provável que a empresa não tivesse ainda recebido qualquer notificação acerca do relatório com data do dia anterior, o que lhe permitiu reagir sem negar o essencial.

Proposta: encerrar


Na verdade, o relatório do IAPMEI, organismo público a quem compete propor medidas como o encerramento de unidades fabris, reunia uma série de informação e argumentário de vistorias de outras entidades, realizadas nesse mês de Janeiro, da área da saúde, do ambiente, da administração dos recursos hídricos, entre outras, e, é claro, da autarquia local, a câmara de Torres Novas.

Na sua vistoria realizada no dia 23 de Janeiro, a pedido do IAPMEI, os serviços camarários constataram “o aumento da área edificada do estabelecimento industrial desde as vistorias realizadas em 2015”, realçando que a Câmara Municipal não licenciou quaisquer operações urbanísticas referentes ao estabelecimento industrial existente, localizado na povoação de carreiro da Areia e que é atravessado por uma via pública, Rua Pinhal do Conde, vincando que a povoação “sofre impactes significativos inerentes ao tráfego de veículos pesados, quer associado às operações de carga e descarga, quer das movimentações internas do próprio estabelecimento situadas de um e outro lado da citada rua.

A autarquia torrejana adianta claramente que nos termos do disposto no Plano Diretor Municipal de Torres Novas (PDMTN) não é viável o licenciamento ou legalização do estabelecimento industrial existente, salientando que ele está maloritariamente integrado em Reserva Agrícola Nacional e parte da área está simultaneamente incluída em Reserva Ecológica Nacional (REN) que corresponde à zona onde se situam as lagoas e parte das ETAR’s.

Os serviços municipais concluem, categoricamente, “que o licenciamento/legalização do estabelecimento industrial existente, dado o incumprimento do disposto no Plano Director Municipal de Torres Novas (PDMTN), não é resolúvel”, sendo aplicáveis as medidas adequadas de tutela e restauração da legalidade urbanística, por outras palavra, o desmantelamento das construções fabris não licenciadas.

E foi com base na vistoria da câmara e das outras entidades que o IAPMEI formulou finalmente a sua proposta, considerando as pronúncias das entidades presentes em vistoria, das quais releva as posições, vinculativas, da Cãmara e da APA/ARH Tejo.

Conclui o IAPMEI “que impendem sobre a localização do estabelecimento desconformidades que, nos termos do disposto no Plano Diretor Municipal de Torres Novas (PDMTN) não é viável o licenciamento/legalização do estabelecimento industrial existente, reconhecendo a tese da câmara que o licenciamento/legalização do estabelecimento industrial existente não é resolúvel.
Conclui ainda o IAPMEI que a entidade com competência em razão da utilização dos recursos hídricos, “a APA-ARH Tejo considera, com os fundamentos que constam do respectivo parecer, não estarem reunidas condições para que a Fabrióleo continue a operar a instalação”.

O organismo governamental admite estarmos perante uma situação que conduzirá o IAPMEI a determinar a aplicação de medidas cautelares, “nomeadamente a determinação do encerramento da exploração da instalação industrial”, devendo no entanto ser ouvido o operador em audiência prévia nos termos da legislação aplicável.

Fabrióleo vai contestar

Entretanto, a Fabrióleo, anunciou de imediato que vai contestar as medidas cautelares que incluem o encerramento da exploração, determinadas na sequência das vistorias.
A empresa disse logo que, contrariamente a informações que foram veiculadas publicamente, a unidade não foi encerrada e vai exercer o direito de contraditório, “estando a preparar a argumentação, com o apoio dos especialistas que a têm assessorado no esforço de melhorar o seu desempenho ambiental”, para “desconstruir” o processo e “minimizar os impactos negativos” que a forma como foi divulgado provocou.

Em comunicado, a Fabrióleo recorda não existir “nenhuma decisão que ordene a suspensão, o encerramento ou a cessação da sua actividade industrial”, informação que afirma ser “falsa e muito prejudicial ao exercício da sua indústria e ao seu bom nome”.

A empresa reafirma a legalidade da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) biológica, cuja construção foi recomendada pelo IAPMEI, citando uma sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal de Leiria que confirma a emissão da licença, versão contestada pela cãmara que diz nunca ter passado semelhença licença e tendo a juiz dado como existente o documento com base no testemunho oral de uma técnica da câmara, assunto que se esfumou entretanto sem mais esclarecimentos.

A empresa garante ainda ser “falso que a Fabrióleo seja a responsável pelos maus cheiros e poluição. A empresa já comprovou que há, pelo menos, 50 fontes poluentes de várias empresas da região e quanto a isto nada tem sido feito pelas entidades competentes e pela própria Câmara Municipal de Torres Novas”, afirma a nota.

A Fabrióleo considera, ainda, “muito grave o tratamento discriminatório” de que se considera alvo “por parte das autoridades pelas quais a empresa é regulada, principalmente em relação a outras empresas da mesma região que passam incólumes e não estão sujeitas ao mesmo escrutínio e exigências”, com “distorção do normal funcionamento de uma economia de mercado”. No estudo que promoveu, a Fabrióleo diz ter identificadas mais de 50 fontes poluentes de diversas empresas da região, adiantando que é a “única empresa no concelho, além da Renova, com licença de utilização dos recursos hídricos – Rejeição de Águas Residuais, emitida pela APA”.

Próximos episódios

O prazo dado pelo IAPMEI para contestação da proposta de encerramento, por parte da empresa, terá acabado na passada terça-feira. A partir de agora, os organismos governamentais da tutela, em posse dos argumentos apresentados pela empresa, decidirão se mantém a decisão, sendo as instalações encerradas e o assunto encaminhado para os tribunais. Pode também a contestação da empresa ser suficientemente forte e levar administração a recuar e a repensar uma nova forma de abordagem. Mas a verdade é que, parece, impedem sobre a empresa questões de difícil resolução, dados que as instalações em causa, diz a câmara com carácter vinculativo, não serão legalizadas. E este éum argumento imbatível.

A empresa, que tem jogado todo o tipo de trunfos desde que contratou a empresa de advogados da antiga ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cunha, fez distribuir pelo concelho milhares de cartas onde apresenta as suas razões perante todo este imbróglio.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Bombeiros querem mais “meios”, dívida paga, e dizem que obra do quartel pode derrapar »  2018-08-16 

A direcção dos Bombeiros Voluntários Torrejanos reuniu no final de Julho com o presidente da câmara
e com o vereador Carlos Ramos e, segundo nota de imprensa da corporação, os “voluntários torrejanos”
querem mais meios e uma dívida antiga paga.
(ler mais...)


Morreu Carlos Trincão Marques, figura marcante da sociedade torrejana »  2018-08-15 

Nascido em Riachos em 1944, Carlos Trincão Marques morreu na madrugada de  quarta-feira, em Lisboa, onde se encontrava hospitalizado na sequência da doença que o atormentava nos últimos tempos.

Filho do riachense Dr.
(ler mais...)


Torres Novas: piscinas gratuitas no domingo »  2018-08-07 

Para assinalar o Dia Internacional da Juventude, o município de Torres Novas vai promover no próximo domingo, dia 12 de Agosto, uma iniciativa dirigida aos jovens com idades entre os 12 e os 29 anos. As piscinas municipais Fernando Cunha estarão abertas no domingo, das 14 às 19 horas, e haverá animação com o dj set Bomboca & Pirolito.
(ler mais...)


PASSATEMPO: oferecemos 5 passes gerais para o BONS SONS »  2018-07-31 

Aproxima-se o festival Bons Sons e o JORNAL TORREJANO oferece 5 passes gerais para entrada no festival. Para isso, os concorrentes ao sorteio dos passes deverão fazer like no fb do JT, onde decorre o passatempo:

https://www.facebook.
(ler mais...)


Tomar: detido jovem de 22 anos suspeito de atear incêndio »  2018-07-23 

A Polícia Judiciária (PJ) Leiria anunciou a detenção de um jovemd e 22 anos, empregado de restauração, suspeito de ter ateado um fogo em zona florestal em Alviobeira, Tomar. A GNR terá recolhido “importantes meios de prova” que conduziram à detenção do rapaz.
(ler mais...)


Alcanena: reparação da estrada de Minde vai custar mais de 270 mil euros »  2018-07-19 

As obras de requalificação da Estrada de Minde - Serra de Santo António já foram entregues a uma empresa e vão custar ao município 266 mil euros mais o IVA, informa a autarquia em comunicado.

A empreitada da estrada que liga Minde e a Serra de Santo António contempla a reparação de abatimentos e a repavimentação betuminosa de toda a extensão da estrada.
(ler mais...)


Torres Novas: PSD lança campanha sobre mau estado de conservação de estradas »  2018-07-19 

A Comissão Política Concelhia de Torres Novas do PSD lançou uma campanha em que alerta para o mau estado de conservação de algumas estradas do concelho, e colocou quatro outdoors na rua a assinalar isso mesmo.
“Esta campanha pretende evidenciar a falta de capacidade que o executivo (de maioria) socialista da câmara municipal de Torres Novas apresenta, para com os meios próprios municipais e com o orçamento corrente, resolver problemas básicos do concelho”, lê-se numa nota de imprensa.
(ler mais...)


Concelho tem mais uma »  2018-07-17 

Desde hoje, dia 18 de Julho, Torres Novas tem mais uma mulher a atingir a idade de 100 anos: trata-se de Amália Moita, natural de Alcorochel, aldeia onde sempre viveu, apesar de nas últimas décadas passar temporadas também em Torres Novas, em casa de uma das filhas.
(ler mais...)


Escola Maria Lamas: concurso público para primeira fase da obra já divulgado »  2018-07-16 

O anúncio do concurso público da primeira etapa das obras de recuperação da escola secundária Maria Lamas, em Torres Novas, foi publicado em Diário da República do dia 12 de Julho.

O projecto prevê uma intervenção nos balneários e da zona de cozinha e refeitório, no piso 0 do edifício do ginásio, bem como a adaptação dos edifícios às normas legais, nomeadamente nos mecanismos de protecção contra incêndios, bem como as componentes térmica, redes eléctrica, de gás e de água e saneamento.
(ler mais...)


Ribeira da Boa de Água: o perfume especial para as noites de verão »  2018-07-14 

Tudo com dantes na Ribeira da Boa Água, afluente do rio Almonda: a poluição que suscitou, durante todo ano de 2017, muitas lutas e milhares de discursos oficiais, voltou em força, impune, ofensiva, sem vergonha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 10 dias)
»  2018-08-15  Morreu Carlos Trincão Marques, figura marcante da sociedade torrejana
»  2018-08-16  Bombeiros querem mais “meios”, dívida paga, e dizem que obra do quartel pode derrapar