• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 23 de Outubro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 28° / 12°
Claro
Qua.
 27° / 12°
Claro
Ter.
 26° / 12°
Claro
Torres Novas
Hoje  25° / 11°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Helena Pinto, no balanço de quatro anos do mandato: “Valeram a pena quatro anos intensos de acção política”

Sociedade  »  2017-08-04 

Durante os quatro anos deste mandato autárquico, o Bloco de Esquerda fez 36 propostas de agendamento de assuntos para decisão camarária, a enorme distância dos outros partidos da oposição, garantiu Helena Pinto, na “apresentação de contas aos eleitores.”

Das 36 propostas agendadas pelo Bloco de Esquerda ao longo do mandato (contra 13 da CDU e apenas 4 do PSD), 19 foram aprovadas, 13 rejeitadas e 4 estão ainda por decidir: são estas as contas de Helena Pinto, que diz ter valido a pena “a intensa actividade” dos bloquistas entre 2013 e 2017.

Na sessão realizada no sábado no “Atrás das Artes” no passado dia 28, a vereadora fez um longo e detalhado discurso de balanço dos quatro anos de mandato, a que juntou uma descrição exaustiva das propostas políticas do BE, dos assuntos levados aos períodos de antes da ordem do dia das reuniões camarárias (cerca de uma centena e meia), das iniciativas públicas de debate promovidas pelo BE e da acção política mais directa em momentos e temas da política autárquica e da presença dos eleitos do BE na linha da frente das lutas travadas pela população do concelho.

“Também estivemos nas festas, nos bailes, nas quermesses – vivemos esses momentos de distracção e alegria, assim como nunca faltámos quando o povo lutou – fosse em defesa de melhores condições de saúde, fosse em defesa dos salários e postos de trabalho das trabalhadoras das cantinas escolares, nas manifestações dos trabalhadores da administração local pela reposição das 35 horas de trabalho semanal, fosse em defesa do ambiente, contra a poluição da Ribeira da Boa Água – aqui e no Parlamento ou contra a construção da Estação Elevatória na Ribeira”, disse a vereadora do BE em tom de crítica à política da gestão socialista, para precisar que o BE esteve “em todas as ruas, todas as aldeias quando nos chamaram – da rua Shiappa Sousa Faro, a Valhelhas, ao Casal da Pena, a Casais da Igreja para conhecer o sabor do pó no verão e o peso da lama no inverno, fosse a Marruas para verificar com os moradores as dificuldades de chegar a casa, à lixeira da Charneca de Alcorochel, a Riachos percorrendo a variante que tantos perigos encerra, no Carreiro da Areia sentimos o mau-cheiro, vimos o abuso de ocupar uma via pública, denunciámos e exigimos a retirada de arame farpado numa rua pública que a Fabrióleo abusivamente tinha colocado e conseguimos a sua retirada”.

O Bloco, considera, defendeu “a economia e o emprego, quando foi chamado a votar Declarações de Interesse Municipal para a legalização de empresas no concelho, não hesitou e tomou posição votando favoravelmente pela sua regularização, ou contra o interesse municipal para a Fabrióleo e outras situações que legitimam a ilegalidade e abrem excepções como o caso das Carnes TiAntónio ou uma empresa trata resíduos perigosos mesmo no meio de uma aldeia”.

A antiga deputada diz que se assumiu como oposição a uma maioria absoluta que não estava habituada a ser questionada, na obrigação de fiscalizar todas as actividades da Câmara, bateu-se contra a opacidade e a falta de transparência, denunciou o acordo extra-judicial com a Construtora do LENA sobre o parque de estacionamento, o processo complexo com a Rodoviária do Tejo em relação às rendas da central pública de camionagem, as sucessivas decisões favoráveis ao fundo imobiliário Inomovest, o concurso para as aulas de natação, que veio a ser corrigido; a obra do sintético, etc..

Recordou que o BE “participou activamente na elaboração das Áreas de Reabilitação Urbana e propôs a criação para as Lapas e Riachos – que foram aprovadas, mas infelizmente ainda não concretizadas, propôs o Orçamento Participativo, defendeu como a prioridade a recuperação da rede viária de todo o concelho, “contra a opção de gastar meio milhão de euros em 500 metros para construir 4 vias de rodagem na entrada da cidade e deixar o resto do concelho ao abandono”.

“Aproveito para agradecer a todos e todas as funcionários do Município que durante estes 4 anos desenvolveram o seu trabalho como servidores da causa pública, assim como a sua disponibilidade para comigo. Estivemos presentes e saúdo iniciativas de grande valia realizadas no Município como o Prémio Maria Lamas, os encontros de professores do concelho, as exposições e outras iniciativas no Museu e Biblioteca Municipais, a reabilitação da Gruta das Lapas, a edição da Revista Cultural “Nova Augusta”, provavelmente a única revista cultura publicada por uma autarquia. Nunca tivemos problemas em aplaudir as iniciativas que assim o merecem”, registou a vereadora.

Helena Pinto diz que o BE optou por este balanço detalhado do mandato (centenas de páginas que vão estar brevemente na internet em acesso livre, anunciou) porque os órgãos autárquicos de Torres Novas, “por força da maioria absoluta do PS, mantêm uma postura restritiva no que diz respeito à divulgação pública das suas reuniões, dos seus debates, das suas decisões”.

Ao arrepio dos tempos que vivemos, “mantém-se um funcionamento arcaico – sessões da Assembleia Municipal onde o público só vê as costas dos eleitos e eleitas e mal consegue ouvir as suas intervenções, registos áudio que não são divulgados e nem pensar em filmagens. As Câmaras e Assembleias que utilizam os meios existentes das redes sociais e fazem transmissões em directo ou publicam as intervenções dos seus autarcas, não são exemplos a seguir… mesmo as que são vizinhas e de maioria PS, como é o caso de Abrantes. Não será difícil perceber porquê”, remata, recordando que o BE foi o único partido que apresentou propostas, ao abrigo do estatuto de oposição, em todos os orçamentos municipais do mandato, tratou assuntos que tiveram grande impacto na vida municipal, como a dissolução da Turrisespaços, cuja continuidade quis viabilizar em proposta rejeitada pela maioria, foi o único partido a participar na revisão do regulamento de urbanização apresentando um conjunto alargado de propostas.

Helena Pinto diz que, muitas vezes, a principal barreira que encontrou quando quis levantar questões que escondiam más explicações, foi a frase “sempre foi assim,” a segunda foi “é uma situação muito complexa” e a terceira, “estamos obrigados a fazer assim”. “Respondemos dizendo: há sempre soluções. É preciso ter a coragem de as assumir”, conclui a vereadora.

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Insólito: alcatrão arrancado ao fim de três semanas na via João Paulo II »  2017-10-22 

Sem qualquer explicação, em mais de metade do troço do pavimento novo, sentido sul/norte, da via João Paulo II, em Torres Novas, o asfalto foi decapado e isto passados escassos vinte dias da conclusão do referido troço.
(ler mais...)


Torres Novas: caminhada “pela igualdade” »  2017-10-20 

O município de Torres Novas assinala o Dia Municipal para a Igualdade convidando todas as pessoas a participar numa “Caminhada Pela Igualdade” no próximo dia 24 de Outubro (terça-feira), com início pelas 10 horas, no jardim das rosas.
(ler mais...)


Alcanena: caminhada no domingo, dia 22 de Outubro »  2017-10-20 

O programa das caminhadas pelo concelho de Alcanena continua este domingo, 22 de Outubro, em Bugalhos, estando a concentração marcada para as 9 horas, no Largo da Igreja. Esta é uma iniciativa do município, em parceria com a junta de freguesia de Bugalhos, associada à comemoração do Dia Municipal para a Igualdade.
(ler mais...)


Torres Novas: Intermarché ofereceu EPIs aos bombeiros voluntários »  2017-10-20 

O Grupo Os Mosqueteiros, que detém o Intermarché, Bricomarché e Roady, entregaram 1000 equipamentos de protecção individual (EPI) de combate a incêndios florestais a corporações de bombeiros de norte a sul do país, tendo a de Torres Novas sido uma das contempladas, com cinco EPI`s, que foram entregues no dia 19 de Outubro.
(ler mais...)


Torres Novas: CLDS alarga serviços de apoio social »  2017-10-20 

A organização CLDS – Contratos Locais de Desenvolvimento Social -, de Torres Novas, da qual o CRIT é a entidade coordenadora, anunciou a criação de mais dois serviços, um grupo de ajuda mútuo para cuidadores e outro, na área do transporte, a que chamaram “transporte amigo”.
(ler mais...)


Santarém: maior festival nacional de gastronomia já começou »  2017-10-20 

Este vai ser o primeiro de dois fins-de-semana do 37.º Festival Nacional de Gastronomia que decorre até ao dia 29 de Outubro na Casa do Campino, em Santarém. O tema deste ano é “O Pão de Cada Dia”, existindo uma padaria, instalada pela Associação do Comércio e da Indústria da Panificação (ACIP) e dinamizada por Paulo Chagas, a confeccionar, diariamente, em várias fornadas, o pão do dia e a promover ‘workshops’ e acções de formação.
(ler mais...)


Maria Salomé Rafael reeleita presidente da direção da NERSANT »  2017-10-18 

A assembleia geral da NERSANT realizou-se hoje, 18 de outubro, elegendo os corpos sociais da Associação Empresarial da Região de Santarém para o triénio 2017-2019. Maria Salomé Rafael mantém-se na liderança da associação, avançando assim para um novo mandato de três anos na direção da estrutura associativa.
(ler mais...)


Torres Novas: distribuídos pelouros e nomeados os cargos políticos do novo executivo municipal »  2017-10-18 

Na reunião da câmara de hoje, dia 16, a primeira do mandato, procedeu-se à distribuição de pelouros pelos vereadores e à nomeação de cargos políticos. O presidente, Pedro Ferreira, nomeou seu chefe de gabinete Manuel Vicente, técnico superior da autarquia da área dos serviços jurídicos, e Sónia Sousa, ex-vereadora em substituição de Paulo Tojo, como adjunta do presidente da câmara.
(ler mais...)


Nersant: encontro internacional de negócios junta 37 países »  2017-10-16 

O Nersant Business - encontro internacional de negócios do Ribatejo -, vai decorrer pelo sexto ano consecutivo na região, sendo a cidade de Tomar o epicentro deste evento que junta seis dezenas de empresários de 37 nacionalidades.
(ler mais...)


Morreu Martinho “Ginete”, um dos fundadores do rancho folclórico de Riachos »  2017-10-16 

Faleceu, esta manhã, Martinho Serra de Oliveira (Martinho Ginete), um dos fundadores do rancho folclórico de Riachos, aos 93 anos. Nos anos 1957/58, juntamente com Joaquim Santana, ajudou a fundar aquele rancho que hoje ainda mantém a actividade, tendo ocupado o cargo de flautista.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 10 dias)
»  2017-10-22  Insólito: alcatrão arrancado ao fim de três semanas na via João Paulo II
»  2017-10-16  Morreu Martinho “Ginete”, um dos fundadores do rancho folclórico de Riachos
»  2017-10-18  Torres Novas: distribuídos pelouros e nomeados os cargos políticos do novo executivo municipal