• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 19 de Fevereiro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 15° / 4°
Céu limpo
Qua.
 19° / 6°
Céu limpo
Ter.
 20° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  19° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Futebol: Amarelos viraram a página em Ourém (1-2)

Sociedade  »  2018-02-11 

Campeonato Distrital da 1.ª divisão AFS
Ourém, Campo da Caridade, 11 de Fevereiro de 2018

CA Ouriense: Hélio; Fábio Lúzio, Graça (Afonsos), Tiago, Dino, Leandro, Savá, Patrick, Tiago Lúzio, Major (Matos) e Moleiro; Treinador: Mário Nelson

CD Torres Novas: Galrinho; Timor, Dani, Paz Miguel, Iuri, André Vieira, Ivan, Joel (Marco Carvalho), Ricardi Major, Micael (Soma) e Sudesh (Dias); treinador: Nando Costa

Arbitragem de Mário Vieira, com Miguel Marques e Hugo Parente

O jogo começou bastante confuso, com pontapés à toa e bola pelo ar, tão característico dos campos sintéticos, onde o futebol parece sempre um jogo em quintal de cimento com uma bola de plástico, a milhas do que se passa num relvado natural,mesmo em condições suficientes.

Neste caso de Ourém, deu-se ainda o insólito de não haver qualquer barreira física a separar o rectângulo do lado nascente, onde se encontravam nada mais nada menos que 15 balizas instaladas no espaço relvado contíguo ao campo, ajudando à confusão visual que se esperaria óbvia..

Mas o jogo jogado lá se foi instalando muito a custo e aos 19 minutos o primeiro sinal de perigo foi para o Ouriense, numa situação de grande aflição na área torrejana, com sucessivos remates até Iuri afastar o perigo. O Torres Novas só ao 25 minutos deu um ar da sua graça, com um remate de Ivan, já dentro da área.

Passavam 34 minutos quando, numa jogada quase sem história, Micael disputou a bola a um defesa contrário, com insistência a ganhou e depois de ter galgado três passos pelo corredor direito disparou um remate de arco perfeito, ainda longe da linha da grande área, apanhando Hélio um pouco adiantado. Era o 1-0 e o corolário de alguma tentativa dos visitantes colocarem o rumo da partida a seu favor.

Dois minutos depois Ricardo Major talvez tivesse sentenciado o jogo se aproveitasse uma soberana oportunidade que teve nos pés: lançado pela meia-esquerda em diagonal, isolou-se e teve tempo para perguntar ao guarda-redes para que lado queria a bola e escolher o sítio para encaixar o esférico, mas ficou completamente engadanhado e tudo se resumiu um remate frouxo e sem convicção, ainda assim a rondar o poste da baliza ouriense.

Praticamente na resposta, aos 39 minutos, o Atlético desceu mais uma vez pela esquerda, assistiu-se a uma jogada de insistência dentro da área torrejana, com cabeça para aqui bola para ali, até a redondainha cair aos pés de Savá, que atirou já dentro da pequena área para as redes de Galrinho. Não festejou, o antigo jogador torrejano, deixando a festa do golo para os seus colegas.

Depois do intervalo, o Torres Novas deu mostras de continuar a manter um certo ascendente, embora o Atlético tenha construído, logo de início duas boas oportunidades para virar o resultado. Só que, aos 17 minutos, Iuri executou um dos seus lançamentos laterais que são autênticos cantos, a bola caiu dentro da área ouriense e entre a hesitação da defesa e alguma confusão, Micael encostou o pé e fez o 2-1.

Parecia consumada a vitória torrejana e ela só aconteceu, na verdade, por manifesta sorte. A partir dos 20 minutos, o Atlético empurrou o Torres Novas para o seu meio campo e assistiu-se a meia hora de enorme ascendente ouriense, com inúmeras jogadas de perigo para as redes amarelas e uma boa mão cheia de situações de golo iminente. O Torres Novas não conseguia (ou não queria, não se percebeu bem) sair do seu último reduto, entregando ao Ouriense o comando da partida e oportunidades para, pelo menos, forçar o empate. Mas, em várias ocasiões, o golo e a sorte viraram as costas ao Atlético e o Torres Novas acabou por sair do Campo da Caridade com uma vitória que vem quebrar um ciclo de derrotas deprimentes.

Pelo que fez na última meia hora da segunda parte, o Ouriense merecia o empate, mas o futebol não é feito de justiça. O Torres Novas entregou-se ao jogo com galhardia e fez por merecer a sorte que acabou por ter.

A arbitragem de Mário Vieira foi excelente e contribuiu para que a partida se tivesse desenrolado num clima de calma e harmonia. Um erro ou outro e o inevitável clamor da bancada, não chegam para desmontar uma verdade: as arbitragens do distrital, pelo que temos visto, estão plenamente à altura das exigências e são muitas vezes os atletas que complicam, com truques e picardias, aquilo que deveria ser um jogo leal.

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Fabrióleo: IAPMEI propõe encerramento, empresa vai contestar »  2018-02-15 

A edição on-line do semanário Expresso, de 30 de Janeiro, lançou a confusão generalizada ao dar como certa a ordem de encerramento da Fabrióleo por parte
do Governo. Na sua edição de papel, alguns dias depois, o semanário de Balsemão não escreveu uma única linha sobre tão badalada “notícia”, focando-se apenas no
“caso Celtejo”.
(ler mais...)


Riachos: apanhados a roubar gasóleo de tractores »  2018-02-10 

A GNR localizou hoje, dia 10 de Fevereiro, quatro jovens, dois rapazes e duas raparigas com idades entre os 16 e 21 anos, suspeitos da autoria de furto de combustível em máquinas agrícolas, num estaleiro, em Riachos.

Fonte policial revelou que o alerta foi dado por funcionários de uma empresa detectaram quatro indivíduos a tentar furtar combustível de várias máquinas agrícolas.
(ler mais...)


Barquinha: Vhils, Manuel João Vieira, Violant e Carlos Vicente apresentam propostas finais de intervenção artística »  2018-02-10 

Alexandre Farto (aka Vhils), Manuel João Vieira, Violant e Carlos Vicente apresentam as suas propostas artísticas para o concelho de Vila Nova da Barquinha, no âmbito do Programa Arte Pública da Fundação EDP, no próximo dia 17 de fevereiro, no Centro Cultural, pelas 19h.
(ler mais...)


ProTejo: “Água que vem de Espanha está a limpar o Tejo” »  2018-02-08 

O movimento ProTejo, sediado em Vila Nova da Barquinha, diz que a limpeza do rio Tejo está a ser feita à custa do caudal de água “extraordinariamente elevado” que está a vir de Espanha, na sequência o nível de água das barragens.
(ler mais...)


Constância: prémio para o beijo mais longo (debaixo de água) »  2018-02-08 

Constância (Vila Poema), volta a realizar, pela terceira vez, o concurso em que vencem os casais que conseguirem dar o beijo mais longo, debaixo de água. A iniciativa decorre no sábado à noite (21h30), nas piscinas municipais e insere-se na celebração dos Dia dos Namorados.
(ler mais...)


Teatro: Romeu & Julieta, uma excelente sobremesa para crianças no Virgínia »  2018-02-08 

Romeu & Julieta é o título da peça de teatro para crianças dos 8 aos 12 anos que subirá ao palco do Teatro Virgínia, em Torres Novas, no próximo dia 17 de Fevereiro, às 11 horas. Este novo espectáculo do Teatro Praga é uma oportunidade para voltar a juntar a equipa criativa de Hamlet Sou Eu.
(ler mais...)


Município de Torres Novas adere à Hora do Planeta »  2018-02-08 

O Município de Torres Novas volta a associar-se à “Hora do Planeta”, que consiste em desligar todas as luzes, interiores e exteriores dos edifícios e monumentos emblemáticos das cidades, entre as 20h30 e as 21h30, do próximo dia 24 de Março de 2018, mostrando o seu apoio à acção ambientalmente sustentável.
(ler mais...)


O PROVADOR DOS LEITORES: mil contos para o croquete »  2018-02-08 

Inaugura-se, nesta semana, a rubrica “O Provador dos Leitores”, que consiste essencialmente em apresentar aos leitores do JT determinadas notícias que circulam pelo espaço mediático (jornais, internet, páginas oficiais, etc), mas só depois de serem provadas pelo nosso provador de modo a identificar aditivos, conservantes e outros venenos que normalmente estão agarrados a estes produtos nocivos.
(ler mais...)


Barquinha: cooperativa cultural para o Ribatejo norte »  2018-02-06 

Paulo Passos, Fátima Capela, Carlos Vicente, Pérsio Basso e Marina Honório “um grupo de amigos carregados de sonhos e projectos”, uniu-se para criar uma “coisa nova”: uma cooperativa cultural, cuja filosofia de acção se situará “algures no meio entre o tradicional e o contemporâneo”, entre o antigo e o novo, o manual e o tecnológico, a arte e a ciência – assim se dine o novo colectivo fundado em Vila Nova da Barquinha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 10 dias)
»  2018-02-10  Riachos: apanhados a roubar gasóleo de tractores
»  2018-02-11  Futebol: Amarelos viraram a página em Ourém (1-2)
»  2018-02-15  Fabrióleo: IAPMEI propõe encerramento, empresa vai contestar