• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 20° / 6°
Céu limpo
Dom.
 22° / 6°
Céu limpo
Sáb.
 21° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Concelho tem mais uma

Sociedade  »  2018-07-17 

Desde hoje, dia 18 de Julho, Torres Novas tem mais uma mulher a atingir a idade de 100 anos: trata-se de Amália Moita, natural de Alcorochel, aldeia onde sempre viveu, apesar de nas últimas décadas passar temporadas também em Torres Novas, em casa de uma das filhas.

Nascida no ano em que acabava a Grande Guerra e num momento em que o país era assolado pela pneumónica, que ceifou milhares de portugueses, Amália Moita atingiu a idade escolar ainda vigorava a Primeira República. Mas, com grande pena, e aliás como acontecera com as suas irmãs, não foi à escola. «Tentei ensiná-la a ler e escrever e era frequente encontrá-la a "ler" o jornal do meu pai...», conta Ana Teresa, uma das netas, para quem a sua avó Amália «é especial por ter sido sempre autêntica e nunca ter querido ser outra coisa que não ela própria. Marcou-nos, porque adorava ir à vila, ao invés das mulheres da sua geração, que não viam mais que a aldeia».

 Mas, na aldeia da sua infância não havia automóveis, como não havia nas redondezas, e nos céus apareciam os primeiros aeroplanos. Amália Moita assistiu à implantação da electricidade, ao aparecimento da rádio e de todo o desenvolvimento tecnológico posterior, ouviu falar dos horrores da II Guerra Mundial, sobreviveu até à era da televisão, assistiu à conquista do espaço e, mais recentemente, terá vislumbrado o mundo dos telefones móveis, dos computadores e da internet.

Foi casada com Ezequiel Fazenda, um dos últimos senão o último boieiro de Alcorochel, que também era agricultor. Tem três filhos: José Manuel, Maria Alice e Helena, com quem se encontra por estes dias e que é proprietária, com o marido, do restaurante Adega Regional (“Manel Dias”). Destes três filhos, Amália Moita assistiu ao nascimento de 8 netos e 12 bisnetos.

Apesar nunca ter ido à escola, sempre foi mulher dotada de muita inteligência, diz uma outra neta, Inês Fazenda. «Gostava de ter sido jornalista. Foi uma mulher do campo que, mal pôde, o trocou pela “vila”. Vinha na carreira das 8h30 para Torres Novas e voltava às 17h para junto do seu marido, que cultivava a terra. Em Torres Novas, falava com quem encontrava, criava os netos e passeava no jardim, de que tanto gostava». Inês recorda que a muitos a sua avó deliciou com o seu arroz doce, com as  visitas aos doentes, que tanto gostava de fazer. «Uma mulher simples, que gostava de repartir tudo o que tinha, fossem uvas, maçãs ou nêsperas. Tudo o que tivesse».

Outro aspecto curioso da vida Amália Moita é o facto de ser a mais nova de nove irmãos que, por terem, sete deles, construído casas no mesmo local, deram origem ao Bairro dos Moitas, em Alcorochel, onde por junto criaram 25 filhos. José Moita (“polícia”), Maria do Rosário, Manuel, Joaquim, Antónia, Rosária, Alice e Conceição, eram os seus irmãos e irmãs, todos eles nascidos antes da gripe espanhola e todos sobreviventes a esse período difícil. Todos morreram bastante idosos, mas Amália, a mais nova, teve a felicidade de chegar aos 100 anos de vida. Diz que «ainda está para durar e para cumprir a vontade de Deus».

Segundo o último censo, Portugal tinha cerca de 4000 pessoas com 100 anos ou mais e no concelho de Torres Novas, não sendo possível apurar esses dados com certeza, não existirão mais de uma dezena de “centenários”. Amália Moita entrou nesse clube a que (ainda) poucos acedem. Parabéns, Amália Moita!

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)


João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre »  2019-02-09 

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas.
(ler mais...)


Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre »  2019-02-07 

Um grupo de moradores do Carreiro da Areia esteve presente na reunião camarária de terça-feira, em protesto contra a poluição e os efeitos que se fazem sentir na aldeia. Já há quem tenha abandonado a povoação, mas nem as casas se conseguem vender.
(ler mais...)


Rodoviária em greve »  2019-02-04 

Decorre hoje, dia 4 de Fevereiro, e amanhã, dia 5 de Fevereiro, as greves convocadas pelo STRUP para as Rodoviárias do Tejo, do Lis e Oeste.
“Apesar das mentiras e manobras dissuasoras que as administrações foram divulgando na semana que antecedeu à greve, mais uma vez o balanço da greve é bastante positivo neste primeiro dia de luta, tendo a adesão sido  esmagadora entre os motoristas com vínculos de trabalho não precários, aos quais se juntaram alguns trabalhadores com vínculos precários tradicionalmente usados pelas administrações das empresas para justificar falsos números de adesão à greve”, diz comunicado da estrutura sindical chegado às redacções.
(ler mais...)


Ribatejo foi outra vez fintado »  2019-01-30 

A auto-estrada A13, que visa ligar a Marateca a Coimbra e também unir o Ribatejo pelo seu interior, está há anos parada às portas de Almeirim enquanto não há a nova ponte junto à Chamusca para ligar a via ao nó da Atalaia.
(ler mais...)


Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito” »  2019-01-28 

 

 Liliana Domingos tem 39 anos, é natural da Meia Via e trabalha há 19 anos como operadora especializada, no “Recheio”. Aos 14, deu os primeiros passos numa das suas muitas paixões, a rádio, e três anos depois pisou um palco pela primeira vez, integrando o elenco de “O Despertar da Primavera”, uma peça de Frank Wedekind levada a cena pelo Teatro Meia Via.
(ler mais...)


Joana Pintassilgo, técnica de informática: “Já não se nota tanto o desconforto dos homens na relação profissional” »  2019-01-21 

 

Joana da Silva Pintassilgo tem 41 anos e é natural de Torres Novas. Formou-se como técnica profissional especializada em tecnologias de informação e comunicação. Isto, há vinte anos, numa altura em que não era usual encontrar muitas mulheres na informática.
(ler mais...)


Torres Novas: regressão demográfica ameaça coesão do concelho como a conhecemos »  2019-01-17 

Até aqui pensava-se que Torres Novas iria resistir à regressão demográfica, já clara há uns anos, de concelhos como Tomar e Abrantes, com grandes zonas “rurais”, para não falar de outros cujo cenário é catastrófico.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-02-09  João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre
»  2019-01-28  Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”
»  2019-01-30  Ribatejo foi outra vez fintado
»  2019-02-07  Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre
»  2019-02-21  A Tasca: nova vida com Paulo Emílio