• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Outubro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 10°
Céu limpo
Sáb.
 20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 23° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 16°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Pias Longas: aterros já chegam aos caminhos e trilhos utilizados por população e desportistas

Sociedade  »  2019-07-22 

 

Os aterros, constituídos por toneladas de pedras e terra, que pretendem alongar a pista do aeródromo de Pias Longas, na fronteira entre os concelho de Ourém e Torres Novas, continuam em marcha, apesar do alegado embargo decretado pela câmara de Ourém e da alegada comunicação da câmara de Torres Novas junto do município vizinho.

Mais grave, os despejos de toneladas de pedra estão agora próximos de um dos principais caminhos utilizados desde sempre pelos moradores e que actualmente é um dos principais trilhos referenciados para a prática de desportos de natureza em provas algumas delas organizadas pelo próprio município de Torres Novas.

Trata-se de uma acção ainda mais grave, num quadro todo ele de enorme gravidade, mas que revela o sentimento de impunidade com que os prevaricadores actuam, no mínimo com a conivência das autarquias envolvidas.

Entretanto, já forma formuladas queixas ao IGAMAOT, por parte de alguns cidadãos, e corre uma petição pública na internet a exigir o fim definitivo dos aterros e a suspensão da obra do alegado alargamento da pista do aeródromo, que se traduz da deposição de inertes das pedreiras da região.

Na assembleia municipal de Torres Novas do passado dia 28 de Junho, Rui Alves Vieira (BE) confrontou mais uma vez o presidente da Câmara, Pedro Ferreira, com a gravidade da situação, perguntando pela acção da câmara torrejana no processo. Pedro Ferreira, também mais uma vez, não foi capaz de dar qualquer resposta, refugiando-se numa explicação confusa que teve o condão de baralhar sem nada dizer.

No dia 1 de Julho, o JT solicitou explicações ao presidente da câmara, nomeadamente se a autarquia torrejana tinha efectuado alguma reclamação ou nota de oposição à intenção de a Câmara de Ourém integrar no PDM o aeródromo, e em que condições, já que a revisão do PDM de Ourém está agora precisamente na fase de consulta pública. O mail dirigido ao presidente da câmara foi lido, mas não obtivemos qualquer resposta.

Recorde-se que, como temos vindo a noticiar, os aterros envolvem o depósito de milhares de toneladas de pedras e terra em território do concelho de Torres Novas, numa área de enorme valor ambiental e paisagístico: trata-se do “Chão da Serra” um plano elevado entre a serra e a crista do arrife, que se estende desde as Moitas Venda, envolve o Vale da Serra, na freguesia de Pedrógão, alarga de novo na freguesia da Chancelaria até se desfazer já na freguesia de Assentis.

Toda a área do Chão da Serra nas freguesias de Pedrógão e de Chancelaria é maioritariamente composta por baldios, que por lei são inalienáveis: não pertencem sequer ao domínio público do Estado ou das autarquias, mas às populações, que deles fazem usufruto. (em caixa á parte, reportamos um diferendo entre a Câmara de Rio Maior e as populações a respeito dos baldios).

Assembleia Municipal votou integração do Chão da Serra no PNSAC

Em contramão com a inércia do executivo municipal de Torres Novas, a Assembleia Municipal, por iniciativa do seu presidente, votou por unanimidade uma recomendação no sentido de a câmara propor a integração de toda a área do Chão da Serra e arrife no perímetro do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, decisão que já mereceu as felicitações da organização regional da QUERCUS, “uma situação inédita qua a Quercus felicita, dada a pertinência em termos de conservação da natureza”.

A proposta coincidiu com o 40.º aniversário do PNSAC e “a área proposta para alargamento do PNSAC visa integrar áreas de olival tradicional, floresta mediterrânica e diversos habitats naturais relevantes para conservação da natureza, na zona envolvente ao denominado arrife da Serra de Aire”, diz a QUERQUS. “O inegável valor científico e pedagógico da totalidade da escarpa dos Arrifes do Maciço Calcário Estremenho, que representa um dos locais dos locais mais significativos da Geomorfologia Estrutural e Cársica em Portugal, mas apenas parcialmente se integra dentro dos limites atuais do PNSAC”, acrescenta.

A proposta tem o objectivo de conceder um estatuto legal de protecção adequado à manutenção da biodiversidade e dos serviços dos ecossistemas e do património geológico, bem como à valorização da paisagem, de forma a incluir uma área geográfica contígua ao PNSAC, mas que actualmente se situa fora dos seus limites. Ora, área onde decorrem os aterros situa-se no mancha de território que se pretende agora integrar no PNSAC.

Baldios e eólicas: o caso de Rio Maior e Pias Longas

Em 1987 e 1993, a Câmara de Rio Maior realizou escrituras de usucapião de terrenos baldios na Serra dos Candeeiros, destinados a instalar, através de negociação, o “Parque Eólico da Serra das Meadas”. O Ministério Público intentou uma acção contra a autarquia e uma empresa de energia eólica no valor de 1,8 milhões de euros. O processo arrastou-se durante anos, com o início do julgamento a ter lugar em Dezembro passado, no Tribunal de Santarém.

O MP punha em causa não só a realização de escrituras por usucapião de terrenos baldios, por parte da Câmara de Rio Maior, mas também “os actos jurídicos subsequentes”, nomeadamente, do arrendamento que permitiu a instalação do Parque Eólico da Serra das Meadas. Para o Ministério Público, as escrituras “nunca poderiam ter sido celebradas, uma vez que os baldios não podem, no todo ou em parte, ser objecto de apropriação privada”, pelo que “são nulas” e devem ser cancelados os registos prediais efectuados, bem como os negócios jurídicos de aquisição das parcelas.

O município apresentou uma proposta de acordo, em que os terrenos baldios escriturados seriam doados à Junta de Freguesia de Rio Maior, mas sem equacionar a reversão da sua posse por usucapião, como exige o Ministério Público. Já recentemente, a Procuradoria-Geral da República (PGR) comunicou não aceitar o acordo proposto pela Câmara de Rio Maior. A magistrada do MP que tutela o processo disse, na sessão em que a Câmara propôs o acordo, que o objectivo “é devolver à comunidade o que é da comunidade” e “obter o reconhecimento” de que os terrenos identificados têm a natureza de baldios, sob o risco de se “desvirtuar a acção”.

No caso dos aterros de Pias Longas, estamos num processo de natureza semelhante: os terrenos são baldios, não podem ser alienados nem ocupados por qualquer obra daquela natureza. Por sua vez, a câmara de Torres Novas não pode viabilizar ou legalizar a deposição de terras no seu território, nem a câmara de Ourém, mesmo em sede de revisão do PDM, pode inscrever qualquer intenção que, na prática, viabilize qualquer obra em terrenos baldios, ainda por cima noutro concelho.

“Os baldios são terrenos com afectação exclusiva, em modo comunitário, à satisfação de necessidades privadas, pelos indivíduos de determinada comunidade local, que pode reduzir-se aos moradores de uma aldeia, pertencendo, geração após geração, aos respectivos compartes – mesmo que pouco numerosos –, em regime de propriedade colectiva. Não pertencem, por isso, ao domínio público ou ao domínio privado do Estado ou das autarquias locais, não sendo o interesse público ou o interesse geral da população de uma autarquia local que cabe acautelar, mas aquela específica propriedade imemorial em modo comunitário”, diz a legislação portuguesa sobre os baldios.

O “aeroporto”: partida de Carnaval

Quando em Fevereiro passado certa imprensa deu “gordas” a uma alegada reunião entre autarcas torrejanos e representantes de um grupo económico brasileiro disposto a investir milhões num “aeroporto” a construir por cima do aeródromo de ultra-leves de Pias Longas, julgar-se-ia uma brincadeira de Carnaval. Mas não foi. O alarido serviu para desviar as atenções dos milhares de toneladas de pedras que estavam a ser despejados numa área protegida de REN e constituída por baldios, a invadir o concelho de Torres Novas.

O presidente da Junta de Nossa Senhora das Misericórdias, concelho de Ourém, desviando também as atenções da real situação, veio dizer que não acreditava na possibilidade de se instalar um aeroporto na sua freguesia, já que a empresa brasileira que lançou a ideia nem sequer conseguir reunir com o Governo para apresentar o projecto, localizado em terrenos da própria junta, concessionados por cinquenta anos ao Aero Clube de Pias Longas, cujo presidente, Daniel Morgado, também não acredita em semelhante obra. Luís Albuquerque (PSD), presidente da Câmara de Ourém, também não terá mostrado grande entusiasmo, tal como o antigo vereador do PS na câmara, José Alho. O ex-dirigente ambientalista considera que tal obra ficaria próxima do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (dentro, se for aprovado o alargamento) em terrenos instáveis em termos geológicos.

Toda esta enorme confusão, note-se, foi gerada pelo antigo presidente da câmara de Ourém, David Catarino (PSD). Quando o aeródromo de Pias Longas (o inicial) teve de ser desmantelado para instalar o parque de eólicas, Catarino convenceu a colectividade a aceitar, para além de choruda compensação financeira, o terreno onde está hoje o aeródromo. Só que se esqueceu de informar o Aero-Club de Pias Longas que ali, naquele local, assim dizia o PDM. Não poderia haver nenhum aeródromo. A questão atravessou todo o consulado socialista na câmara de Ourém.

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Alcanena em desespero com os maus cheiros »  2019-10-16 

Alcanena está a viver uma situação insustentável e isso é confirmado por qualquer pessoa que passe de carro próximo da vila, logo agredida com um mau cheiro verdadeiramente insuportável.

 Nas redes sociais surgem apelos lancinantes, outros revoltados, a apelar e exigir a solução de um problema que é antigo (todos se recordam de como era difícil estar e viver em Alcanena em meados da década de 80), mas passou uma geração e a poluição ambiental regressou em força nos últimos tempos.
(ler mais...)


PS acaba com farmácia de Alcorochel »  2019-10-15 

Com parecer positivo ao pedido de deslocalização da farmácia de Alcorochel para a cidade de Torres Novas, onde já existem sete farmácias, a maioria socialista põe fim a uma das mais antigas farmácias do concelho.
(ler mais...)


Legislativas: vitória modesta de Costa com descida da oposição »  2019-10-08 

TORRES NOVAS: as contas e as dúvidas

No distrito de Santarém, o PS aumentou a sua votação em 1 921 votos, uma média de 92 votos por concelho. Em Torres Novas, o aumento foi de 90 votos: conforme.
(ler mais...)


Entroncamento: trabalhadores dos CTT em greve »  2019-10-08 

Os trabalhadores do CDP do Entroncamento estão em greve desde hoje, dia 8 e até 15 de Outubro. Entre os problemas laborais destacam-se a má organização do serviço, aliada a uma gritante falta de trabalhadores tem consequências graves para os utentes, nomeadamente atrasos na distribuição, muitas vezes com graves prejuízos.
(ler mais...)


Encontro de apicultores, dia 12, na Lagoa do Furadouro »  2019-10-02 

O 3.º encontro de apicultores da região vai realizar-se no próximo dia 12 de Outubro, sábado, pelas 18 horas, no salão paroquial da Lagoa do Furadouro (próximo de Casais da Igreja, mas no concelho de Ourém).
(ler mais...)


Torres Novas: alterações climáticas levam câmara a anular concurso para psicóloga clínica »  2019-10-01 

Quando, no dia 1 de Abril, dia da mentiras, a câmara de Torres Novas fazia publicar no Diário da República o aviso de abertura do concurso para admissão de uma psicóloga, jurando por todos os santinhos a necessidade premente de contratação de uma técnica desse ramo, estava longe de pensar que, escassos meses depois, o aquecimento climático, as manifestações em Hong Kong, o impeachment a Donald Trump e o despedimento de Leonel Pontes do Sporting iriam alterar as circunstâncias de tal modo que, afinal, a psicóloga já não é urgente e até nem se percebe porque é que alguém alguma vez teve semelhante ideia.
(ler mais...)


Conjunto arqueológico monumental descoberto na aldeia da Mata »  2019-09-06 

A designação de “poços” utilizada no ante-título é meramente ilustrativa: trata-se de quase cinco dezenas de estruturas escavadas, de forma cilíndrica, descobertas durante os trabalhos de saneamento da aldeia.
(ler mais...)


Inédito: Torres Novas às escuras há duas noites seguidas »  2019-09-05 

Quando ontem, quarta-feira, ao anoitecer, se verificou que praticamente todo o centro histórico de Torres Novas estava sem uma única lâmpada de iluminação pública, pensou tratar-se de uma momentânea avaria.
(ler mais...)


Câmara: 80 mil para cultura e desporto, o mesmo que quer gastar nos repuxos da rotunda »  2019-08-31 

O executivo municipal aprovou por unanimidade, na reunião ordinária de 6 de Agosto, um conjunto de apoios nas áreas da cultura e do desporto que ascendem a cerca de 80 mil euros. Isto relativo à actividade de um ano, o mesmo que vai gastar nas traquitanas de um repuxo (ver peça mais abaixo).
(ler mais...)


Amália Moita: morreu uma centenária »  2019-08-28 

Há pouco mais de um ano, 18 de Julho de 2018, o JT noticiava que Torres Novas tinha mais uma mulher a atingir a idade de 100 anos: tratava-se de Amália Moita, natural de Alcorochel, aldeia onde sempre viveu, apesar de nas últimas décadas passar temporadas também em Torres Novas, em casa de uma das filhas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-10-01  Torres Novas: alterações climáticas levam câmara a anular concurso para psicóloga clínica
»  2019-10-15  PS acaba com farmácia de Alcorochel
»  2019-10-16  Alcanena em desespero com os maus cheiros
»  2019-10-02  Encontro de apicultores, dia 12, na Lagoa do Furadouro
»  2019-10-08  Legislativas: vitória modesta de Costa com descida da oposição