• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 21 Junho 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 36° / 19°
Períodos nublados
Dom.
 32° / 15°
Períodos nublados
Sáb.
 28° / 12°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  24° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

João Canuto: fibromialgia em documentário como expressão biográfica e vivencial

Cultura  »  2022-11-24 

“Pain: stories of fibromyalgia” é um documentário com mais de uma hora sobre a doença que afecta João Canuto, cineasta torrejano. Ainda sem data para apresentação pública, o filme reúne um conjunto de testemunhos de quem convive com a doença. Um pretexto para uma conversa com João Ribeiro.

 Nos teus filmes, são recorrentes referências biográficas. Neste documentário, há uma incidência total num tema pessoal: a doença. É sempre uma abordagem difícil. Como rodeaste essa dificuldade?

 Sempre tive uma enorme dificuldade em expor-me. E isso causou em mim, creio eu, a manifestação de vários problemas de saúde que têm dificultado imenso a minha vivência. Daí ter começado a sentir necessidade de me obrigar a abordar temas directamente biográficos. Até porque, acredito que seja (ou deveria ser) esse o papel da arte, a derradeira forma de expressão pessoal. Quando decidi produzir este documentário, estava no limite e a questionar a minha própria sanidade mental, precisava de perceber o que sentiam outras pessoas com a mesma doença.

 O documentário é sem dúvida uma acção militante em defesa do conhecimento e do reconhecimento da doença. Como equilibras esta tua pulsão criativa, que exige energia, com a fragilidade que a doença causa?

Costuma-se dizer que quem corre por gosto não cansa. Mas a verdade é que, quem disse isto, com certeza não tinha fibromialgia. E é exaustante. Perseguir e concretizar os nossos sonhos e paixões é, por si só e para qualquer pessoa, uma enorme batalha. Fazê-lo quando se tem fibromialgia, é de uma loucura tal que só talvez alguém demente ou com muito pouco amor próprio é que se atreve a isso. A palavra correcta é mesmo equilíbrio. Não só entre o que posso e não fazer, quando o posso fazer ou durante quanto tempo, mas também, de que maneira. Ou seja, muitas vezes sinto que podia fazer melhor. Podia fazer mais um take, podia filmar mais uma ou duas horas. E é nessas alturas que me tenho de relembrar, que estou a fazer o melhor com as ferramentas que tenho e encontrar o dito equilíbrio, entre a visão artística e as limitações causadas pela fibromialgia.

 Como conseguiste reunir testemunhos de pessoas que dão o seu testemunho, também algo difícil de conseguir, dada a dificuldade da maioria das pessoas em exporem-se de forma íntima?

 Neste caso foi mais fácil. Encontrámos, claro, pessoas que não queriam dar a cara ou não conseguiam falar em frente a uma câmara, mas na maioria e talvez devido ao facto da fibromialgia ser tão ignorada e incompreendida, creio que existe uma enorme necessidade de as pessoas serem ouvidas e conseguirem expor a sua situação. Os fibromiálgicos são rotulados de preguiçosos ou loucos e sentem-se maioritariamente abandonados. Muitos não conseguem trabalhar ou sustentar-se e não há qualquer tipo de apoio para estes doentes. Isso ajudou muito a que as pessoas aceitassem e fizessem o esforço de expor, desta forma, as suas fragilidades.

 Pretendes, obviamente, dar a maior visibilidade possível ao documentário. A que festivais ou certames contas candidatá-lo?

 A verdade é que o vou candidatar a todos os festivais que me sejam possíveis e gratuitos. Este documentário foi feito com 700€, o que por si só parece ridículo, é uma quantia irrisória. E mais irrisório que isso é que é o meu projecto mais caro. O dinheiro foi angariado através de crowdfunding e maioritariamente entre amigos. Não foi este o caso, mas normalmente fico sempre endividado quando faço um projecto. O pouco dinheiro que possa gastar, 200, 300 ou 500€, faz-me imensa falta e muitas vezes tenho de cortar na alimentação ou vestuário para o conseguir fazer. E a maior parte dos festivais, obviamente os mais prestigiados, custam dinheiro. Dinheiro esse, que muitas das vezes, nem me dá qualquer retorno porque o filme pode nem ser seleccionado. Gostava que este documentário participasse em todos os festivais mais reconhecidos e que mostrasse ao mundo o que é a fibromialgia, mas não tenho dinheiro para o fazer. Acrescento que nunca em nenhum dos meus projectos lucrei um euro que fosse.

 Como te sentes no papel de cineasta, é isso que tu és, nesta circunstância concreta de viveres numa pequena cidade, de teres de trabalhar noutras áreas para poderes fazer os teus filmes e de não poderes contar com circuitos de difusão e exibição mais de acordo com as tuas expectativas?

 Esta é uma pergunta bastante complexa. Eu amo Torres Novas, é a minha cidade. E acredito na descentralização da cultura. Infelizmente, Torres Novas, sendo uma pequena cidade, tem vindo a ser mais reduzida pelo mau aproveitamento e gestão dos seus recursos. No entanto, este não é um problema limitado à nossa cidade ou sequer a Portugal, é um problema cultural. Vivemos numa altura em que cada vez é mais fácil produzir arte e paradoxalmente é mais difícil encontrá-la. Há uns meses, vi uma entrevista do grande Coppola onde ele afirmava, parafraseando: "Se querem fazer a arte que gostam, têm de ter um emprego que vos sustente". E é isto. Cada vez mais é difícil fazer arte fora da caixa, a tal derradeira forma de expressão pessoal, que não procure apelar ao máximo número de pessoas mas sim, transbordar uma identidade própria e fomentar o pensamento crítico. Obviamente, odeio "perder" tempo em trabalhos que pouco me interessam apenas para suprimir as necessidades básicas. E é claro que a minha arte sofre com isso. Aliando isso às dificuldades económicas, aos problemas de saúde e ao viver sozinho na crise em que estamos, não é de todo fácil. Mas a arte faz-me sentir concretizado e não seria capaz de ceder a tal identidade e expressão pessoal. Acho que a cultura é um pilar demasiado importante na sociedade para ser criada com foco no lucro. Este documentário, provavelmente, chegaria mais longe com uma estética mais agradável, uma montagem mais coesa e áudio decente, mas na minha visão artística, esta é a melhor forma de representar o que é a fibromialgia. E creio que a concretização da nossa visão pessoal, é mais importante que qualquer outra ambição, seja ela financeira ou algum tipo de reconhecimento ou validação social.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Música: digressão para Portugal do Buffalo Suzuki Strings Friendship Touring Ensemble »  2024-03-29 

O Buffalo Suzuki Strings Friendship Touring Ensemble (E.U.A) vem a Portugal no início de abril para realizar concertos no Porto, Torres Novas e Setúbal. Sob a direção da fundadora dos Buffalo Suzuki Strings, Mary Cay Neal juntamente com Lauren Eastlack, David Levine e a pianista acompanhadora, Marlene Harrington, os BSS oferece um programa de repertório muito diversificado de todos os séculos desde da época baroque de Vivaldi até aos estilos mais aliciantes da época moderna.
(ler mais...)


«A música quando nasce é para todos» este domingo na Igreja do Alqueidão »  2024-02-28 

O ciclo de música de câmara do Choral Phydellius passa pela Igreja do Alqueidão no próximo domingo, dia 3 de Março, no âmbito da programação Fora de Portas do Teatro Virgínia.

O concerto terá início às 17h30 e a entrada é gratuita mediante levantamento prévio de bilhete.
(ler mais...)


Novo livro de Maria Sarmento, sábado na biblioteca »  2023-11-27 

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes recebe sábado, dia 2 de Dezembro, pelas 15h30, o lançamento do tomo II da trilogia "Alma d`Hybris": Alma d`Hybris - Livro de Saudades do Futuro, da escritora torrejana Maria Sarmento.

Autora de um trabalho poético continuado desde o início dos anos 80, Maria Sarmento traz agora a público o segundo volume do seu tríptico em que o transcendente e o imanente reflectem na sua dualidade a unidade da matéria prima – a palavra poética.
(ler mais...)


LIVROS: Sexta, no São João do Entroncamento, Manuel Fernandes Vicente apresenta "A Tentação do Mar" »  2023-11-27 

 

O escritor e jornalista Manuel Fernandes Vicente vai apresentar na sexta-feira, dia 1 de Dezembro, às 16h30, no Cineteatro São João, no Entroncamento, o seu novo livro A Tentação do Mar, uma obra em que o autor recorre a pequenas histórias cheias de grandes temas e convicções para discorrer sobre a relação histórica, actual e também perspectivada para o futuro entre Portugal e o Mar.
(ler mais...)


Novo livro de António Mário Santos: “Os Judeus em Torres Novas” é apresentado sábado na biblioteca »  2023-11-01 

 

Era com alguma expectativa que os amantes da história local, e de um modo particular todos os que se interessam pela acção da Inquisição em Torres Novas, vinham aguardando o livro de António Mário Santos versando exactamente essa temática.
(ler mais...)


Teatro Meia Via estreia "O Inspector", de Nikolai Gógol »  2023-11-01 

O Teatro Meia Via, Associação Cultural de Torres Novas, vai estrear no dia 4 de Novembro às 21h00, no Teatro Maria Noémia, na Meia Via, a sua nova peça "O Inspector", do dramaturgo russo Nilkolai Gógol.

Volvidos 22 anos do seu nascimento, o Teatro Meia Via, Associação Cultural de Torres Novas apresenta em 2023 aquela que é a sua 22° produção Teatral, desta feita enveredando uma vez mais pelo fértil teatro russo do século XIX e por uma grande "embarcação": “O Inspector”, de Nikolai Gógol.
(ler mais...)


“Senhores de Fátima – Torres Novas e os acontecimentos da Cova da Iria” apresentado dia 14 »  2023-10-08 

“Senhores de Fátima – Torres Novas e os acontecimentos da Cova da Iria”, um novo livro de João Carlos Lopes, vai ser apresentado no próximo dia 14 de Outubro, sábado, pelas 15h30, no auditório da Biblioteca Municipal de Torres Novas.
(ler mais...)


Ministro da Cultura inaugurou nova Casa Humberto Delgado »  2023-10-08 

O ministro da Cultura, Adão e Silva, inaugurou no domingo, dia 1 de Outubro, a requalificação da Casa Humberto Delgado, em Boquilobo, Brogueira, após obras de reabilitação do edifício, agora transformado em Centro Humberto Delgado (CHUDE), um Centro de Estudos e Observatório da Liberdade.
(ler mais...)


Câmara dá 6 mil por “direitos” de música publicada há mais de dois anos »  2023-08-29 

O caso não deixa de ser, no mínimo, insólito: a Câmara de Torres Novas acaba de comprar os “direitos” de uma música, sobre a qual foi produzido um vídeo-disco há dois anos e meio, publicado livremente e partilhado desde então no youtube, contando com cerca de 30 mil visualizações.
(ler mais...)


Torreshopping: exposição de arqueologia »  2023-08-08 

Com o objectivo de valorizar o património arqueológico do concelho de Torres Novas e divulgá-lo junto da comunidade, o Torreshopping recebe a exposição “Os Romanos Entre Nós: Testemunhos”, até 21 de Agosto.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)