• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 20 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 15° / 8°
Céu muito nublado com chuva fraca
Sex.
 15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Manuel Fernandes Vicente: novo livro é apresentado dia 13

Cultura  »  2019-07-06 

“O Vento das Sete Serras” é o título do novo livro do professor e jornalista Manuel Fernandes Vicente, um beirão radicado no Entroncamento há décadas e um dos mais apreciados repórteres e cronistas da região. O Centro Cultural do Entroncamento vai ser o palco da sessão, que tem início às 16 horas.

Grande jornalista, durante anos correspondente do “Público” na região, colaborador de décadas do “Notícias do Entroncamento” e ultimamente do jornal “Abarca”, Manuel Fernandes Vicente é também conhecido como grande melómeno, tendo já publicado várias e entusiasticamente recebidas obras dedicadas a essa sua paixão que é a música, a música do mundo.

“O Vento das Sete Serras” é, em primeira instância, um conjunto de reportagens na sua maior parte publicadas em Abarca, outras inéditas, cujo fio condutor reside exctamente na paisagem das serras do centro do país, nas suas dimensões geográficas, históricas e etnográficas. São quase oitenta textos, muitos deles ao estilo de crónicas de grande expressividade literária, em que a beleza das palavras e o rigor da descrição transmitem quase graficamente uma parte do Portugal arredado dos holofotes da política e das televisões, um Portugal de que quase só resta um rasto poético que MFV percorre pelos “caminhos e paisagens culturais”, para usar uma expressão mais próxima da dimensão antropológica e etnográfica de muitos dos textos.

Esses caminhos descem das serras (não é só de serras que o autor fala) e percorrem vales e planícies, os recortes dos rios e das ribeiras, desaguam perto do mar, lá onde ainda restam gestos humanos que resistem à mecânica deste tempo que tudo torna igual.

As viagens passam pelas serras de Moradal ou da Lousã, demoram-se no relato de transumâncias pastoris da Gardunha, revelam segredos da Serra da Estrela, espreitam moinhos e antigos moleiros, fixam a etnografia dos telhados de água da Mendiga e de Serro Ventoso, aqui mais perto, parentes dos do Vale da Serra, mas também descem os rios, recordam as barcas de passagem do Tejo, entre elas a da Amieira, e o antigo cais de Tancos, contam histórias de barragens e albufeiras, de Almourol ou da Cardiga, com detalhe contam como vieram as pedras de Santa Apolónia para erguer a frontaria da capela do Arripiado, num desfiar de retratos de territórios físicos e humanos muitas vezes alicerçados em fontes ou referências historiográficas antigas que lhes dão solidez literária e documental.

São viagens no espaço mas também no tempo, justapondo camadas de informação de que resultam as paisagens que dão corpo às crónicas, muito ao estilo que faz lembrar, aqui e ali, Bill Brysson, mestre da literatura destas viagens que se demoram nas pequenas veredas da geografia e nos enredos da pequena grande história de todas as coisas, ou mesmo o Álvaro Domingues da sua “Volta a Portugal”. Mas este livro de MFV não se fica pelo mundo rural e distante das serranias e vales esquecidos: inclui memorandos de geografias mais urbanas, ao desvendar a génese do parque verde do Bonito, na cidade ferroviária, ou ao reportar vivências urbanas como a arte de rua de Violant, na Barquinha.

“Manuel Fernandes Vicente é um achador de histórias. E um mestre da arte de as contar. Calcorreia caminhos improváveis (…) Num país de mar e de serras, em que as serras se vão esgotando de gente, de vida e de memórias, valha-nos este Vento que delas sopra e nos traz de volta pedaços esquecidos ou mal conhecidos de um Portugal antigo e autêntico.” Assim escreve sobre este livro António Matias Coelho, outro conhecido activista cultural da região, também escritor.

Alexandre Couto, professor, fixa estas palavras na badana do livro: “O Vento das Sete Serras acicata a curiosidade, condu-la por caminhos mágicos e de uma maneira inusitada, e sob uma perspetiva única, leva-nos a um certo sentido da vida. A escrita é magistral, mescla de prosa e poesia, montanhas humanas povoadas dos seus escultores, segredos, lendas, locais, mistérios, tradições, cultos… desvendando e fazendo a exaltação do seu mundo com mestria. Está tudo lá para sorver e fruir até à última gota. Esta é talvez a melhor obra publicada nestes nos nossos dias. Apaixonante!”

Tudo verdade, como também se diz na apresentação: “O Vento das Sete Serras é um daqueles livros que cartografou as emoções contidas em muitas serranias e trata destas singularidades frágeis dos seres humanos ligados às suas montanhas, circula deliberadamente por fora das autoestradas e mergulha em utopias sem algoritmos que só não se realizam porque deixámos de acreditar que, tal como as serras, já se tornaram inabitáveis”. Outra vez verdade: aí está um livro que vai marcar o panorama literário da região. E do país, se as folhas literárias de Lisboa ou do Porto não olharem só das marquises de Alvalade ou das varandas da Boavista.

Manuel Fernandes Vicente nasceu em Castelo Branco, estudou em Coimbra e vive no Entroncamento, onde é professor de Matemática há alguns anos. Participa ou já colaborou assiduamente com diversas publicações nacionais ou regionais, em papel ou eletrónicos, como o Público, Blitz, Abarca, Notícias do Entroncamento e Entroncamentoonline, entre outros. O Vento das Sete Serras é o seu quinto livro.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Cine-Clube: balanço dos 60 anos »  2021-01-10 

“Um ano que apresentou desafios como há muito o associativismo em geral e o cineclubismo em particular não sentiam, foi objectivo da direcção não parar a actividade, pois a responsabilidade cultural assumida há 60 anos, o amor ao cinema, ao associativismo e ao contacto presencial com o público, com os sócios, com os amigos, ditaram que não tombássemos os braços nem desistíssemos de alguma forma de actividade que, reinventada, pudesse subsistir” – assim começa a nota de imprensa do Cine-Clube de Torres Novas.
(ler mais...)


Samuel Úria: concerto suspenso »  2021-01-08 

O concerto de Samuel Úria, aprazado para amanhã no teatro Virgínia, em Torres Novas, foi suspenso e reagendado para o próximo dia 15, uma nova data que deverá merecer, contudo, todas as reservas.

O agravamento da situação sanitária em quase todo o país e nomeadamente no concelho de Torres Novas (um dos três municípios do distrito com maior índice de contágios), obriga a medidas mais restritivas: neste fim de semana passa a vigorar o recolher obrigatório a partir das 13 horas, enquanto nos dias de semana esse regime tem início às 23 horas.
(ler mais...)


Liteiros: “Os Ceifeiros” festejam 32.º aniversário »  2020-11-21 

“Apesar dos constrangimentos que estamos a atravessar devido ao complexo contexto desencadeado pela actual pandemia e das saudades de estarmos em palco e próximos das pessoas e amigos, não poderíamos deixar passar em claro o aniversário dos “Ceifeiros” e da sua escolinha de folclore”, começa por realçar a colectividade em comunicado de imprensa.
(ler mais...)


Alice Vieira condecorada pelo Presidente da República »  2020-11-17 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou hoje, terça-feira a escritora Alice Vieira e também e os músicos Jorge Palma e António Variações, este a título póstumo.
(ler mais...)


Virgínia: homenagem a Pedro Barroso com concerto dia 28 »  2020-11-09 

Torres Novas é uma das cidades onde se vai homenagear Pedro Barroso no dia em que o cantautor completaria 70 anos. “Viva quem canta!”, título de uma das mais conhecidas cantigas do músico de origens riachenses, é o mote do espectáculo que terá lugar no teatro Virgínia, no próximo dia 28 de Novembro.
(ler mais...)


Virgínia: Teatro Maior de Idade estreia “A Cantora Careca” »  2020-11-06 

O Teatro Maior de Idade, do projecto “Teatro em Formação” do Teatro Virgínia, estreia sábado, dia 7 de Novembro, às 21h30 o seu mais recente espectáculo, fruto do trabalho desenvolvido ao longo do último ano de ensaios.
(ler mais...)


SMUT de Lapas: fez 100 anos a mais jovem filarmónica do concelho »  2020-10-22 

Fundada em 18 de Outubro de 1920, rezam os anais por Joaquim Silva Nuno, Joaquim Vieira Borga Sobrinho, António Sousa Martins, Olímpio Vieira Borga, Augusto César Lince, Joaquim Ferreira Agulha, Joaquim Santos Emílio, José Martins e António Faria Laureano, e nessa altura a designação oficial indicava que se fundara a Banda Recreativa de Lapas.
(ler mais...)


Tiago Bettencourt no Virgínia, em concerto com lotação “muito limitada” »  2020-10-15 

Tiago Bettencourt apresenta-se ao público no Teatro Virgínia, a 27 de Outubro, no âmbito do 15.º aniversário daquela sala de espectáculos (após obras de renovação). O músico, ex-Toranja, dará um concerto com uma lotação muito limitada e sem venda de bilhetes, às 21h30.
(ler mais...)


Sábado, no Teatro Taborda: "Obrigado Bernardo, Santarém de Portugal" »  2020-10-05 

Depois de ter estreado em Almeirim, “Obrigado Bernardo Santarém de Portugal”  terá apresentação ao público escalabitano numa sessão única, no Teatro Taborda, do Círculo Cultural Scalabitano, amanhã, dia 10 de Outubro, pelas 21H30.
(ler mais...)


Teatro Virgínia: reabertura promete Clã, Rodrigo Leão e Calcanhotto »  2020-09-28 

O Teatro Virgínia reabre após o anterior confinamento provocado pela Covid-19, reagendando espectáculos anteriormente previstos e que tiveram de ser cancelados e com muitas outras novidades, seguindo todas as recomendações da Direção Geral de Saúde.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)
»  2021-01-08  Samuel Úria: concerto suspenso
»  2021-01-10  Cine-Clube: balanço dos 60 anos