• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 35° / 15°
Períodos nublados
Ter.
 33° / 16°
Períodos nublados
Seg.
 36° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Manuel Fernandes Vicente: novo livro é apresentado dia 13

Cultura  »  2019-07-06 

“O Vento das Sete Serras” é o título do novo livro do professor e jornalista Manuel Fernandes Vicente, um beirão radicado no Entroncamento há décadas e um dos mais apreciados repórteres e cronistas da região. O Centro Cultural do Entroncamento vai ser o palco da sessão, que tem início às 16 horas.

Grande jornalista, durante anos correspondente do “Público” na região, colaborador de décadas do “Notícias do Entroncamento” e ultimamente do jornal “Abarca”, Manuel Fernandes Vicente é também conhecido como grande melómeno, tendo já publicado várias e entusiasticamente recebidas obras dedicadas a essa sua paixão que é a música, a música do mundo.

“O Vento das Sete Serras” é, em primeira instância, um conjunto de reportagens na sua maior parte publicadas em Abarca, outras inéditas, cujo fio condutor reside exctamente na paisagem das serras do centro do país, nas suas dimensões geográficas, históricas e etnográficas. São quase oitenta textos, muitos deles ao estilo de crónicas de grande expressividade literária, em que a beleza das palavras e o rigor da descrição transmitem quase graficamente uma parte do Portugal arredado dos holofotes da política e das televisões, um Portugal de que quase só resta um rasto poético que MFV percorre pelos “caminhos e paisagens culturais”, para usar uma expressão mais próxima da dimensão antropológica e etnográfica de muitos dos textos.

Esses caminhos descem das serras (não é só de serras que o autor fala) e percorrem vales e planícies, os recortes dos rios e das ribeiras, desaguam perto do mar, lá onde ainda restam gestos humanos que resistem à mecânica deste tempo que tudo torna igual.

As viagens passam pelas serras de Moradal ou da Lousã, demoram-se no relato de transumâncias pastoris da Gardunha, revelam segredos da Serra da Estrela, espreitam moinhos e antigos moleiros, fixam a etnografia dos telhados de água da Mendiga e de Serro Ventoso, aqui mais perto, parentes dos do Vale da Serra, mas também descem os rios, recordam as barcas de passagem do Tejo, entre elas a da Amieira, e o antigo cais de Tancos, contam histórias de barragens e albufeiras, de Almourol ou da Cardiga, com detalhe contam como vieram as pedras de Santa Apolónia para erguer a frontaria da capela do Arripiado, num desfiar de retratos de territórios físicos e humanos muitas vezes alicerçados em fontes ou referências historiográficas antigas que lhes dão solidez literária e documental.

São viagens no espaço mas também no tempo, justapondo camadas de informação de que resultam as paisagens que dão corpo às crónicas, muito ao estilo que faz lembrar, aqui e ali, Bill Brysson, mestre da literatura destas viagens que se demoram nas pequenas veredas da geografia e nos enredos da pequena grande história de todas as coisas, ou mesmo o Álvaro Domingues da sua “Volta a Portugal”. Mas este livro de MFV não se fica pelo mundo rural e distante das serranias e vales esquecidos: inclui memorandos de geografias mais urbanas, ao desvendar a génese do parque verde do Bonito, na cidade ferroviária, ou ao reportar vivências urbanas como a arte de rua de Violant, na Barquinha.

“Manuel Fernandes Vicente é um achador de histórias. E um mestre da arte de as contar. Calcorreia caminhos improváveis (…) Num país de mar e de serras, em que as serras se vão esgotando de gente, de vida e de memórias, valha-nos este Vento que delas sopra e nos traz de volta pedaços esquecidos ou mal conhecidos de um Portugal antigo e autêntico.” Assim escreve sobre este livro António Matias Coelho, outro conhecido activista cultural da região, também escritor.

Alexandre Couto, professor, fixa estas palavras na badana do livro: “O Vento das Sete Serras acicata a curiosidade, condu-la por caminhos mágicos e de uma maneira inusitada, e sob uma perspetiva única, leva-nos a um certo sentido da vida. A escrita é magistral, mescla de prosa e poesia, montanhas humanas povoadas dos seus escultores, segredos, lendas, locais, mistérios, tradições, cultos… desvendando e fazendo a exaltação do seu mundo com mestria. Está tudo lá para sorver e fruir até à última gota. Esta é talvez a melhor obra publicada nestes nos nossos dias. Apaixonante!”

Tudo verdade, como também se diz na apresentação: “O Vento das Sete Serras é um daqueles livros que cartografou as emoções contidas em muitas serranias e trata destas singularidades frágeis dos seres humanos ligados às suas montanhas, circula deliberadamente por fora das autoestradas e mergulha em utopias sem algoritmos que só não se realizam porque deixámos de acreditar que, tal como as serras, já se tornaram inabitáveis”. Outra vez verdade: aí está um livro que vai marcar o panorama literário da região. E do país, se as folhas literárias de Lisboa ou do Porto não olharem só das marquises de Alvalade ou das varandas da Boavista.

Manuel Fernandes Vicente nasceu em Castelo Branco, estudou em Coimbra e vive no Entroncamento, onde é professor de Matemática há alguns anos. Participa ou já colaborou assiduamente com diversas publicações nacionais ou regionais, em papel ou eletrónicos, como o Público, Blitz, Abarca, Notícias do Entroncamento e Entroncamentoonline, entre outros. O Vento das Sete Serras é o seu quinto livro.

 

 

 Outras notícias - Cultura


ZêzereArts regressa com a melhor música erudita »  2019-07-03 

O ZêzereArts está de regresso, comprometido com a divulgação da música erudita da região. Entre os dias 14 e 27 de Julho de 2019, Ferreira do Zêzere, Tomar, Vila Nova da Barquinha, e também Batalha e, ainda, Dornes recebem concertos, recitais e exposições de arte.
(ler mais...)


Intemporal inquietação, por Carlos Tomé »  2019-07-03 

Quando os primeiros acordes da Gare de Austerlitz se fizeram ouvir no Estúdio Alfa, em Torres Novas, no último sábado de Junho, fui imediatamente transportado para a o concerto do José Mário Branco na Aula Magna, em 1982.
(ler mais...)


BONS SONS: o cartaz em detalhe, todos os artistas e final com Júlio Pereira »  2019-06-28 

 O BONS SONS está à porta, entre 8 e 11 de Agosto, em Cem Soldos, uma aldeia em manifesto aqui tão pertinho Quatro dias, dois novos palcos (10 palcos) e mais de cinquenta concertos, num recinto mais alargado. Há mais aldeia e menos pessoas, tendo a lotação diminuído de 40 mil para 35 mil pessoas, nesta edição comemorativa dos 13 anos e das 10 edições.
(ler mais...)


Phydellius: música em festa no Teatro Virgínia »  2019-06-20 

O Teatro Virgínia foi ontem palco de mais uma excelente jornada artística, com a realização do Concerto Semper Phydellius 2019, num encerramento em beleza das actividades lectivas do Conservatório.

Em palco estiveram 70 jovens músicos e coralistas a solo, em ensemble e em orquestra, numa magnífica mostra do trabalho realizado pela instituição, através de uma selecção classes disciplinares e dos 28 docentes e colaboradores especializados da escola de música.
(ler mais...)


Sérgio Godinho fecha última noite das festas da cidade »  2019-06-19 

As Festas da Cidade (ou do Almonda, consoante os humores), que assinalam anualmente a elevação de Torres Novas a cidade, realizam-se este ano entre 4 e 7 de Julho, como habitualmente no Jardim da Fontinha. Destaque para a presença de Sérgio Godinho, 25 anos após a sua primeira actuação na cidade.
(ler mais...)


Por este rio abaixo: fotografias de Abílio Dias »  2019-06-06 

“O Almonda da nascente à foz” - foi este o programa cumprido por Abílio Dias, fotógrafo amador torrejano, que durante alguns anos fez imagens do curso do rio e agora as mostra numa exposição patente no edifício do antigo hospital até final de Julho.
(ler mais...)


Bertino Coelho Martins homenageado pelo Fórum Ribatejo na Barquinha »  2019-05-25 

Bertino Coelho Martins, natural de Lapas, um dos maiores vultos da cultura torrejana e da região ribatejana, foi homenageado hoje, dia 25, na Barquinha, no decorrer do II Encontro de Cultura Popular do Ribatejo, organizado pelo Fórum Ribatejo em parceria com a autarquia barquinhense.
(ler mais...)


Andreia Carreira - mulher, mãe, médica, música e maestrina: “A maternidade foi a única coisa que me fez sentir diferente por ser mulher” »  2019-04-20 

Andreia Carreira tem 35 anos e é natural de Torres Novas. É médica, mãe, mulher. Toca clarinete na Banda da Mata e frequenta o curso de direcção de banda e coro no Orfeão Foz Douro, no Porto, uma formação que sentiu necessidade de fazer para melhor cumprir a sua tarefa de maestrina na banda Nabantina, de Tomar.
(ler mais...)


Bons Sons: Júlio Pereira a fechar a grande festa da música portuguesa deste ano »  2019-04-19 

Diabo na Cruz, First Breath After Coma + Noiserv, Glockenwise + JP Simões, Joana Espadinha + Benjamim, Lodo + Peixe, Sensible Soccers + Tiago Sami Pereira, Sopa de Pedra + Joana Gama, são alguns dos nomes do enrome cartaz artísitico do BONS SONS deste ano, numa edição que vai encerrar com Júlio Pereira, que recentemente ganhou o prémio José Afonso com o seu álbum Praça do Comércio.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)
»  2019-07-03  Intemporal inquietação, por Carlos Tomé
»  2019-06-28  BONS SONS: o cartaz em detalhe, todos os artistas e final com Júlio Pereira
»  2019-07-03  ZêzereArts regressa com a melhor música erudita
»  2019-07-06  Manuel Fernandes Vicente: novo livro é apresentado dia 13