• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 25 de Abril de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sex.
 17° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 26° / 11°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  24° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Bons Sons: radiografia de um amor de verão

Cultura  »  2018-04-15 

Há várias dimensões a analisar quando se trata de avaliar um festival e o BONS SONS passa com distinção em todas. O estudo realizado junto do público do festival mostra que há todo um país a convergir a Cem Soldos, em Agosto. Em termos nacionais, o BONS SONS é visitado desde o Porto (15%) e região norte (24%), passando por Lisboa e grande Lisboa/Vale do Tejo, de onde provém a grande maioria (58%). Em termos regionais, 48% dos visitantes são de localidades a menos de 40 km de Cem Soldos - Tomar, Ourém, Alcanena, Torres Novas, Abrantes e Fátima.

O estudo é resultado de questionários aplicados durante quatro dias na última edição do festival, junto de uma amostra composta por homens e mulheres de vários pontos pontos do país, de diferentes grupos etários e diversificado perfil académico, com o objectivo de caracterizar os perfis de público, considerando o seu perfil sócio-cultural e a sua relação com o festival.

Um dos grandes atractivos para os visitantes questionados é o facto de o festival fazer parte de algo maior, de um projecto comunitário, erguido por voluntários, pela amizade e pelo amor a um ideal. Os festivaleiros reconhecem esse ideal e sentem-se felizes por fazer parte dele. A reunião com amigos, a possibilidade de fazer novos, é outra das razões que leva milhares a Cem Soldos.

Quem vai uma vez volta sempre
Interessante verificar que a maioria que vai pela primeira vez ao festival volta (58% dos inquiridos foi e voltou uma ou mais vezes). Os visitantes mais fiéis, isto é os que já estiveram em edições anteriores, valorizam mais a dimensão comunitária do BONS SONS e o programa musical (ver actuar um artista em particular) do que os visitantes que vêm ao festival pela primeira vez, sendo que a maioria tem conhecimento do festival através de amigos e familiares (74%). Este resultado reforça a ideia de que o BONS SONS é um festival de amigos e para os amigos.
Para os visitantes, é possível perceber que o BONS SONS contribui também para uma imagem positiva de Cem Soldos, para tornar a comunidade mais aberta, para reforçar laços intergeracionais, para o sentimento de comunidade e contribui com benefícios económicos e receitas para projectos sociais na aldeia.
Constata-se também que a satisfação geral é bastante elevada entre os visitantes. Mais de 87% declara-se muito ou totalmente satisfeito com o festival, 98% assume que provavelmente ou certamente irá voltar ao festival, e 99% recomendaria o festival aos amigos e familiares.

Tudo isto com uma banda sonora proporcional ao amor que se sente ao entrar na aldeia que se fecha de tanto abrir os braços. Os concertos são o vento que empurra paixões, amizades e encontros. O programa do BONS SONS é realçado pela sua qualidade, pelo seu enquadramento na aldeia e pela forma como consegue transmitir energia e alegria durante os quatro dias de festival.

Um festival sustentável
E depois há a sustentabilidade, uma qualidade que o BONS SONS teima e teimará ter sempre. Realçando, novamente, o facto de o festival ser erguido por voluntários, a ecologia está sempre presente de forma muito profissional e estimada. Não há desperdícios e a reciclagem ou reutilização das já famosas canecas ou copos reutilizáveis são ponto de honra na aldeia. São, acima de tudo, algo natural.
Este amor de verão já tem data marcada, de 9 a 12 de Agosto. “Em Cem Soldos há bons sons, bons palcos, boas vibrações e boas amizades. E amor de verão. O resto se verá”.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Atalaia: arte urbana de Vhils homenageia oleiros »  2018-04-23 

Está concluída a primeira intervenção artística em espaço público no âmbito do projecto ARTEJO. A obra do artista português Alexandre Farto (Vhils) foi executada nos últimos dias e já pode ser apreciada pelo público na Atalaia, concelho de Vila Nova da Barquinha.
(ler mais...)


Jorge Fazenda lança livro de memórias dia 21 »  2018-04-06 

“Nas longas caminhadas por montes e vales que diariamente fazia nos arredores, travava conhecimento com um mundo fantástico que, aos poucos, ia substituindo aquele a que toda a vida julgara pertencer”: não se sabe onde fica a elevação em que se ergue uma antiga árvore agora confidente do autor e, mais que isso, criatura irmã de uma vida finalmente reconfigurada e atada aos fios das gerações anteriores, não só de homens e mulheres, mas também de outras plantas e árvores, bichos, cheiros, ventos, aragens e sombras.
(ler mais...)


Barquinha: boa música com Pedro Jóia e Sopa da Pedra »  2018-04-06 

A igreja matriz da Atalaia vai ser o palco para a actuação do virtuoso e multifacetado guitarrista Pedro Jóia, no próximo dia 14 Abril, pelas 22 horas.
“Observar Pedro Jóia e a sua guitarra é vislumbrar um único corpo.
(ler mais...)


Teatro Virgínia: “Sopro, um solo de dança”, por Sofia Neuparth »  2018-02-28 

Sofia Neuparth e o c.e.m. – centro em movimento, trazem ao Teatro Virgínia um solo de dança, acompanhado de conversa, no dia 10 de Março, às 21h30.
Segundo Sofia Neuparth, «Sopro é um estudo do nascer do gesto que traz ao encontro a alegria de ser movimento! Não se é corpo sozinho.
(ler mais...)


Barquinha: workshop de escrita criativa »  2018-02-26 

O Centro de Estudos de Arte Contemporânea, em Vila Nova da Barquinha, acolhe nos dias 2 e 3 de Março um workshop de escrita criativa, que contará com a dinamização de Nuno Garcia Lopes. A inscrição para esta iniciativa custa 25 euros (para sócios é 20 euros).
(ler mais...)


Exposição evoca 120.º aniversário de Maria Lamas »  2018-02-21 

É inaugurada no Dia Internacional da Mulher (8 de Maio), a exposição “MULHERES, PAZ, LIBERDADE //MARIA LAMAS”, naquela que pretende ser um “homenagem singela a esta figura ímpar da cultura portuguesa” no ano em que se celebra o 120.
(ler mais...)


Barquinha: “A terceira margem e as ruínas circulares”, é título de exposição de João Seguro »  2018-02-08 

A exposição “A terceira margem e as ruínas circulares”, de João Seguro, pode ser visitada na Galeria do Parque, em Vila Nova da Barquinha, entre 17 de Fevereiro e 27 de Maio de 2018.

Numa apresentação desta iniciativa, João Pinharanda, o curador, realça que João Seguro trabalhou algumas semanas nas residências de Verão em Vila Nova da Barquinha em 2107.
(ler mais...)


Prolongamento da exposição de Luís Rodrigues no Convento do Carmo »  2018-02-08 

Vai estar patente até ao próximo dia 2 de Março a exposição de pintura e cerâmica “Correspondências – técnica mista”, na qual se revela parte da mais recente doação do artista Luís Rodrigues ao Museu Municipal Carlos Reis.
(ler mais...)


Filarmónica Riachense celebra aniversário este sábado, dia 10 »  2018-02-08 

A Sociedade Velha Filarmónica Riachense celebra o 134.º aniversário no próximo sábado, dia 10 de Fevereiro, com um almoço seguido de concerto (17 horas). Esta importante colectividade do concelho de Torres Novas tem no seu currículo diversas distinções e menções, nomeadamente a “Grã-Cruz da ordem do Infante D Henrique – 1984”; “Associação cultural de Utilidade Publica – desde 1994”, “Medalha de Ouro da Cidade de Torres Novas – 1984” e “Mérito da Freguesia de Riachos – 1998 e 2010”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 10 dias)
»  2018-04-23  Atalaia: arte urbana de Vhils homenageia oleiros