• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Janeiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 14° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 13° / 3°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  14° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O gajo de Benfica apaixonado pela alentejanita

Cultura  »  2018-07-11 

É uma gaiata de cintura fina, curvas generosas, redondinhas, sensuais: foi por ela que João Morais, curtido e calejado rocker da selva urbana de Benfica, se apaixonou, paixão improvável, uma luz que se acendeu numa noite de calmaria na campina alentejana. Subitamente, João empreendeu mudar de vida, sim, mudar de vida: trocar os decibéis brutais e alucinados dos verdes anos, aprender agora a moldar com as mãos a fragilidade e a graça feitas música, música estranha, a pedir os dedos em sincronia num ballet iluminado sobre um braço a dez vozes pontilhadas.

Quando Michel Giacometti percorreu tabernas e barbearias de Ourique e Odemira no início de 70, ele, um corso, doente dos pulmões em terapia de vida chegado a este país de doces manhãs, e registou as baladas indecifráveis do lendário Ti António Bento, ainda jovem, e dos últimos malteses e ganhões que percorriam feiras e despiques, viola a tiracolo, uma viola esquisita a tiracolo, pensou ter encontrado qualquer tesouro vindo de uma terra de ninguém, um tesouro arqueológico de difícil filiação. O corso já tinha andado antes por outros mediterrânios, até por Tras-os-Montes, mas nunca tinha visto nem ouvido nada parecido.

A viola campaniça era, no estertor daquele Alentejo danado o parente mais pobre da família de cordofones tradicionais portugueses: não tinha a beleza rendilhada nem o coração de uma amarantina ou de uma braguesa, nem a elegância burguesa de uma viola da terra açoriana. A campaniça era tosca, roufenha, de voz aramada, sem narrativas melódicas que não as tristes e cansadas melopeias sem princípio e sem fim, sempre mal amanhada, feita com o que havia à mão, o espelho da ascética pobreza de um Alentejo interior do interior, pobre, à parte, ele próprio, naquele triângulo rural dos montes e searas de Ourique, Odemira e Castro, um país à parte.

Perto da passagem do milénio, a campaniça estava praticamente extinta e o Ti António Bento, já velho, apresentado de feira em feira como troféu de um ou outro ansioso académico à procura de salvar o mundo: a graciosa campaniça, moça morena do sol terrível do sul, perdera o canto, salvavam-se ainda as encantadoras curvas de mulher antiga, madura como as amoras dos silvados em Agosto. Mas já não se viam bandoleiros e moinantes que a sabiam amar, num amor bruto, furtivo, de alimentar noites enluaradas de festins e zaragatas.

Eis senão quando gente como Pedro Mestre, um miúdo hoje feito homem e nome grande da cultura musical alentejana, que resgatou a velha viola do seu torpor e a fez renascer, ela e os seus cantos, ou como Daniel Luz, artista construtor com oficina ali na estrada de São Teotónio a chegar ao Brejão, última terra de Amália, operaram o milagre dos justos, passo a passo numa canção de paciência que honra quem sabe esperar. Hoje, a campaniça é ensinada nas escolas, a ela se dedicam cancioneiros esquecidos. Aperaltou-se, ressuscitou alegre, maria bonita de fazer inveja às irmãs beiroas ou minhotas.

João Morais confessa que ainda em tempos da barulheira underground dos "Corrosão Caótica" e dos "Gazua" tentou tocar guitarra, a lisboeta guitarra de fado, mas desistiu por pensar que seria apenas mais um sofrível intérprete do melancólico choro da alfacinha cítara. Confessa que sempre ouvira Carlos Paredes, de quem era uma íntimo e secreto admirador. E, conta a lenda de João Morais, O GAJO, que numa algara rockeira a Beja, ouviu o tocador Paulo Colaço a dedilhar uma guitarra esquisita de que nunca tinha ouvido falar e que nunca tinha avistado em seus atribulados dias.

Foi paixão súbita: este gajo não quis saber de mais nada e atirou-se de alma e coração a uma nova vida. Aquele podia ser uma caminho. Afinou-se literalmente ao seu novo amor para lhe revelar acordes belos e imprevistos, toadas antes impossíveis. Este gajo não segue o canon dos novos académicos tocadores da campaniça. Esta mulher afinada em dó é de um homem só. É do Gajo. Ele diz que, sendo o punk uma atitude, é hoje mais punk naquilo que faz com a campaniça do que foi enquanto andou pela electricidade de alta voltagem. Que o punk é assim, um terreno sem tabus nem preconceitos. Como o amor. Seja.

Seja como for, o primeiro disco foi uma revelação. E do que se ouviu daquele que há-de vir se pode assegurar que o gajo continuar a amar esta outra vez feliz alentejana. A música do Gajo é surpreendente: aqui e ali ouve-se Paredes, muito Paredes, e esta afinidade de universos melódicos e harmónicos é um imenso elogio; nas esquinas parece surgir um Tó Trips a sorrir, malandro; a meias, às vezes, umas frases rockeiras dos velhos e violentos amores urbanos. Quem quiser saber mais, tem de ouvir, não chega contar. O gajo esteve nas festas da cidade num ritual secreto junto à velha chaminé iluminada de um vermelho a escorrer paixão. O gajo está apaixonado e isso nota-se.
João Carlos Lopes

 

 

 Outras notícias - Cultura


Pedro Abrunhosa deixou Torres Novas ao rubro »  2019-01-13 

Pedro Abrunhosa actuou em Torres Novas, em dose dupla: ao concerto do dia 12 de Janeiro, em que os bilhetes esgotaram num ápice, foi agendado um segundo concerto (para o dia 11) e esteve em cima da mesa a possibilidade de fazer um terceiro espectáculo.
(ler mais...)


Concerto de Reis é domingo às 17 horas »  2019-01-03 

O tradicional concerto de Reis do Choral Phydellius, que abre o ano musical em Torres Novas, realiza-se no domingo, pelas 17 horas, na Igreja do Carmo.

Participam no programa as classes do Conservatório, o coro juvenil e o Choral Phydellius, dirigido pela maestro João Branco.
(ler mais...)


Alcanena: concerto de Ano Novo com a filarmónica de Minde »  2019-01-01 

O Cine-Teatro São Pedro recebe, no dia 5 de Janeiro de 2019, sábado, às 21H30, o concerto de Ano Novo, pela banda filarmónica da Sociedade Musical Mindense, sob a direcção do maestro João Carlos Roque Gameiro.
(ler mais...)


Torres Novas: Colectivo 249 abre portas no Lamego »  2018-12-22 

“Cuidado com o degrau” é o aviso de abertura, mas também pode ser uma metáfora: o mundo está cheio de degraus que é preciso subir e descer em segurança para agarrar os tempos conturbados e interessantes que vivemos.
(ler mais...)


Santarém apresenta projecto para a cultura e ideias para 2019 »  2018-12-19 

A Câmara de Santarém apresentou há dias o projecto “Santarém Cultura” e a programação para o primeiro trimestre de 2019, com destaque para espectáculos inseridos nas digressões nacionais de artistas como Áurea, Mafalda Veiga ou Bruno Nogueira.
(ler mais...)


Os velhos amantes da revolução »  2018-12-17 

O melhor da festa dos 80 anos de Joaquim Alberto Simões e do lançamento do livro que relata a sua aventurosa vida estava guardado para o fim, já muitas dezenas de amigos tinham deixado a antes repleta Casa do Povo de Riachos, no sábado passado: Joaquim Alberto, enfim liberto dos discursos e das formalidades, pegou na viola e cantou A canção dos Velhos Amantes e A Valsa a Mil Tempos de Brel, transformando em pura magia e calorosa emoção um momento raro, daqueles que os presentes vão guardar no coração para sempre.
(ler mais...)


Nova Augusta: para uma história da cultura em Torres Novas, segundo António Mário Santos »  2018-11-22 

 

Um dossier sobre a Grande Guerra, no ano em que se celebra o Armistício, e um caderno especial dedicado ao centenário do jornal O Almonda, com três artigos de Elvira Marques, são os traços dominantes da edição número 30 da “Nova Augusta”, uma revista de cultura patrocinada pelo município de Torres Novas mas que abre cada vez mais as suas páginas aos investigadores da história local dos concelhos vizinhos e que foi apresentada no domingo no museu municipal.
(ler mais...)


Constância: feira do livro vem aí »  2018-11-17 

A Feira do Livro vai voltar a Constância de 20 a 25 de novembro, um evento que terá lugar no Cineteatro Municipal, o qual está já a ser preparado pelo município, através da Biblioteca Municipal Alexandre O’Neill.
(ler mais...)


Alcanena: teatro de Vicente Batalha assinala aniversário do “São Pedro” »  2018-11-15 

“Sinfonia em Três Andamento”, com textos e dramaturgia de Vicente Batalha, vai ser levado à cena no teatro São Pedro, de Alcanena, para assinalar o 64.º aniversário da casa. Os espectáculos terão lugar na próxima semana, nos dias 20, 23 e 24 de Novembro, sempre às 21h30.
(ler mais...)


Chamusca: Orquestra da Casa Pia dá concerto dia 24 »  2018-11-14 

“Casa Pia no Coração do Ribatejo” é o lema do concerto que vai ser dado pela Orquestra da Casa Pia, no próximo dia 24 de Novembro, no cineteatro da Chamusca, às 18h.

A Casa Pia da Lisboa tem como uma das suas marcas identitárias a oportunidade que proporciona aos seus alunos contacto com a arte e a expressão artística.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)
»  2018-12-22  Torres Novas: Colectivo 249 abre portas no Lamego
»  2018-12-19  Santarém apresenta projecto para a cultura e ideias para 2019
»  2019-01-13  Pedro Abrunhosa deixou Torres Novas ao rubro
»  2019-01-03  Concerto de Reis é domingo às 17 horas
»  2019-01-01  Alcanena: concerto de Ano Novo com a filarmónica de Minde