• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 10 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 29° / 16°
Céu limpo
Qua.
 29° / 19°
Céu nublado
Ter.
 30° / 17°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  30° / 17°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O gajo de Benfica apaixonado pela alentejanita

Cultura  »  2018-07-11 

É uma gaiata de cintura fina, curvas generosas, redondinhas, sensuais: foi por ela que João Morais, curtido e calejado rocker da selva urbana de Benfica, se apaixonou, paixão improvável, uma luz que se acendeu numa noite de calmaria na campina alentejana. Subitamente, João empreendeu mudar de vida, sim, mudar de vida: trocar os decibéis brutais e alucinados dos verdes anos, aprender agora a moldar com as mãos a fragilidade e a graça feitas música, música estranha, a pedir os dedos em sincronia num ballet iluminado sobre um braço a dez vozes pontilhadas.

Quando Michel Giacometti percorreu tabernas e barbearias de Ourique e Odemira no início de 70, ele, um corso, doente dos pulmões em terapia de vida chegado a este país de doces manhãs, e registou as baladas indecifráveis do lendário Ti António Bento, ainda jovem, e dos últimos malteses e ganhões que percorriam feiras e despiques, viola a tiracolo, uma viola esquisita a tiracolo, pensou ter encontrado qualquer tesouro vindo de uma terra de ninguém, um tesouro arqueológico de difícil filiação. O corso já tinha andado antes por outros mediterrânios, até por Tras-os-Montes, mas nunca tinha visto nem ouvido nada parecido.

A viola campaniça era, no estertor daquele Alentejo danado o parente mais pobre da família de cordofones tradicionais portugueses: não tinha a beleza rendilhada nem o coração de uma amarantina ou de uma braguesa, nem a elegância burguesa de uma viola da terra açoriana. A campaniça era tosca, roufenha, de voz aramada, sem narrativas melódicas que não as tristes e cansadas melopeias sem princípio e sem fim, sempre mal amanhada, feita com o que havia à mão, o espelho da ascética pobreza de um Alentejo interior do interior, pobre, à parte, ele próprio, naquele triângulo rural dos montes e searas de Ourique, Odemira e Castro, um país à parte.

Perto da passagem do milénio, a campaniça estava praticamente extinta e o Ti António Bento, já velho, apresentado de feira em feira como troféu de um ou outro ansioso académico à procura de salvar o mundo: a graciosa campaniça, moça morena do sol terrível do sul, perdera o canto, salvavam-se ainda as encantadoras curvas de mulher antiga, madura como as amoras dos silvados em Agosto. Mas já não se viam bandoleiros e moinantes que a sabiam amar, num amor bruto, furtivo, de alimentar noites enluaradas de festins e zaragatas.

Eis senão quando gente como Pedro Mestre, um miúdo hoje feito homem e nome grande da cultura musical alentejana, que resgatou a velha viola do seu torpor e a fez renascer, ela e os seus cantos, ou como Daniel Luz, artista construtor com oficina ali na estrada de São Teotónio a chegar ao Brejão, última terra de Amália, operaram o milagre dos justos, passo a passo numa canção de paciência que honra quem sabe esperar. Hoje, a campaniça é ensinada nas escolas, a ela se dedicam cancioneiros esquecidos. Aperaltou-se, ressuscitou alegre, maria bonita de fazer inveja às irmãs beiroas ou minhotas.

João Morais confessa que ainda em tempos da barulheira underground dos "Corrosão Caótica" e dos "Gazua" tentou tocar guitarra, a lisboeta guitarra de fado, mas desistiu por pensar que seria apenas mais um sofrível intérprete do melancólico choro da alfacinha cítara. Confessa que sempre ouvira Carlos Paredes, de quem era uma íntimo e secreto admirador. E, conta a lenda de João Morais, O GAJO, que numa algara rockeira a Beja, ouviu o tocador Paulo Colaço a dedilhar uma guitarra esquisita de que nunca tinha ouvido falar e que nunca tinha avistado em seus atribulados dias.

Foi paixão súbita: este gajo não quis saber de mais nada e atirou-se de alma e coração a uma nova vida. Aquele podia ser uma caminho. Afinou-se literalmente ao seu novo amor para lhe revelar acordes belos e imprevistos, toadas antes impossíveis. Este gajo não segue o canon dos novos académicos tocadores da campaniça. Esta mulher afinada em dó é de um homem só. É do Gajo. Ele diz que, sendo o punk uma atitude, é hoje mais punk naquilo que faz com a campaniça do que foi enquanto andou pela electricidade de alta voltagem. Que o punk é assim, um terreno sem tabus nem preconceitos. Como o amor. Seja.

Seja como for, o primeiro disco foi uma revelação. E do que se ouviu daquele que há-de vir se pode assegurar que o gajo continuar a amar esta outra vez feliz alentejana. A música do Gajo é surpreendente: aqui e ali ouve-se Paredes, muito Paredes, e esta afinidade de universos melódicos e harmónicos é um imenso elogio; nas esquinas parece surgir um Tó Trips a sorrir, malandro; a meias, às vezes, umas frases rockeiras dos velhos e violentos amores urbanos. Quem quiser saber mais, tem de ouvir, não chega contar. O gajo esteve nas festas da cidade num ritual secreto junto à velha chaminé iluminada de um vermelho a escorrer paixão. O gajo está apaixonado e isso nota-se.
João Carlos Lopes

 

 

 Outras notícias - Cultura


Torres Novas: Tapadas nos 35 anos de cidade, hoje, no castelo »  2020-07-08 

Um concerto da fadista Teresa Tapadas assinala, hoje, a efeméride da elevação de Torres Novas a cidade, com o espectáculo aprazado para as 21h30, no recinto exterior do castelo de Torres Novas. Os espectáculos de música, como este, têm lotação limitada a 80 pessoas, com entrada livre mediante levantamento de bilhete no dia do espectáculo a partir das 19 horas junto à estatua D.
(ler mais...)


“A Força de Sentir”, o novo livro de António Rodrigues »  2020-06-12 

Não é um livro de memórias, mas é um livro cheio delas. António Rodrigues, nome que não precisa de maiores apresentações, apresentou na segunda-feira o seu mais recente livro, “A Força do Sentir”, numa cerimónia limitada pelas circunstâncias actuais, mas que teve honras de livreiro.
(ler mais...)


Morreu Pedro Barroso »  2020-03-17 

Pedro Barroso, um dos mais conhecidos músicos portugueses, morreu ontem à noite em Lisboa, na unidade de saúde onde estava internado, informou a família.

O artista contava 69 anos e iniciou-se no célebre programa da RTP ZipZip, em 1969, e desde então prosseguiu uma carreira de cantautor que o levou a actuar em muitos países e a percorrer praticamente todos os palcos de Portugal, sobretudo a partir de 1974.
(ler mais...)


Santarém: teatro, arte e ar livre na oferta do Círculo »  2020-02-04 

“Na Cidade”, a última criação artística do Veto teatro Oficina apresenta-se em duas datas únicas neste mês de fevereiro, no Teatro Taborda, dia 7 (sexta feira) e 8 (sábado), um espectáculo de teatro que concebido no contexto da celebração dos 150 anos de elevação de Santarém a cidade, “uma reflexão sobre a vidas nas cidades, essa realidade plena de múltiplos microcosmos, contradições, alheamentos, indiferença, egoísmos, mas também solidariedades, esperanças, amizades, surpresas”.
(ler mais...)


Música: novo single de Siul Sotnas »  2020-02-02 

Lançado na passada sexta-feira, está já disponível o mais recente single de Siul Sotnas, aliás Luis Santos, músico riachense com uma obra musical assinalável. “Um monte de gente”, canção em registo pop-rock, fala dos desajustes das personagens que retrata, mas as narrativas remetem para metáforas de uma certa interpretação dos paradoxos e contradições do tempo presente.
(ler mais...)


Actriz Céu Guerra esteve hoje em Torres Novas com alunos do concelho »  2020-01-22 

O espectáculo da Companhia de teatro «A Barraca» trouxe hoje a Torres Novas a peça de Gil Vicente "A Farsa de Inês Pereira" e contou, no final, com a presença da actriz e encenadora da peça, Maria do Céu Guerra.
(ler mais...)


David Antunes e Berg em concerto no Cineteatro São João »  2020-01-19 

O Cineteatro São João, no Entroncamento,  recebe, no dia 25 de Janeiro, pelas 21h30m, um concerto intimista, de piano, guitarra e vozes de David Antunes e Berg.

David Antunes, cantor, compositor e pianista, iniciou a sua carreira aos 6 anos a tocar com o pai.
(ler mais...)


Pedro Barroso: medalha de honra do município »  2020-01-09 

Na reunião camarária de terça-feira do executivo torrejano, foi aprovada por unanimidade a atribuição da Medalha de Honra do Município de Torres Novas a Pedro Barroso, que será entregue em ocasião a anunciar oportunamente, anuncia a autarquia em nota de imprensa.
(ler mais...)


Benção do Gado: verba de 60 mil não chegou a ser votada »  2020-01-09 

Ao contrário do que escrevemos na nossa edição de papel, que sai amanhã, a verba de 60 mil euros para apoio à festa da Bênção do Gado deste ano acabou por não ser votada na reunião do executivo municipal torrejano desta terça-feira.
(ler mais...)


Viva quem canta: a despedida de Pedro Barroso no Teatro Virgínia de Torres Novas »  2019-12-22 

Aberto o pano e sem uma palavra dita ainda, do público que enchia por completo o Teatro Virgínia irrompeu um espontâneo e caloroso aplauso, a primeira das muitas ovações a um Pedro Barroso que anunciara ser ali, naquela noite de 21 de Dezembro, o último espectáculo da sua carreira, iniciada precisamente há 50 anos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)