• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 25 de Abril de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sex.
 17° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 26° / 11°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  24° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Jorge Fazenda lança livro de memórias dia 21

Cultura  »  2018-04-06 

São memórias de uma vida, numa escolha selectiva, e o autor assume-o, de momentos felizes e generosos

“Nas longas caminhadas por montes e vales que diariamente fazia nos arredores, travava conhecimento com um mundo fantástico que, aos poucos, ia substituindo aquele a que toda a vida julgara pertencer”: não se sabe onde fica a elevação em que se ergue uma antiga árvore agora confidente do autor e, mais que isso, criatura irmã de uma vida finalmente reconfigurada e atada aos fios das gerações anteriores, não só de homens e mulheres, mas também de outras plantas e árvores, bichos, cheiros, ventos, aragens e sombras. Nas últimas páginas do livro, revela-se o diálogo reparador com a velha azinheira, e dela exala a energia para o dia seguinte de uma temporada de longo curso, como o vôo dos aviões que atravessam continentes.

Diz-se na badana que Jorge Marques Fazenda foi estudante, escriturário, desenhador, topógrafo, fotógrafo, operador de reactor, militar, comissário de bordo, proprietário de restaurante, pintor de artes plásticas, músico, autarca: dessas mil vidas, teria o antigo presidente da Junta de Freguesia de Alcorochel outras tantas histórias para contar num livro que seria imenso e que, parte dele, ficará na memória da árvore companheira. Que poderá situar-se tanto numa encosta do prodigioso vale do ribeiro do Pau, de Alcorochel, como numa onda desse mar de calor e pedra da Charneca. Não se sabe.

Jorge Marques Fazenda correu mundo a bordo dos grandes pássaros e viu paisagens e ouviu gentes, ventura arredada ao comum dos mortais. Só essas histórias dariam vários capítulos, conhecendo-se como se conhece a arte do autor para pintar palavras, mesmo apenas ditas, desses mundos maravilhosos que se abriam ao olhar do menino nascido em Alcântara mas com raízes profundas em Alcorochel, para onde voltaria há cerca de 20 anos.
O livro, que vai ser apresentado no dia 21 de Abril na biblioteca de Torres Novas, abre por isso com um punhado de histórias da infância e da juventude lisboeta do pequeno Jorge, ainda a sonhar ser guarda-redes e enredado em jogos de bola com sapatos de verniz, histórias algumas, belíssimas aliás, já conhecidas de outras vivências literárias.

“À Flor da Pele” inclui, a par e passo, textos poéticos que de alguma forma posicionam o pensamento do autor sobre as coisas do mundo e da vida ou enquadram sequências de histórias, paragens para respiro de outras histórias: de Lisboa, de África, das Europas, dos muitos cenários percorridos e avidamente vividos.

São memórias de uma vida, numa escolha selectiva, e o autor assume-o, de momentos felizes e generosos, como se o filme tivesse quase sempre cenas luminosas, abraços gratificantes, vivências solares e promissoras que parecem só ter sido possíveis nas joviais décadas de 60 e 70 do século passado. Não há, pois, lugar para azedumes e cinismos.

Nem mesmo as pequenas memórias do regresso do autor à terra das suas raízes e nela a sua experiência, já numa fase madura, de dirigente associativo, animador cultural ou autarca, que reergueu a aldeia para um patamar de felicidade comunitária nunca vista para depois tudo se esfumar num pôr-do-sol de equívocos e algum desamor, nem isso logrou tirá-lo de um rumo narrativo afastado de qualquer sentimento de acerto de contas com as frustrações.

Desse último acto comunitário de uma vida, fica a elegante metáfora de uma história a fazer-nos lembrar que um palmo de terra não vale guerras nem arrelias. Que a vida vale imensamente mais que isso. Jorge Fazenda vai falar-nos de tudo isto, aos seus muitos amigos e a todos quantos queiram estar com ele na biblioteca de Torres Novas, dia 21 à tarde.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Atalaia: arte urbana de Vhils homenageia oleiros »  2018-04-23 

Está concluída a primeira intervenção artística em espaço público no âmbito do projecto ARTEJO. A obra do artista português Alexandre Farto (Vhils) foi executada nos últimos dias e já pode ser apreciada pelo público na Atalaia, concelho de Vila Nova da Barquinha.
(ler mais...)


Bons Sons: radiografia de um amor de verão »  2018-04-15 

Há várias dimensões a analisar quando se trata de avaliar um festival e o BONS SONS passa com distinção em todas. O estudo realizado junto do público do festival mostra que há todo um país a convergir a Cem Soldos, em Agosto.
(ler mais...)


Barquinha: boa música com Pedro Jóia e Sopa da Pedra »  2018-04-06 

A igreja matriz da Atalaia vai ser o palco para a actuação do virtuoso e multifacetado guitarrista Pedro Jóia, no próximo dia 14 Abril, pelas 22 horas.
“Observar Pedro Jóia e a sua guitarra é vislumbrar um único corpo.
(ler mais...)


Teatro Virgínia: “Sopro, um solo de dança”, por Sofia Neuparth »  2018-02-28 

Sofia Neuparth e o c.e.m. – centro em movimento, trazem ao Teatro Virgínia um solo de dança, acompanhado de conversa, no dia 10 de Março, às 21h30.
Segundo Sofia Neuparth, «Sopro é um estudo do nascer do gesto que traz ao encontro a alegria de ser movimento! Não se é corpo sozinho.
(ler mais...)


Barquinha: workshop de escrita criativa »  2018-02-26 

O Centro de Estudos de Arte Contemporânea, em Vila Nova da Barquinha, acolhe nos dias 2 e 3 de Março um workshop de escrita criativa, que contará com a dinamização de Nuno Garcia Lopes. A inscrição para esta iniciativa custa 25 euros (para sócios é 20 euros).
(ler mais...)


Exposição evoca 120.º aniversário de Maria Lamas »  2018-02-21 

É inaugurada no Dia Internacional da Mulher (8 de Maio), a exposição “MULHERES, PAZ, LIBERDADE //MARIA LAMAS”, naquela que pretende ser um “homenagem singela a esta figura ímpar da cultura portuguesa” no ano em que se celebra o 120.
(ler mais...)


Barquinha: “A terceira margem e as ruínas circulares”, é título de exposição de João Seguro »  2018-02-08 

A exposição “A terceira margem e as ruínas circulares”, de João Seguro, pode ser visitada na Galeria do Parque, em Vila Nova da Barquinha, entre 17 de Fevereiro e 27 de Maio de 2018.

Numa apresentação desta iniciativa, João Pinharanda, o curador, realça que João Seguro trabalhou algumas semanas nas residências de Verão em Vila Nova da Barquinha em 2107.
(ler mais...)


Prolongamento da exposição de Luís Rodrigues no Convento do Carmo »  2018-02-08 

Vai estar patente até ao próximo dia 2 de Março a exposição de pintura e cerâmica “Correspondências – técnica mista”, na qual se revela parte da mais recente doação do artista Luís Rodrigues ao Museu Municipal Carlos Reis.
(ler mais...)


Filarmónica Riachense celebra aniversário este sábado, dia 10 »  2018-02-08 

A Sociedade Velha Filarmónica Riachense celebra o 134.º aniversário no próximo sábado, dia 10 de Fevereiro, com um almoço seguido de concerto (17 horas). Esta importante colectividade do concelho de Torres Novas tem no seu currículo diversas distinções e menções, nomeadamente a “Grã-Cruz da ordem do Infante D Henrique – 1984”; “Associação cultural de Utilidade Publica – desde 1994”, “Medalha de Ouro da Cidade de Torres Novas – 1984” e “Mérito da Freguesia de Riachos – 1998 e 2010”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 10 dias)
»  2018-04-23  Atalaia: arte urbana de Vhils homenageia oleiros