• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 35° / 15°
Períodos nublados
Ter.
 33° / 16°
Períodos nublados
Seg.
 36° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Sérgio Godinho fecha última noite das festas da cidade

Cultura  »  2019-06-19 

Cartaz (4 a 7 de JULHO) inclui David Fonseca, Tito Paris e Tó Trips

As Festas da Cidade (ou do Almonda, consoante os humores), que assinalam anualmente a elevação de Torres Novas a cidade, realizam-se este ano entre 4 e 7 de Julho, como habitualmente no Jardim da Fontinha. Destaque para a presença de Sérgio Godinho, 25 anos após a sua primeira actuação na cidade.

No concelho, Sérgio Godinho actuou pela primeira vez em Árgea, em Abril de 1975, num célebre concerto que também trouxe a estas terras José Afonso. À cidade, veio pela primeira vez nas festas de 1994, cumprem-se agora 25 anos. Depois disso, já por aqui voltou a passar, quer pelas Festas da Cidade, quer pela Benção do Gado. Volta este ano, sendo a marca mais forte da programação musical, e o palco vai ser dele na noite de domingo.

A festa começa na quinta-feira, dia 4 de Julho, com a actuação de “Sea”, intérprete e youtuber, no palco principal, instalado no Jardim da Fontinha, junto às piscinas, fechando com Pedro Dionysio e Amigos, agrupamento bem conhecido na região.

Na sexta, dia 5, no anfiteatro fronteiro ao pequeno Jardim das Rosas, actua M-PeX, um músico, compositor e produtor que tem na guitarra portuguesa o traço distintivo da sua identidade musical, posicionando-a enquanto instrumento solista em ambientes sonoros diversificados e pouco expectáveis. As suas criações pretendem modernizar e globalizar este instrumento tradicional da cultura portuguesa, culminando numa arrojada e inovadora confluência musical. No palco principal da Fontinha actua David Fonseca, encerrando a noite com outro grupo musical da região, os Trio de Ataque.

Sábado é um dia forte. Tó Trips, dos Dead Combo, tocará no anfiteatro do Jardim das Rosas com João Doce, segue-se o grande músico cabo-verdeano Tito Paris, depois os Mezanine no palco 2 e Sérgio&Animais, grupo pop-rock de covers e originais, no palco 3.

Domingo, é dia de encerramento das festas, com o palco principal da Fontinha guardado para Sérgio Godinho, um dos maiores cantautores portugueses dos últimos 50 anos, escritor e romancista, autor de canções-hinos que já marcaram duas gerações de portugueses. Actua antes, no palco 2, Maria Emília. A artista nasceu no Brasil, muito jovem veio para o Minho, onde se iniciou no fado na Taberna do Ganso e noutros locais bem conhecidos da região. Actuou nas casas de fado mais emblemáticas de Lisboa e em diversos países como Brasil, Espanha, Suíça e Bélgica. “Maria Emília é fresca e límpida, luminosa. Canta o fado como quem respira”, dizem os críticos.

As festas incluem ainda diversas actividades recreativas e desportivas (caminhada, dança, canoas no rio Almonda, basquetebol petanca e zumba), com entradas livres para todos os concertos e iniciativas.

SG, gigante da música portuguesa

Se há nome que é unânime na música portuguesa e transversal a muitas gerações de apreciadores, é o de Sérgio Godinho.
Cantor, compositor, escritor, actor (de teatro e cinema), Sérgio Godinho é, para citar uma das suas canções clássicas, o verdadeiro “homem dos sete instrumentos” contando com uma carreira artística de invejável longevidade que se prolonga há mais de 40 anos de modo intocável.
O insuperável acervo de canções que escreveu e gravou desde que se estreou em disco em 1971 inclui alguns dos clássicos maiores da música cantada em português dos últimos 50 anos, passadas de boca em boca e de geração em geração como raros outros músicos nacionais conseguiram assinar. “O Primeiro Dia”, “A Noite Passada”, “É Terça-Feira”, “Com um Brilhozinho nos Olhos”, “Espectáculo”, “Cuidado com as Imitações”, “Lisboa que Amanhece”, “Liberdade”, “Coro das Velhas”, “Caramba”, “Dancemos no Mundo”, “Barnabé”, para apenas citar uma dúzia, atestam o seu talento para traduzir de modo pessoal e intransmissível, numa conjugação inseparável de palavras e melodias, experiências e emoções universais.
Publicou em Janeiro de 2018 “Nação Valente”, o seu 18º trabalho discográfico de estúdio. Este seu mais recente disco traz-nos de volta ao conforto e inquietação que Sérgio Godinho nos tem proporcionado ao longo da sua carreira. Mas transporta-nos ainda para territórios poéticos e musicais de alguma forma inéditos na obra do cantautor e que ilustrarão, seguramente, os seus futuros “best of” – um conjunto de temas que pode muito bem representar aquele que tem sido o “nosso” quotidiano na presente década.
Sucessor do galardoado e muito aplaudido “Mútuo Consentimento”, “Nação Valente”, o último disco, quebrou os sete anos que Sérgio Godinho esteve sem gravar novas canções. Sete anos sem gravar, mas não de silêncio, nem sem editar. Em 2013, edita “Caríssimas Canções”; em 2014 “Liberdade”; e em 2015, com Jorge Palma, edita “Juntos Ao Vivo No Theatro Circo”, disco que recentemente recebeu o Galardão de Ouro. Entre a música, Sérgio Godinho apropria-se do sobrenome de contador de histórias e lança-se na edição, primeiro de um livro de contos, “Vida Dupla” (2014), depois o seu primeiro romance, “Coração Mais que Perfeito” (2017).

 

 

 Outras notícias - Cultura


Manuel Fernandes Vicente: novo livro é apresentado dia 13 »  2019-07-06 

“O Vento das Sete Serras” é o título do novo livro do professor e jornalista Manuel Fernandes Vicente, um beirão radicado no Entroncamento há décadas e um dos mais apreciados repórteres e cronistas da região.
(ler mais...)


ZêzereArts regressa com a melhor música erudita »  2019-07-03 

O ZêzereArts está de regresso, comprometido com a divulgação da música erudita da região. Entre os dias 14 e 27 de Julho de 2019, Ferreira do Zêzere, Tomar, Vila Nova da Barquinha, e também Batalha e, ainda, Dornes recebem concertos, recitais e exposições de arte.
(ler mais...)


Intemporal inquietação, por Carlos Tomé »  2019-07-03 

Quando os primeiros acordes da Gare de Austerlitz se fizeram ouvir no Estúdio Alfa, em Torres Novas, no último sábado de Junho, fui imediatamente transportado para a o concerto do José Mário Branco na Aula Magna, em 1982.
(ler mais...)


BONS SONS: o cartaz em detalhe, todos os artistas e final com Júlio Pereira »  2019-06-28 

 O BONS SONS está à porta, entre 8 e 11 de Agosto, em Cem Soldos, uma aldeia em manifesto aqui tão pertinho Quatro dias, dois novos palcos (10 palcos) e mais de cinquenta concertos, num recinto mais alargado. Há mais aldeia e menos pessoas, tendo a lotação diminuído de 40 mil para 35 mil pessoas, nesta edição comemorativa dos 13 anos e das 10 edições.
(ler mais...)


Phydellius: música em festa no Teatro Virgínia »  2019-06-20 

O Teatro Virgínia foi ontem palco de mais uma excelente jornada artística, com a realização do Concerto Semper Phydellius 2019, num encerramento em beleza das actividades lectivas do Conservatório.

Em palco estiveram 70 jovens músicos e coralistas a solo, em ensemble e em orquestra, numa magnífica mostra do trabalho realizado pela instituição, através de uma selecção classes disciplinares e dos 28 docentes e colaboradores especializados da escola de música.
(ler mais...)


Por este rio abaixo: fotografias de Abílio Dias »  2019-06-06 

“O Almonda da nascente à foz” - foi este o programa cumprido por Abílio Dias, fotógrafo amador torrejano, que durante alguns anos fez imagens do curso do rio e agora as mostra numa exposição patente no edifício do antigo hospital até final de Julho.
(ler mais...)


Bertino Coelho Martins homenageado pelo Fórum Ribatejo na Barquinha »  2019-05-25 

Bertino Coelho Martins, natural de Lapas, um dos maiores vultos da cultura torrejana e da região ribatejana, foi homenageado hoje, dia 25, na Barquinha, no decorrer do II Encontro de Cultura Popular do Ribatejo, organizado pelo Fórum Ribatejo em parceria com a autarquia barquinhense.
(ler mais...)


Andreia Carreira - mulher, mãe, médica, música e maestrina: “A maternidade foi a única coisa que me fez sentir diferente por ser mulher” »  2019-04-20 

Andreia Carreira tem 35 anos e é natural de Torres Novas. É médica, mãe, mulher. Toca clarinete na Banda da Mata e frequenta o curso de direcção de banda e coro no Orfeão Foz Douro, no Porto, uma formação que sentiu necessidade de fazer para melhor cumprir a sua tarefa de maestrina na banda Nabantina, de Tomar.
(ler mais...)


Bons Sons: Júlio Pereira a fechar a grande festa da música portuguesa deste ano »  2019-04-19 

Diabo na Cruz, First Breath After Coma + Noiserv, Glockenwise + JP Simões, Joana Espadinha + Benjamim, Lodo + Peixe, Sensible Soccers + Tiago Sami Pereira, Sopa de Pedra + Joana Gama, são alguns dos nomes do enrome cartaz artísitico do BONS SONS deste ano, numa edição que vai encerrar com Júlio Pereira, que recentemente ganhou o prémio José Afonso com o seu álbum Praça do Comércio.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)
»  2019-07-03  Intemporal inquietação, por Carlos Tomé
»  2019-06-28  BONS SONS: o cartaz em detalhe, todos os artistas e final com Júlio Pereira
»  2019-07-03  ZêzereArts regressa com a melhor música erudita
»  2019-07-06  Manuel Fernandes Vicente: novo livro é apresentado dia 13