• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Outubro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 10°
Céu limpo
Sáb.
 20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 23° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 16°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”

Sociedade  »  2019-01-28 

 

 Liliana Domingos tem 39 anos, é natural da Meia Via e trabalha há 19 anos como operadora especializada, no “Recheio”. Aos 14, deu os primeiros passos numa das suas muitas paixões, a rádio, e três anos depois pisou um palco pela primeira vez, integrando o elenco de “O Despertar da Primavera”, uma peça de Frank Wedekind levada a cena pelo Teatro Meia Via. Não tinha grande talento, diz, mas peça atrás de peça foi ficando, até hoje, em palco ou atrás do pano. Faz em Fevereiro seis anos que assume o cargo de presidente do Teatro Meia Via. A segunda mulher a fazê-lo, depois de Elsa Oliveira.

 Com um olhar expressivo que enche uma sala e um sorriso que nos faz sentir em casa, Liliana Domingos encara a questão de diferenças de género com grande pragmatismo. Acha que esse é um tempo que já lá vai e que mais do que uma questão de guerra de sexos, o que conta é a forma de estar e comunicar: “Acho que felizmente as mentalidades já mudaram muito. No meu caso concreto, não notei qualquer entrave à minha presença como presidente do Teatro Meia Via. Talvez, também, porque sou uma pessoa muito comunicativa, muito espontânea e dou-me bem com toda a gente. Acho que isso é uma mais-valia. Ainda esta semana alguém me dizia que é-me muito fácil chegar às pessoas. Não acho que isso tenha a ver com o facto de ser mulher, antes com a forma de ser das pessoas. Mas ainda bem que as mentalidades mudaram. Se fosse há uns anos, isto não era possível. O facto de ser uma mulher era logo uma cruz”, admite Liliana.

Um alegado sexto sentido e uma sensibilidade feminina podem até dar uma ajuda: “Ter uma sensibilidade diferente pode abrir outras portas. Quer queiramos quer não, ocupe-se o cargo que se ocupar nestas associações, acho que é muito importante ter presente o seguinte: as pessoas são voluntárias. Se não tivermos uma forma assertiva de chegar às pessoas e às instituições com quem lidamos, se formos uma pessoa fechada, dificilmente conseguiremos alguma coisa. É importante ter este lado assertivo. Não quer que pareça que estou a fazer um auto-elogio, mas quem lidera pessoas, quem trabalha com pessoas, tem de ter presente que a forma de comunicar é importante”.

Em dezassete anos como associação, o Teatro Meia Via teve já, ou apenas – é tudo uma questão de perspectiva - duas mulheres como presidente.

Se o mundo está diferente no que se refere à integração das mulheres no mercado de trabalho, a realidade nem sempre é a mesma quanto ao papel que se espera de uma mulher em casa. E Liliana Domingos reconhece isso mesmo. Uma mulher para ser trabalhadora, mãe, dirigente associativa e ainda ter tempo para ser apenas mulher, precisa que quem a acompanha entenda isso: “Eu não tenho filhos, mas tenho uma vida, tenho uma casa, tenho o meu trabalho. Eu muitas das vezes saio do trabalho e não tenho tempo de ir a casa, porque tenho ensaios, reuniões, coisas para fazer. É preciso que a pessoa que está do lado de lá, neste caso a pessoa que está comigo, esteja presente neste tempo e tenha mentalidade aberta para perceber este meu lado. Ele não faz parte do teatro, não faz parte de nenhuma associação e depois tem uma mulher que durante semanas que não vai a casa a não ser para dormir, porque não tem tempo. É importante e complicado de gerir. Mas, quando se gosta de uma coisa, ninguém deve chegar ao ponto de se anular. As relações são importantes e a vida pessoal é muito importante, mas ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito. Eu não me imagino, activa como sou, a viver uma vida de casa-trabalho, trabalho-casa. Preciso desta dinâmica para me sentir realizada”.

A um mês das eleições para os corpos sociais do Teatro Meia Via, Liliana Domingos assume que, se não continuar como presidente, continuará, claro, a colaborar com o teatro. “As coisas têm timings e às vezes é preciso fazer pausas dos cargos que ocupamos e dar a oportunidade a outras pessoas de ver o que acontece dentro da associação”. Não sendo mulher para estar parada, vai já avisando: quem sabe se o próximo passo não será o regresso à rádio, que tanto a apaixona e onde colabora actualmente com a realização de anúncios publicitários.

Teatro Meia Via

Géneros à parte, o Teatro Meia Via está bem de saúde e em plena actividade, diz Liliana Domingos. A associação é composta por uma direcção permanente de 11 pessoas, mas ao todo estão envolvidos com o Teatro Meia Via entre 30 a 40 em simultâneo, dependendo do número de pessoas integradas na peça em cena.

A presença assídua da associação meiaviense na feira de época de Torres Novas, onde ocupa um papel de relevo na sua realização, tem contribuído também para essa saudável situação, a que se refere Liliana: “A nossa presença na feira tem sido uma forma de chegarmos a muita gente que por algum motivo não conhecia o nosso trabalho. Vão aparecendo pessoas para ver as nossas peças, que nos conheceram aqui, em Torres Novas. Fazemos também já a feira medieval da Asseiceira, resultante de um contacto feito precisamente na feira. E temos o caso da nova peça que estamos a preparar, cujo elenco é composto maioritariamente por pessoas que colaboram connosco na feira de época e querem experimentar, agora, o teatro de palco”.

O Teatro Meia Via mantém em cena a peça “Falar verdade, a mentir”, mas já se encontra a preparar uma nova encenação, que irá estrear em Março, integrado nas comemorações do Dia Mundial do Teatro. Trata-se da peça “Esta noite improvisa-se”, uma comédia de Luigi Pirandello, que conta com um elenco enorme, adianta Liliana Domingos. “É um risco que estamos a correr e tem tudo para correr bem”.

Inês Vidal

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Alcanena em desespero com os maus cheiros »  2019-10-16 

Alcanena está a viver uma situação insustentável e isso é confirmado por qualquer pessoa que passe de carro próximo da vila, logo agredida com um mau cheiro verdadeiramente insuportável.

 Nas redes sociais surgem apelos lancinantes, outros revoltados, a apelar e exigir a solução de um problema que é antigo (todos se recordam de como era difícil estar e viver em Alcanena em meados da década de 80), mas passou uma geração e a poluição ambiental regressou em força nos últimos tempos.
(ler mais...)


PS acaba com farmácia de Alcorochel »  2019-10-15 

Com parecer positivo ao pedido de deslocalização da farmácia de Alcorochel para a cidade de Torres Novas, onde já existem sete farmácias, a maioria socialista põe fim a uma das mais antigas farmácias do concelho.
(ler mais...)


Legislativas: vitória modesta de Costa com descida da oposição »  2019-10-08 

TORRES NOVAS: as contas e as dúvidas

No distrito de Santarém, o PS aumentou a sua votação em 1 921 votos, uma média de 92 votos por concelho. Em Torres Novas, o aumento foi de 90 votos: conforme.
(ler mais...)


Entroncamento: trabalhadores dos CTT em greve »  2019-10-08 

Os trabalhadores do CDP do Entroncamento estão em greve desde hoje, dia 8 e até 15 de Outubro. Entre os problemas laborais destacam-se a má organização do serviço, aliada a uma gritante falta de trabalhadores tem consequências graves para os utentes, nomeadamente atrasos na distribuição, muitas vezes com graves prejuízos.
(ler mais...)


Encontro de apicultores, dia 12, na Lagoa do Furadouro »  2019-10-02 

O 3.º encontro de apicultores da região vai realizar-se no próximo dia 12 de Outubro, sábado, pelas 18 horas, no salão paroquial da Lagoa do Furadouro (próximo de Casais da Igreja, mas no concelho de Ourém).
(ler mais...)


Torres Novas: alterações climáticas levam câmara a anular concurso para psicóloga clínica »  2019-10-01 

Quando, no dia 1 de Abril, dia da mentiras, a câmara de Torres Novas fazia publicar no Diário da República o aviso de abertura do concurso para admissão de uma psicóloga, jurando por todos os santinhos a necessidade premente de contratação de uma técnica desse ramo, estava longe de pensar que, escassos meses depois, o aquecimento climático, as manifestações em Hong Kong, o impeachment a Donald Trump e o despedimento de Leonel Pontes do Sporting iriam alterar as circunstâncias de tal modo que, afinal, a psicóloga já não é urgente e até nem se percebe porque é que alguém alguma vez teve semelhante ideia.
(ler mais...)


Conjunto arqueológico monumental descoberto na aldeia da Mata »  2019-09-06 

A designação de “poços” utilizada no ante-título é meramente ilustrativa: trata-se de quase cinco dezenas de estruturas escavadas, de forma cilíndrica, descobertas durante os trabalhos de saneamento da aldeia.
(ler mais...)


Inédito: Torres Novas às escuras há duas noites seguidas »  2019-09-05 

Quando ontem, quarta-feira, ao anoitecer, se verificou que praticamente todo o centro histórico de Torres Novas estava sem uma única lâmpada de iluminação pública, pensou tratar-se de uma momentânea avaria.
(ler mais...)


Câmara: 80 mil para cultura e desporto, o mesmo que quer gastar nos repuxos da rotunda »  2019-08-31 

O executivo municipal aprovou por unanimidade, na reunião ordinária de 6 de Agosto, um conjunto de apoios nas áreas da cultura e do desporto que ascendem a cerca de 80 mil euros. Isto relativo à actividade de um ano, o mesmo que vai gastar nas traquitanas de um repuxo (ver peça mais abaixo).
(ler mais...)


Amália Moita: morreu uma centenária »  2019-08-28 

Há pouco mais de um ano, 18 de Julho de 2018, o JT noticiava que Torres Novas tinha mais uma mulher a atingir a idade de 100 anos: tratava-se de Amália Moita, natural de Alcorochel, aldeia onde sempre viveu, apesar de nas últimas décadas passar temporadas também em Torres Novas, em casa de uma das filhas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-10-01  Torres Novas: alterações climáticas levam câmara a anular concurso para psicóloga clínica
»  2019-10-15  PS acaba com farmácia de Alcorochel
»  2019-10-16  Alcanena em desespero com os maus cheiros
»  2019-10-02  Encontro de apicultores, dia 12, na Lagoa do Furadouro
»  2019-10-08  Legislativas: vitória modesta de Costa com descida da oposição