• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 24 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 22° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 22° / 6°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”

Sociedade  »  2019-01-28 

 

 Liliana Domingos tem 39 anos, é natural da Meia Via e trabalha há 19 anos como operadora especializada, no “Recheio”. Aos 14, deu os primeiros passos numa das suas muitas paixões, a rádio, e três anos depois pisou um palco pela primeira vez, integrando o elenco de “O Despertar da Primavera”, uma peça de Frank Wedekind levada a cena pelo Teatro Meia Via. Não tinha grande talento, diz, mas peça atrás de peça foi ficando, até hoje, em palco ou atrás do pano. Faz em Fevereiro seis anos que assume o cargo de presidente do Teatro Meia Via. A segunda mulher a fazê-lo, depois de Elsa Oliveira.

 Com um olhar expressivo que enche uma sala e um sorriso que nos faz sentir em casa, Liliana Domingos encara a questão de diferenças de género com grande pragmatismo. Acha que esse é um tempo que já lá vai e que mais do que uma questão de guerra de sexos, o que conta é a forma de estar e comunicar: “Acho que felizmente as mentalidades já mudaram muito. No meu caso concreto, não notei qualquer entrave à minha presença como presidente do Teatro Meia Via. Talvez, também, porque sou uma pessoa muito comunicativa, muito espontânea e dou-me bem com toda a gente. Acho que isso é uma mais-valia. Ainda esta semana alguém me dizia que é-me muito fácil chegar às pessoas. Não acho que isso tenha a ver com o facto de ser mulher, antes com a forma de ser das pessoas. Mas ainda bem que as mentalidades mudaram. Se fosse há uns anos, isto não era possível. O facto de ser uma mulher era logo uma cruz”, admite Liliana.

Um alegado sexto sentido e uma sensibilidade feminina podem até dar uma ajuda: “Ter uma sensibilidade diferente pode abrir outras portas. Quer queiramos quer não, ocupe-se o cargo que se ocupar nestas associações, acho que é muito importante ter presente o seguinte: as pessoas são voluntárias. Se não tivermos uma forma assertiva de chegar às pessoas e às instituições com quem lidamos, se formos uma pessoa fechada, dificilmente conseguiremos alguma coisa. É importante ter este lado assertivo. Não quer que pareça que estou a fazer um auto-elogio, mas quem lidera pessoas, quem trabalha com pessoas, tem de ter presente que a forma de comunicar é importante”.

Em dezassete anos como associação, o Teatro Meia Via teve já, ou apenas – é tudo uma questão de perspectiva - duas mulheres como presidente.

Se o mundo está diferente no que se refere à integração das mulheres no mercado de trabalho, a realidade nem sempre é a mesma quanto ao papel que se espera de uma mulher em casa. E Liliana Domingos reconhece isso mesmo. Uma mulher para ser trabalhadora, mãe, dirigente associativa e ainda ter tempo para ser apenas mulher, precisa que quem a acompanha entenda isso: “Eu não tenho filhos, mas tenho uma vida, tenho uma casa, tenho o meu trabalho. Eu muitas das vezes saio do trabalho e não tenho tempo de ir a casa, porque tenho ensaios, reuniões, coisas para fazer. É preciso que a pessoa que está do lado de lá, neste caso a pessoa que está comigo, esteja presente neste tempo e tenha mentalidade aberta para perceber este meu lado. Ele não faz parte do teatro, não faz parte de nenhuma associação e depois tem uma mulher que durante semanas que não vai a casa a não ser para dormir, porque não tem tempo. É importante e complicado de gerir. Mas, quando se gosta de uma coisa, ninguém deve chegar ao ponto de se anular. As relações são importantes e a vida pessoal é muito importante, mas ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito. Eu não me imagino, activa como sou, a viver uma vida de casa-trabalho, trabalho-casa. Preciso desta dinâmica para me sentir realizada”.

A um mês das eleições para os corpos sociais do Teatro Meia Via, Liliana Domingos assume que, se não continuar como presidente, continuará, claro, a colaborar com o teatro. “As coisas têm timings e às vezes é preciso fazer pausas dos cargos que ocupamos e dar a oportunidade a outras pessoas de ver o que acontece dentro da associação”. Não sendo mulher para estar parada, vai já avisando: quem sabe se o próximo passo não será o regresso à rádio, que tanto a apaixona e onde colabora actualmente com a realização de anúncios publicitários.

Teatro Meia Via

Géneros à parte, o Teatro Meia Via está bem de saúde e em plena actividade, diz Liliana Domingos. A associação é composta por uma direcção permanente de 11 pessoas, mas ao todo estão envolvidos com o Teatro Meia Via entre 30 a 40 em simultâneo, dependendo do número de pessoas integradas na peça em cena.

A presença assídua da associação meiaviense na feira de época de Torres Novas, onde ocupa um papel de relevo na sua realização, tem contribuído também para essa saudável situação, a que se refere Liliana: “A nossa presença na feira tem sido uma forma de chegarmos a muita gente que por algum motivo não conhecia o nosso trabalho. Vão aparecendo pessoas para ver as nossas peças, que nos conheceram aqui, em Torres Novas. Fazemos também já a feira medieval da Asseiceira, resultante de um contacto feito precisamente na feira. E temos o caso da nova peça que estamos a preparar, cujo elenco é composto maioritariamente por pessoas que colaboram connosco na feira de época e querem experimentar, agora, o teatro de palco”.

O Teatro Meia Via mantém em cena a peça “Falar verdade, a mentir”, mas já se encontra a preparar uma nova encenação, que irá estrear em Março, integrado nas comemorações do Dia Mundial do Teatro. Trata-se da peça “Esta noite improvisa-se”, uma comédia de Luigi Pirandello, que conta com um elenco enorme, adianta Liliana Domingos. “É um risco que estamos a correr e tem tudo para correr bem”.

Inês Vidal

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)


João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre »  2019-02-09 

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas.
(ler mais...)


Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre »  2019-02-07 

Um grupo de moradores do Carreiro da Areia esteve presente na reunião camarária de terça-feira, em protesto contra a poluição e os efeitos que se fazem sentir na aldeia. Já há quem tenha abandonado a povoação, mas nem as casas se conseguem vender.
(ler mais...)


Rodoviária em greve »  2019-02-04 

Decorre hoje, dia 4 de Fevereiro, e amanhã, dia 5 de Fevereiro, as greves convocadas pelo STRUP para as Rodoviárias do Tejo, do Lis e Oeste.
“Apesar das mentiras e manobras dissuasoras que as administrações foram divulgando na semana que antecedeu à greve, mais uma vez o balanço da greve é bastante positivo neste primeiro dia de luta, tendo a adesão sido  esmagadora entre os motoristas com vínculos de trabalho não precários, aos quais se juntaram alguns trabalhadores com vínculos precários tradicionalmente usados pelas administrações das empresas para justificar falsos números de adesão à greve”, diz comunicado da estrutura sindical chegado às redacções.
(ler mais...)


Ribatejo foi outra vez fintado »  2019-01-30 

A auto-estrada A13, que visa ligar a Marateca a Coimbra e também unir o Ribatejo pelo seu interior, está há anos parada às portas de Almeirim enquanto não há a nova ponte junto à Chamusca para ligar a via ao nó da Atalaia.
(ler mais...)


Joana Pintassilgo, técnica de informática: “Já não se nota tanto o desconforto dos homens na relação profissional” »  2019-01-21 

 

Joana da Silva Pintassilgo tem 41 anos e é natural de Torres Novas. Formou-se como técnica profissional especializada em tecnologias de informação e comunicação. Isto, há vinte anos, numa altura em que não era usual encontrar muitas mulheres na informática.
(ler mais...)


Torres Novas: regressão demográfica ameaça coesão do concelho como a conhecemos »  2019-01-17 

Até aqui pensava-se que Torres Novas iria resistir à regressão demográfica, já clara há uns anos, de concelhos como Tomar e Abrantes, com grandes zonas “rurais”, para não falar de outros cujo cenário é catastrófico.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-02-09  João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre
»  2019-02-21  A Tasca: nova vida com Paulo Emílio
»  2019-01-28  Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”
»  2019-01-30  Ribatejo foi outra vez fintado
»  2019-02-07  Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre