• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 26 Fevereiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 19° / 8°
Céu limpo
Dom.
 20° / 8°
Céu limpo
Sáb.
 20° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  18° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Matilde Bué, presidente da UDR Zona Alta: “Uma associação já não pode ser gerida apenas com o coração”

Sociedade  »  2020-01-30 

Ser mulher nunca travou os movimentos a Matilde Bué. Acredita que essa é uma questão do passado. Contabilista de profissão e presidente da União Desportiva e Recreativa da Zona Alta desde Setembro, Bué contou ao JT como chegou até aqui e falou dos desafios que se colocam à colectividade, que nasceu na zona alta da cidade há mais de 40 anos.

Matilde Bué tem 66 anos, é natural de Tortosendo, concelho da Covilhã, distrito de Castelo Branco, de onde saiu com apenas cinco meses. Viveu em Coimbra até aos dez anos. A mãe era modista de alta-costura, responsável pelas criações usadas pela mulher de Carmona. O pai, alfaiate. Fazia togas para os juízes. Tinha então dez anos quando o pai fechou a alfaitaria que aí tinha e veio trabalhar para o Entroncamento. Havia trocado as togas por fardas de militares, numa altura em que muitos havia na cidade dos fenómenos. Matilde acompanhou os pais. Fez a quarta classe no Entroncamento e como aí só havia formação feminina, veio estudar para a Escola Industrial e Comercial de Torres Novas, onde tirou o curso comercial. Fez as preparatórias em Tomar e propôs-se à Faculdade de Economia, em Lisboa, onde ingressou com 17 anos. Tem o bacharelato em economia e finanças. Deu aulas na actual Escola Maria Lamas durante seis anos e leccionou um em Tramagal. Por questões de saúde, deixou o ensino e quando voltou a trabalhar, direccionou-se para a área da contabilidade, primeiro no armazém dos sogros, depois na fábrica Almondina, na Chancelaria, mais tarde na Plaspeças, em Torres Novas e por fim o gabinete de contabilidade de Artur Correia, onde ainda hoje trabalha.

Mas este é apenas uma parte de um percurso maior e que provavelmente lhe dá mais visibilidade no concelho. Matilde Bué desde sempre acompanhou a sua actividade profissional com o associativismo: “Fui sempre muito de grupos e esses trouxeram-me aqui há anos. O meu marido era presidente da Columbófila e acabei a ajudar, por carolice, no bar. Depois de sair daí, eu e a minha filha mais velha começámos a ir fazer ginástica na colectividade do Carvalhal da Aroeira. Acabei por ficar lá três anos na direcção. Ninguém queria pegar, pegámos nós. Quando o meu marido se reformou, vinha muito para aqui ajudar e eu acabei por vir a reboque. Os meus filhos tinha feito aqui ginástica. Fui tesoureira na direcção anterior e em Setembro do ano passado propus-me a presidente da direcção e aqui fiquei por um mandato de dois anos”, resumiu Matilde Bué.
Nunca o facto de ser mulher a fez sentir em desvantagem, fosse onde fosse: “Sinto-me uma mulher muito privilegiada, porque por onde andei nunca tive obstrução nenhuma por parte de homens. Sempre vivi em comunidade com todos, nunca tive atritos. Assim como nesta direcção. Não sinto que tenha sido alvo de qualquer discriminação. A consciência dos homens também já está muito mudada. As mulheres são muito inovadoras e fazem as coisas andar para a frente. Nunca fui prejudicada por ser mulher”, garante.

Os dias da Zona Alta
Não podíamos conversar com a presidente da União Desportiva e Recreativa da Zona Alta, sem falar um pouco desta colectividade com tanta história na história de Torres Novas. A UDRZA não precisa de grandes apresentações. As constantes notícias de feitos, modalidades e eventos com a assinatura da colectividade torrejana, falam por si.
A UDRZA faz por estes dias 42 anos, tem aproximadamente 500 atletas, o mesmo número de sócios pagantes, e cerca de 13 funcionários, entre monitores das modalidades, empregados do bar da colectividade e funcionário da secretaria. “É uma casa que já manda muito balanço. Mas manda com muita dificuldade, porque os apoios são poucos. Temos apoios da câmara, mas já sabemos que os orçamentos das câmaras são pequenos e têm de ser divididos por muitas colectividades, e do IPDJ. É um apoio, mas no fundo não é o que era preciso”, assume Matilde Bué.

Um apoio que não chega para os grandes e ambiciosos projectos, de uma colectividade um dia pequena, que nasceu ali, junto ao bairro de Santo António: “Queremos dar continuidade às obras da sede, melhorar os balneários e a secretaria. Não é um projecto para este mandato. Para já, quero deixar bases para que seja dada continuidade a esse projecto. O meu objectivo para estes dois anos é fazer uma almofada para conseguirmos mais tarde fazer obras de melhoria. Não deixar estragar o que está feito, melhorar, arranjar o que pudermos”.

Quando Matilde Bué assumiu a direcção, não havia quaisquer dívidas dos mandatos anteriores. As obras de melhoria da sede estavam todas pagas. Pode dizer-se que é uma associação bem resolvida, no que a contas diz respeito: “É uma associação saudável em termos financeiros, apesar de fiscalmente sermos muito martirizados”, diz Matilde Bué, sobre um mundo que conhece bem. E como contabilista à frente de uma associação, Bué partilha a sua convicção: “Uma associação já não pode ser gerida apenas com o coração, mas sim com a cabeça. Penso que o futuro destas colectividades passará mesmo por ser gerida por uma pessoa assalariada, ligada à gestão. Gerir pessoas e dinheiros é cada vez mais complicado”.

Inês Vidal

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Boletim diário covid-19, sexta, 26 de Fevereiro: 2 casos em Torres Novas »  2021-02-26 

Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, sexta-feira,  10  casos de contágio pela covid-19 (ontem tinham sido 7), com o concelho de Torres Novas a registar mais 2 novos casos nas últimas 24 horas.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, quinta, 25 de Fevereiro: 7 novos doentes, Torres Novas sem casos »  2021-02-25 

Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, quinta-feira,  apenas 7  casos de contágio pela covid-19 (ontem tinham sido 9), com o concelho de Torres Novas sem registo de novos casos nas últimas 24 horas.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, quarta, 24 de Fevereiro: apenas 9 casos, 4 deles em Torres Novas »  2021-02-24 

 Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, quarta-feira,  9  casos de contágio pela covid-19, com o concelho de Torres Novas novamente em destaque com 4 desses 9 casos.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, terça-feira, 23 de Fevereiro: 6 casos em Torres Novas nas últimas 24 horas »  2021-02-23 


Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, terça-feira,  15  casos de contágio pela covid-19, com o concelho de Torres Novas em destaque com 6 desses 15 casos.
(ler mais...)


Entroncamento: empresa da área alimentar promete 53 milhões de investimento »  2021-02-23 

Uma empresa ligada à produção de bebidas probióticas acedeu hoje, dia 23 de Fevereiro, em hasta pública, à subconcessão de quatro lotes do parque empresarial do Entroncamento, anunciou a autarquia em nota de imprensa.
(ler mais...)


COVID-19: Alcanena e Tomar em risco elevado, Torres Novas com fraca incidência »  2021-02-23 

Foram divulgados hoje os dados referentes à situação pandémica por concelho na sub-região do Médio Tejo, o que é diferente dos dados diários de novos contágios que temos vindo a publicar nos boletins diários fornecidos pela autoridade de saúde e protecção civil.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, segunda-feira, 22 de Fevereiro: 1 caso em Torres Novas »  2021-02-22 

Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, segunda-feira,  8  casos de contágio pela covid-19, com o concelho de Torres Novas a registar 1 novo contágio.
(ler mais...)


Socialistas compram por 61 mil euros imóvel avaliado por 38 mil »  2021-02-22 

A maioria socialista na Câmara Municipal de Torres Novas decidiu, com a abstenção do PSD e voto contra do Bloco de Esquerda, na reunião de 9 de Fevereiro, adquirir,  pelo  valor  de  61 mil euros, um imóvel (antigo lagar) situado na rua principal de Rexaldia, freguesia de Chancelaria.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, domingo, 21 de Fevereiro: 1 caso em Torres Novas »  2021-02-21 

Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, domingo,  15  casos de contágio pela covid-19,  mais 2 que  ontem, com o concelho de Torres Novas a registar 1 novo contágio.
(ler mais...)


Ligação da zona industrial de Riachos: 4 anos perdidos, diz o PSD »  2021-02-21 

“Uma obra anunciada pelo PS precisa sempre de atravessar várias eleições para ver a luz do dia. Seja no país ou aqui em Torres Novas, a metodologia é sempre a mesma: anunciar, anunciar, e voltar a anunciar, até que venha a ser concretizada”, assim se refere a comissão política concelhia de Torres Novas do PSD à ligação da zona industrial de Riachos à A23, uma intenção que já moveu muita tinta mas nunca passou do papel

Em nota de imprensa, o PSD considera que essa ligação é um caso flagrante das promessas sempre adiadas do PS.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-02-10  COVID-19: Bloco diz que vereador Carlos Ramos não tem condições para continuar no cargo
»  2021-02-18  João Farinha Cordeiro morreu ontem aos 73 anos
»  2021-02-16  Caso Carlos Ramos: socialistas dizem que “foram violados princípios”
»  2021-02-12  PSD pergunta porque razão Carlos Ramos escondeu assunto na reunião de câmara
»  2021-02-13  Vacinação de vereador Carlos Ramos: presidente da Câmara diz que o PS Torres Novas vai analisar o caso