• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 19 Fevereiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 7°
Períodos nublados
Sex.
 21° / 7°
Céu limpo
Qui.
 19° / 5°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  19° / 5°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Matilde Bué, presidente da UDR Zona Alta: “Uma associação já não pode ser gerida apenas com o coração”

Sociedade  »  2020-01-30 

Ser mulher nunca travou os movimentos a Matilde Bué. Acredita que essa é uma questão do passado. Contabilista de profissão e presidente da União Desportiva e Recreativa da Zona Alta desde Setembro, Bué contou ao JT como chegou até aqui e falou dos desafios que se colocam à colectividade, que nasceu na zona alta da cidade há mais de 40 anos.

Matilde Bué tem 66 anos, é natural de Tortosendo, concelho da Covilhã, distrito de Castelo Branco, de onde saiu com apenas cinco meses. Viveu em Coimbra até aos dez anos. A mãe era modista de alta-costura, responsável pelas criações usadas pela mulher de Carmona. O pai, alfaiate. Fazia togas para os juízes. Tinha então dez anos quando o pai fechou a alfaitaria que aí tinha e veio trabalhar para o Entroncamento. Havia trocado as togas por fardas de militares, numa altura em que muitos havia na cidade dos fenómenos. Matilde acompanhou os pais. Fez a quarta classe no Entroncamento e como aí só havia formação feminina, veio estudar para a Escola Industrial e Comercial de Torres Novas, onde tirou o curso comercial. Fez as preparatórias em Tomar e propôs-se à Faculdade de Economia, em Lisboa, onde ingressou com 17 anos. Tem o bacharelato em economia e finanças. Deu aulas na actual Escola Maria Lamas durante seis anos e leccionou um em Tramagal. Por questões de saúde, deixou o ensino e quando voltou a trabalhar, direccionou-se para a área da contabilidade, primeiro no armazém dos sogros, depois na fábrica Almondina, na Chancelaria, mais tarde na Plaspeças, em Torres Novas e por fim o gabinete de contabilidade de Artur Correia, onde ainda hoje trabalha.

Mas este é apenas uma parte de um percurso maior e que provavelmente lhe dá mais visibilidade no concelho. Matilde Bué desde sempre acompanhou a sua actividade profissional com o associativismo: “Fui sempre muito de grupos e esses trouxeram-me aqui há anos. O meu marido era presidente da Columbófila e acabei a ajudar, por carolice, no bar. Depois de sair daí, eu e a minha filha mais velha começámos a ir fazer ginástica na colectividade do Carvalhal da Aroeira. Acabei por ficar lá três anos na direcção. Ninguém queria pegar, pegámos nós. Quando o meu marido se reformou, vinha muito para aqui ajudar e eu acabei por vir a reboque. Os meus filhos tinha feito aqui ginástica. Fui tesoureira na direcção anterior e em Setembro do ano passado propus-me a presidente da direcção e aqui fiquei por um mandato de dois anos”, resumiu Matilde Bué.
Nunca o facto de ser mulher a fez sentir em desvantagem, fosse onde fosse: “Sinto-me uma mulher muito privilegiada, porque por onde andei nunca tive obstrução nenhuma por parte de homens. Sempre vivi em comunidade com todos, nunca tive atritos. Assim como nesta direcção. Não sinto que tenha sido alvo de qualquer discriminação. A consciência dos homens também já está muito mudada. As mulheres são muito inovadoras e fazem as coisas andar para a frente. Nunca fui prejudicada por ser mulher”, garante.

Os dias da Zona Alta
Não podíamos conversar com a presidente da União Desportiva e Recreativa da Zona Alta, sem falar um pouco desta colectividade com tanta história na história de Torres Novas. A UDRZA não precisa de grandes apresentações. As constantes notícias de feitos, modalidades e eventos com a assinatura da colectividade torrejana, falam por si.
A UDRZA faz por estes dias 42 anos, tem aproximadamente 500 atletas, o mesmo número de sócios pagantes, e cerca de 13 funcionários, entre monitores das modalidades, empregados do bar da colectividade e funcionário da secretaria. “É uma casa que já manda muito balanço. Mas manda com muita dificuldade, porque os apoios são poucos. Temos apoios da câmara, mas já sabemos que os orçamentos das câmaras são pequenos e têm de ser divididos por muitas colectividades, e do IPDJ. É um apoio, mas no fundo não é o que era preciso”, assume Matilde Bué.

Um apoio que não chega para os grandes e ambiciosos projectos, de uma colectividade um dia pequena, que nasceu ali, junto ao bairro de Santo António: “Queremos dar continuidade às obras da sede, melhorar os balneários e a secretaria. Não é um projecto para este mandato. Para já, quero deixar bases para que seja dada continuidade a esse projecto. O meu objectivo para estes dois anos é fazer uma almofada para conseguirmos mais tarde fazer obras de melhoria. Não deixar estragar o que está feito, melhorar, arranjar o que pudermos”.

Quando Matilde Bué assumiu a direcção, não havia quaisquer dívidas dos mandatos anteriores. As obras de melhoria da sede estavam todas pagas. Pode dizer-se que é uma associação bem resolvida, no que a contas diz respeito: “É uma associação saudável em termos financeiros, apesar de fiscalmente sermos muito martirizados”, diz Matilde Bué, sobre um mundo que conhece bem. E como contabilista à frente de uma associação, Bué partilha a sua convicção: “Uma associação já não pode ser gerida apenas com o coração, mas sim com a cabeça. Penso que o futuro destas colectividades passará mesmo por ser gerida por uma pessoa assalariada, ligada à gestão. Gerir pessoas e dinheiros é cada vez mais complicado”.

Inês Vidal

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Cruz Vermelha adquire ambulância »  2020-02-11 

Em nota enviada à imprensa, a delegação de Torres Novas da Cruz Vermelha Portuguesa anuncia a aquisição de uma primeira ambulância de transporte de doentes não urgentes, uma carrinha Volkswagen Caddy, de 7 lugares sentados, um investimento de cerca de 19 mil euros.
(ler mais...)


PSD: congresso levou ribatejanos a cargos nacionais »  2020-02-10 

O 38.º congresso nacional do PSD, que decorreu este fim de semana em Viana do Castelo, levou alguns dirigentes locais e regionais a cargos de maior relevo na estrutura partidária nacional.

Isaura Morais, a conhecida ex-autarca de Rio Maior e actual deputada por Santarém, foi protagonista da mais surpreendente ascensão na hierarquia social-democrata, ao ser eleita para a Comissão Política Nacional do partido, e logo como uma dos vice-presidentes, a convite do secretário-geral.
(ler mais...)


Abate de árvores junto à N-349 está a chocar a população »  2020-02-08 

Aquilo que parece, em alguns casos, um abate de árvores sem critério, está a deixar chocados muitos habitantes e proprietários dos terrenos contíguos à estrada nacional 349, no troço que atravessa aldeias da freguesia de Assentis.
(ler mais...)


Fabrióleo desistiu de processo contra Pedro Triguinho »  2020-02-04 

Hoje, no campus de justiça do Parque das Nações, em Lisboa, estava marcada a sentença para um processo judicial de queixa por difamação, da Fabrióleo contra o dirigente ambientalista torrejano Pedro Triguinho.
(ler mais...)


António Alves: demolição praticamente concluída »  2020-01-23 

As antigas instalações da empresa António Alves, conhecida popularmente por “Alves das lãs”, situadas na várzea grande dos Mesiões, foram nestes dias demolidas depois de terem permanecido em ruínas durante décadas.
(ler mais...)


LIDL: trabalhadores marcam protesto para sábado »  2020-01-23 

Sábado, dia 25 de Janeiro, os trabalhadores do LIDL vão realizar “uma acção de denúncia e protesto pela postura da empresa e da APED (Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição)” que, no dizer do sindicato, arrastam a negociação do contrato colectivo de trabalho desde 2016.
(ler mais...)


A sério: foi você que pediu um PDM? »  2020-01-19 

Na reunião de 10 de Dezembro do ano que findou, a maioria socialista na Câmara de Torres Novas aprovou a suspensão parcial do PDM num terreno às Ferrarias, fronteiro à rotunda de saída de Torres Novas, suspensão que permitirá a eventual instalação, no local, de um pavilhão da Decathlon, para comércio de roupas e material de desporto.
(ler mais...)


Ginásio de Riachos: 20 anos depois, já há ante-projecto »  2020-01-16 

Pendurado há 20 anos, aquando da construção do pavilhão gimnodesportivo de Riachos, o ginásio anexo parece estar agora um pouco mais perto de se tornar realidade. Na reunião de ontem do executivo municipal, foi aprovado por unanimidade “o ante-projecto de arquitectura e especialidades relativos à 2.
(ler mais...)


Torres Novas na devolução do IVA: ANMP assinala disparidades no parecer sobre o orçamento de Estado »  2020-01-15 

No seu parecer habitual à proposta de lei do orçamento de Estado, a Associação Nacional de Municípios Portugueses questiona o Governo sobre os montantes da devolução de parte do IVA cobrado nos municípios e assinala, directamente, o caso de Torres Novas.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-01-23  António Alves: demolição praticamente concluída
»  2020-01-23  LIDL: trabalhadores marcam protesto para sábado
»  2020-02-04  Fabrióleo desistiu de processo contra Pedro Triguinho
»  2020-01-30  Matilde Bué, presidente da UDR Zona Alta: “Uma associação já não pode ser gerida apenas com o coração”
»  2020-02-08  Abate de árvores junto à N-349 está a chocar a população