• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 24 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 22° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 22° / 6°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Morreu Joaquim da Silva Lopes (actualizada e corrigida)

Sociedade  »  2019-01-17 

Funeral é amanhã, sábado, em Torres Novas, às 15 horas

Funeral realiza-se amanhã, sábado, com saída da casa mortuária de Torres Novas às 15 horas para o cemitério municipal, onde decorrerá pequena cerimónia às 15h30. Velório é amanhã, sábado, a partir das 9 horas da manhã.

Joaquim da Silva Lopes, primeiro director desta série do JORNAL TORREJANO, tinha 72 anos e era natural de Curvaceiras (Paialvo, Tomar).

Radicado em Torres Novas desde o início da década de 70 do século passado, residira entretanto durante alguns anos em Riachos, onde colaborou estreitamente com o jornal “O Riachense”, de que foi sub-director.

Frequentou os seminários de Santarém e de Almada, mas acabou por abandonar esse percurso no momento de continuar os estudos teológicos no seminário dos Olivais, onde não chegou a dar entrada.

Ainda com 17 anos, ofereceu-se como voluntário para a Força Aérea, aos 20 era furriel e aos 21 segundo-sargento, exercendo funções no gabinete de controlo aéreo da Base Aérea da Ota. Optou por abandonar a possibilidade da vida militar por recusar vir a participar na guerra colonial.

Após várias experiências profissionais em diversos ramos, que o levaram a percorrer o país de norte a sul, acabou por ingressar no Instituto de Emprego e Formação Profissional, em Tomar, mas em 1973, com o riachense Carlos Baleco, abria a delegação em Torres Novas, onde foi técnico de emprego durante décadas e granjeou grande simpatia junto de quem com ele se cruzou e dele levou sempre uma palavra amiga e de genuíno interesse pela resolução dos problemas dos mais desfavorecidos.

Desde muito cedo se interessou pela vida das pessoas que o rodeavam, tendo abraçado também, ainda muito novo, ideais políticos que advogavam a mudança social e a liberdade. Ainda na sua aldeia natal, começou por dinamizar um grupo de jovens ligado à paróquia, cujas realizações tiveram o condão de perturbar a ordem vigente. Vem daí, do boletim que produzia para esse grupo de jovens, o gosto pelos jornais e pelo jornalismo, tendo chegado, ainda muito novo, a ser correspondente de alguns diários nacionais.

A seguir ao 25 de Abril empenhou-se ainda mais na luta política, tendo sido um activo militante da UDP e de organizações ligadas à esquerda (foi eleito, em 1982, para a assembleia de freguesia de Riachos), mas acabaria por desinteressar-se da política activa ainda na década de 80, para optar por projectos cívicos e associativos (esteve, por exemplo, na direcção da SOPOVO, cooperativa de habitação económica de Riachos, para onde foi residir em 1981 até aos anos 90).

Depois de ter participado na fase de relançamento de “O Riachense”, ainda o jornal de Riachos era um mensário (foi sub-director entre 1982 e 1986), integrou desde início a equipa fundadora do JORNAL TORREJANO, em 1992, que poria o jornal nas bancas em 1994. Foi o primeiro director do jornal e foi no periódico torrejano que pôde dar largas ao seu enorme talento jornalístico, que aliava a uma cultura enciclopédica, dando corpo a páginas e páginas de grandes entrevistas, reportagens e crónicas.

Nos anos em que esteve ao serviço do JORNAL TORREJANO foi um grande formador de muitos jornalistas que passaram por esta casa, dado o nível raro e extraordinário com que dominava as artes da escrita e os segredos da utilização escrita da língua portuguesa, resultante dos seus conhecimentos de etimologia e filologia. Mas, os seus saberes iam muito para além dos relacionados com escrita e jornais: Joaquim da Silva Lopes era uma pessoa ávida pelo conhecimento e espantava-se permanentemente com a aventura humana do conhecimento. Por isso, era uma grande leitor, um entusiástico leitor e nos últimos anos continuava a partilhar com os mais próximos as suas contínuas “descobertas”.

Amava a música: era capaz, ainda hoje, de cantar dezenas de canções inteiras, letras sem falha, dos Beatles (uma grande paixão) e de outros grupos e cantores da sua juventude, também franceses e italianos, de que compilava cadernos quando jovem, num tempo em que os discos não traziam escritos.

O Joaquim da Silva Lopes, o “nosso director”, o Quim, foi encontrado sem vida na noite de ontem junto à barragem do Castelo do Bode. Deixa-nos, a nós e à família, consternados, e uma imensa tristeza instalada nos nossos corações.

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)


João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre »  2019-02-09 

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas.
(ler mais...)


Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre »  2019-02-07 

Um grupo de moradores do Carreiro da Areia esteve presente na reunião camarária de terça-feira, em protesto contra a poluição e os efeitos que se fazem sentir na aldeia. Já há quem tenha abandonado a povoação, mas nem as casas se conseguem vender.
(ler mais...)


Rodoviária em greve »  2019-02-04 

Decorre hoje, dia 4 de Fevereiro, e amanhã, dia 5 de Fevereiro, as greves convocadas pelo STRUP para as Rodoviárias do Tejo, do Lis e Oeste.
“Apesar das mentiras e manobras dissuasoras que as administrações foram divulgando na semana que antecedeu à greve, mais uma vez o balanço da greve é bastante positivo neste primeiro dia de luta, tendo a adesão sido  esmagadora entre os motoristas com vínculos de trabalho não precários, aos quais se juntaram alguns trabalhadores com vínculos precários tradicionalmente usados pelas administrações das empresas para justificar falsos números de adesão à greve”, diz comunicado da estrutura sindical chegado às redacções.
(ler mais...)


Ribatejo foi outra vez fintado »  2019-01-30 

A auto-estrada A13, que visa ligar a Marateca a Coimbra e também unir o Ribatejo pelo seu interior, está há anos parada às portas de Almeirim enquanto não há a nova ponte junto à Chamusca para ligar a via ao nó da Atalaia.
(ler mais...)


Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito” »  2019-01-28 

 

 Liliana Domingos tem 39 anos, é natural da Meia Via e trabalha há 19 anos como operadora especializada, no “Recheio”. Aos 14, deu os primeiros passos numa das suas muitas paixões, a rádio, e três anos depois pisou um palco pela primeira vez, integrando o elenco de “O Despertar da Primavera”, uma peça de Frank Wedekind levada a cena pelo Teatro Meia Via.
(ler mais...)


Joana Pintassilgo, técnica de informática: “Já não se nota tanto o desconforto dos homens na relação profissional” »  2019-01-21 

 

Joana da Silva Pintassilgo tem 41 anos e é natural de Torres Novas. Formou-se como técnica profissional especializada em tecnologias de informação e comunicação. Isto, há vinte anos, numa altura em que não era usual encontrar muitas mulheres na informática.
(ler mais...)


Torres Novas: regressão demográfica ameaça coesão do concelho como a conhecemos »  2019-01-17 

Até aqui pensava-se que Torres Novas iria resistir à regressão demográfica, já clara há uns anos, de concelhos como Tomar e Abrantes, com grandes zonas “rurais”, para não falar de outros cujo cenário é catastrófico.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-02-09  João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre
»  2019-02-21  A Tasca: nova vida com Paulo Emílio
»  2019-01-28  Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”
»  2019-01-30  Ribatejo foi outra vez fintado
»  2019-02-07  Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre