• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 22 Abril 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Qua.
 17° / 8°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Morreu Joaquim da Silva Lopes (actualizada e corrigida)

Sociedade  »  2019-01-17 

Funeral é amanhã, sábado, em Torres Novas, às 15 horas

Funeral realiza-se amanhã, sábado, com saída da casa mortuária de Torres Novas às 15 horas para o cemitério municipal, onde decorrerá pequena cerimónia às 15h30. Velório é amanhã, sábado, a partir das 9 horas da manhã.

Joaquim da Silva Lopes, primeiro director desta série do JORNAL TORREJANO, tinha 72 anos e era natural de Curvaceiras (Paialvo, Tomar).

Radicado em Torres Novas desde o início da década de 70 do século passado, residira entretanto durante alguns anos em Riachos, onde colaborou estreitamente com o jornal “O Riachense”, de que foi sub-director.

Frequentou os seminários de Santarém e de Almada, mas acabou por abandonar esse percurso no momento de continuar os estudos teológicos no seminário dos Olivais, onde não chegou a dar entrada.

Ainda com 17 anos, ofereceu-se como voluntário para a Força Aérea, aos 20 era furriel e aos 21 segundo-sargento, exercendo funções no gabinete de controlo aéreo da Base Aérea da Ota. Optou por abandonar a possibilidade da vida militar por recusar vir a participar na guerra colonial.

Após várias experiências profissionais em diversos ramos, que o levaram a percorrer o país de norte a sul, acabou por ingressar no Instituto de Emprego e Formação Profissional, em Tomar, mas em 1973, com o riachense Carlos Baleco, abria a delegação em Torres Novas, onde foi técnico de emprego durante décadas e granjeou grande simpatia junto de quem com ele se cruzou e dele levou sempre uma palavra amiga e de genuíno interesse pela resolução dos problemas dos mais desfavorecidos.

Desde muito cedo se interessou pela vida das pessoas que o rodeavam, tendo abraçado também, ainda muito novo, ideais políticos que advogavam a mudança social e a liberdade. Ainda na sua aldeia natal, começou por dinamizar um grupo de jovens ligado à paróquia, cujas realizações tiveram o condão de perturbar a ordem vigente. Vem daí, do boletim que produzia para esse grupo de jovens, o gosto pelos jornais e pelo jornalismo, tendo chegado, ainda muito novo, a ser correspondente de alguns diários nacionais.

A seguir ao 25 de Abril empenhou-se ainda mais na luta política, tendo sido um activo militante da UDP e de organizações ligadas à esquerda (foi eleito, em 1982, para a assembleia de freguesia de Riachos), mas acabaria por desinteressar-se da política activa ainda na década de 80, para optar por projectos cívicos e associativos (esteve, por exemplo, na direcção da SOPOVO, cooperativa de habitação económica de Riachos, para onde foi residir em 1981 até aos anos 90).

Depois de ter participado na fase de relançamento de “O Riachense”, ainda o jornal de Riachos era um mensário (foi sub-director entre 1982 e 1986), integrou desde início a equipa fundadora do JORNAL TORREJANO, em 1992, que poria o jornal nas bancas em 1994. Foi o primeiro director do jornal e foi no periódico torrejano que pôde dar largas ao seu enorme talento jornalístico, que aliava a uma cultura enciclopédica, dando corpo a páginas e páginas de grandes entrevistas, reportagens e crónicas.

Nos anos em que esteve ao serviço do JORNAL TORREJANO foi um grande formador de muitos jornalistas que passaram por esta casa, dado o nível raro e extraordinário com que dominava as artes da escrita e os segredos da utilização escrita da língua portuguesa, resultante dos seus conhecimentos de etimologia e filologia. Mas, os seus saberes iam muito para além dos relacionados com escrita e jornais: Joaquim da Silva Lopes era uma pessoa ávida pelo conhecimento e espantava-se permanentemente com a aventura humana do conhecimento. Por isso, era uma grande leitor, um entusiástico leitor e nos últimos anos continuava a partilhar com os mais próximos as suas contínuas “descobertas”.

Amava a música: era capaz, ainda hoje, de cantar dezenas de canções inteiras, letras sem falha, dos Beatles (uma grande paixão) e de outros grupos e cantores da sua juventude, também franceses e italianos, de que compilava cadernos quando jovem, num tempo em que os discos não traziam escritos.

O Joaquim da Silva Lopes, o “nosso director”, o Quim, foi encontrado sem vida na noite de ontem junto à barragem do Castelo do Bode. Deixa-nos, a nós e à família, consternados, e uma imensa tristeza instalada nos nossos corações.

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Associação do Património denuncia abate de choupos na Ribeira »  2019-04-17 

 Ontem, dia 16 de Abril, foram cortados pela base vários choupos em bom estado, junto ao mouchão do rio Almonda, na ponte entre as Ribeiras. Mais cinco árvores estarão marcadas para abate, todas árvores de grande porte, sem sinais evidentes de doença ou secura, e com funções ecológicas relevantes, denuncia a Associação do Património de Torres Novas em comunicado de hoje, 17 de Abril.
(ler mais...)


Associação Protectora dos Animais tem novos corpos sociais »  2019-04-06 

Foram eleitos ontem, dia 5 de Abril. os novos órgãos sociais da Associação Protectora dos Animais de Torres Novas (APA) para o triénio 2019-2022. A direcção continua a ser presidida por Rosário Pires Bento, que lidera a APA desde 2013, anuncia nota de imprensa da associação.
(ler mais...)


Pedro Triguinho absolvido em processo da Fabrióleo »  2019-03-22 

Pedro Triguinho, activista do movimento ambientalista Basta!, de Torres Novas, foi absolvido na sexta-feira, no Tribunal de Torres Novas, num processo em que era acusado de difamação por uma então administradora da empresa Fabrióleo, que lhe moveu a acção a título pessoal.
(ler mais...)


Pias Longas: trabalhos no aterro continuam, vereador do ambiente nada diz »  2019-03-13 

Os trabalhos relacionados com a ampliação do aterro do topo sul da pista do aeródromo de Pias Longas, situado na fronteira entre os municípios de Ourém e Torres Novas, continuam em marcha, isto apesar de uma fiscalização da câmara de Torres Novas ter confirmado, logo na altura da denúncia por este jornal, que milhares de toneladas de pedras e terra estavam a ser despejadas para dentro da território do concelho de Torres Novas numa área de elevado potencial ambiental e que integra a Reserva Ecológica Nacional.
(ler mais...)


Alterações climáticas: Maria Lamas promove aula aberta no auditório municipal »  2019-03-08 

Dando sequência a idêntica iniciativa do ano transacto, a escola Maria Lamas volta a promover uma aula aberta, desta vez no auditório municipal (edifício da biblioteca Gustavo Pinto Lopes), e sob o tema “Alterações climáticas e biodiversidade”.
(ler mais...)


O triunfo dos porcos: só câmara pode impedir mega-suinicultura »  2019-03-04 

Depois de amanhã, o executivo municipal vai ser chamado a deliberar sobre um assunto de enorme importância ambiental para o concelho: a instalação de uma suinicultura na Quinta de Caniços, freguesia de Brogueira, a dois passos da Reserva do Paul e perto de povoações.
(ler mais...)


Maioria quer gastar mais de 600 mil no Rossio em mais uma obra inútil »  2019-02-28 

Não se pinta um único banco de jardim há anos, as pontes do jardim das rosas estão interditas, à volta do castelo é só ruína, há calçadas e passeios escavacados por todo o lado, nada é mantido.
(ler mais...)


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-04-06  Associação Protectora dos Animais tem novos corpos sociais
»  2019-04-17  Associação do Património denuncia abate de choupos na Ribeira