• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 12 Julho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 38° / 19°
Céu limpo
Ter.
 35° / 21°
Períodos nublados
Seg.
 39° / 23°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  37° / 20°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Morreu Joaquim da Silva Lopes (actualizada e corrigida)

Sociedade  »  2019-01-17 

Funeral é amanhã, sábado, em Torres Novas, às 15 horas

Funeral realiza-se amanhã, sábado, com saída da casa mortuária de Torres Novas às 15 horas para o cemitério municipal, onde decorrerá pequena cerimónia às 15h30. Velório é amanhã, sábado, a partir das 9 horas da manhã.

Joaquim da Silva Lopes, primeiro director desta série do JORNAL TORREJANO, tinha 72 anos e era natural de Curvaceiras (Paialvo, Tomar).

Radicado em Torres Novas desde o início da década de 70 do século passado, residira entretanto durante alguns anos em Riachos, onde colaborou estreitamente com o jornal “O Riachense”, de que foi sub-director.

Frequentou os seminários de Santarém e de Almada, mas acabou por abandonar esse percurso no momento de continuar os estudos teológicos no seminário dos Olivais, onde não chegou a dar entrada.

Ainda com 17 anos, ofereceu-se como voluntário para a Força Aérea, aos 20 era furriel e aos 21 segundo-sargento, exercendo funções no gabinete de controlo aéreo da Base Aérea da Ota. Optou por abandonar a possibilidade da vida militar por recusar vir a participar na guerra colonial.

Após várias experiências profissionais em diversos ramos, que o levaram a percorrer o país de norte a sul, acabou por ingressar no Instituto de Emprego e Formação Profissional, em Tomar, mas em 1973, com o riachense Carlos Baleco, abria a delegação em Torres Novas, onde foi técnico de emprego durante décadas e granjeou grande simpatia junto de quem com ele se cruzou e dele levou sempre uma palavra amiga e de genuíno interesse pela resolução dos problemas dos mais desfavorecidos.

Desde muito cedo se interessou pela vida das pessoas que o rodeavam, tendo abraçado também, ainda muito novo, ideais políticos que advogavam a mudança social e a liberdade. Ainda na sua aldeia natal, começou por dinamizar um grupo de jovens ligado à paróquia, cujas realizações tiveram o condão de perturbar a ordem vigente. Vem daí, do boletim que produzia para esse grupo de jovens, o gosto pelos jornais e pelo jornalismo, tendo chegado, ainda muito novo, a ser correspondente de alguns diários nacionais.

A seguir ao 25 de Abril empenhou-se ainda mais na luta política, tendo sido um activo militante da UDP e de organizações ligadas à esquerda (foi eleito, em 1982, para a assembleia de freguesia de Riachos), mas acabaria por desinteressar-se da política activa ainda na década de 80, para optar por projectos cívicos e associativos (esteve, por exemplo, na direcção da SOPOVO, cooperativa de habitação económica de Riachos, para onde foi residir em 1981 até aos anos 90).

Depois de ter participado na fase de relançamento de “O Riachense”, ainda o jornal de Riachos era um mensário (foi sub-director entre 1982 e 1986), integrou desde início a equipa fundadora do JORNAL TORREJANO, em 1992, que poria o jornal nas bancas em 1994. Foi o primeiro director do jornal e foi no periódico torrejano que pôde dar largas ao seu enorme talento jornalístico, que aliava a uma cultura enciclopédica, dando corpo a páginas e páginas de grandes entrevistas, reportagens e crónicas.

Nos anos em que esteve ao serviço do JORNAL TORREJANO foi um grande formador de muitos jornalistas que passaram por esta casa, dado o nível raro e extraordinário com que dominava as artes da escrita e os segredos da utilização escrita da língua portuguesa, resultante dos seus conhecimentos de etimologia e filologia. Mas, os seus saberes iam muito para além dos relacionados com escrita e jornais: Joaquim da Silva Lopes era uma pessoa ávida pelo conhecimento e espantava-se permanentemente com a aventura humana do conhecimento. Por isso, era uma grande leitor, um entusiástico leitor e nos últimos anos continuava a partilhar com os mais próximos as suas contínuas “descobertas”.

Amava a música: era capaz, ainda hoje, de cantar dezenas de canções inteiras, letras sem falha, dos Beatles (uma grande paixão) e de outros grupos e cantores da sua juventude, também franceses e italianos, de que compilava cadernos quando jovem, num tempo em que os discos não traziam escritos.

O Joaquim da Silva Lopes, o “nosso director”, o Quim, foi encontrado sem vida na noite de ontem junto à barragem do Castelo do Bode. Deixa-nos, a nós e à família, consternados, e uma imensa tristeza instalada nos nossos corações.

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


“Mosteiro do Leitão” abre na Zibreira junto ao nó da A1 »  2020-07-11 

Um ano volvido desde a inauguração do novo edifício do “Mosteiro do Leitão” na Batalha, Zita Freire e Bruno Figueiredo “trazem o melhor leitão de Portugal agora a Torres Novas, cidade que até então não tinha essa tradição gastronómica”, anuncia a nota de imprensa.
(ler mais...)


Escola de Santa Maria: 122 mil de trabalhos a mais »  2020-07-10 

É um karma, uma tradição, uma fatalidade, um uso e costume, o que se quiser: não há obra desta câmara socialista que seja realizada pelo preço a que foi contratada nos respectivos concursos e adjudicada nos correspondentes montantes: agora, é a obra da escola primária de Santa Maria, em construção nas Chãs, junto ao Centro de Bem Estar Social da Zona Alta que, para já, vai ter 122 mil euros de trabalhos a mais, mais IVA.
(ler mais...)


Morreu João Roque Freire, antigo atleta do CDTN e autarca do PS »  2020-07-08 

Morreu hoje, quarta-feira, dia 8 de Julho, aos 88 anos, João Roque Freire, figura muito popular em Torres Novas e um homem que integrou uma geração de torrejanos que foi marcante na vida da comunidade entre os anos 50 e o final do século XX.
(ler mais...)


Obras põem a descoberto um rio Almonda cheio de lixo »  2020-07-05 

Sempre que se falava da falta de limpeza do rio Almonda, do leito e das margens, apontava-se para o chamado troço urbano para se dizer, em jeito de compensação, “ah, mas na cidade temos um rio limpo que até dá para tomar banho”.
(ler mais...)


António Rodrigues: “A gestão do município não é má, é péssima!” »  2020-07-03 

A pergunta que todos fazem ainda não tem resposta: António Rodrigues, ex-presidente da câmara de Torres Novas durante 20 anos (1993-2013), não confirmou que será candidato às próximas autárquicas, mas essa hipótese não fica excluída.
(ler mais...)


Riachos: obra sem licença avança a todo o vapor »  2020-07-02 

“Chegou ao conhecimento do BE que, na rua de São José, em Riachos, está a decorrer uma obra que aparentemente não tem licença de construção. Desloquei-me ao local e verifiquei que, por um lado, a obra está em adiantado estado de execução e por outro, que o aviso camarário está em estado avançado de degradação, impossibilitando o acesso às informações nele constantes, como se pode comprovar pelas fotografias.
(ler mais...)


Morreu Manuel Piranga Faria, um homem grande »  2020-06-28 

Morreu na madrugada de hoje, domingo, na sua casa de Lapas, Manuel Piranga Faria, uma das personalidades marcantes da comunidade torrejana das últimas décadas.

Nascido em Lapas em 29 de Julho de 1932, desde muito jovem enveredou pela participação cívica, integrando a acção social e cultural católica junto da juventude trabalhadora por via da militância na JOC e na LOC (Liga Operária Católica).
(ler mais...)


Fabrióleo: Tribunal Central Administrativo abre portas ao encerramento da empresa »  2020-06-25 

O Tribunal Central Administrativo do Sul, sediado em Évora, deu provimento, por sentença de 18 de Junho, ao recurso do IAPMEI sobre a providência cautelar apresentada pela Fabrióleo no Tribunal Administrativo de Leiria, o que, na prática, mantém a ordem de encerramento da empresa.
(ler mais...)


Caldeirão: obra está no início mas já tem 45 mil de custos a mais »  2020-06-24 

A denúncia é do vereador João Quaresma, do PSD, e foi feita após a reunião do executivo municipal torrejano de ontem, dia 23. Os factos: a obra de requalificação da antiga central do Caldeirão está praticamente no seu início e já se descobriram 45 mil euros de trabalhos a mais a pagar pelo erário público.
(ler mais...)


Maioria socialista decidiu alterar quadro e criar vários cargos de chefia »  2020-06-23 

“Justifica-se que a acompanhar a proposta, viesse um documentos subscrito pelo presidente da câmara e vereadores com pelouros atribuídos, o que não aconteceu” – disse o vereador do PSD, João Quaresma, na reunião do executivo municipal do passado dia 2 de Junho, perante uma proposta da maioria socialista de alteração do organograma dos serviços municipais e de alteração do quadro do pessoal.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-07-02  Riachos: obra sem licença avança a todo o vapor
»  2020-06-23  Assembleia Municipal: Manuel Carvalho "passa-se" com Luís Silva
»  2020-06-28  Morreu Manuel Piranga Faria, um homem grande
»  2020-07-03  António Rodrigues: “A gestão do município não é má, é péssima!”
»  2020-06-25  Fabrióleo: Tribunal Central Administrativo abre portas ao encerramento da empresa