• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 26 Setembro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 26° / 12°
Céu limpo
Ter.
 22° / 13°
Períodos nublados
Seg.
 23° / 15°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  24° / 14°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Gaiola - inês vidal

Sociedade  »  2021-07-04 

Falta-me mundo. Falta mundo a todos os que aqui acabam por cair. Sinto-me, também eu, a secar, a andar em círculos na minha própria vida e na dos que me rodeiam.

 

Em Março ou Abril de 2002, concorri a uma vaga para jornalista do Jornal Torrejano. Procuravam uma jornalista boa. Se não fosse jornalista, azar, desde que fosse boa. Era qualquer coisa desse género. Eu nem boa, nem jornalista, mas arrisquei sem fé. Passava então os meus dias no Porto, onde estudava. Concorri ao lugar sem qualquer esperança ou expectativa. Vivia mentalizada de que nunca iria arranjar emprego na minha área, já que a taxa de desemprego era, à data e à semelhança do que acontece ainda hoje, gigante. Um pessimismo agravado pelas muitas exigências do tal anúncio de emprego.

Numa sexta-feira à tarde, quando me deslocava para Torres Novas para mais um fim-de-semana, recebi uma chamada. Era o João, que dizia ter recebido o meu currículo e que, antes de mais, queria esclarecer uma coisa: “Vives no Porto. Tens a certeza de que queres voltar para Torres Novas?”. Um visionário, ou a experiência a falar por si... Esta pergunta acompanha-me até hoje, vinda das mais variadas fontes, incluindo de mim própria, e continua a acordar-me nos meus piores pesadelos.

Na altura, feliz por haver afinal uma leve esperança de vir a ser jornalista, não percebi bem a imensidão da pergunta. Era jovem, utópica e crente.... Hoje, vinte anos depois, gostava que o João me voltasse a colocar essa mesma questão. A resposta, provavelmente, seria outra e não deixaria de lha retribuir: “João, tem a certeza de que quer voltar para Torres Novas?”

Pensando do ponto de vista emocional - ou será racional, nem sei bem - não mudaria nada, já que tenho plena consciência de que a decisão que tomei naquele dia ditou a vida que tenho hoje. Mas vinte anos depois, não tenho dúvidas de que aquela decisão matou todo um outro lado que eu poderia ter sido ou feito, fosse qual fosse, melhor ou pior, nunca saberei...

Quando voltamos a Torres Novas, mesmo se já tivermos tido a sorte de espreitar mundo, dificilmente saímos. Acomodamo-nos, andamos em círculo entre as mesmas pessoas e lugares, numa trajectória quase claustrofóbica que depois de nos apanhar, não nos larga mais. Não sei explicar o porquê deste fenómeno, mas a verdade é que o problema é voltar, porque difícil será sair.

Comecei a escrever esta deprimente divagação enquanto olhava para os pássaros que prendo na minha varanda. Cantam, aparentemente felizes, enquanto esvoaçam dentro daqueles sempre mesmos limites, onde se cruzam sempre com os mesmos pássaros, que são eles próprios tão poucos. Tentam convencer-me de que são felizes e de que não sabem viver de outra forma que não assim, enjaulados. Ao que eu pergunto se nós, que caímos um dia nesta gaiola apertada, circular, onde nos cruzamos sempre com as mesmas caras e lugares, saberemos voltar a usar as asas que um dia utilizámos para voar.

Falta-me mundo. Falta mundo a todos os que aqui acabam por cair. Sinto-me, também eu, a secar, a andar em círculos na minha própria vida e na dos que me rodeiam, a perder mundo e a visão que apenas ele me consegue dar dele próprio. Nem o muito ar da serra me impede de asfixiar aqui, nesta gaiola aparentemente, mas enganadoramente, arejada.

Questionamo-nos inúmeras vezes sobre onde andará a juventude, a renovação das gentes, quando idealizamos ver Torres Novas a avançar de aldeia para um lugar no globo. Não entendemos porque estamos envelhecidos, porque não há empreendedores, quadros ou criativos que se assumam, que se cheguem à frente, que peguem Torres Novas com a palma das duas mãos. É fácil de ver: muitos percebem à primeira quando lhes perguntam se têm a certeza de que querem mesmo voltar para Torres Novas. Os que não percebem e voltam, acabam por secar também, envoltos na inércia que esta terra nos enraíza.

Quando focamos o nosso discurso, ou ouço alguém focar o seu - algo tão corrente em ano de eleições autárquicas - na necessidade de atrair os jovens de volta à terra, não sei se ria se chore. O conceito é bom, a ideia vende, mas enquanto não nos dedicarmos a dar mundo aos que já cá vivem, não vale a pena atrair mais ninguém para esta claustrofóbica espiral sem fim.

 



 

 

 Outras notícias - Sociedade


Estrada do Doural: alcatrão já dá canas »  2021-09-21 

A polémica estrada rural do Doural, entre a Ribeira Ruiva e Lapas, que foi passada a alcatrão pelo presidente da Junta de São Pedro, Lapas e Ribeira contra todos os argumentos da oposição e apesar de se situar em zonas de REN e RAN, o que implicava autorização para a obra, continua a dar que falar, mas agora pelas melhores razões.
(ler mais...)


Cabeço do Soudo: “arraial sobre rodas” dia 18 »  2021-09-12 

 É já sábado que a povoação de Cabeço do Soudo realiza uma iniciativa peculiar: na impossibilidade prática de se fazer a festa como nos tempos de antes da pandemia, a opção terá a forma de uma arruada, a partir das 16 horas de sábado, com um veículo que iniciará uma viagem que percorrerá as aldeias de Rexaldia, Pena e Casal da Pena e terminará, exactamente, no Cabeço do Soudo.
(ler mais...)


Bateu no fundo: vereador do urbanismo promove empreendimento imobiliário »  2021-09-03 

Quando se pensava que já nada mais era possível, que a loucura política tinha ultrapassado todos os limites, a maioria socialista afunda-se na credibilidade e na idoneidade políticas em mais um escândalo de envergonhar qualquer plateia.
(ler mais...)


Não!!!! Tenham dó! »  2021-08-31 

A gente desculpa tudo. Faz de conta que é normal que, aquando da concepção do projecto e da sua demorada avaliação prévia, ninguém se tenha lembrado de que, eventualmente, uns sanitários no novo jardim seria uma coisa pertinente, mas obviamente discreta, localizada junto ao edifício do parque, num dos topos, qualquer coisa.
(ler mais...)


"Torrejanos vão pagar mais de meio milhão por muro particular" - denuncia BE em comu nicado »  2021-08-27 

Os factos remontam a 2001 e o caso arrasta-se há 20 anos. Bloco acusa Pedro Ferreira de esconder o acordo com os proprietários desde 2018. Alegadamente, os queixosos afirmavam que o muro caiu na sequência da limpeza do rio, realizada no ano 2000.
(ler mais...)


Judiciária voltou hoje à Câmara de Torres Novas »  2021-08-26 

Uma brigada da Polícia Judiciária regressou hoje à Câmara de Torres Novas, alguns meses após a última visita. Segundo o JT apurou, a brigada veio colher elementos de vários processos, alguns deles com trabalho iniciado nas anteriores estadias.
(ler mais...)


Pavimentação de caminho rural envolta em polémica »  2021-08-25 

A pavimentação, com uma camada de asfalto, do caminho rural que liga a Ribeira Ruiva ao largo do cemitério de Lapas, está envolta em grande polémica e suscita dúvidas, no mínimo, quanto à competência da Junta de Freguesia de São Pedro/Lapas/Ribeira para concretizar uma obra desta natureza.
(ler mais...)


Um apelo: PAREM! »  2021-08-16 

Muitos torrejanos receberam com espanto, consternação, tristeza e revolta, o abastardamento paisagístico, estético e visual de várias ruas da cidade, visível naquilo que a gestão camarária da maioria socialista chama “ciclovia” e que na verdade não passa de um conjunto de deploráveis arabescos a conspurcar os arruamentos da cidade de Torres Novas da forma mais hedionda.
(ler mais...)


Torres Novas: TAC instalado no hospital »  2021-08-14 

Os exames de TAC aos primeiros doentes estão já marcados no hospital de Torres Novas, já que o equipamento de tomografia axial computorizada (TAC) encontra-se em fase final de instalação, garante comunicado da Comissão de Utentes.
(ler mais...)


Censos: Torres Novas perde 7% da população, Tomar e Abrantes com cenário idêntico »  2021-08-14 

O famoso “triângulo de desenvolvimento” Tomar, Abrantes, Torres Novas mais parece, agora, uma espécie de triângulo das Bermudas onde a população se esvai para as profundezas de uma demografia que põe em causa a coesão deste território, aliás como acontece em praticamente todo o país.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-08-31  Não!!!! Tenham dó!
»  2021-09-03  Bateu no fundo: vereador do urbanismo promove empreendimento imobiliário
»  2021-08-27  "Torrejanos vão pagar mais de meio milhão por muro particular" - denuncia BE em comu nicado
»  2021-09-21  Estrada do Doural: alcatrão já dá canas
»  2021-09-12  Cabeço do Soudo: “arraial sobre rodas” dia 18