• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 18 Junho 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 22° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Dom.
 23° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 20° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 14°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Obra despachada num só dia derrapa prazos da segunda fase

Sociedade  »  2020-09-03 

Mais uma história edificante do urbanismo socialista em Torres Novas

Helena Pinto, vereadora do Bloco de Esquerda, perguntou na última reunião camarária pela conclusão do edifício para habitação que deveria ter sido construído depois da licença, em 2015, para a instalação bancária sediada na avenida 8 de Julho, junto ao mercado, um empreendimento da firma Alfredo Galinha Lda. Na altura, bastou um dia para a entrada do processo, informações dos serviços e despacho do vereador.

“Na reunião de Câmara Municipal realizada em 16 de Novembro de 2015, recorda o comunicado do Bloco de Esquerda, foi deliberado por maioria absoluta com 4 votos a favor (PS), 2 abstenções (PSD e CDU) e um voto contra (BE), aprovar o pedido de execução faseada da obra em causa, determinando o prazo de 4 anos para o início da execução da segunda fase, após conclusão da primeira fase, conforme parecer da chefe da DAU, datado de 10.11.2015”. Isto é, já se passaram mais do que os quatro anos previstos para a construção do prédio a fechar o quarteirão, mas o que se vê ao início da avenida 8 de Julho, logo a seguir ao edifício do mercado municipal, é apenas a instalação bancária que mereceu, por parte dos serviços de urbanismo e do vereador Luís Silva, um atendimento ultra-rápido que deve constituir um record nacional em licenciamentos urbanísticos e uma coroa de glória para a gestão socialista.

Na altura, em 2015, este processo originou alguma polémica tendo em consideração, por um lado, o facto de o município estar comprometido a autorizar a construção desde 1997 (data em que foi celebrada a escritura do terreno), sem no entanto colocar qualquer prazo para a sua realização. Por outro lado, no prazo para o início da segunda fase da construção, o prédio de habitação, o promotor propunha 9 anos após a primeira fase, mas a Câmara, após debate, fixou esse prazo em 4 anos, prazo já ultrapassado.

“O BE reafirma tudo o que disse e consta da acta sobre este processo, em 2015. Mantemos as mesmas dúvidas sobre quais as reais intenções do construtor. Construir ali um prédio para fechar o quarteirão ou manter ali uma construção em material desmontável destinada à agência de um banco?”, perguntam os bloquistas.
Este processo, recorda ainda o BE, teve também um tratamento ultra-célere na divisão de Urbanismo, facto que toda a gente estranhou na altura e continua a estranhar, tendo em conta todas os relatos de quem se dirige àquela divisão da Câmara Municipal sobre os meses que demora qualquer processo mais simples.

Mas não foi o caso deste: o pedido do construtor data de 22/10/2015, a informação dos serviços de 22/10/2015, o despacho da chefe de divisão é de 22/10/2015 e o despacho do vereador Luís Silva do mesmo dia 22/10/2015. Tudo no mesmo dia. O assunto foi logo agendado para reunião de Câmara a 27/10/2015, seguiu-se uma reunião técnica do construtor com os serviços da CM em 28/10/2015, uma nova informação dos serviços em 10/11/2015, despacho da chefe de Divisão no mesmo dia 10/11/2015, despacho do vereador Luís Silva também a 10/11/2015 e agendado para reunião de Câmara de 16/11/2015, em que mereceu a deliberação final.

“Passaram 4 anos 9 meses desta decisão. Como devemos estar lembrados, a instalação pré-fabricada foi colocada muito rapidamente. Assim sendo, perguntamos: já deu entrada na divisão de urbanismo da Câmara Municipal o processo para a segunda fase de construção do edifício naquele local? Quando? Em que ponto se encontra a sua apreciação? Caso não tenha dado entrada, o que vai ser feito para fazer cumprir a decisão da Câmara Municipal?”, são as perguntas colocadas pela vereadora Helena Pinto.

Na reunião, o vereador Luís Silva foi directamente confrontado com esta situação, tendo respondido que não se tinha apercebido de nada quanto a ter entrado ou não algum projecto para a segunda fase da obra (a que tinha quatro anos para ser feita). Já sobre a celeridade dos despachos no mesmo dia, limitou-se a gozar com a situação, “agradecendo os elogios da vereadora à rapidez dos serviços”.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Ribatejo e Oeste agora ou nunca, dizem CIMs »  2021-06-17 

No fecho da nossa edição de papel, na noite de terça-feira, não tinha ainda chegado às redacções a informação da realização da cerimónia de hoje, quinta-feira, em Santarém, em que os dirigentes das três Comunidades Intermunicipais (Lezíria, Médio Tejo e Oeste) iriam assinar um memorando de entendimento a exigir que as três unidades territoriais sejam aglutinadas numa única de nível superior (de 3 NUT III a uma NUT II), prefigurando uma futura região fora da actual grande Região de Lisboa e Vale do Tejo.
(ler mais...)


Crédito Agrícola tem “balcão 24” em Torres Novas »  2021-06-15 

A partir do dia 16 de Junho, a CCAM Ribatejo Norte e Tramagal passa a disponibilizar aos seus clientes um novo serviço bancário na agência de Torres Novas. O Balcão 24 é o serviço de self-service do Crédito Agrícola e faz parte do conjunto de serviços que compõem o sistema multicanal cujo objectivo é oferecer aos clientes um leque alternativo de canais de utilização, diz a instituição em comunicado de imprensa.
(ler mais...)


Renova lança higiénico Divine »  2021-06-14 

A Renova acaba de revelar o seu novo papel higiénico “Divine”, “direccionado a todos os que procuram um papel higiénico verdadeiramente ímpar, com elevado grau de maciez e suavidade para o conforto na sua utilização, sem descurar a preocupação com a redução do consumo de plástico de uso único, sendo embalado em papel reciclável e biodegradável”, diz comunicado de imprensa da empresa.
(ler mais...)


O rio Almonda e o futuro da RENOVA - João Carlos Lopes »  2021-06-05 

1.

A Fábrica de Papel do Almonda, hoje assumidamente RENOVA, foi constituída em 1939 e começou a laborar no dia 3 de Maio de 1940. No local, margem direita do rio Almonda frente à povoação de Moinho da Fonte, existira em tempos mais recuados uma primitiva fábrica de papel que captava a água do rio através de uma vala (ainda não havia qualquer represa), elevando-a para dentro do edifício fabril com uma tarambola, construída na grande empreitada de 1825, adjudicada a Francisco Lopes Marques, um mestre de obras de Torres Novas.
(ler mais...)


Autárquicas 2021: CDU avança com Guedelha para recuperar lugar na vereação »  2021-05-17 

Nuno Guedelha, de 45 anos, é o cabeça-de-lista da CDU à câmara municipal de Torres Novas nas próximas eleições autárquicas. Este é o quarto candidato conhecido, depois de Tiago Ferreira (PSD), Pedro Ferreira (PS) e António Rodrigues (independente).
(ler mais...)


Impotência institucional - carlos paiva »  2021-05-10 

Segundo noticia a TSF, a Agência Portuguesa do Ambiente multou a Fabrióleo em 400 mil euros e ordenou a demolição de várias edificações ilegais, incluindo uma ETAR, presentes naquela unidade industrial.
(ler mais...)


Nascente do rio Almonda: recuperação de casa junto à barragem vai valorizar o local »  2021-05-10 

Um projecto de recuperação de uma casa e sua envolvência junto à nascente do rio Almonda, propriedade particular de Natércia Torrinha, pode ajudar a tornar o local mais aprazível a quem o visita, já que se pretende, também, garantir o acesso às margens do rio.
(ler mais...)


Vexame: 20 milhões para o rio Nabão, 5 milhões para o Alviela, meio milhão para o Almonda »  2021-05-07 

É verdade que não passam de promessa do Governo para empurrar câmaras socialistas em ano de eleições. Mas mesmo no campeonato das promessas, Torres Novas é humilhada.

 Em meados de Abril, o Ministério do Ambiente anunciou querer travar a poluição do rio Nabão com um investimento de cerca de 20 milhões de euros, destinados a obras de infraestruturas de combate à poluição, cuja principal causa é atribuída à estação de tratamento de Seiça, no concelho de Ourém.
(ler mais...)


António Rodrigues vai a jogo: “Estou a concorrer só para presidente da Câmara” »  2021-05-04 

Candidata-se para vencer, não esconde, mas admite que não há vitórias antecipadas. Não concorre contra ninguém, apenas por amor a Torres Novas: “O movimento P’la Nossa Terra nasceu antes das autárquicas de 2017.
(ler mais...)


Tudo e mais alguma coisa sobre o jardim do Almonda Parque: 100 anos e muitas histórias »  2021-04-23 

Foi horta durante séculos, logo pegada à fábrica de chitas, depois “social club”, picadeiro da cavalaria, campo de jogos, recinto de feiras e mercados para ser trucidado por um parque de estacionamento. Na posta restante, fica agora um pequeno jardim.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-06-05  O rio Almonda e o futuro da RENOVA - João Carlos Lopes
»  2021-06-14  Renova lança higiénico Divine
»  2021-06-15  Crédito Agrícola tem “balcão 24” em Torres Novas
»  2021-06-17  Ribatejo e Oeste agora ou nunca, dizem CIMs