• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 19 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 13° / 6°
Céu nublado
Ter.
 14° / 4°
Períodos nublados
Seg.
 11° / 5°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  16° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Judite Gonçalves, proprietária de loja de ferragens no largo da botica: “Vim para ficar, pelo menos mais trinta anos”

Sociedade  »  2019-07-04 

Judite Gonçalves tem 50 anos e é natural de Tomar, embora viva desde sempre no concelho de Torres Novas. Filha de pai outeirense e mãe moreirense, há 30 anos que reside no Outeiro Pequeno. Nunca antes

Um ramo de flores vermelhas no balcão recebe-nos quando entramos e vemos que alguma coisa mudou por ali. De resto, a loja continua aparentemente igual ao que nos habituámos nas últimas décadas, quando era propriedade de José António. As flores vieram com o Recadex, oferecidas por uma cliente que quis agradecer a simpatia e disponibilidade para ajudar de Judite Gonçalves, a mulher que está à frente da loja desde Janeiro de 2018.

Judite Gonçalves nunca tinha trabalhado neste negócio. A oportunidade de pegar no trespasse da loja de ferragens, aquando do falecimento do antigo proprietário, foi um mero acaso. Ou um bom sinal: “Nunca tinha trabalhado na área. Já tinha trabalhado muito ligada ao comércio, mas nunca deste tipo, nem nunca a gerir. Trabalhei ligada a seguros, na ervanária Vitae ainda algum tempo, em fábricas, cafés, restaurantes. Já trabalho desde os 13 anos…. Um dia passei aqui e vi o papel a dizer ‘trespassa-se’. Trabalhava na altura a fazer limpezas em casas privadas, trabalho que adorava e continuo a adorar. O meu marido já há muito dizia que tínhamos de arranjar alguma coisa para a velhice, porque temos uma menina com deficiência. De hoje para amanhã, se nos acontece alguma coisa, não podemos viver só da reforma, que já sabemos que vai ser pequena. Também sabemos que as coisas não vão melhorar. Passei, vi, falei-lhe nisso e decidimos vir conversar com alguém responsável. Falámos com a filha do senhor José António e cá estou eu”, explicou Judite Gonçalves.

Aprender um ofício sozinho, sem ninguém ao lado para pedir ajuda, dificulta a tarefa. Mas Judite Gonçalves, como se percebe depois de uns minutos de conversa, não se intimida às primeiras: “Quando começou a trabalhar também não sabia, pois não? Aprendeu. Foi exactamente como eu. Aqui aprendi sozinha. Um bocadinho mais difícil, mas vai-se aprendendo. Aprende-se com os clientes, com os vendedores, sozinha, a ficar cá muitas vezes até altas horas da noite a estudar as facturas para trás, a aprender de onde vem o quê, e a passar muitas horas a preocupar-me, a olhar e a ver, a tentar aprender”, riu Judite.

Questionada sobre o peso da herança que recebeu, uma vez que o seu antecessor era um grande conhecedor da matéria, Judite responde com humildade e segurança: “Não tenho essa experiência, esse conhecimento. Mas tento sempre. Sempre fez parte do meu feitio, não é forçado, é natural. Sempre gostei de ajudar, ser útil e sentir-me útil. Não é nada de extraordinário. Se não souber, vou procurar. Ninguém, quando começa a trabalhar em qualquer área, sabe tudo. Muita gente sabe o que quer e ensina-me. Outros não sabem e eu tento ajudar. É claro que não tenho o conhecimento que o senhor José António tinha, ele trabalhou nisto uma vida e era uma pessoa muito inteligente. Sabia fazer. Eu não estou aqui para tentar substituir o senhor José António, estou aqui para tentar manter aquilo que ele construiu. Se eu conseguir ir mais além, óptimo”.

Até ver, está contente com o resultado: “Até ver tenho conseguido. Amanhã ninguém sabe. Há dias desesperantes e preocupantes, mas isso acontece em todos os negócios. Para quem não tinha experiência de gestão é um bocadinho mais difícil. O primeiro ano foi muito difícil. Vai-se aprendendo com os erros. Nós erramos e da próxima vez tentamos acertar. Mas está a correr bem e gosto do que faço. Gosto de acordar de manhã e saber que venho para aqui. E gosto do contacto com o público, principalmente. É isso que maior prazer me dá, principalmente alguém vir à procura de algo, sair daqui satisfeito e passados uns dias dizer-me que ficou fantástico, que era mesmo aquilo que procurava. Isso, não há dinheiro que pague. Não se consegue agradar a toda a gente, mas tenta fazer-se o melhor que se pode e sabe”.

No início, quando pegou na loja, sentiu alguma desconfiança por parte da clientela. Não sabe se por não esconder a sua inexperiência, se por ser mulher, mas acredita que hoje isso está resolvido: “Talvez houvesse uma desconfiança, mas penso que é natural. Até eu duvidava que conseguisse. Acredito que tivessem pensado ‘aquela não dura lá muito tempo’, mas é engraçado que encontrei muita gente a apoiar e a parabenizar-me pela minha decisão. Mais do que o contrário. Também sempre fui sincera e disse que não tinha muita experiência. Hoje, as pessoas voltam e isso é bom sinal. Já tenho clientes muito assíduos”, orgulha-se Judite.

“Tanto eu como o meu marido estamos satisfeitos com este investimento. Tinha de ser algo que na possibilidade de uma incapacidade de algum de nós, o outro pudesse pegar. Esse era sempre o objectivo. Se acontecer alguma coisa a algum de nós, o outro fica. Eu vim para ficar, quem pensava que não me aguentava que se engane. Pelo menos mais trinta anos, é esse o meu objectivo”. Inês Vidal

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Ginásio de Riachos: 20 anos depois, já há ante-projecto »  2020-01-16 

Pendurado há 20 anos, aquando da construção do pavilhão gimnodesportivo de Riachos, o ginásio anexo parece estar agora um pouco mais perto de se tornar realidade. Na reunião de ontem do executivo municipal, foi aprovado por unanimidade “o ante-projecto de arquitectura e especialidades relativos à 2.
(ler mais...)


Torres Novas na devolução do IVA: ANMP assinala disparidades no parecer sobre o orçamento de Estado »  2020-01-15 

No seu parecer habitual à proposta de lei do orçamento de Estado, a Associação Nacional de Municípios Portugueses questiona o Governo sobre os montantes da devolução de parte do IVA cobrado nos municípios e assinala, directamente, o caso de Torres Novas.
(ler mais...)


PS quer derreter 700 mil em 160 metros de rua »  2020-01-13 

A pretexto de implantar um troço de ciclovia, a maioria socialista quer destruir completamente o arranjo da rua 25 de Abril e enterrar mais de 700 mil euros em 160 metros de via. O resto do concelho assiste.

A ideia de uma ciclovia para Torres Novas vinha de vez em quando à cabeça de alguns, apesar de a cidade não ter tradições alguma no uso da bicicleta (raramente se vê uma) e de a sua topografia não aconselhar tal tipo de recurso.
(ler mais...)


Vale da Serra: moradores preocupados com funcionamento da ETAR »  2020-01-09 

Os moradores de Vale da Serra, Pedrógão, estão preocupados com as águas que estão a ser bombeadas da ETAR para terrenos públicos e privados confinantes com a estação de tratamento de águas residuais.
(ler mais...)


Bombeiros: dificuldades na adesão ao voluntariado, problemas no socorro »  2020-01-09 

A primeira conclusão que se retira da assembleia geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Torrejanos, realizada mesmo a fechar o ano, é que os torrejanos em geral e os associados da própria agremiação estão completamente alheados do seu presente e sobretudo do seu futuro: num universo de muitas centenas de sócios activos, não se compreende que numa reunião magna de prestação de contas não estejam presentes, ao menos, uma dúzia de associados que não sejam os membros dos corpos sociais, alguns elementos do comando ou bombeiros e um ou dois sócios de fora deste contexto.
(ler mais...)


Torres Novas: centro de saúde abrangido pelo plano de contingência »  2020-01-07 

O centro de saúde de Torres Novas está abrangido pelo Plano de Contingência Inverno, estando aquela unidade de saúde aberta até às 22 horas, apenas nos dias úteis, informa o Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo.
(ler mais...)


(ACTUALIZADA) - Orçamento de Estado: só Santarém, Abrantes e Ourém recebem mais que Torres Novas »  2020-01-06 

Sobre o caso da devolução da percentagem do IVA cobrado, a que abaixo se faz referência, o  JT tentou esclarecer a questão junto da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), que disse não ter acesso aos dados da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) que demonstrem e justifiquem, não somente o cálculo do valor global em causa, mas também a própria distribuição por Município.
(ler mais...)


CHMT: dezenas de novos médicos iniciaram funções no dia 3 »  2020-01-05 

“Estou grata porque tenho trabalhado com equipas que me ajudam a crescer. Espero que sejam muito felizes aqui”. Esta afirmação é de Ana Rita Sanches, médica especialista em Medicina Interna, que terminou a sua formação no CHMT e que deu o seu testemunho na sessão de boas-vindas aos novos internos que iniciaram esta semana o percurso neste Centro Hospitalar.
(ler mais...)


Directora do JT, amanhã na RTP1 »  2020-01-02 

Amanhã, sexta, por volta das 17h30, a directora do JT, Inês Vidal, vai estar em directo na RTP1, no programa "Portugal em Directo". Como já é habitual, Inês Vidal comentará alguns assuntos que fazem a actualidade local e regional.
(ler mais...)


Socialistas reafirmam extinção de farmácia em Alcorochel »  2019-12-24 

O assunto da deslocalização da farmácia de Alcorochel para o edifício Beira-Rio, em Torres Novas, voltou à reunião da Câmara, já que o INFARMED não ficou satisfeito com a justificação da maioria socialista ao seu parecer favorável, aprovado com os votos contra da oposição no passado mês de Outubro.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-12-20  Rio Almonda: cheia muito aquém do nível de 1989
»  2019-12-23  Montepio tem novos órgãos sociais: Luís Martins lidera administração
»  2020-01-06  (ACTUALIZADA) - Orçamento de Estado: só Santarém, Abrantes e Ourém recebem mais que Torres Novas
»  2020-01-02  Directora do JT, amanhã na RTP1
»  2020-01-13  PS quer derreter 700 mil em 160 metros de rua