• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 24 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 22° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 22° / 6°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Torres Novas: regressão demográfica ameaça coesão do concelho como a conhecemos

Sociedade  »  2019-01-17 

Até aqui pensava-se que Torres Novas iria resistir à regressão demográfica, já clara há uns anos, de concelhos como Tomar e Abrantes, com grandes zonas “rurais”, para não falar de outros cujo cenário é catastrófico. Mas as projecções apontam o mesmo caminho para o município torrejano: o futuro é negro.

 Os dados do último recenseamento da população, de 2011, vinham confirmar um cenário de enorme regressão demográfica da região, com quase todos os concelhos a perderam habitantes numa tendência persistente e imutável. Desse quadro, apenas escapavam o Entroncamento, que não tendo perdido população, apresentava já essa tendência futura devido ao envelhecimento da sua pirâmide de idades, o de Torres Novas que praticamente mantinha a sua população, contrariando a tendência geral, e pouco mais.

 Afinal, o cenário futuro não é nada famoso para Torres Novas e a regressão demográfica geral da região também vai estender-se ao concelho torrejano, a crer no diagnóstico realizado pelo gabinete de estudos do sociólogo David Justino, antigo ministro da Educação, a respeito do plano educativo para Torres Novas.

 O estudo inclui uma caracterização do concelho, através da análise de alguns parâmetros, e entre eles uma projecção demográfica para os próximos anos: isto é, não se trata de uma situação remota, mas presente daqui a meia dúzia de anos, e a principal e mais perturbadora questão é a praticamente irreversível regressão demográfica da população torrejana para níveis nunca conhecidos.

 Com cerca de 35 mil habitantes em 2011, altura do Censo, o concelho de Torres Novas deverá perder, segundo a projecção de David Justino, cerca de 3500 habitantes até 2025, isto é, 10% da sua população em escassa meia dúzia de anos. Uma das consequências visíveis será a diminuição do número global de estudantes, que deverão ser menos 1000, de resto de acordo com os sinais que já se vão verificando.

 O saldo migratório “interno” muito negativo que já se observa há anos em todas as freguesias (onde a população diminui a favor das zonas mais centrais e urbanas) será agora um saldo migratório negativo para o próprio concelho, que não tem capacidade de atrair gente de fora que atenue o seu saldo fisiológico negativo (o facto de morrerem mais pessoas do que as que nascem).

 Há outra consequência muito desastrosa que ameaça destruir a coesão social e económica do concelho como a temos vindo a conhecer: em cima desta regressão demográfica, e devido ao envelhecimento da população, teremos uma percentagem elevada de gente acantonada em lares e instituições similares, ou pelos fora dos circuitos e actividades daquilo que se considera população activa. E poderá existir falta de mão de obra para sectores de actividade específicos, quer para trabalhos mais indiferenciados, quer no que toca a quadros superiores, se a cidade continuar a não possuir atractividade para classes “médias”.

 Para além de um “centro histórico” totalmente destruído (isto é, sem qualquer retoma demográfica), que será nula com as anunciadas obras do PEDU, a cidade tem centenas de casas vazias (3000 no total do concelho) e as próprias zonas urbanas mais recentes não foram desenhadas de modo a serem, por si, locais de residência atractivos: a eventual qualidade dos apartamentos não conta nada quando os moradores esperam dezenas de anos por uma bocado de relva à saída da porta em vez do matagal, como acontece na nova urbanização dos Negréus.

 As projecções do estudo, que são praticamente certezas, vêm provar que as políticas locais das autarquias não tiveram capacidade de contrariar a tendência geral de despovoamento de todo o país interior, que na verdade é todo o território nacional menos as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, o eixo Braga-Guimarães, e centralidades muito concretas no meio do deserto, como Viseu, e pouco mais.

 Quanto aos dados específicos da educação, o estudo do antigo ministro apresenta alguns indicadores para o concelho, nomeadamente a elevada média de idades do pessoal docente (48,7 anos, superior à média nacional), uma percentagem de retenções e de desistências no ensino secundário muito alta (25,8%) e uma média de alunos por turma também superior à média nacional. São apenas alguns exemplos do diagnóstico realizado para enquadra a carta educativa do concelho.

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)


João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre »  2019-02-09 

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas.
(ler mais...)


Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre »  2019-02-07 

Um grupo de moradores do Carreiro da Areia esteve presente na reunião camarária de terça-feira, em protesto contra a poluição e os efeitos que se fazem sentir na aldeia. Já há quem tenha abandonado a povoação, mas nem as casas se conseguem vender.
(ler mais...)


Rodoviária em greve »  2019-02-04 

Decorre hoje, dia 4 de Fevereiro, e amanhã, dia 5 de Fevereiro, as greves convocadas pelo STRUP para as Rodoviárias do Tejo, do Lis e Oeste.
“Apesar das mentiras e manobras dissuasoras que as administrações foram divulgando na semana que antecedeu à greve, mais uma vez o balanço da greve é bastante positivo neste primeiro dia de luta, tendo a adesão sido  esmagadora entre os motoristas com vínculos de trabalho não precários, aos quais se juntaram alguns trabalhadores com vínculos precários tradicionalmente usados pelas administrações das empresas para justificar falsos números de adesão à greve”, diz comunicado da estrutura sindical chegado às redacções.
(ler mais...)


Ribatejo foi outra vez fintado »  2019-01-30 

A auto-estrada A13, que visa ligar a Marateca a Coimbra e também unir o Ribatejo pelo seu interior, está há anos parada às portas de Almeirim enquanto não há a nova ponte junto à Chamusca para ligar a via ao nó da Atalaia.
(ler mais...)


Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito” »  2019-01-28 

 

 Liliana Domingos tem 39 anos, é natural da Meia Via e trabalha há 19 anos como operadora especializada, no “Recheio”. Aos 14, deu os primeiros passos numa das suas muitas paixões, a rádio, e três anos depois pisou um palco pela primeira vez, integrando o elenco de “O Despertar da Primavera”, uma peça de Frank Wedekind levada a cena pelo Teatro Meia Via.
(ler mais...)


Joana Pintassilgo, técnica de informática: “Já não se nota tanto o desconforto dos homens na relação profissional” »  2019-01-21 

 

Joana da Silva Pintassilgo tem 41 anos e é natural de Torres Novas. Formou-se como técnica profissional especializada em tecnologias de informação e comunicação. Isto, há vinte anos, numa altura em que não era usual encontrar muitas mulheres na informática.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-02-09  João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre
»  2019-02-21  A Tasca: nova vida com Paulo Emílio
»  2019-01-28  Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”
»  2019-01-30  Ribatejo foi outra vez fintado
»  2019-02-07  Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre