• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 18 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 29° / 15°
Períodos nublados
Qui.
 30° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Conjunto arqueológico monumental descoberto na aldeia da Mata

Sociedade  »  2019-09-06 

São 45 “poços” alinhados numa das ruas da povoação

A designação de “poços” utilizada no ante-título é meramente ilustrativa: trata-se de quase cinco dezenas de estruturas escavadas, de forma cilíndrica, descobertas durante os trabalhos de saneamento da aldeia. Desconhece-se ainda a função e datação deste conjunto, inédito no país na sua tipologia.

Na aldeia de Mata, freguesia de Chancelaria, têm estado a decorrer trabalhos de saneamento realizados pela empresa Águas do Ribatejo e todas as ruas e ruelas da povoação foram esventradas. Na rua do Cabo, que desce da aldeia em direcção ao Covão, na estrada do Alvorão, num alinhamento de cerca de 200 metros foram postos a descoberto, pela equipa arqueológica que acompanha os trabalhos, 45 estruturas escavadas na rocha calcária com a forma cilíndrica.

A princípio, julgou tratar-se de silos, abundantes em qualquer núcleo urbano como é o caso de Torres Novas, onde foram localizadas algumas dezenas nas ruas do centro histórico, só que estas estruturas são normalmente arredondadas na base e mais fechadas na boca, por onde se começava a escavar para depois se ir alargando a forma interior até fechar em base côncava. Serviam para armazenar e conservar cereais, vinho ou azeite, por exemplo.

Na Mata, não são esses silos as estruturas encontradas. Na base, o acabamento das paredes permanece num ângulo perfeito (dir-se-ia característica próprio da técnica de cantaria romana), enquanto a boca mantém o diâmetro global. São 45 “poços”, com diâmetros que vão do 1,20m a 1,60 e profundidade variada até cerca dos 2 metros.

À partida, pela tipologia (diferente dos silos) e pela quantidade, estamos na presença de um conjunto arqueológico monumental. Inédito, tanto quanto se sabe, no país e em contextos como o de uma pequena aldeia. Os materiais depositados nas estruturas têm sido enviados para análise, mas ainda não há evidências quanto à origem e datação dos “poços”. No entanto, pela quantidade, estarão certamente ligados à produção de qualquer exploração agrícola de grandes dimensões, até porque é pouco provável que só existam estes 45 “poços” em toda a zona. A quantidade e características podem remeter para uma actividade agro-industrial muito antiga.

Parece estranha a hipótese de as estruturas serem tardo-medievais ou modernas. Por uma lado, na Idade Média a Mata era um pequeníssimo povoado de poucas dezenas de moradores, não sendo possível atribuir a uma povoação tão pequena a necessidade de ter existido tal número de estruturas. Mais tarde, nos Inquéritos Paroquiais de 1758, o pároco da freguesia não faz referência a qualquer tema relacionado com as “covas”, nem refere haver delas memória, sinal de que as estruturas já estavam apagadas da memória colectiva dos moradores há muitos séculos. Também na toponímia não há sinal de hipotética ligação aos monumentos.

A Mata insere-se numa zona onde a tradição diz ter existido a cidade romana de Malhada, e no princípio do século passado foram encontrados vestígios inequívocos da presença romana na zona: restos de construção e telhões que apontam para a mais que provável existência, não de uma “cidade”, como diz a tradição, mas de uma villa romana de razoável dimensão, que certamente produzia vinho e azeite e tinha muito perto os férteis terrenos da várzea da ribeira do Alvorão. Aparentemente, só a presença romana e a actividade agrícola intensiva que caracterizava as villae romanas poderiam explicar um conjunto desta dimensão, mas a equipa arqueológica não pode adiantar quaisquer dados.

De qualquer modo, o JT falou com um arqueólogo especialista em investigação do período romano, João Marques, de Vila Franca de Xira, que confirma estarmos em presença de um notável e raro conjunto arqueológico, inédito em contextos como o que surge na Mata. Algumas características dos “poços” encontrados na Mata são compatíveis com a tipologia de estruturas romanas semelhantes e assim identificadas pela existência de vestígios materiais do tempo da ocupação romana. É isso que falta, no caso da Mata, embora fosse relativamente fácil estabelecer o elo entre os “poços” e a presença romana acaso aparecesse qualquer achado inequivocamente romano, como vidros ou mesmo restos de qualquer utensílio (metais, adornos de vestuário, etc).

Vítor Dias, outro arqueólogo contactado pelo JT e com vasta experiência em trabalhos arqueológicos por todo o país, reconhece a singularidade e raridade de um conjunto desta dimensão, adiantando que a datação para o período romano teria de suportar-se em vestígios materiais inequívocos associados à construção destas estruturas negativas, que poderão ser de um período medieval muito antigo, assim se explicando que tenha desaparecido da memória colectiva qualquer “rasto” da sua existência.

No entanto, estas estruturas encontradas na Mata também se assemelham, de forma perturbadora, a silos hispânicos pré-romanos (por exemplo aos do conhecido complexo de Girona): “poços” exactamente assim, como rebordos acima do solo, tapados depois com enormes testos de barro, destinados ao armazenamento de cereais. As próprias fontes romanas, na descrição destes silos dos povos “ibéricos”, afirmavam que os grãos conservados nestas estruturas duravam muitas décadas.

A situação está a preocupar alguns moradores da Mata, que não se conformam com a eventual destruição das estruturas. Uma troika formada por Sérgio Poupado, Laura Santos e Jorge Duque, tem tentado estabelecer contactos com a autarquia (a obra é da Águas do Ribatejo, por conta da Câmara de Torres Novas, que é o principal accionista da empresa), no sentido de estabelecer um acordo que permita continuar a investigação arqueológica. Referem que a obra de saneamento da aldeia nunca parou por causa das escavações e que está em causa, apenas, uma rua entre dezenas, pelo que o trabalho da empresa pode continuar perfeitamente no resto dos arruamentos.

Enquanto isto, a Mata já está na mapa dos monumentos arqueológicos do país, seja a que for a origem e datação das estruturas, e o concelho tem à vista um conjunto de estruturas que pode ser precioso para a identificação de um período relevante seu passado histórico.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Inédito: Torres Novas às escuras há duas noites seguidas »  2019-09-05 

Quando ontem, quarta-feira, ao anoitecer, se verificou que praticamente todo o centro histórico de Torres Novas estava sem uma única lâmpada de iluminação pública, pensou tratar-se de uma momentânea avaria.
(ler mais...)


Câmara: 80 mil para cultura e desporto, o mesmo que quer gastar nos repuxos da rotunda »  2019-08-31 

O executivo municipal aprovou por unanimidade, na reunião ordinária de 6 de Agosto, um conjunto de apoios nas áreas da cultura e do desporto que ascendem a cerca de 80 mil euros. Isto relativo à actividade de um ano, o mesmo que vai gastar nas traquitanas de um repuxo (ver peça mais abaixo).
(ler mais...)


Amália Moita: morreu uma centenária »  2019-08-28 

Há pouco mais de um ano, 18 de Julho de 2018, o JT noticiava que Torres Novas tinha mais uma mulher a atingir a idade de 100 anos: tratava-se de Amália Moita, natural de Alcorochel, aldeia onde sempre viveu, apesar de nas últimas décadas passar temporadas também em Torres Novas, em casa de uma das filhas.
(ler mais...)


Torres Novas: manuais gratuitos para o 3.º CEB e secundário »  2019-08-15 

O executivo municipal aprovou por unanimidade o alargamento da distribuição gratuita de manuais escolares aos alunos do escalão A e B do 3.º CEB (ciclo do ensino básico) e ensino secundário.

“No âmbito das competências de acção social da câmara, já são comparticipados os cadernos de actividades aos alunos até ao 6.
(ler mais...)


Legislativas: mulheres chegam-se à frente na região mais marialva do antigamente »  2019-08-09 

No Ribatejo, aquele Ribatejo marialva de antigamente, já nada é o que era. Quatro dos cinco partidos com representação parlamentar no distrito, PS, PSD, CDS e Bloco apresentam mulheres como cabeças de lista às legislativas de Outubro.
(ler mais...)


Pias Longas: QUERCUS exige responsabilidades e arrasa autarquias »  2019-07-26 

A QUERCUS acaba de tomar posição sobre os aterros ilegais do aeródromo de Pias Longas e é contundente: faz notar que mesmo após o embargo da Câmara de Ourém, continuaram os aterros, que se traduzem no “grave atentado ambiental”.
(ler mais...)


Pias Longas: aterros já chegam aos caminhos e trilhos utilizados por população e desportistas »  2019-07-22 

 

Os aterros, constituídos por toneladas de pedras e terra, que pretendem alongar a pista do aeródromo de Pias Longas, na fronteira entre os concelho de Ourém e Torres Novas, continuam em marcha, apesar do alegado embargo decretado pela câmara de Ourém e da alegada comunicação da câmara de Torres Novas junto do município vizinho.
(ler mais...)


Olá cidade! »  2019-07-09 

Torres Novas comemorou ontem, dia 8 de Julho, mais um aniversário da elevação a cidade. Dias antes, terá havido em local apropriado mais uma jornada, mais uma, de apresentação de obras digitais. Milhões de flores entre as ruínas, como diz a canção.
(ler mais...)


Legislativas: PSD agastado, PS calado, Bloco rachado, PCP ao lado »  2019-07-06 

As listas dos candidatos às legislativas de Outubro, pelo distrito de Santarém, estão na ordem do dia e mobilizam as máquinas partidárias. São processos em que corre sempre algum sangue, com os contendores a evocarem “a vontade do povo”, “o povo do distrito” e outros argumentos patéticos para justificar intenções, vontade e decisões, quando elas passam e só, pela arregimentação de militantes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-09-05  Inédito: Torres Novas às escuras há duas noites seguidas
»  2019-08-31  Câmara: 80 mil para cultura e desporto, o mesmo que quer gastar nos repuxos da rotunda
»  2019-09-06  Conjunto arqueológico monumental descoberto na aldeia da Mata
»  2019-08-28  Amália Moita: morreu uma centenária