• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 03 Outubro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 32° / 16°
Períodos nublados
Qua.
 32° / 16°
Céu limpo
Ter.
 32° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 14°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O Moinho da Fonte: a antiga povoação, a fábrica de papel e o rio Almonda – apontamentos históricos

Sociedade  »  2021-04-13 

A pequena povoação do Moinho da Fonte (freguesia de Pedrógão) já era nos anos 30 e hoje seria ainda, não fosse a expansão da fábrica de papel, a mais bonita aldeia do concelho de Torres Novas (na foto).

Alcandorada numa encosta que antecede o arrife, a escassas dezenas de metros da nascente do rio Almonda, o Moinho da Fonte era um aglomerado de casas de habitação, moinhos e um lagar, com o rio a correr entre a povoação e a outra margem, freguesia de Zibreira, onde estavam os restos de uma antiga fábrica de papel ardida em 1904. Uma espécie de paraíso.

A povoação já existia na Idade Média com o nome de Moinho da Fonte, resultante não só da existência de um moinho, o primeiro, e da “fonte”, a nascente do Almonda, ali a poucos metros (ver segunda fotografia, a "fonte" junto à nascente e antes da construção da barragem).

A construção da fábrica primitiva teve início por volta de 1820 e pertencia a Bento Ardisson, comerciante de Lisboa. Pelo Inquérito Industrial de 1890, pertencia à sociedade Freitas & Gabriel, tinha 38 trabalhadores (cerca de 20 mulheres) e no rol de indústrias de 1892, respondia pela firma Feliciano Gabriel de Freitas & Companhia.

Em 1872, entretanto, estão já assinalados os moinhos de João dos Santos Torrinha, de Ana Vieira e de Manuel Joaquim, no lugar de Moinho da Fonte, e um outro no Casal Feijão, pertencente a José dos Santos Torrinha.

A primeira aventura da primitiva fábrica de papel duraria cerca de oitenta anos, mas com muitas intermitências. Em 1893, A RENASCENÇA noticiava que “estava quase completa a reorganização da fábrica de papel”, mas a fábrica não teria vida longa, tendo ardido em 1904.

No início dos anos 20 do século XX deram-se as últimas tentativas de ressuscitar a empresa: em 1924 “o Almonda” noticiava obras que tinham alterado o curso do rio, causando prejuízos: “no Nascente do Almonda tem havido grandes prejuízos, nos moinhos, devido às obras aí executadas para a fábrica de papel que forçaram o rio para a margem oposta.”

Nada se iria passar e a fábrica mais uma vez não iria reabrir. Lembrava “o Almonda”, em 1938, que “foi vendido ao desbarato o rico material importado do estrangeiro, milhares de contos foram perdidos por falta de orientação e sua administração”.

Em 1939 uma nova sociedade, então formada recentemente, tomou conta dos restos da velha fábrica e fundou a Fábrica de Papel do Almonda, antes solicitando autorização do Governo para funcionar.

O edital da sociedade e respectivo capital seria publicado em Setembro de 1939, nove meses depois da autorização condicionada do ministro. A empresa tomava a designação oficial de Fábrica de Papel do Almonda, Lda, e foi constituída uma sociedade comercial por quotas com um capital social de 1.530.000$00.

O anúncio informava que as quotas foram integralmente realizadas em dinheiro, excepto a do sócio António da Costa Tereso. Esta particularidade seria decisiva para o futuro da Renova, já que Tereso, não se sabe por que razões, abdicaria de iniciar a laboração na sua fábrica do Casal Feijão, já na posse de autorização definitiva.

Na verdade, o despacho de 1938 autorizava António Tereso a laborar na sua fábrica do Casal Feijão (umas centenas de metros a jusante da nascente) e começara por negar as pretensões iniciais da nova empresa: “Negada autorização a Mário de Oliveira Viegas Tavares [e outros] para transferirem os maquinismos que adquiriram à Companhia Industrial de Tancos para a Fábrica de papel A Renova, sita na nascente do rio Almonda”, mas a segunda parte do despacho abria a porta ao empreendimento se a empresa optasse por dotar-se de máquinas mais de acordo com as exigências oficiais, o que acabaria por acontecer, com a licença a surgir em 1939.

Em Maio de 1940, depois de obras e aquisição de equipamentos, começava então a funcionar a nova fábrica. Num dos edifícios ficaria gravada a inscrição “Fábrica de Papel do Almonda, Lda”, a indicar que uma nova era começava desde então, e por baixo, a inscrição “A Renova” associava a “marca” que tinha pretendido recuperar a antiga fábrica.

A lógica de expansão de terrenos da empresa começou em 1955, com a compra de um terreno ao município, 6000m2 do baldio municipal n.º 42 de freguesia de Pedrógão, por 3010$, terreno esse envolvendo a nascente do rio Almonda e a escarpa até à linha do arrife, criando uma zona-tampão privada em volta de um bem público, o rio e a sua nascente. A fábrica crescia, passava de uma margem para a outra e engolia gradualmente a velha povoação de Moinho da Fonte.

A instalação da “máquina 4” em 1970 alterou por completo a bucólica paisagem do local e a própria “geografia” das águas do rio Almonda, já que o edifício onde foi implantada foi construído exactamente em cima do leito do rio, engolindo aquele troço inicial do curso do Almonda logo a seguir à barragem, algo inexplicável mesmo para os critérios da época (ver diferenças entre a terceira e a quarta foto).

Os conflitos com alguns proprietários dos moinhos vinham de trás, já que muitas vezes a potência de sucção das bombas de alimentação da turbina diminuía muito a força do caudal, impedindo os moinhos de trabalhar.

Nos anos 70 a empresa cria a Fábrica 2, a cerca de um quilómetro da nascente, e constrói uma conduta de 1,2Km para levar a água da barragem da nascente até à nova fábrica. Hoje, na fábrica antiga, apenas a velha máquina 4 está em funcionamento. No entanto, o edificado fabril cobre por completo as primeiras dezenas de metros do leito do rio (ver foto 3), expandiu-se para a outra margem, enquanto do Moinho da Fonte sobram algumas casas e ruínas de edificações várias como o lagar.

João Carlos Lopes

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Fábrica Grande: CDU fala de amiguismos e rejeita clínica privada naquele espaço »  2022-09-23 

A CDU de Torres Novas entendemos que a Câmara fez bem em adquirir as antigas instalações da fábrica de Fiação e Tecidos, mas a sua ocupação, com a instalação dos projectos anunciados, levanta muitas preocupações aos comunistas.
(ler mais...)


CDU defende refeições feitas pelas escolas »  2022-09-21 

A Câmara decidiu atribuir mais uma vez, a confecção das refeições escolares a uma empresa privada para o ano lectivo de 2022/23 e, no entender da CDU, “continua a privilegiar o interesse privado em detrimento do interesse público”.
(ler mais...)


Associação com seis meses vai receber, para já, 45 mil do município »  2022-09-14 

Inédito: uma associação que acaba de fazer seis meses de existência e não mostrou qualquer trabalho, vai receber já 15 mil euros e mais 30 mil euros por ano do município, para além de instalações, para “desenvolver os produtos de Torres Novas”.
(ler mais...)


Hospitais do CHMT reforçam actividade assistencial »  2022-09-11 

 


Os profissionais de saúde do CHMT responderam a 99.306 episódios de urgência no acumulado dos oito primeiros meses do ano, um marco histórico que se traduz num crescimento de 35% (ou mais 25.501 episódios, em valor absoluto) face ao período homólogo de 2021, e revela um aumento de um por cento acima do valor registado em 2019, ano de referência assistencial do Serviço Nacional de Saúde, diz nota de imprensa do cento hospitalar.
(ler mais...)


Ulme recebe o festival “Já Te Dou o Arroz” »  2022-09-11 

Quim Roscas e Zeca Estacionâncio, Azeitonas e Ruizinho do Acordeão são os cabeça de cartaz

 Entre 9 e 11 de setembro, a vila de Ulme, no concelho da Chamusca, recebe a segunda edição do festival “Já Te Dou o Arroz”, numa organização conjunta da Câmara Municipal da Chamusca e da Junta de Freguesia de Ulme.
(ler mais...)


Câmara já mudou para o edifício do antigo hospital »  2022-09-09 

Em nota de imprensa de ontem, dia 9 de Setembro, a câmara municipal de Torres Novas informa o público e os torrejanos que os novos Paços do Concelho já estão instalados no edifício do antigo hospital da Misericórdia.
(ler mais...)


Antigas instalações da Fiação poderão ser do Município: Fábrica Grande, um projecto para a próxima década e para muitos milhões de euros »  2022-08-28 

A confirmar-se a compra das antigas instalações da Companhia Nacional de Fiação e Tecidos, uma área de 30 mil metros quadrados em local privilegiado da cidade atravessado pelo rio Almonda, abre-se um mundo de possibilidades para dar corpo a um parque urbano que integre património e negócios, serviços e lazer.
(ler mais...)


Torres Novas: cinco mil euros para apoiar esterilização de cães e gatos »  2022-08-16 

 Termina no dia 15 de Setembro o prazo para entrega das candidaturas ao programa de apoio financeiro para esterilização de animais de companhia, no caso cães e gatos, machos e fêmeas. O município reservou para 2022 uma verba de cinco mil euros destinados ao reembolso financeiro que são de 87,50 euros para esterilização de cadelas, 75 euros para esterilização de cães, 50 euros para esterilização de gatas e 25 euros para esterilização de gatos.
(ler mais...)


Alcanena: Museu do Curtume conserva materiais »  2022-08-16 

Tiveram início, no dia 2 de Agosto, os trabalhos de conservação, higienização e desinfestação do espólio em madeira do Museu do Curtume. O edifício do museu alberga um espólio que conta a história e a própria evolução do saber-fazer e da indústria dos curtumes no concelho de Alcanena e que constitui um dos mais importantes testemunhos para a constituição do futuro núcleo museológico do “Projecto Couros”.
(ler mais...)


Fundação dá prémio ao melhor aluno admitido medicina »  2022-08-16 

A Fundação Maria Isabel e Renato Gameiro atribui, a partir de 2022 e com carácter anual, o prémio “Dr. Renato Gameiro”, no valor pecuniário de 1.500 euros, ao aluno que seja admitido no curso de medicina com a melhor classificação.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2022-09-14  Associação com seis meses vai receber, para já, 45 mil do município
»  2022-09-09  Câmara já mudou para o edifício do antigo hospital
»  2022-09-11  Hospitais do CHMT reforçam actividade assistencial
»  2022-09-11  Ulme recebe o festival “Já Te Dou o Arroz”
»  2022-09-21  CDU defende refeições feitas pelas escolas