• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 09 Maio 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 20° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 18° / 9°
Períodos nublados
Seg.
 17° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  19° / 11°
Períodos nublados com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O QUE A CÂMARA QUER DESTRUIR: O porto da Bácora, atentado patrimonial - por J. Júlio Antunes

Sociedade  »  2020-10-22 

O “Jornal Torrejano”, como já nos habituou, tomou a iniciativa de denunciar o atentado patrimonial da destruição do porto da Bácora e tapar o acesso pedonal ao rio. Nos tempos medievais ali existia um acesso desde a muralha da cerca até ao rio, evidenciado também durante as últimas obras na rua da Levada. Atentado este que não estará no projecto da obra municipal e que serve de remendo a erros de cálculo da dimensão da nova ponte ali colocada.

Nos anos sessenta do século passado, o porto da Bácora era a praia dos jovens e das crianças que viviam no centro da cidade ou em casas próximas do campo de jogos do Almonda Parque. Ali existiam duas tarambolas, a da horta das Pedras, e a outra que levava água para regar o jardim de João Clara. Em início dos anos sessenta, a primeira tarambola desmoronou-se, por desuso, deixando a segunda a funcionar junto a uma pequena ilha no meio do rio e bordejada de choupos onde todos nós nos deliciávamos ora apanhando banhos de sol, praticando natação ou pescando uns bordalos e umas bogas.

De salientar que a maioria de nós não tinha férias de praia e poucos só lá iam um dia por ano em alguma excursão. A referida ilha situava-se ao lado da vala que ladeava o muro do jardim de João Clara e que era o final da grande levada que começava na ponte Pedrinha ou da Levada, na margem direita do rio, que fazia rodar as mós dos desaparecidos moinhos ali existentes. Nessa vala, despejávamos diariamente vários tijolos onde as enguias se escondiam e que nós, no dia seguinte apanhávamos, tapando os buracos com as duas mãos. A segunda tarambola também teve fatal destino!

No porto da Bácora estavam colocadas diversas pedras apropriadas para a lavagem da roupa, tarefa a que as nossas mães se dedicavam com bastante esmero, ora lavando para casa ou para clientes de fora. A roupa lavada era estendida numa pequena língua de terra onde crescia erva, adjacente à garagem do Moiteiro. Terminada a tarefa, parte da roupa já ia para casa seca e dobrada.

Em vésperas dos jogos no Almonda Parque, com as pedras da lavagem da roupa fazíamos uma passagem que atravessava o rio, que ali era pouco fundo, por onde alguns se escapuliam entrando de borla nos jogos do Torres Novas. Mas o Gregório, guarda do campo, estava atento e quando se apercebia desta situação, lá se descalçava para destruir todo o nosso trabalho. E depois também ouvíamos as lavadeiras que, no dia seguinte, teriam de reconstruir o seu local de lavagem de roupa.

E tudo isto durou até ao início dos anos setenta, tendo ali sido construída uma ponte pedonal, para acesso ao novo mercado semanal depois da saída do campo de jogos para o recentemente inaugurado Estádio Municipal. E a passagem para o jardim de João Clara também foi construída nos anos setenta e numa altura em que o rio estava impraticável pela poluição industrial. Já ninguém ali lavava roupa ou tomava banho (já havia as novas piscinas), e o local foi transformado em vazadouro de lixo que os moradores locais atiravam das varandas.

Toda esta situação se manteve até que as célebres limpezas do rio desencadeadas pela gestão Rodrigues na câmara municipal destruíram a aprazível ilha que ali existia e a língua de terra encostava à garagem do Moiteiro, pelo que agora no local se depositam toda as espécie de lixos e ramagens que as cheias trazem de montante.

A estupidez de aprovar a passagem para o jardim de João Clara, parte dela assente em muro público, e agora de tapar o porto da Bácora, são obstáculos para que se impeça o secular acesso pedonal ao rio e a recolha manual de ramos e troncos de árvores que anualmente ali se depositam. É que o porto da Bácora é mesmo preciso!

Para todos os efeitos, estamos perante uma desafectação de uma via pública, que é o caminho de acesso ao Rio Almonda no porto da Bácora. Por acaso foi feita alguma consulta pública ou tomada alguma deliberação que altere o projecto das obras do Almonda Parque?
É preciso corrigir o erro ali cometido e repor o secular porto da Bácora!

José Júlio Antunes

NA FOTO, datada de 1965, pode ver-se a entrada do rio no porto da Bácora (a seguir à roupa estendida, esquerda, na imagem), os miúdos José Júlio Antunes e João Antunes com um amigo entre eles a brincarem na língua de terra que fazia a levada para uma das tarambolas e as mulhes a lavar roupa, ao fundo

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Vexame: 20 milhões para o rio Nabão, 5 milhões para o Alviela, meio milhão para o Almonda »  2021-05-07 

É verdade que não passam de promessa do Governo para empurrar câmaras socialistas em ano de eleições. Mas mesmo no campeonato das promessas, Torres Novas é humilhada.

 Em meados de Abril, o Ministério do Ambiente anunciou querer travar a poluição do rio Nabão com um investimento de cerca de 20 milhões de euros, destinados a obras de infraestruturas de combate à poluição, cuja principal causa é atribuída à estação de tratamento de Seiça, no concelho de Ourém.
(ler mais...)


António Rodrigues vai a jogo: “Estou a concorrer só para presidente da Câmara” »  2021-05-04 

Candidata-se para vencer, não esconde, mas admite que não há vitórias antecipadas. Não concorre contra ninguém, apenas por amor a Torres Novas: “O movimento P’la Nossa Terra nasceu antes das autárquicas de 2017.
(ler mais...)


Tudo e mais alguma coisa sobre o jardim do Almonda Parque: 100 anos e muitas histórias »  2021-04-23 

Foi horta durante séculos, logo pegada à fábrica de chitas, depois “social club”, picadeiro da cavalaria, campo de jogos, recinto de feiras e mercados para ser trucidado por um parque de estacionamento. Na posta restante, fica agora um pequeno jardim.
(ler mais...)


Carpentier abandona assembleia, PS diz que não tem nada que ver com o assunto »  2021-04-19 

Depois de uma fuga para a frente alegando que o registo do domínio lhe fora pedido por uma organização de Odivelas (pesquisa permitiu saber que nada disso seria verídico), a situação estava a tornar-se insustentável para Nuno Carpentier (o primeiro na foto junto a António Gameiro).
(ler mais...)


Direito de Resposta: Carpentier diz-se perplexo com António Rodrigues »  2021-04-16 

“Ex.ma Sra. Diretora Inês Vidal

Remeto esta mensagem ao abrigo do direito de resposta (artigos 24º e seguintes da Lei n.º 2/99, de 13 de janeiro).

«No artigo que Jornal Torrejano publicou no dia 15 de abril de 2021 em http://www.
(ler mais...)


Escândalo político: Rodrigues diz-se vítima de “usurpação” de domínio de email da campanha por dirigente do PS de Torres Novas »  2021-04-15 

A comprovar-se tudo o que está em causa neste episódio em que se cruzam a campanha de António Rodrigues e um dirigente do PS torrejano, trata-se de um escândalo político sem precedentes, envolvendo tentativa de boicote e espionagem política.
(ler mais...)


Renova sugere edição especial de guardanapos para o Dia da Mãe »  2021-04-15 

O Dia da Mãe está a chegar e com ele surgem as dúvidas sobre a melhor forma de surpreender a as mães. Para celebrar este dia especial, a Renova sugere que os filhos mais criativos, com a ajuda preciosa dos pais e da família, possam personalizar online os seus próprios guardanapos, usando as suas fotos e adicionando um texto, à medida da sua imaginação.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, quarta-feira, 14 de Abril: 6 casos na sub-região »  2021-04-14 

Nos últimos dias a situação pandémica nos concelhos da sub-região do Médio Tejo dá conta de um reduzido número de novos contágios declarados. No dia 12, registaram-se 6 casos, 3 em Abrantes e 3 em Tomar.
(ler mais...)


O Moinho da Fonte: a antiga povoação, a fábrica de papel e o rio Almonda – apontamentos históricos »  2021-04-13 

A pequena povoação do Moinho da Fonte (freguesia de Pedrógão) já era nos anos 30 e hoje seria ainda, não fosse a expansão da fábrica de papel, a mais bonita aldeia do concelho de Torres Novas (na foto).
(ler mais...)


Maioria socialista empatou novo Intermarché durante dois anos »  2021-04-12 

 

A Câmara votou há dois anos, a execução de um plano de pormenor para Cancela do Leão, para onde está previsto o novo Intermarché, e a necessária suspensão do PDM, também por dois anos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-04-15  Escândalo político: Rodrigues diz-se vítima de “usurpação” de domínio de email da campanha por dirigente do PS de Torres Novas
»  2021-04-13  O Moinho da Fonte: a antiga povoação, a fábrica de papel e o rio Almonda – apontamentos históricos
»  2021-04-23  Tudo e mais alguma coisa sobre o jardim do Almonda Parque: 100 anos e muitas histórias
»  2021-04-16  Direito de Resposta: Carpentier diz-se perplexo com António Rodrigues
»  2021-04-19  Carpentier abandona assembleia, PS diz que não tem nada que ver com o assunto