• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 09 Maio 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 20° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 18° / 9°
Períodos nublados
Seg.
 17° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  19° / 11°
Períodos nublados com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

ENTREVISTA: Rosário Marcelino, primeira presidente da Banda Operária

Sociedade  »  2018-12-11 

Rosário Marcelino, mulher, mãe, trabalhadora e presidente da BOT:

 “Com esta acumulação de funções alguém tem ficado para trás. E é sempre a família que fica

 Maria do Rosário Nalha Marcelino tem 50 anos, é natural da Chamusca e viveu em Lisboa até aos 17 anos, altura em que se mudou para Torres Novas. Aqui ficou até hoje. Trabalha há 24 anos numa empresa de contabilidade da nossa praça, depois de ter passado pelo Desporto Escolar. Vai já no segundo mandato como autarca da Junta de Freguesia de São Pedro. É mulher e mãe. Como se não bastasse tudo isso, é desde 2010 presidente da Banda Operária Torrejana e a primeira mulher a ocupar o cargo numa história de 145 anos. Mais do que fechar portas, acredita que o género as abre. Mas, mais do que o género, entende que o que importa é a forma de estar em tudo o que se faz.

 Chegou à Banda Operária Torrejana (BOT) pelas mãos da filha. Beatriz tinha aulas de percussão na filarmónica. Joaquim Cabral, então presidente da instituição, e actual vereador da Câmara Municipal, queria deixar o cargo e desafiou Rosário a formar uma lista. Sem qualquer ligação à música a não ser gostar de a ouvir e sem nunca ter ambicionado ser presidente fosse de que fosse, aceitou o desafio. A consciência de que alguém tem de dar o seu tempo para não deixar morrer este tipo de associações, falou mais alto.

E foi assim, sem qualquer agenda, que se tornou a primeira mulher a presidir aos destinos de uma filarmónica com uma história de 145 anos. Nunca se sentiu diferente ou perante qualquer entrave por ser mulher. Acredita que os tempos são outros e que, por esse país fora, muitas mulheres foram abrindo portas a esta possibilidade. Se o género influencia o trabalho? Só se for positivamente, diz Rosário: “O facto de ser mulher pode influenciar negativa ou positivamente, mas eu penso que foi positivamente. Pelo menos, eu sinto isso. Houve abertura. Também penso que se deve muito à pessoa em si, à maneira de estar, à maneira como se trabalha, se contacta. Seja homem ou mulher, penso que passa essencialmente por aí. Mas, no meu caso, nunca tive qualquer problema. A nossa instituição, desde que eu cá estou, tem boas relações com todas as pessoas e instituições. O facto de ser mulher, se calhar, até abre outras portas”, admite Rosário, deixando perceber que essa é, no seu entender, uma não-questão: “Penso que isso tem mudado ao longo dos anos, à medida que se vê as mulheres desempenhar tão bem, igual ou melhor, as funções até há tempos realizadas apenas por homens. Eu sou a primeira mulher presidente desta associação, mas a nível nacional há outras mulheres, em vários quadrantes. Nunca me senti discriminada nas minhas decisões, nunca me senti questionada. Aliás, somos quatro mulheres na direcção, mais do que homens”, riu.

Mas qualquer mulher sabe que mais do que ocupar um cargo outrora exclusivo de homens, ser mulher nestas andanças traz outras questões. Uma mulher não pode ser só uma mulher. É uma supermulher e exige isso mesmo de si própria. Ao assumir um cargo como a presidência da BOT, neste caso específico, uma mulher não deixa de fazer outras coisas. Acumula-as. E não espera de si menos do que a perfeição em todas elas. Uma mulher é mulher, mãe, política, é trabalhadora e ainda dirigente associativa. Com tudo o que isso implica: “Com esta acumulação de funções, alguém vai ficar para trás. E é sempre a família que fica. Fica sempre algo para fazer em casa, algo para conviver. Tive que prescindir de muito do meu tempo pessoal. Tenho o trabalho, tenho a banda, tudo o que tenho de fazer em casa e ainda alguns momentos em família. Mas, feito o balanço, foi muito produtivo. Faria tudo de novo, provavelmente já com outro andamento. E quando sair não vou para casa. Não tenho feitio para estar sentada no sofá. Há outros projectos que quero experimentar, outras actividades, outros objectivos que gostaria de cumprir”, adianta Rosário Marcelino.

A preparar-se para deixar o cargo (as eleições para nova direcção aconteciam no dia 23 de Novembro e Rosário não se recandidatou) por entender que precisa de parar e dar lugar a outros, a primeira presidente da BOT não tem dúvidas que aprendeu imenso e é sem modéstias que assume que fez um bom trabalho à frente da instituição: “O balanço é positivo, gratificante e aprendi muito. Eu gosto destas experiências. Sai muito de nós, mas aprende-se muito. Tenho o espírito crítico necessário para dizer que a banda melhorou ao longo destes 10 anos. E digo isso pelo trabalho que temos apresentado, pelos resultados que temos tido. A nossa escola excede actualmente os 40 alunos e desta já passaram elementos para a banda, objectivo primeiro da escola. Isso é sinal de trabalho. Em 2010, não sei se tínhamos 10 alunos na escola de música. Isso sem falar nas actividades em que participámos e das que realizámos na comunidade”.

Um trabalho que assume com orgulho, mas que admite não ser só seu: “Não foi só comigo que estes resultados aconteceram. Há sempre alguém que lidera e que anda para a frente, mas esse alguém tem sempre uma equipa por trás, porque nós sozinhos não fazemos nada”. Rosário parte, mas tranquila: “A banda está bem. É a opinião da nossa direcção. Quem quiser, basta chegar e dar continuidade ao trabalho. Podemos fazer sempre mais, mas temos de ter consciência de que está na hora de sair. A filarmónica é de todos, não é só minha”.

 Inês Vidal

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Vexame: 20 milhões para o rio Nabão, 5 milhões para o Alviela, meio milhão para o Almonda »  2021-05-07 

É verdade que não passam de promessa do Governo para empurrar câmaras socialistas em ano de eleições. Mas mesmo no campeonato das promessas, Torres Novas é humilhada.

 Em meados de Abril, o Ministério do Ambiente anunciou querer travar a poluição do rio Nabão com um investimento de cerca de 20 milhões de euros, destinados a obras de infraestruturas de combate à poluição, cuja principal causa é atribuída à estação de tratamento de Seiça, no concelho de Ourém.
(ler mais...)


António Rodrigues vai a jogo: “Estou a concorrer só para presidente da Câmara” »  2021-05-04 

Candidata-se para vencer, não esconde, mas admite que não há vitórias antecipadas. Não concorre contra ninguém, apenas por amor a Torres Novas: “O movimento P’la Nossa Terra nasceu antes das autárquicas de 2017.
(ler mais...)


Tudo e mais alguma coisa sobre o jardim do Almonda Parque: 100 anos e muitas histórias »  2021-04-23 

Foi horta durante séculos, logo pegada à fábrica de chitas, depois “social club”, picadeiro da cavalaria, campo de jogos, recinto de feiras e mercados para ser trucidado por um parque de estacionamento. Na posta restante, fica agora um pequeno jardim.
(ler mais...)


Carpentier abandona assembleia, PS diz que não tem nada que ver com o assunto »  2021-04-19 

Depois de uma fuga para a frente alegando que o registo do domínio lhe fora pedido por uma organização de Odivelas (pesquisa permitiu saber que nada disso seria verídico), a situação estava a tornar-se insustentável para Nuno Carpentier (o primeiro na foto junto a António Gameiro).
(ler mais...)


Direito de Resposta: Carpentier diz-se perplexo com António Rodrigues »  2021-04-16 

“Ex.ma Sra. Diretora Inês Vidal

Remeto esta mensagem ao abrigo do direito de resposta (artigos 24º e seguintes da Lei n.º 2/99, de 13 de janeiro).

«No artigo que Jornal Torrejano publicou no dia 15 de abril de 2021 em http://www.
(ler mais...)


Escândalo político: Rodrigues diz-se vítima de “usurpação” de domínio de email da campanha por dirigente do PS de Torres Novas »  2021-04-15 

A comprovar-se tudo o que está em causa neste episódio em que se cruzam a campanha de António Rodrigues e um dirigente do PS torrejano, trata-se de um escândalo político sem precedentes, envolvendo tentativa de boicote e espionagem política.
(ler mais...)


Renova sugere edição especial de guardanapos para o Dia da Mãe »  2021-04-15 

O Dia da Mãe está a chegar e com ele surgem as dúvidas sobre a melhor forma de surpreender a as mães. Para celebrar este dia especial, a Renova sugere que os filhos mais criativos, com a ajuda preciosa dos pais e da família, possam personalizar online os seus próprios guardanapos, usando as suas fotos e adicionando um texto, à medida da sua imaginação.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, quarta-feira, 14 de Abril: 6 casos na sub-região »  2021-04-14 

Nos últimos dias a situação pandémica nos concelhos da sub-região do Médio Tejo dá conta de um reduzido número de novos contágios declarados. No dia 12, registaram-se 6 casos, 3 em Abrantes e 3 em Tomar.
(ler mais...)


O Moinho da Fonte: a antiga povoação, a fábrica de papel e o rio Almonda – apontamentos históricos »  2021-04-13 

A pequena povoação do Moinho da Fonte (freguesia de Pedrógão) já era nos anos 30 e hoje seria ainda, não fosse a expansão da fábrica de papel, a mais bonita aldeia do concelho de Torres Novas (na foto).
(ler mais...)


Maioria socialista empatou novo Intermarché durante dois anos »  2021-04-12 

 

A Câmara votou há dois anos, a execução de um plano de pormenor para Cancela do Leão, para onde está previsto o novo Intermarché, e a necessária suspensão do PDM, também por dois anos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-04-15  Escândalo político: Rodrigues diz-se vítima de “usurpação” de domínio de email da campanha por dirigente do PS de Torres Novas
»  2021-04-13  O Moinho da Fonte: a antiga povoação, a fábrica de papel e o rio Almonda – apontamentos históricos
»  2021-04-23  Tudo e mais alguma coisa sobre o jardim do Almonda Parque: 100 anos e muitas histórias
»  2021-04-16  Direito de Resposta: Carpentier diz-se perplexo com António Rodrigues
»  2021-04-19  Carpentier abandona assembleia, PS diz que não tem nada que ver com o assunto