• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Julho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 37° / 16°
Céu limpo
Qua.
 32° / 16°
Céu limpo
Ter.
 38° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  39° / 18°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Na morte de António Lúcio Vieira

Sociedade  »  2020-06-12 

Morreu, no dia 4 de Junho, na sua casa em Torres Novas, António Lúcio Vieira, que contava 78 anos. Natural de Alcanena, residia em Torres Novas há muitas décadas e desde cedo se envolveu na actividade cultural torrejana, centrada sobretudo no teatro e na literatura.

Durante muitos anos foi empregado de escritórios dos Claras/Rodoviária Nacional, em Torres Novas, passando depois a desempenhar o cargo de relações públicas da empresa, de onde saiu muito antes da idade da reforma.

Iniciou a sua actividade cultural mais marcante no teatro amador, integrando e dirigindo alguns grupos de teatro locais. A partir de 1972, encenou duas peças no Teatro Experimental Torrejano (até 1974 sob a tutela do Centro de Juventude de Torres Novas, sob a direcção de João Tolda, vice-presidente da câmara): o “Auto do Físico” e a “Antígona”. Este último texto clássico foi objecto de alguma desconstrução estética e formal, originando um desagradável surruru na apresentação pública da peça no teatro Virgínia. A verdade é que o TET, integrando jovens como Luís Pisco, César Ruivo ou José Rosa, entre outros, alguns bastante próximos de um núcleo juvenil conotado com a oposição, seria alvo de um ligeiro aviso por parte da “situação”, mas seria João Tolda a sossegar os ânimos, quer de um lado quer de outro, impedindo outros desenvolvimentos.

Depois do 25 de Abril, já em 1977, a encenação da “Guerra Santa” (texto de 1967, de Luís de Sttau Monteiro), no Festival de Teatro de Santarém, causaria algum frisson dada a crueza com que a peça tratava a instituição militar, na época pouco dada a críticas mesmo no ambiente de grande liberdade que caracterizou essa fase da vida portuguesa. A actividade do TET ficaria por aqui e o trabalho teatral de Lúcio Vieira, aquele que lhe deu mais saliência, praticamente também.
Motivou-o também o cinema amador, tendo integrado com António José Cardoso a equipa “Fotograma”, apoiada pelo Cine Clube de Torres Novas e que produziu três curtas metragens em Super 8, nos anos 70 do século passado.

Também nos anos 70, já depois do 25 de Abril, e durante um curto período, fez parte da equipa do jornal “O Almonda”, com responsabilidades ao nível da redacção. No âmbito jornalístico, fez rádio em várias estações locais e regionais, mas sem se demorar demasiado em nenhuma delas.

Colaborou também como correspondente/repórter local da antiga revista do “Correio da Manhã”, a sua actividade jornalística mais visível.

Antes, também ainda na década de 70, tivera uma curta fase de escritor de cantigas, tendo feito uma parceria com o cantor Paco Bandeira. Mas essa faceta de escritor de canções já era antiga, a um nível local, se tivermos em linha de conta os textos que Lúcio Vieira fizera para artistas amadores locais, na participação em festivais amadores de canção, ou a sua episódica colaboração com a Orquestra Típica Scalabitana, para quem escreveu algumas cantigas de parceria com o maestro António Gavino.
Nos últimos 20 anos, António Lúcio Vieira centrou-se sobretudo na actividade literária, tendo publicado vários livros de poesia, teatro e romance, acrescentados a algumas publicações editadas no início da sua actividade literária.

No entanto, há alguns anos, durante o consulado de Tiago Guedes como director artístico do Teatro Virgínia, ainda se proporcionou uma tentativa de regresso de Lúcio Vieira ao teatro, aquando da remontagem do Auto do Físico, mas a experiência não teve êxito.
Há algum tempo, o antigo encenador encontrava-se doente e na sua casa, no centro da cidade, onde acabou por falecer.

Presidente da câmara deturpa biografia
Após a morte de Lúcio Vieira, as chamadas “redes sociais” foram pródigas em textos sobre a vida do autor de “Aldeia Brava”, inventado-se cargos e outros detalhes que não têm importância, mas que não correspondem à verdade.

Mais gravosa foi a referência do presidente da câmara, Pedro Ferreira, em texto publicado no site oficial da Torres Novas FM, adulterando uma fase importante da actividade teatral de Lúcio Vieira: “Antes do 25 de abril, com muita coragem encenou a peça teatral “A GUERRA SANTA” de Luís Sttau Monteiro, com jovens torrejanos, que lhe traria muita popularidade.” Ora, “A Guerra Santa” foi encenada por Lúcio Vieira e levada à cena pelo TET em 1977, já muito depois do 25 de Abril. Aliás, foi no convívio com o grupo de jovens do TET, muito próximo do 25 de Abril, anos de 72/73, que Lúcio Vieira interagiu com alguns deles ligados à contestação ao regime.

Nos anos 60, o encenador não integrou qualquer movimento ou núcleo ligado à oposição, até porque, influenciado pela doutrinação do regime enquanto combatente na Guiné ao serviço do exército colonial português, ainda não se tinha demarcado da actividade política da Acção Nacional Popular (o partido único do regime), em Torres Novas, como se documenta nas fontes escritas e fílmicas relacionadas com as pseudo-eleições de 1969.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Obras põem a descoberto um rio Almonda cheio de lixo »  2020-07-05 

Sempre que se falava da falta de limpeza do rio Almonda, do leito e das margens, apontava-se para o chamado troço urbano para se dizer, em jeito de compensação, “ah, mas na cidade temos um rio limpo que até dá para tomar banho”.
(ler mais...)


António Rodrigues: “A gestão do município não é má, é péssima!” »  2020-07-03 

A pergunta que todos fazem ainda não tem resposta: António Rodrigues, ex-presidente da câmara de Torres Novas durante 20 anos (1993-2013), não confirmou que será candidato às próximas autárquicas, mas essa hipótese não fica excluída.
(ler mais...)


Riachos: obra sem licença avança a todo o vapor »  2020-07-02 

“Chegou ao conhecimento do BE que, na rua de São José, em Riachos, está a decorrer uma obra que aparentemente não tem licença de construção. Desloquei-me ao local e verifiquei que, por um lado, a obra está em adiantado estado de execução e por outro, que o aviso camarário está em estado avançado de degradação, impossibilitando o acesso às informações nele constantes, como se pode comprovar pelas fotografias.
(ler mais...)


Morreu Manuel Piranga Faria, um homem grande »  2020-06-28 

Morreu na madrugada de hoje, domingo, na sua casa de Lapas, Manuel Piranga Faria, uma das personalidades marcantes da comunidade torrejana das últimas décadas.

Nascido em Lapas em 29 de Julho de 1932, desde muito jovem enveredou pela participação cívica, integrando a acção social e cultural católica junto da juventude trabalhadora por via da militância na JOC e na LOC (Liga Operária Católica).
(ler mais...)


Fabrióleo: Tribunal Central Administrativo abre portas ao encerramento da empresa »  2020-06-25 

O Tribunal Central Administrativo do Sul, sediado em Évora, deu provimento, por sentença de 18 de Junho, ao recurso do IAPMEI sobre a providência cautelar apresentada pela Fabrióleo no Tribunal Administrativo de Leiria, o que, na prática, mantém a ordem de encerramento da empresa.
(ler mais...)


Caldeirão: obra está no início mas já tem 45 mil de custos a mais »  2020-06-24 

A denúncia é do vereador João Quaresma, do PSD, e foi feita após a reunião do executivo municipal torrejano de ontem, dia 23. Os factos: a obra de requalificação da antiga central do Caldeirão está praticamente no seu início e já se descobriram 45 mil euros de trabalhos a mais a pagar pelo erário público.
(ler mais...)


Maioria socialista decidiu alterar quadro e criar vários cargos de chefia »  2020-06-23 

“Justifica-se que a acompanhar a proposta, viesse um documentos subscrito pelo presidente da câmara e vereadores com pelouros atribuídos, o que não aconteceu” – disse o vereador do PSD, João Quaresma, na reunião do executivo municipal do passado dia 2 de Junho, perante uma proposta da maioria socialista de alteração do organograma dos serviços municipais e de alteração do quadro do pessoal.
(ler mais...)


Assembleia Municipal: Manuel Carvalho "passa-se" com Luís Silva »  2020-06-23 

Um dos melhores bocados da Assembleia Municipal de Torres Novas, realizada no sábado, estava guardado para o fim, e envolveu Manuel Carvalho Júnior, presidente da Junta das freguesias de Brogueira, Alcorochel e Parceiros da Igreja, e Luís Silva, vice-presidente da câmara e chefe dos socialistas locais.
(ler mais...)


Encontro da ADPTN salienta importância da protecção da natureza no Paul do Boquilobo »  2020-06-23 

Os 40 anos da Reserva Natural do Paul do Boquilobo foram o mote para o encontro de solstício de verão da Associação de Defesa do Património de Torres Novas (ADPTN), realizado no passado dia 21, no Largo do Paço.
(ler mais...)


Charneca de Alcorochel: lançado concurso da estrada »  2020-06-18 

Na reunião camarária de 2 de Junho foi finalmente deliberado o lançamento para concurso público da empreitada de beneficiação da estrada Alcorochel - Charneca de Alcorochel, com um orçamento previsto de 345 mil euros e com um prazo de execução de 120 dias.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-07-02  Riachos: obra sem licença avança a todo o vapor
»  2020-06-28  Morreu Manuel Piranga Faria, um homem grande
»  2020-06-23  Assembleia Municipal: Manuel Carvalho "passa-se" com Luís Silva
»  2020-06-14  Hospital: regressam rumores sobre a saída da Pediatria para Abrantes
»  2020-06-25  Fabrióleo: Tribunal Central Administrativo abre portas ao encerramento da empresa