• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 26 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 20° / 10°
Céu nublado
Qua.
 21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  18° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Na morte de António Lúcio Vieira

Sociedade  »  2020-06-12 

Morreu, no dia 4 de Junho, na sua casa em Torres Novas, António Lúcio Vieira, que contava 78 anos. Natural de Alcanena, residia em Torres Novas há muitas décadas e desde cedo se envolveu na actividade cultural torrejana, centrada sobretudo no teatro e na literatura.

Durante muitos anos foi empregado de escritórios dos Claras/Rodoviária Nacional, em Torres Novas, passando depois a desempenhar o cargo de relações públicas da empresa, de onde saiu muito antes da idade da reforma.

Iniciou a sua actividade cultural mais marcante no teatro amador, integrando e dirigindo alguns grupos de teatro locais. A partir de 1972, encenou duas peças no Teatro Experimental Torrejano (até 1974 sob a tutela do Centro de Juventude de Torres Novas, sob a direcção de João Tolda, vice-presidente da câmara): o “Auto do Físico” e a “Antígona”. Este último texto clássico foi objecto de alguma desconstrução estética e formal, originando um desagradável surruru na apresentação pública da peça no teatro Virgínia. A verdade é que o TET, integrando jovens como Luís Pisco, César Ruivo ou José Rosa, entre outros, alguns bastante próximos de um núcleo juvenil conotado com a oposição, seria alvo de um ligeiro aviso por parte da “situação”, mas seria João Tolda a sossegar os ânimos, quer de um lado quer de outro, impedindo outros desenvolvimentos.

Depois do 25 de Abril, já em 1977, a encenação da “Guerra Santa” (texto de 1967, de Luís de Sttau Monteiro), no Festival de Teatro de Santarém, causaria algum frisson dada a crueza com que a peça tratava a instituição militar, na época pouco dada a críticas mesmo no ambiente de grande liberdade que caracterizou essa fase da vida portuguesa. A actividade do TET ficaria por aqui e o trabalho teatral de Lúcio Vieira, aquele que lhe deu mais saliência, praticamente também.
Motivou-o também o cinema amador, tendo integrado com António José Cardoso a equipa “Fotograma”, apoiada pelo Cine Clube de Torres Novas e que produziu três curtas metragens em Super 8, nos anos 70 do século passado.

Também nos anos 70, já depois do 25 de Abril, e durante um curto período, fez parte da equipa do jornal “O Almonda”, com responsabilidades ao nível da redacção. No âmbito jornalístico, fez rádio em várias estações locais e regionais, mas sem se demorar demasiado em nenhuma delas.

Colaborou também como correspondente/repórter local da antiga revista do “Correio da Manhã”, a sua actividade jornalística mais visível.

Antes, também ainda na década de 70, tivera uma curta fase de escritor de cantigas, tendo feito uma parceria com o cantor Paco Bandeira. Mas essa faceta de escritor de canções já era antiga, a um nível local, se tivermos em linha de conta os textos que Lúcio Vieira fizera para artistas amadores locais, na participação em festivais amadores de canção, ou a sua episódica colaboração com a Orquestra Típica Scalabitana, para quem escreveu algumas cantigas de parceria com o maestro António Gavino.
Nos últimos 20 anos, António Lúcio Vieira centrou-se sobretudo na actividade literária, tendo publicado vários livros de poesia, teatro e romance, acrescentados a algumas publicações editadas no início da sua actividade literária.

No entanto, há alguns anos, durante o consulado de Tiago Guedes como director artístico do Teatro Virgínia, ainda se proporcionou uma tentativa de regresso de Lúcio Vieira ao teatro, aquando da remontagem do Auto do Físico, mas a experiência não teve êxito.
Há algum tempo, o antigo encenador encontrava-se doente e na sua casa, no centro da cidade, onde acabou por falecer.

Presidente da câmara deturpa biografia
Após a morte de Lúcio Vieira, as chamadas “redes sociais” foram pródigas em textos sobre a vida do autor de “Aldeia Brava”, inventado-se cargos e outros detalhes que não têm importância, mas que não correspondem à verdade.

Mais gravosa foi a referência do presidente da câmara, Pedro Ferreira, em texto publicado no site oficial da Torres Novas FM, adulterando uma fase importante da actividade teatral de Lúcio Vieira: “Antes do 25 de abril, com muita coragem encenou a peça teatral “A GUERRA SANTA” de Luís Sttau Monteiro, com jovens torrejanos, que lhe traria muita popularidade.” Ora, “A Guerra Santa” foi encenada por Lúcio Vieira e levada à cena pelo TET em 1977, já muito depois do 25 de Abril. Aliás, foi no convívio com o grupo de jovens do TET, muito próximo do 25 de Abril, anos de 72/73, que Lúcio Vieira interagiu com alguns deles ligados à contestação ao regime.

Nos anos 60, o encenador não integrou qualquer movimento ou núcleo ligado à oposição, até porque, influenciado pela doutrinação do regime enquanto combatente na Guiné ao serviço do exército colonial português, ainda não se tinha demarcado da actividade política da Acção Nacional Popular (o partido único do regime), em Torres Novas, como se documenta nas fontes escritas e fílmicas relacionadas com as pseudo-eleições de 1969.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Empreendedorismo: Câmara monta presépio antes dos Santos »  2020-10-26 

Em pleno mês de Outubro, com dias de sol ainda a fazer lembrar o verão, a Câmara de Torres Novas já montou o presépio de Natal às portas da cidade, mais propriamente na rotunda dos Negréus.

É claro que ainda os Santos vêm a caminho e um presépio montado em meados de Outubro não deixa de surpreender.
(ler mais...)


Só os socialistas acham uma boa compra: aquisição da antiga Caixa gera polémica »  2020-10-23 

A câmara municipal deliberou, por maioria, na sua reunião pública de 14 de Outubro, adquirir, pelo valor de 200.000,00 euros à Caixa Geral de Depósitos, o imóvel devoluto sito no Largo do Paço, em Torres Novas, com a área total de 292 m2, antigas instalações principais daquela instituição bancária, anuncia a autarquia em nota de imprensa.
(ler mais...)


Depois das cabras, foram-se as árvores plantadas por alunos: mata municipal secou por manifesta incúria »  2020-10-23 

Nem cabras se conseguem guardar, nem árvores são capazes de se manter. Carvalhos e sobreiros plantados em Dezembro por alunos das escolas, com pompa e muitas fotografias para o boneco, foram-se. Ninguém mais ligou ao assunto da mata na antiga lixeira municipal.
(ler mais...)


O QUE A CÂMARA QUER DESTRUIR: O porto da Bácora, atentado patrimonial - por J. Júlio Antunes »  2020-10-22 

O “Jornal Torrejano”, como já nos habituou, tomou a iniciativa de denunciar o atentado patrimonial da destruição do porto da Bácora e tapar o acesso pedonal ao rio. Nos tempos medievais ali existia um acesso desde a muralha da cerca até ao rio, evidenciado também durante as últimas obras na rua da Levada.
(ler mais...)


CDU debate saúde »  2020-10-22 

A Comissão Coordenadora Concelhia de Torres Novas da CDU - Coligação Democrática Unitária vai realizar a segunda sessão da iniciativa "Torres Novas à Conversa", desta vez subordinada ao tema "Tratar da Saúde em Tempos de Pandemia", que vai ter lugar sábado, dia 24 de Outubro, às 16h, no auditório municipal de Torres Novas.
(ler mais...)


Renova reforça apoio a artistas nacionais: “O vosso talento traz valor à nossa marca”, salienta Paulo Pereira da Silva »  2020-10-22 

Um violinista e artista visual, quatro bailarinos e coreógrafos e um compositor, oriundos de projectos distintos e criadores - ou criativos - de três propostas diferentes e desconhecidas dos restantes, vão encontrar-se no mesmo palco para, sob curadoria de Martim Sousa Tavares, levar ao público português, em 2021, um espectáculo de dança, que deverá percorrer diversas salas do país.
(ler mais...)


Banda Operária faz hoje 147 »  2020-10-21 

A Banda Operária Torrejana (BOT) assinala, hoje, 21 de Outubro, os seus 147 anos de existência oficial, contados a partir da data dos estatutos aprovados em 1873. Contudo, a filarmónica de Torres Novas é a mais antiga do concelho em actividade, já que estão documentadas várias actuações da banda em acontecimentos cívicos da vila, como a procissão do Corpo de Deus, desde meados da década de 50 do século XIX.
(ler mais...)


Nersant prepara sessão online sobre programas financiados »  2020-10-15 

A Associação Empresarial da Região de Santarém (Nersant) realiza no próximo dia 19 de Outubro uma sessão online para apresentação de programas financiados disponíveis para aumentar a competitividade das empresas da região.
(ler mais...)


Eleições para as CCDRs: uma farsa dos donos do regime »  2020-10-14 

Se nas grandes questões do regime (aquelas que têm que ver com os altos poderes, os altos cargos, as grandes decisões), PS e PSD tratam entre si as maneiras de repartir o bolo, sem dar cavaco aos parceiros da geringonça que lhe têm garantido anos de poleiro iniciados com uma derrota nas legislativas, no caso do PS, sem ligar patavina ao CDS, companheiro de governos no passado, no caso do PSD, as eleições para as CCDR são a prova acabada dessa arrogância política que faz PS e PSD pensarem que são donos do país.
(ler mais...)


Orçamento de Estado e IVA dos Municípios: Torres Novas no seu lugar, atrás de 84 concelhos »  2020-10-13 

Há um ano por esta altura, um erro nos quadros da devolução de parte do IVA cobrado nos municípios, na documentação do Orçamento de Estado para 2020, atirava para Torres Novas uma incrível verba de 1,5 milhões de euros a receber, à frente de todos os concelhos do país à excepção de Lisboa, Porto, Oeiras e Albufeira.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-10-10  Antigo porto da Bácora destruído pela calada
»  2020-09-30  Dinheiro público gasto em programa de chamadas telefónicas: Câmara maravilha: 20 mil euros gastos para o boneco
»  2020-10-13  Orçamento de Estado e IVA dos Municípios: Torres Novas no seu lugar, atrás de 84 concelhos
»  2020-09-28  Morador denuncia em reunião do executivo municipal de Torres Novas: “Resíduos da fábrica de Vendas Novas são depositados no Carreiro da Areia”
»  2020-10-23  Depois das cabras, foram-se as árvores plantadas por alunos: mata municipal secou por manifesta incúria