• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 20° / 6°
Céu limpo
Dom.
 22° / 6°
Céu limpo
Sáb.
 21° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Luís Vassalo Rosa (1935-2018): morreu um grande urbanista

Sociedade  »  2018-06-10 

Arquitecto foi um dos responsáveis pelo planeamento urbanístico da zona de intervenção da EXPO 98

Ficou conhecido por ter sido um dos arquitectos responsáveis pelo planeamento e gestão urbanística da Parque Expo, empreendimento que visou a recuperação da zona oriental de Lisboa na sequência da Exposição Internacional de 1998 (“EXPO 98”), mas nessa altura já Vassalo Rosa detinha uma longa e mais que reconhecida carreira na arquitectura portuguesa e no urbanismo.

Luís Vassalo Rosa (com ascendência familiar em Torres Novas, filho de Maria Lúcia Vassalo Namorado), morreu na passada quinta-feira, dia 7, e contava 83 anos, desempenhando ainda o cargo de provedor da arquitectura na Ordem dos Arquitectos Portugueses, desde 2011, nomeado que foi por decisão unânime daquela instituição. Fez parte dos órgãos dirigentes de organizações profissionais, como o Sindicato Nacional dos Arquitectos e da Associação dos Urbanistas Portugueses, da qual foi sócio fundador

Licenciado pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (especialização em Planeamento Urbanístico na Universidade de Sussex), realizou estágios em Espanha, França, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos da América, desenvolveu actividade docente universitária como professor convidado em cursos de pós-graduação em planeamento urbanístico e projecto de áreas habitacionais na Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa e no Instituto Superior Técnico.

Durante o seu percurso profissional, entre outras funções, foi chefe da divisão de Planeamento Urbanístico e Edifícios do Fundo do Fomento da Habitação/Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações (MOPTC), responsável pelo Plano Integrado de Almada – Monte da Caparica, coautor de variadíssimos projectos de habitação, administração e serviços, equipamentos colectivos, turísticos e equipamentos industriais, publicações, estudos e comunicações. Foi assessor do secretário de Estado da Habitação e vogal da comissão administrativa da Câmara Municipal de Lisboa, após o 25 de Abril.

Grande consagração teve-a logo em 1975, quando recebeu o Prémio Valmor, enquanto coautor da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa. Obteve ainda o primeiro prémio nos concursos para a Nova Sé Catedral de Bragança, e para os novos Tribunais de Monsanto, em Lisboa.

Era condecorado com as insígnias de Grande Oficial da Ordem de Mérito do Estado português.

Vassalo Rosa e Torres Novas

As raízes torrejanas de Vassalo Rosa colocaram-no, desde cedo, em estreita ligação com Torres Novas, e essa relação foi vivida, sempre, com grande afectividade.
É dele o projecto de arquitectura do Jardim Escola João de Deus, de Torres Novas, de 1957 e, entre 1960 e 1974, sendo provedor da Santa Casa da Misericórdia de Torres Novas o Eng. João Pedro Clara, que também foi deputado, desenvolveu vários projectos para a instituição torrejana.

A partir de 1974 colaborou activamente com a câmara de Torres Novas na elaboração dos planos de urbanização e de pormenor de Torres Novas e de Riachos, do Plano Director Municipal de Torres Novas, suspendendo a sua colaboração em 1993 quando assumiu responsabilidades na coordenação dos planos urbanísticos da zona de intervenção da EXPO 98.
 
Em nota de imprensa, a Associação de Defesa do Património de Torres Novas sublinha “a generosidade com que o arquitecto sempre respondeu a todas as solicitações para pensar e discutir o presente e o futuro desta terra” e relembra a sua última `Carta aberta aos torrejanos`, resultado da reflexão que lhe foi pedida sobre a cidade de Torres Novas, “documento inspirador que decerto acompanhará o nosso trabalho e a nossa acção cidadã”, conclui a ADPTN.

CARTA ABERTA AOS TORREJANOS (síntese) 

Convidaram-me para vir a Torres Novas participar no debate “o Fazer e o Refazer da Cidade” promovido pela ADP de TN que ocorreu ontem 21 de Dezembro de 2017. Aceitei-o com entusiasmo pelas raízes familiares e profissionais que me ligam a Torres Novas. 

De 1992 para cá houve um longo interregno nas minhas deslocações a Torres Novas, reatadas esporadicamente. Para este debate habilitei-me com alguma informação recente e reflecti sobre a realidade da cidade de Torres Novas na perspectiva de “o Fazer e Refazer da Cidade”, com o olhar de quem chega de fora e busca uma visão futura tendo por matriz o património cultural e conforme os princípios de um correto ordenamento do território. 

1 - Introdução Torres Novas é enquanto cidade uma estrutura urbana jovem, com uma dimensão populacional e territorial reduzida, e ainda sem o corpo de uma cidade consolidada, mas com uma história e um património socioeconómico e cultural rico e diversificado. Mas tenho presente que Torres Novas, tal como as demais cidades, tem uma vida cíclica de crescimento e envelhecimento, de expansão e contenção, de progressão e regressão, … É o que verificamos ao analisarmos as efemérides que referenciam a vida da cidade de Torres Novas, do estabelecimento humano inicial e construção do castelo aos dias de hoje.

2 - A importância do património A cidade de Torres Novas constitui património, natural e cultural. Porque inclui valores naturais, monumentos, conjuntos e locais de interesse, ocorrências com valor histórico, artístico ou científico, e uma população que ao "Fazer Cidade" foi construindo uma comunidade, vivendo, preservando e transmitindo uma cultura muito própria. Contudo, enquanto património, natural e cultural, a cidade é frágil, submetida aos impactos do tempo e das actividades humanas. O pluralismo do património, a sua correta reabilitação, integração e utilização pelos torrejanos, designadamente o Rio e margens do Almonda, as áreas históricas, imóveis e ocorrências classificados, constituem elementos centrais do desenvolvimento urbano da cidade de Torres Novas que ambicionamos. Tal objectivo implica a imediata adopção de medidas básicas: a contenção da expansão urbana difusa conjugada com o preenchimento dos vazios urbanos intersticiais e a reabilitação e valorização do espaço público e zonas históricas e áreas degradadas; a interligação em continuidade da estrutura urbana com a estrutura concelhia de protecção e valorização ambiental; a relação interactiva com outros territórios de maior ou menor proximidade, relação que está na matriz da cidade de Torres Novas - implica “ o Refazer da Cidade”, como se foi fazendo e refazendo o seu tecido ao longo do tempo. 

3 – Um contributo “O Refazer da Cidade” de Torres Novas hoje deve atender a um conjunto de vectores de enquadramento: de salvaguarda da identidade das componentes fundadoras do seu património; de valorização dos factores dinamizadores do seu desenvolvimento; de valorização e integração dos activos do seu património; de formação e incentivo do desenvolvimento cultural e participativo das suas organizações comunitárias; de estabelecimento de pontes interactivas com outros territórios de proximidade, outras culturas e identidades. Só assim será possível alcançar a cidade de Torres Novas que pretendemos, coesa e com capacidade para constituir uma centralidade à escala da sub-região – numa visão síntese “Torres Novas, a cidade do Rio Almonda e das pontes para o desenvolvimento” ou “Torres Novas, uma cidade no centro do desenvolvimento”. 

A construção desta visão síntese implica a sua transposição para acções que a concretizem, e a cooperação intima e transparente da administração e comunidade nessas acções:
- Valorizar a relação da cidade com o Rio Almonda e salvaguardar a unidade, identidade e utilização pública das suas margens – descobrir e fruir o Rio Almonda. 
- Valorizar e integrar as pontes sobre o Rio Almonda na rede de espaços públicos, e na constituição e desenvolvimento das centralidades urbanas – constituir e sinalizar as pontes como locais referenciais da cidade. 
- Valorizar e animar a utilização do Castelo e dos Centros Históricos de Torres Novas, Lapas e Riachos de forma integrada e interactiva com a valorização do Rio Almonda - constituir uma estrutura de unidade e complementaridade dos três centros urbanos.
- Conter a expansão difusa e a dispersão urbana. 
- Constituir e valorizar como centralidades as 4 portas da cidade, sendo as portas N, E e S referenciadas a pontes sobre o Rio Almonda (a porta N ou Porta do Rio, localizada nas Lapas; a porta E ou Porta do Centro, localizada no Bom Amor; a porta S ou Porta da Cidade, localizada na Várzea dos Meziões; a porta O ou Porta da Colina, localizada nos Negréus) e sendo o Centro Histórico o ponto central dessas centralidades e de cruzamento dos eixos transversais (aprox. N – S e E-W) dessas 4 portas. 
- Planear o desenvolvimento urbano de Torres Novas numa escala de interacção próxima com Riachos, Meia Via/Entroncamento, Golegã, e numa escala de interacção alargada com a sub-região em que se integra e as suas cidades, Fátima, Tomar, Abrantes, Santarém. - Incentivar a participação pública e promover concursos públicos de ideias para o tratamento das áreas de referência. 
- Valorizar os técnicos municipais e promover a elaboração e actualização dos instrumentos do ordenamento do território e da gestão urbanística.
- Investigar, classificar, reabilitar, sinalizar e divulgar o património natural e cultural e a memória viva das personalidades e instituições relevantes para o desenvolvimento de Torres Novas. 
- Dinamizar as associações, redes e eventos culturais, e sobretudo a informação e participação pública através duma gestão urbana regida por princípios éticos, de competência e transparência.

É este o olhar que vos deixo sobre o futuro de Torres Novas.

Luiz Vassalo Rosa 22.12.2016

(fotografia: RTP)

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)


João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre »  2019-02-09 

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas.
(ler mais...)


Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre »  2019-02-07 

Um grupo de moradores do Carreiro da Areia esteve presente na reunião camarária de terça-feira, em protesto contra a poluição e os efeitos que se fazem sentir na aldeia. Já há quem tenha abandonado a povoação, mas nem as casas se conseguem vender.
(ler mais...)


Rodoviária em greve »  2019-02-04 

Decorre hoje, dia 4 de Fevereiro, e amanhã, dia 5 de Fevereiro, as greves convocadas pelo STRUP para as Rodoviárias do Tejo, do Lis e Oeste.
“Apesar das mentiras e manobras dissuasoras que as administrações foram divulgando na semana que antecedeu à greve, mais uma vez o balanço da greve é bastante positivo neste primeiro dia de luta, tendo a adesão sido  esmagadora entre os motoristas com vínculos de trabalho não precários, aos quais se juntaram alguns trabalhadores com vínculos precários tradicionalmente usados pelas administrações das empresas para justificar falsos números de adesão à greve”, diz comunicado da estrutura sindical chegado às redacções.
(ler mais...)


Ribatejo foi outra vez fintado »  2019-01-30 

A auto-estrada A13, que visa ligar a Marateca a Coimbra e também unir o Ribatejo pelo seu interior, está há anos parada às portas de Almeirim enquanto não há a nova ponte junto à Chamusca para ligar a via ao nó da Atalaia.
(ler mais...)


Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito” »  2019-01-28 

 

 Liliana Domingos tem 39 anos, é natural da Meia Via e trabalha há 19 anos como operadora especializada, no “Recheio”. Aos 14, deu os primeiros passos numa das suas muitas paixões, a rádio, e três anos depois pisou um palco pela primeira vez, integrando o elenco de “O Despertar da Primavera”, uma peça de Frank Wedekind levada a cena pelo Teatro Meia Via.
(ler mais...)


Joana Pintassilgo, técnica de informática: “Já não se nota tanto o desconforto dos homens na relação profissional” »  2019-01-21 

 

Joana da Silva Pintassilgo tem 41 anos e é natural de Torres Novas. Formou-se como técnica profissional especializada em tecnologias de informação e comunicação. Isto, há vinte anos, numa altura em que não era usual encontrar muitas mulheres na informática.
(ler mais...)


Torres Novas: regressão demográfica ameaça coesão do concelho como a conhecemos »  2019-01-17 

Até aqui pensava-se que Torres Novas iria resistir à regressão demográfica, já clara há uns anos, de concelhos como Tomar e Abrantes, com grandes zonas “rurais”, para não falar de outros cujo cenário é catastrófico.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-02-09  João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre
»  2019-01-28  Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”
»  2019-01-30  Ribatejo foi outra vez fintado
»  2019-02-07  Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre
»  2019-02-21  A Tasca: nova vida com Paulo Emílio