• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 10 Julho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 40° / 21°
Céu limpo
Dom.
 37° / 19°
Períodos nublados
Sáb.
 39° / 18°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  34° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Luís Vassalo Rosa (1935-2018): morreu um grande urbanista

Sociedade  »  2018-06-10 

Arquitecto foi um dos responsáveis pelo planeamento urbanístico da zona de intervenção da EXPO 98

Ficou conhecido por ter sido um dos arquitectos responsáveis pelo planeamento e gestão urbanística da Parque Expo, empreendimento que visou a recuperação da zona oriental de Lisboa na sequência da Exposição Internacional de 1998 (“EXPO 98”), mas nessa altura já Vassalo Rosa detinha uma longa e mais que reconhecida carreira na arquitectura portuguesa e no urbanismo.

Luís Vassalo Rosa (com ascendência familiar em Torres Novas, filho de Maria Lúcia Vassalo Namorado), morreu na passada quinta-feira, dia 7, e contava 83 anos, desempenhando ainda o cargo de provedor da arquitectura na Ordem dos Arquitectos Portugueses, desde 2011, nomeado que foi por decisão unânime daquela instituição. Fez parte dos órgãos dirigentes de organizações profissionais, como o Sindicato Nacional dos Arquitectos e da Associação dos Urbanistas Portugueses, da qual foi sócio fundador

Licenciado pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (especialização em Planeamento Urbanístico na Universidade de Sussex), realizou estágios em Espanha, França, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos da América, desenvolveu actividade docente universitária como professor convidado em cursos de pós-graduação em planeamento urbanístico e projecto de áreas habitacionais na Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa e no Instituto Superior Técnico.

Durante o seu percurso profissional, entre outras funções, foi chefe da divisão de Planeamento Urbanístico e Edifícios do Fundo do Fomento da Habitação/Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações (MOPTC), responsável pelo Plano Integrado de Almada – Monte da Caparica, coautor de variadíssimos projectos de habitação, administração e serviços, equipamentos colectivos, turísticos e equipamentos industriais, publicações, estudos e comunicações. Foi assessor do secretário de Estado da Habitação e vogal da comissão administrativa da Câmara Municipal de Lisboa, após o 25 de Abril.

Grande consagração teve-a logo em 1975, quando recebeu o Prémio Valmor, enquanto coautor da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa. Obteve ainda o primeiro prémio nos concursos para a Nova Sé Catedral de Bragança, e para os novos Tribunais de Monsanto, em Lisboa.

Era condecorado com as insígnias de Grande Oficial da Ordem de Mérito do Estado português.

Vassalo Rosa e Torres Novas

As raízes torrejanas de Vassalo Rosa colocaram-no, desde cedo, em estreita ligação com Torres Novas, e essa relação foi vivida, sempre, com grande afectividade.
É dele o projecto de arquitectura do Jardim Escola João de Deus, de Torres Novas, de 1957 e, entre 1960 e 1974, sendo provedor da Santa Casa da Misericórdia de Torres Novas o Eng. João Pedro Clara, que também foi deputado, desenvolveu vários projectos para a instituição torrejana.

A partir de 1974 colaborou activamente com a câmara de Torres Novas na elaboração dos planos de urbanização e de pormenor de Torres Novas e de Riachos, do Plano Director Municipal de Torres Novas, suspendendo a sua colaboração em 1993 quando assumiu responsabilidades na coordenação dos planos urbanísticos da zona de intervenção da EXPO 98.
 
Em nota de imprensa, a Associação de Defesa do Património de Torres Novas sublinha “a generosidade com que o arquitecto sempre respondeu a todas as solicitações para pensar e discutir o presente e o futuro desta terra” e relembra a sua última `Carta aberta aos torrejanos`, resultado da reflexão que lhe foi pedida sobre a cidade de Torres Novas, “documento inspirador que decerto acompanhará o nosso trabalho e a nossa acção cidadã”, conclui a ADPTN.

CARTA ABERTA AOS TORREJANOS (síntese) 

Convidaram-me para vir a Torres Novas participar no debate “o Fazer e o Refazer da Cidade” promovido pela ADP de TN que ocorreu ontem 21 de Dezembro de 2017. Aceitei-o com entusiasmo pelas raízes familiares e profissionais que me ligam a Torres Novas. 

De 1992 para cá houve um longo interregno nas minhas deslocações a Torres Novas, reatadas esporadicamente. Para este debate habilitei-me com alguma informação recente e reflecti sobre a realidade da cidade de Torres Novas na perspectiva de “o Fazer e Refazer da Cidade”, com o olhar de quem chega de fora e busca uma visão futura tendo por matriz o património cultural e conforme os princípios de um correto ordenamento do território. 

1 - Introdução Torres Novas é enquanto cidade uma estrutura urbana jovem, com uma dimensão populacional e territorial reduzida, e ainda sem o corpo de uma cidade consolidada, mas com uma história e um património socioeconómico e cultural rico e diversificado. Mas tenho presente que Torres Novas, tal como as demais cidades, tem uma vida cíclica de crescimento e envelhecimento, de expansão e contenção, de progressão e regressão, … É o que verificamos ao analisarmos as efemérides que referenciam a vida da cidade de Torres Novas, do estabelecimento humano inicial e construção do castelo aos dias de hoje.

2 - A importância do património A cidade de Torres Novas constitui património, natural e cultural. Porque inclui valores naturais, monumentos, conjuntos e locais de interesse, ocorrências com valor histórico, artístico ou científico, e uma população que ao "Fazer Cidade" foi construindo uma comunidade, vivendo, preservando e transmitindo uma cultura muito própria. Contudo, enquanto património, natural e cultural, a cidade é frágil, submetida aos impactos do tempo e das actividades humanas. O pluralismo do património, a sua correta reabilitação, integração e utilização pelos torrejanos, designadamente o Rio e margens do Almonda, as áreas históricas, imóveis e ocorrências classificados, constituem elementos centrais do desenvolvimento urbano da cidade de Torres Novas que ambicionamos. Tal objectivo implica a imediata adopção de medidas básicas: a contenção da expansão urbana difusa conjugada com o preenchimento dos vazios urbanos intersticiais e a reabilitação e valorização do espaço público e zonas históricas e áreas degradadas; a interligação em continuidade da estrutura urbana com a estrutura concelhia de protecção e valorização ambiental; a relação interactiva com outros territórios de maior ou menor proximidade, relação que está na matriz da cidade de Torres Novas - implica “ o Refazer da Cidade”, como se foi fazendo e refazendo o seu tecido ao longo do tempo. 

3 – Um contributo “O Refazer da Cidade” de Torres Novas hoje deve atender a um conjunto de vectores de enquadramento: de salvaguarda da identidade das componentes fundadoras do seu património; de valorização dos factores dinamizadores do seu desenvolvimento; de valorização e integração dos activos do seu património; de formação e incentivo do desenvolvimento cultural e participativo das suas organizações comunitárias; de estabelecimento de pontes interactivas com outros territórios de proximidade, outras culturas e identidades. Só assim será possível alcançar a cidade de Torres Novas que pretendemos, coesa e com capacidade para constituir uma centralidade à escala da sub-região – numa visão síntese “Torres Novas, a cidade do Rio Almonda e das pontes para o desenvolvimento” ou “Torres Novas, uma cidade no centro do desenvolvimento”. 

A construção desta visão síntese implica a sua transposição para acções que a concretizem, e a cooperação intima e transparente da administração e comunidade nessas acções:
- Valorizar a relação da cidade com o Rio Almonda e salvaguardar a unidade, identidade e utilização pública das suas margens – descobrir e fruir o Rio Almonda. 
- Valorizar e integrar as pontes sobre o Rio Almonda na rede de espaços públicos, e na constituição e desenvolvimento das centralidades urbanas – constituir e sinalizar as pontes como locais referenciais da cidade. 
- Valorizar e animar a utilização do Castelo e dos Centros Históricos de Torres Novas, Lapas e Riachos de forma integrada e interactiva com a valorização do Rio Almonda - constituir uma estrutura de unidade e complementaridade dos três centros urbanos.
- Conter a expansão difusa e a dispersão urbana. 
- Constituir e valorizar como centralidades as 4 portas da cidade, sendo as portas N, E e S referenciadas a pontes sobre o Rio Almonda (a porta N ou Porta do Rio, localizada nas Lapas; a porta E ou Porta do Centro, localizada no Bom Amor; a porta S ou Porta da Cidade, localizada na Várzea dos Meziões; a porta O ou Porta da Colina, localizada nos Negréus) e sendo o Centro Histórico o ponto central dessas centralidades e de cruzamento dos eixos transversais (aprox. N – S e E-W) dessas 4 portas. 
- Planear o desenvolvimento urbano de Torres Novas numa escala de interacção próxima com Riachos, Meia Via/Entroncamento, Golegã, e numa escala de interacção alargada com a sub-região em que se integra e as suas cidades, Fátima, Tomar, Abrantes, Santarém. - Incentivar a participação pública e promover concursos públicos de ideias para o tratamento das áreas de referência. 
- Valorizar os técnicos municipais e promover a elaboração e actualização dos instrumentos do ordenamento do território e da gestão urbanística.
- Investigar, classificar, reabilitar, sinalizar e divulgar o património natural e cultural e a memória viva das personalidades e instituições relevantes para o desenvolvimento de Torres Novas. 
- Dinamizar as associações, redes e eventos culturais, e sobretudo a informação e participação pública através duma gestão urbana regida por princípios éticos, de competência e transparência.

É este o olhar que vos deixo sobre o futuro de Torres Novas.

Luiz Vassalo Rosa 22.12.2016

(fotografia: RTP)

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Morreu João Roque Freire, antigo atleta do CDTN e autarca do PS »  2020-07-08 

Morreu hoje, quarta-feira, dia 8 de Julho, aos 88 anos, João Roque Freire, figura muito popular em Torres Novas e um homem que integrou uma geração de torrejanos que foi marcante na vida da comunidade entre os anos 50 e o final do século XX.
(ler mais...)


Obras põem a descoberto um rio Almonda cheio de lixo »  2020-07-05 

Sempre que se falava da falta de limpeza do rio Almonda, do leito e das margens, apontava-se para o chamado troço urbano para se dizer, em jeito de compensação, “ah, mas na cidade temos um rio limpo que até dá para tomar banho”.
(ler mais...)


António Rodrigues: “A gestão do município não é má, é péssima!” »  2020-07-03 

A pergunta que todos fazem ainda não tem resposta: António Rodrigues, ex-presidente da câmara de Torres Novas durante 20 anos (1993-2013), não confirmou que será candidato às próximas autárquicas, mas essa hipótese não fica excluída.
(ler mais...)


Riachos: obra sem licença avança a todo o vapor »  2020-07-02 

“Chegou ao conhecimento do BE que, na rua de São José, em Riachos, está a decorrer uma obra que aparentemente não tem licença de construção. Desloquei-me ao local e verifiquei que, por um lado, a obra está em adiantado estado de execução e por outro, que o aviso camarário está em estado avançado de degradação, impossibilitando o acesso às informações nele constantes, como se pode comprovar pelas fotografias.
(ler mais...)


Morreu Manuel Piranga Faria, um homem grande »  2020-06-28 

Morreu na madrugada de hoje, domingo, na sua casa de Lapas, Manuel Piranga Faria, uma das personalidades marcantes da comunidade torrejana das últimas décadas.

Nascido em Lapas em 29 de Julho de 1932, desde muito jovem enveredou pela participação cívica, integrando a acção social e cultural católica junto da juventude trabalhadora por via da militância na JOC e na LOC (Liga Operária Católica).
(ler mais...)


Fabrióleo: Tribunal Central Administrativo abre portas ao encerramento da empresa »  2020-06-25 

O Tribunal Central Administrativo do Sul, sediado em Évora, deu provimento, por sentença de 18 de Junho, ao recurso do IAPMEI sobre a providência cautelar apresentada pela Fabrióleo no Tribunal Administrativo de Leiria, o que, na prática, mantém a ordem de encerramento da empresa.
(ler mais...)


Caldeirão: obra está no início mas já tem 45 mil de custos a mais »  2020-06-24 

A denúncia é do vereador João Quaresma, do PSD, e foi feita após a reunião do executivo municipal torrejano de ontem, dia 23. Os factos: a obra de requalificação da antiga central do Caldeirão está praticamente no seu início e já se descobriram 45 mil euros de trabalhos a mais a pagar pelo erário público.
(ler mais...)


Maioria socialista decidiu alterar quadro e criar vários cargos de chefia »  2020-06-23 

“Justifica-se que a acompanhar a proposta, viesse um documentos subscrito pelo presidente da câmara e vereadores com pelouros atribuídos, o que não aconteceu” – disse o vereador do PSD, João Quaresma, na reunião do executivo municipal do passado dia 2 de Junho, perante uma proposta da maioria socialista de alteração do organograma dos serviços municipais e de alteração do quadro do pessoal.
(ler mais...)


Assembleia Municipal: Manuel Carvalho "passa-se" com Luís Silva »  2020-06-23 

Um dos melhores bocados da Assembleia Municipal de Torres Novas, realizada no sábado, estava guardado para o fim, e envolveu Manuel Carvalho Júnior, presidente da Junta das freguesias de Brogueira, Alcorochel e Parceiros da Igreja, e Luís Silva, vice-presidente da câmara e chefe dos socialistas locais.
(ler mais...)


Encontro da ADPTN salienta importância da protecção da natureza no Paul do Boquilobo »  2020-06-23 

Os 40 anos da Reserva Natural do Paul do Boquilobo foram o mote para o encontro de solstício de verão da Associação de Defesa do Património de Torres Novas (ADPTN), realizado no passado dia 21, no Largo do Paço.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-07-02  Riachos: obra sem licença avança a todo o vapor
»  2020-06-23  Assembleia Municipal: Manuel Carvalho "passa-se" com Luís Silva
»  2020-06-28  Morreu Manuel Piranga Faria, um homem grande
»  2020-07-03  António Rodrigues: “A gestão do município não é má, é péssima!”
»  2020-06-25  Fabrióleo: Tribunal Central Administrativo abre portas ao encerramento da empresa