• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 27 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 18° / 11°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre

Sociedade  »  2019-02-09 

Funeral deverá ser na segunda-feira, dia 11

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas. Calou-se a voz que ecoou forte na praça da cidade durante dezenas de Abris.

Nasceu em 1929 no bairro de Santiago, e cresceu menino pobre. No início dos anos XX, chegara a Torres Novas o cidadão espanhol Juan Lopez, com a sua roda de amolador, depois de uma temporada em Mira de Aire, onde conhecera a mulher que com ele havia de casar. Era de Laña del Monte, perto de Orense, na Galiza.

Quando Juan Lopez morreu, em 1940, a pobreza assolava o país, a vila e em especial aquela família. Com 11 anos, João José Lopes não teve outro remédio: no dia seguinte ao enterro do pai, a mãe entregou-lhe a chave da loja e ele foi abri-la. Começou a trabalhar na loja. Onze anos e a sustentar a família. Não parou até Maio passado. Foram 78 anos de trabalho ininterrupto, naquela que era uma das mais antigas lojas de Torres Novas. Quando fechou definitivamente as portas da Casa Espanhol (a mulher Celina, morreria três dias depois), João José Lopes era ele próprio o comerciante mais antigo da cidade.

Pelo meio, o “Canja” para os amigos maís íntimos, teve uma vida cheia como poucos homens podem dizer que tiveram. Muito novo, denotou dotes vocais de excepção e começou a frequentar tertúlias e a animar serões e serenatas. Cantou no Orfeon Torrejano. Em 1952, foi o grande vencedor do consurso nacional “À procura de uma estrela” e ingressou na companhia artística de Igrejas Caeiro como cantor profissional.

Com a detenção daquele antigo militante socialista e a extinção da companhia, por ordens do governo salazarista, João José Lopes regressou a Torres Novas e fundou o conjunto Níger, em meados dos anos 50. Foi a voz do prestigiado agrupamento musical torrejano durante mais de quatro décadas.
Militou em colectividades torrejanas, era até hoje o sócio vivo n.º 1 do Clube Desportivo de Torres Novas. Destacou-se no Cine-Clube, onde com outros amigos se empenhou na resistência cultural e política, e também no Montepio de Nossa Senhora da Nazaré.

A “loja do João Espanhol”, por seu lado, não era apenas um espaço comercial. Foi desde sempre uma tertúlia aberta à passagem diária e ao convívio de amigos, muitos, que o João Espanhol tinha. Desde o início dos anos 70, ali se alinhavam as pequenas conspirações da luta contra o regime: a Casa Espanhol era uma espécie de sede autorizada da oposição. Com a democracia, passou a ser igualmente um entreposto logístico do PCP, de que nunca o João Espanhol escondeu simpatias. Ali se ia buscar o “Avante” ou as entradas para a festa, na loja se faziam inscrições para os almoços do 25 de Abril, ali o “Canja” tinha uma espécie de capelinha dedicada aos políticos da sua devoção, com cartazes e retratos de Álvaro Cunhal ou Fidel Castro.

Este cenário politizado nunca foi impeditivo para os amigos do João Espanhol: sabiam-no um homem de convicções mas, mais que isso, um homem de grande generosidade, amigo dos seus amigos. Com ele, o abraço, a amizade e a alegria de viver estavam primeiro que a política. Por isso trabalhou tanto e teve tantos amigos e tanto reconhecimento em vida, uma vida longa de quase 90 anos.

Torres Novas perdeu um homem de enorme dimensão cívica, que o munícípio reconheceu quando há poucos anos lhe atribuiu a medalha de mérito de cultura. João Espanhol deixa atrás de si um extraordinário exemplo de quanto é possível fazer quando se ama a vida e a liberdade, mesmo nascendo em berço pouco afortunado e enfrentando, na infância, perseguições e exclusões.

A família, em especial a sua filha Dulce, os netos, irmão e também as sobrinhas, têm no “João” um exemplo de uma vida que fica como um indelével património de todos os seus próximos. Os amigos, que eram muitos e dedicados, em Torres Novas e em terras em redor, vêem partir um gigante dos afectos, do contentamento, da gratidão, da generosidade.

A todos, os JORNAL TORREJANO manifesta o seu pesar.

PS – Por uma vez, o escriba desta linhas sai dos limites da distância e da contenção jornalística para dizer que foi para outras paragens uma das pessoas que mais o marcaram na vida e que foi, sempre, um exemplo maior. Mais que um amigo, um grande amigo, o João era da família do coração. Vai continuar a ser.
J.C.L.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


António Alves: demolição praticamente concluída »  2020-01-23 

As antigas instalações da empresa António Alves, conhecida popularmente por “Alves das lãs”, situadas na várzea grande dos Mesiões, foram nestes dias demolidas depois de terem permanecido em ruínas durante décadas.
(ler mais...)


LIDL: trabalhadores marcam protesto para sábado »  2020-01-23 

Sábado, dia 25 de Janeiro, os trabalhadores do LIDL vão realizar “uma acção de denúncia e protesto pela postura da empresa e da APED (Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição)” que, no dizer do sindicato, arrastam a negociação do contrato colectivo de trabalho desde 2016.
(ler mais...)


A sério: foi você que pediu um PDM? »  2020-01-19 

Na reunião de 10 de Dezembro do ano que findou, a maioria socialista na Câmara de Torres Novas aprovou a suspensão parcial do PDM num terreno às Ferrarias, fronteiro à rotunda de saída de Torres Novas, suspensão que permitirá a eventual instalação, no local, de um pavilhão da Decathlon, para comércio de roupas e material de desporto.
(ler mais...)


Ginásio de Riachos: 20 anos depois, já há ante-projecto »  2020-01-16 

Pendurado há 20 anos, aquando da construção do pavilhão gimnodesportivo de Riachos, o ginásio anexo parece estar agora um pouco mais perto de se tornar realidade. Na reunião de ontem do executivo municipal, foi aprovado por unanimidade “o ante-projecto de arquitectura e especialidades relativos à 2.
(ler mais...)


Torres Novas na devolução do IVA: ANMP assinala disparidades no parecer sobre o orçamento de Estado »  2020-01-15 

No seu parecer habitual à proposta de lei do orçamento de Estado, a Associação Nacional de Municípios Portugueses questiona o Governo sobre os montantes da devolução de parte do IVA cobrado nos municípios e assinala, directamente, o caso de Torres Novas.
(ler mais...)


PS quer derreter 700 mil em 160 metros de rua »  2020-01-13 

A pretexto de implantar um troço de ciclovia, a maioria socialista quer destruir completamente o arranjo da rua 25 de Abril e enterrar mais de 700 mil euros em 160 metros de via. O resto do concelho assiste.

A ideia de uma ciclovia para Torres Novas vinha de vez em quando à cabeça de alguns, apesar de a cidade não ter tradições alguma no uso da bicicleta (raramente se vê uma) e de a sua topografia não aconselhar tal tipo de recurso.
(ler mais...)


Vale da Serra: moradores preocupados com funcionamento da ETAR »  2020-01-09 

Os moradores de Vale da Serra, Pedrógão, estão preocupados com as águas que estão a ser bombeadas da ETAR para terrenos públicos e privados confinantes com a estação de tratamento de águas residuais.
(ler mais...)


Bombeiros: dificuldades na adesão ao voluntariado, problemas no socorro »  2020-01-09 

A primeira conclusão que se retira da assembleia geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Torrejanos, realizada mesmo a fechar o ano, é que os torrejanos em geral e os associados da própria agremiação estão completamente alheados do seu presente e sobretudo do seu futuro: num universo de muitas centenas de sócios activos, não se compreende que numa reunião magna de prestação de contas não estejam presentes, ao menos, uma dúzia de associados que não sejam os membros dos corpos sociais, alguns elementos do comando ou bombeiros e um ou dois sócios de fora deste contexto.
(ler mais...)


Torres Novas: centro de saúde abrangido pelo plano de contingência »  2020-01-07 

O centro de saúde de Torres Novas está abrangido pelo Plano de Contingência Inverno, estando aquela unidade de saúde aberta até às 22 horas, apenas nos dias úteis, informa o Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo.
(ler mais...)


(ACTUALIZADA) - Orçamento de Estado: só Santarém, Abrantes e Ourém recebem mais que Torres Novas »  2020-01-06 

Sobre o caso da devolução da percentagem do IVA cobrado, a que abaixo se faz referência, o  JT tentou esclarecer a questão junto da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), que disse não ter acesso aos dados da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) que demonstrem e justifiquem, não somente o cálculo do valor global em causa, mas também a própria distribuição por Município.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-01-23  António Alves: demolição praticamente concluída
»  2020-01-06  (ACTUALIZADA) - Orçamento de Estado: só Santarém, Abrantes e Ourém recebem mais que Torres Novas
»  2020-01-19  A sério: foi você que pediu um PDM?
»  2020-01-13  PS quer derreter 700 mil em 160 metros de rua
»  2020-01-02  Directora do JT, amanhã na RTP1