• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 03 Outubro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 32° / 16°
Períodos nublados
Qua.
 32° / 16°
Céu limpo
Ter.
 32° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 14°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Censos: Torres Novas perde 7% da população, Tomar e Abrantes com cenário idêntico

Sociedade  »  2021-08-14 

O famoso “triângulo de desenvolvimento” Tomar, Abrantes, Torres Novas mais parece, agora, uma espécie de triângulo das Bermudas

O famoso “triângulo de desenvolvimento” Tomar, Abrantes, Torres Novas mais parece, agora, uma espécie de triângulo das Bermudas onde a população se esvai para as profundezas de uma demografia que põe em causa a coesão deste território, aliás como acontece em praticamente todo o país.

Comecemos pela perspectiva macro, dos grandes números e das grandes tendências: nos últimos 10 anos, o país perdeu 250 mil habitantes, cerca de 2% da sua população. A continuar assim, dizem os matemáticos com base na projecção dos indicadores demográficos, em 50 anos a população do país poderia ser reduzida a metade ou menos, já que a aceleração do recuo demográfico seria exponencial, sobretudo se não houvesse entrada de imigrantes. A situação revela, de forma crua, um país sem viabilidade biológica. E que só será funcional com importação organizada de população de outros países.

A regressão demográfica do país não foi mais drástica porque registou-se aumento da população em duas zonas: a área metropolitana de Lisboa (não confundir com a região de Lisboa e Vale do Tejo, que contém aquela) e o Algarve. Mas, mesmo no primeiro caso, há concelhos em perda demográfica, como Lisboa ou Azambuja; no Algarve, como Castro Marim ou Alcoutim.

Na região Norte, apesar de situações excepcionais como Braga ou Gaia e outros concelhos próximos da Invicta (que continua a perder população), o saldo é negativo face aos Censos de 2011. Até Guimarães e Barcelos estão em perda. Nas regiões do Centro e do Alentejo, o panorama é devastador em termos globais.

Se olharmos o cenário do ponto de vista das antigas capitais de distrito, cidades que continuaram a assumir centralidades e a atrair investimentos de vária ordem (têm politécnicos, funções desconcentradas do Estado, etc), verificamos que os respectivos municípios, na generalidade, perderam população, o que se afigura desanimador. Os municípios de Lisboa e Porto, como já vimos, perderam população (nestes casos, expulsa pela especulação imobiliária). Mas também perderam gente os concelhos de Viana do Castelo, Vila Real, Bragança, Guarda, Castelo Branco, Coimbra, Portalegre, Santarém, Évora e Beja. O concelho de Leiria manteve a população (embora o distrito contemple casos dramáticos), assim como Aveiro, Viseu e Faro, e sobretudo Braga, singular no seu dinamismo. Como se sabe, em resumo, 80% da população vive em três ou quatro faixas litorais e em escassas dezenas de concelhos.

O travão a uma perda demográfica mais penosa para o país veio sobretudo de alguns concelhos da área de Lisboa, com Sintra a consolidar o segundo lugar dos concelhos pais populosos do país, logo a seguir ao município lisboeta, e pouco mais: grande parte dos concelhos do Algarve, alguns da órbita de Aveiro e outros do raio de influência de Braga e do Porto, onde Gaia continua a ser o terceiro concelho do país em população, à frente do Porto.

Mas tudo isto não impediu o saldo negativo de 250 mil habitantes, nem esconde o cenário de calamidade demográfica da maioria dos concelhos do Alentejo, das Beiras e de Trás os Montes, todos os do Ribatejo à excepção de Benavente, muitos do interior dos distritos de Leiria e de Coimbra, onde nem a capital do Mondego escapou à regressão demográfica concelhia.

O saldo fisiológico (diferença entre nascimentos e óbitos) é muito negativo, em resultado de Portugal ter uma das mais baixas taxas de natalidade do mundo. Não fora a entrada de imigrantes e o recuo demográfico teria sido mais grave. Quanto à natalidade, o geógrafo e demógrafo Jorge Malheiros já disse o que toda a gente pressente: com a actual precarização laboral das camadas jovens (escravização diremos nós, falando de trabalho mal remunerado e sem direitos, de recurso à precaridade absoluta, às avenças massivas em conluio com as empresas que traficam mão de obra), não é possível esperar-se uma subida da taxa de nascimentos.

No chamado Médio Tejo

Na sub-região do Médio Tejo (não é uma região), o panorama é pior que aquele visto do antigo distrito, onde como se viu, houve um concelho, Benavente, que viu aumentada a sua população (à custa de uma freguesia, é certo). No Médio Tejo, todos os concelhos perderam população, apesar da situação excepcional do Entroncamento, em que a perda foi residual (-0,3%), mas perda. Abrantes (-12,6%) e Mação (-12,6%) estão no topo, mas Tomar (-10,4%) anda lá perto. Torres Novas perdeu 7% da sua população, a Barquinha 3,9%, Alcanena perdeu 10% (outro concelho em derrapagem demográfica), Sardoal 10,5%, Ferreira do Zêzere 9,5%. Ourém perdeu apenas 3% da sua população, mas tal desempenho deve-se basicamente à freguesia de Fátima, que aumentou 14% a sua população (mais 1628 habitantes). Em números absolutos, Abrantes perdeu quase 5 mil habitantes, Tomar 4233, Torres Novas 2588 e Ourém perdeu 1364 habitantes, consolidando apesar de tudo o segundo lugar dos concelhos mais populosos do distrito, depois de ter ultrapassado Abrantes e Tomar nas últimas décadas.

O cenário do Médio tejo visto à lupa é mais triste, porque a somar ao facto de a população ter descido em todos os concelhos, foram muito poucas as freguesias onde a população subiu: numa das duas do Entroncamento, na já referida de Fátima, na Atalaia (Barquinha) e pouco mais, onde se inclui os 5 (cinco) habitantes a mais na freguesia torrejana da Meia Via. O Sardoal é agora um concelho com 3526 habitantes, Constância tem 3801, a Golegã 5400.

Na chama Lezíria, o panorama foi idêntico, com números dramáticos para a Chamusca (-15,7%) e uns pouco animadores -8,7% na Golegã. Santarém, embora com um termo muito vasto, segurou-se numa queda de “apenas” 4,8% da sua população.

O concelho de Torres Novas

Torres Novas perdeu, já vimos, 7% dos seus habitantes, correspondentes a menos 2588 residentes do que tinha há 10 anos. Com mais de 500 óbitos e aproximadamente 250 nascimentos por ano, quer dizer que a entrada de novos residentes no concelho será irrelevante, já que a perda demográfica coincide genericamente com o saldo fisiológico. Ou que, pelo menos, há um equilíbrio evidente no saldo migratório, entre os que saem e os que se fixam em Torres Novas. Esta falta de capacidade de atracção é semelhante em Abrantes e Tomar, com dados parecidos.

As freguesias torrejanas perderam, todas, população, à excepção da Meia Via, que contabiliza mais 5 (cinco) habitantes (+0,2%). As perdas maiores registaram-se na Chancelaria (-13,8%), Pedrógão (-13,7%) e Assentis (-10,8%), todas contíguas geograficamente, numa mancha que, curiosamente, toca igualmente a UF de Olaia/Paço a sudeste, que teve a maior perda demográfica do concelho (-16%). A Zibreira (-8,3%) e a UF Brogueira/Parceiros/Alcorochel (-8,0%) também tiveram perdas acima da média do concelho. Em linha com a média concelhia está a UF São Pedro/Lapas/Ribeira, com menos 7,2% de população, em resultado, certamente, das perdas localizadas em aldeias como o Carvalhal, Ribeira Branca e Ribeira Ruiva, Lapas (na aldeia histórica). Riachos mantém tendência de recuo demográfico, perdendo 4,8% da sua população. A quebra menor verificou-se na UF de Santa Maria/Santiago/salvador, com menos 1,9%, equivalentes a uma diminuição de apenas 159 residentes (foram 630 na UF São Pedro/Lapas/Ribeira).

As perdas no concelho de Torres Novas podem ser vistas assim: Assentis, Chancelaria e Pedrógão, são “responsáveis” por 31% da quebra demográfica do concelho, mas se lhe juntarmos Olaia/Paço, essa cifra sobre para 47% do recuo demográfico da população torrejana, em apenas 4 das 10 circunscrições.

Torres Novas tem, agora, 34 149 habitantes (tinha 36 717). A “freguesia” mais populosa é Santa Maria/ Salvador/Santiago, com 8 087 habitantes, seguindo-se São Pedro/Lapas/Ribeira com 8 044, Riachos com 4 992 habitantes. As mais “pequenas” são a Zibreira (942 habitantes) e agora a Chancelaria (1429 habitantes), ultrapassada pela Meia Via (1672), mas Pedrógão segue-se logo, com 1 757 habitantes, no rol das menos populosas.

João Carlos Lopes

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Fábrica Grande: CDU fala de amiguismos e rejeita clínica privada naquele espaço »  2022-09-23 

A CDU de Torres Novas entendemos que a Câmara fez bem em adquirir as antigas instalações da fábrica de Fiação e Tecidos, mas a sua ocupação, com a instalação dos projectos anunciados, levanta muitas preocupações aos comunistas.
(ler mais...)


CDU defende refeições feitas pelas escolas »  2022-09-21 

A Câmara decidiu atribuir mais uma vez, a confecção das refeições escolares a uma empresa privada para o ano lectivo de 2022/23 e, no entender da CDU, “continua a privilegiar o interesse privado em detrimento do interesse público”.
(ler mais...)


Associação com seis meses vai receber, para já, 45 mil do município »  2022-09-14 

Inédito: uma associação que acaba de fazer seis meses de existência e não mostrou qualquer trabalho, vai receber já 15 mil euros e mais 30 mil euros por ano do município, para além de instalações, para “desenvolver os produtos de Torres Novas”.
(ler mais...)


Hospitais do CHMT reforçam actividade assistencial »  2022-09-11 

 


Os profissionais de saúde do CHMT responderam a 99.306 episódios de urgência no acumulado dos oito primeiros meses do ano, um marco histórico que se traduz num crescimento de 35% (ou mais 25.501 episódios, em valor absoluto) face ao período homólogo de 2021, e revela um aumento de um por cento acima do valor registado em 2019, ano de referência assistencial do Serviço Nacional de Saúde, diz nota de imprensa do cento hospitalar.
(ler mais...)


Ulme recebe o festival “Já Te Dou o Arroz” »  2022-09-11 

Quim Roscas e Zeca Estacionâncio, Azeitonas e Ruizinho do Acordeão são os cabeça de cartaz

 Entre 9 e 11 de setembro, a vila de Ulme, no concelho da Chamusca, recebe a segunda edição do festival “Já Te Dou o Arroz”, numa organização conjunta da Câmara Municipal da Chamusca e da Junta de Freguesia de Ulme.
(ler mais...)


Câmara já mudou para o edifício do antigo hospital »  2022-09-09 

Em nota de imprensa de ontem, dia 9 de Setembro, a câmara municipal de Torres Novas informa o público e os torrejanos que os novos Paços do Concelho já estão instalados no edifício do antigo hospital da Misericórdia.
(ler mais...)


Antigas instalações da Fiação poderão ser do Município: Fábrica Grande, um projecto para a próxima década e para muitos milhões de euros »  2022-08-28 

A confirmar-se a compra das antigas instalações da Companhia Nacional de Fiação e Tecidos, uma área de 30 mil metros quadrados em local privilegiado da cidade atravessado pelo rio Almonda, abre-se um mundo de possibilidades para dar corpo a um parque urbano que integre património e negócios, serviços e lazer.
(ler mais...)


Torres Novas: cinco mil euros para apoiar esterilização de cães e gatos »  2022-08-16 

 Termina no dia 15 de Setembro o prazo para entrega das candidaturas ao programa de apoio financeiro para esterilização de animais de companhia, no caso cães e gatos, machos e fêmeas. O município reservou para 2022 uma verba de cinco mil euros destinados ao reembolso financeiro que são de 87,50 euros para esterilização de cadelas, 75 euros para esterilização de cães, 50 euros para esterilização de gatas e 25 euros para esterilização de gatos.
(ler mais...)


Alcanena: Museu do Curtume conserva materiais »  2022-08-16 

Tiveram início, no dia 2 de Agosto, os trabalhos de conservação, higienização e desinfestação do espólio em madeira do Museu do Curtume. O edifício do museu alberga um espólio que conta a história e a própria evolução do saber-fazer e da indústria dos curtumes no concelho de Alcanena e que constitui um dos mais importantes testemunhos para a constituição do futuro núcleo museológico do “Projecto Couros”.
(ler mais...)


Fundação dá prémio ao melhor aluno admitido medicina »  2022-08-16 

A Fundação Maria Isabel e Renato Gameiro atribui, a partir de 2022 e com carácter anual, o prémio “Dr. Renato Gameiro”, no valor pecuniário de 1.500 euros, ao aluno que seja admitido no curso de medicina com a melhor classificação.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2022-09-14  Associação com seis meses vai receber, para já, 45 mil do município
»  2022-09-09  Câmara já mudou para o edifício do antigo hospital
»  2022-09-11  Hospitais do CHMT reforçam actividade assistencial
»  2022-09-11  Ulme recebe o festival “Já Te Dou o Arroz”
»  2022-09-21  CDU defende refeições feitas pelas escolas