• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 09 Maio 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 20° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 18° / 9°
Períodos nublados
Seg.
 17° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  19° / 11°
Períodos nublados com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Eleições para as CCDRs: uma farsa dos donos do regime

Sociedade  »  2020-10-14 

Se nas grandes questões do regime (aquelas que têm que ver com os altos poderes, os altos cargos, as grandes decisões), PS e PSD tratam entre si as maneiras de repartir o bolo, sem dar cavaco aos parceiros da geringonça que lhe têm garantido anos de poleiro iniciados com uma derrota nas legislativas, no caso do PS, sem ligar patavina ao CDS, companheiro de governos no passado, no caso do PSD, as eleições para as CCDR são a prova acabada dessa arrogância política que faz PS e PSD pensarem que são donos do país.

 Neste caso das eleições para os presidentes das CCDR (Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional, organismos desconcentrados da administração central para a saúde, segurança social, economia, etc, e também para concretização de medidas de planeamento), PS e PSD cozinharam entre si um acordo infame, hipócrita e arrogante: borrifaram-se para os outros partidos, distribuindo entre ambos lugares de presidência das 5 CCDR que colocariam à votação de autarcas das respectivas regiões, numa eleição indirecta em que os vencedores estavam garantidos à partida porque PS e PSD dominam amplamente, os dois, o universo eleitoral.

 As CCDR do Norte e Centro, ficariam para o PSD, os socialistas votariam a favor. As de Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve para o PS, com o amén do PSD, ficando depois de repartirem entre si os tachos das vice-presidências.

 A farsa foi ontem, 13 de Outubro. Na nossa “região”, a “região” de Lisboa e Vale do Tejo, correspondente à CCDR de Lisboa e Vale do Tejo (pertencem a esta “região” os concelhos do antigo distrito de Santarém, os do Oeste, da área metropolitana de Lisboa e ainda os da península de Setúbal), a “candidata” única, indicada pelo PS, Teresa Almeida, foi eleita sem espinhas pelos autarcas das câmaras, assembleias municipais e representantes das freguesias.

 A única posição coerente dos restantes partidos neste processo seria a de boicote puro e simples a esta eleição-farsa, não comparecendo os seus eleitos para legitimar este golpe anti-democrático de socialistas e social-democratas.

 Mas não foi isso que aconteceu. A nota dissonante e que levou uma posição política às últimas consequências, negando participar no teatro montado por António Costa, foi a de Gabriel Feitor, vereador independente eleito na câmara de Alcanena. “Em coerência com aquilo que tenho vindo a defender ao longo destes anos sobre o assunto e, sobretudo, por respeito aos munícipes que me elegeram, não irei votar (...) como municipalista e federalista convicto, os dois pressupostos que defendo no comummente chamado processo de “regionalização”, o reforço da democracia e a coesão territorial, não estão assegurados”, começa por dizer Gabriel Feitor, para desmascarar os argumentos de António Costa: “É completamente falso que este processo de eleição das CCDR seja uma “democratização da governação regional”. Além de o pseudo-acto eleitoral ser por método indirecto (votam para os presidentes as câmaras e assembleias municipais; para um dos vice-presidentes apenas os presidentes de Câmara; e o outro vice-presidente é nomeado pelo Governo), os processos de apresentação e instrução de candidaturas à presidência e vice-presidência das CCDR não são mais do que teatro.”

O vereador de Alcanena foca-se depois no nosso território para fazer notar que “o caso peculiar da nossa “região” torna ainda mais tragicómica toda a situação. O Ribatejo, entendendo-se aqui como o território do antigo distrito de Santarém, faz parte da CCDR de Lisboa e Vale do Tejo, mas como esta unidade atingiu um certo índice de desenvolvimento que a retirava do conjunto de unidades que mais fundos europeus recebiam, despedaçaram e descaracterizaram a região e atiraram a parte Sul para a CCDR do Alentejo e a parte Norte para a CCDR do Centro, que vai de Torres Vedras a Figueira de Castelo Rodrigo, um autêntico disparate”.

 Ou seja, no pseudo-acto de terça-feira, irá votar-se para a CCDR de Lisboa e Vale do Tejo, mas, no fundo, dependemos nas candidaturas aos fundos comunitários da CCDR do Centro, portanto, de Coimbra. “Ora, isto é de uma incongruência atroz no que respeita à coesão territorial. Continuo a defender que deve ser criada uma NUT e a consequente CCDR Ribatejo-Oeste para a gestão conjunta e integrada destes territórios que estão ligados por afinidades económicas, sociais, culturais e históricas. Existe, inclusive, um estudo conjunto das distritais de Santarém do PS e do PSD, entregue em sede de contributos para Comissão Independente para a Descentralização, presidida por João Cravinho, que aponta nesse sentido” – conclui Gabriel Feitor.

 E é verdade que ainda há escassas semanas, do congresso distrital do PS, realizado em Ourém, saiu uma orientação política tendente à criação de uma nova NUT, agrupando o Oeste e o Ribatejo e retirando-os da região de Lisboa e Vale do Tejo: ao invés de aproveitarem a ocasião para a tomada de uma posição de força, finalmente, os socialistas do distrito colaboraram alegremente na comédia realizada por António Costa. Hugo Costa, líder regional do PS, veio mesmo a terreiro dizer que “esta nova forma de eleição coloca uma maior proximidade e responsabilidade perante quem é eleito para estas funções. Sou um regionalista convicto e defendo a regionalização, contundo, o caminho agora iniciado não é impeditivo deste processo. Comparativamente ao modelo anterior é, certamente, um procedimento onde existe uma maior responsabilidade nos territórios de quem é eleito”.

 Já o Bloco de Esquerda contestou de forma bastante acesa este processo, mas não levou até ao fim a sua profunda discordância, anunciando que os seus eleitos participariam no acto eleitoral, mas votariam em branco. A CDU, com uma muito maior quantidade de eleitos locais que o BE, contestou em todas as regiões o modelo imposto, apelidando-o de “logro”.

OPINIÃO/JT/JCL

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Vexame: 20 milhões para o rio Nabão, 5 milhões para o Alviela, meio milhão para o Almonda »  2021-05-07 

É verdade que não passam de promessa do Governo para empurrar câmaras socialistas em ano de eleições. Mas mesmo no campeonato das promessas, Torres Novas é humilhada.

 Em meados de Abril, o Ministério do Ambiente anunciou querer travar a poluição do rio Nabão com um investimento de cerca de 20 milhões de euros, destinados a obras de infraestruturas de combate à poluição, cuja principal causa é atribuída à estação de tratamento de Seiça, no concelho de Ourém.
(ler mais...)


António Rodrigues vai a jogo: “Estou a concorrer só para presidente da Câmara” »  2021-05-04 

Candidata-se para vencer, não esconde, mas admite que não há vitórias antecipadas. Não concorre contra ninguém, apenas por amor a Torres Novas: “O movimento P’la Nossa Terra nasceu antes das autárquicas de 2017.
(ler mais...)


Tudo e mais alguma coisa sobre o jardim do Almonda Parque: 100 anos e muitas histórias »  2021-04-23 

Foi horta durante séculos, logo pegada à fábrica de chitas, depois “social club”, picadeiro da cavalaria, campo de jogos, recinto de feiras e mercados para ser trucidado por um parque de estacionamento. Na posta restante, fica agora um pequeno jardim.
(ler mais...)


Carpentier abandona assembleia, PS diz que não tem nada que ver com o assunto »  2021-04-19 

Depois de uma fuga para a frente alegando que o registo do domínio lhe fora pedido por uma organização de Odivelas (pesquisa permitiu saber que nada disso seria verídico), a situação estava a tornar-se insustentável para Nuno Carpentier (o primeiro na foto junto a António Gameiro).
(ler mais...)


Direito de Resposta: Carpentier diz-se perplexo com António Rodrigues »  2021-04-16 

“Ex.ma Sra. Diretora Inês Vidal

Remeto esta mensagem ao abrigo do direito de resposta (artigos 24º e seguintes da Lei n.º 2/99, de 13 de janeiro).

«No artigo que Jornal Torrejano publicou no dia 15 de abril de 2021 em http://www.
(ler mais...)


Escândalo político: Rodrigues diz-se vítima de “usurpação” de domínio de email da campanha por dirigente do PS de Torres Novas »  2021-04-15 

A comprovar-se tudo o que está em causa neste episódio em que se cruzam a campanha de António Rodrigues e um dirigente do PS torrejano, trata-se de um escândalo político sem precedentes, envolvendo tentativa de boicote e espionagem política.
(ler mais...)


Renova sugere edição especial de guardanapos para o Dia da Mãe »  2021-04-15 

O Dia da Mãe está a chegar e com ele surgem as dúvidas sobre a melhor forma de surpreender a as mães. Para celebrar este dia especial, a Renova sugere que os filhos mais criativos, com a ajuda preciosa dos pais e da família, possam personalizar online os seus próprios guardanapos, usando as suas fotos e adicionando um texto, à medida da sua imaginação.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, quarta-feira, 14 de Abril: 6 casos na sub-região »  2021-04-14 

Nos últimos dias a situação pandémica nos concelhos da sub-região do Médio Tejo dá conta de um reduzido número de novos contágios declarados. No dia 12, registaram-se 6 casos, 3 em Abrantes e 3 em Tomar.
(ler mais...)


O Moinho da Fonte: a antiga povoação, a fábrica de papel e o rio Almonda – apontamentos históricos »  2021-04-13 

A pequena povoação do Moinho da Fonte (freguesia de Pedrógão) já era nos anos 30 e hoje seria ainda, não fosse a expansão da fábrica de papel, a mais bonita aldeia do concelho de Torres Novas (na foto).
(ler mais...)


Maioria socialista empatou novo Intermarché durante dois anos »  2021-04-12 

 

A Câmara votou há dois anos, a execução de um plano de pormenor para Cancela do Leão, para onde está previsto o novo Intermarché, e a necessária suspensão do PDM, também por dois anos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-04-15  Escândalo político: Rodrigues diz-se vítima de “usurpação” de domínio de email da campanha por dirigente do PS de Torres Novas
»  2021-04-13  O Moinho da Fonte: a antiga povoação, a fábrica de papel e o rio Almonda – apontamentos históricos
»  2021-04-23  Tudo e mais alguma coisa sobre o jardim do Almonda Parque: 100 anos e muitas histórias
»  2021-04-16  Direito de Resposta: Carpentier diz-se perplexo com António Rodrigues
»  2021-04-19  Carpentier abandona assembleia, PS diz que não tem nada que ver com o assunto