• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Março 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 26° / 11°
Céu limpo
Dom.
 24° / 11°
Períodos nublados
Sáb.
 25° / 9°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Maioria quer gastar mais de 600 mil no Rossio em mais uma obra inútil

Sociedade  »  2019-02-28 

É como se não houvesse estradas para asfaltar, dentro e fora da cidade, calçadas e passeios por reparar,

Não se pinta um único banco de jardim há anos, as pontes do jardim das rosas estão interditas, à volta do castelo é só ruína, há calçadas e passeios escavacados por todo o lado, nada é mantido. Mas a fuga para a frente de obras inúteis continua, sem parança. Agora, é um parque com jardim infantil numa zona onde não há crianças por perto.

Quando foi desenhada a urbanização das Chãs (zona em redor da avenida Sá Carneiro, entre o Modelo e a Escola Artur Gonçalves e zonas limítrofes), ninguém de preocupou em definir para o local uma jardim ou um pequeno parque urbano, prevendo-se que, para aquela zona da cidade iriam residir alguns milhares de pessoas e, também previsivelmente, casais jovens com filhos. Os interesses mesquinhos do imobiliário e dos promotores mandam sempre nos negócios camarários, onde se encontra sempre compreensão e carinho.

Foi assim na zona das Chãs, foi assim na urbanização dos Negréus, onde os prédios mais in da cidade apresentam, como cartão de visita, rectângulos de mato e lama e onde também nenhum espaço de convivialidade foi desenhado e planeado. Se houver crianças, que brinquem na estrada.

Perante este cenário triste, a opção é fazer obra inútil e onde não é precisa. Como se sabe, o bairro de São Domingos apresenta um perfil de zona deprimida, com casas desocupadas e uma população algo envelhecida. Da mesmo forma o bairro de Santo António, onde esse cenário é ainda mais evidente. Pois é na confluência dessas duas zonas urbanas, no velho Rossio de São Sebastião, onde há 60 anos havia muitos jovens e agora não há, que se quer implantar um parque infantil e similares, torrando mais de 600 mil euros numa obra que, passados poucos anos, se for feita, estará em degradação total.

A ideia, como se sabe, começou com a oferta à autarquia, por uma empresa, de um estudo prévio para semelhante bizarria. Perante a denúncia do escândalo (uma empresa oferecer um projecto a uma autarquia), a maioria socialista recuou, mas tratou de mandar fazer outro projecto. Alguém há-se ganhar o concurso, como se sabe.

E, como se não houvesse estradas para asfaltar, dentro e fora da cidade, calçadas e passeios por reparar, equipamentos urbanos por manter e mil e um trabalhos mais prioritários e úteis, opta-se por enterrar dinheiro em obras que não são precisas, não são prioritárias e não fazem qualquer sentido, como o meio milhão gasto em duzentos metros da “Via João Paulo II”, passado pouco tempo cheia de lombas e depressões no asfalto sem uma palavra de explicação nem o assumir de responsabilidades, para além dos sucessivos remendos a que vamos assistindo.

A perspectiva de mais uns cobres resultantes de uma receita inesperada de IMT, que deveria ser utilizada precisamente naquilo que fica sempre para trás porque não há dinheiro ou não dá votos (ver peça nestas páginas), não fez quebrar o voluntarismo autárquico de querer fazer obra, mesmo a que não é prioritária nem precisa, quando não absurda, e de encher todo o espaço disponível com a marca do regime. O Rossio, assim largo e vasto, relvado com está, e bem cuidado se for, está bem. É um espaço de excelência, de descompressão. Encher aquilo de tralha inútil que não é necessária e que em poucos anos é degradante (basta ver os outros exemplos), é mais um atentado contra a cidade.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Pedro Triguinho absolvido hoje em processo da Fabrióleo »  2019-03-22 

Pedro Triguinho, activista do movimento ambientalista Basta!, de Torres Novas, foi hoje absolvido no Tribunal de Torres Novas num processo em que era acusado de difamação por uma então administradora da empresa Fabrióleo, que lhe moveu a acção a título pessoal.
(ler mais...)


Pias Longas: trabalhos no aterro continuam, vereador do ambiente nada diz »  2019-03-13 

Os trabalhos relacionados com a ampliação do aterro do topo sul da pista do aeródromo de Pias Longas, situado na fronteira entre os municípios de Ourém e Torres Novas, continuam em marcha, isto apesar de uma fiscalização da câmara de Torres Novas ter confirmado, logo na altura da denúncia por este jornal, que milhares de toneladas de pedras e terra estavam a ser despejadas para dentro da território do concelho de Torres Novas numa área de elevado potencial ambiental e que integra a Reserva Ecológica Nacional.
(ler mais...)


Alterações climáticas: Maria Lamas promove aula aberta no auditório municipal »  2019-03-08 

Dando sequência a idêntica iniciativa do ano transacto, a escola Maria Lamas volta a promover uma aula aberta, desta vez no auditório municipal (edifício da biblioteca Gustavo Pinto Lopes), e sob o tema “Alterações climáticas e biodiversidade”.
(ler mais...)


O triunfo dos porcos: só câmara pode impedir mega-suinicultura »  2019-03-04 

Depois de amanhã, o executivo municipal vai ser chamado a deliberar sobre um assunto de enorme importância ambiental para o concelho: a instalação de uma suinicultura na Quinta de Caniços, freguesia de Brogueira, a dois passos da Reserva do Paul e perto de povoações.
(ler mais...)


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)


João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre »  2019-02-09 

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas.
(ler mais...)


Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre »  2019-02-07 

Um grupo de moradores do Carreiro da Areia esteve presente na reunião camarária de terça-feira, em protesto contra a poluição e os efeitos que se fazem sentir na aldeia. Já há quem tenha abandonado a povoação, mas nem as casas se conseguem vender.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-02-21  A Tasca: nova vida com Paulo Emílio
»  2019-03-04  O triunfo dos porcos: só câmara pode impedir mega-suinicultura
»  2019-03-22  Pedro Triguinho absolvido hoje em processo da Fabrióleo
»  2019-03-13  Pias Longas: trabalhos no aterro continuam, vereador do ambiente nada diz
»  2019-02-28  Maioria quer gastar mais de 600 mil no Rossio em mais uma obra inútil