• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 21 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 16° / 8°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 15° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Antigo porto da Bácora destruído pela calada

Sociedade  »  2020-10-10 

Atentado contra o património da cidade

Umas carradas de terra e uma placa de cimento por cima: assim se destrói uma das mais antigas entradas do rio, o multisecular porto da Bácora. Desgraçadamente, num projecto que visava “aproximar os cidadãos do rio”. A vaga destruidora, sem freio, vai arrasando aos poucos o que restava da antiga vila.

Citado nos textos medievais, descrito por Artur Gonçalves no inventário dos portos do rio Almonda, o porto da Bácora era uma das últimas entradas do rio na zona histórica de Torres Novas. Ainda na memória de muitos também com o nome de “porto das lavadeiras”, por ser aquele local um dos de maior concentração de mulheres a lavar roupa nas águas do Almonda, local aprazível com a grande tarambola da Horta das Pedras numa margem, a outra tarambola mesmo em frente, agarrada ao muro de um quintal, era agora o acesso que restava ao rio Almonda em todo o troço que vai da Ponte da Levada até à ponte do Nogueiral, destruído que foi o porto das Bonitinhas durante a construção do Edifício Parque e deixado em seu lugar um pestilento mijadouro de superfície que é uma das emblemáticas vergonhas do centro da cidade.

Chegados ao fim da travessa que desemboca no rio, na Bácora, o porto estava (e está, ainda que aterrado) à direita de quem desce, encostado ao último edifício cujo quintal não tinha acesso ao pequeno largo e muito menos acesso directo para a entrada de carros no quintal.

Era a casa de João Clara (o “patrão João”, como o povo lhe chamava), e como todas as casas deste troço do rio só tinha entrada para o quintal a partir das portas da própria casa. Acontece que, por volta dos anos 50, a casa de João Clara foi vendida e o novo proprietário terá pedido para construir um pequeno passadiço em direcção ao quintal, onde abriu um portão para dar entrada a carros.

O passadiço passava por cima do porto da Bácora, foi uma clara decisão de lesa património (nenhum dos outros quintais tinha ou tem acesso a carros, não havia razão nenhuma para que as autoridades locais cedessem à pretensão), mas ainda assim a estrutura ficou intocada, permanecia o acesso ao rio, livre de obstáculos e, dada a altura do passadiço, podia-se caminhar de pé até à entrada do rio. Continuou por ali durante alguns anos a actividade das lavadeiras e as pescarias do Nabiça, que ali amarrava os barcos.

Com a construção da pequena ponte da Bácora para acesso ao antigo mercado municipal no Almonda Parque, já nos anos 70 e após o mercado ter deixado a praça 5 de Outubro, o acesso dos carros pelo portão do quintal e pelo passadiço não encontrou problemas, pois a ponte não impedia a manobra dos carros.

Mas, com o novo projecto para o agora denominado “parque Almonda”, a nova ponte da Bácora assume dimensões e área de implantação das guardas muito além das dimensões da velha ponte e, azar dos azares, travava o acesso de carros ao quintal em causa.

A decisão camarária, em sede de projecto não se atrapalhou: tapa-se o porto da Bácora, prega-se uma placa de cimento por cima para o carro passar e já está. Assim foi, pela calada, de modo a que não se desse pelo caso, e os cidadãos mais atentos não atrapalhassem as obras.

Mas o azar ainda não tinha acabado. Mesmo com a placa de cimento que tapou o porto da Bácora, o desenvolvimento da implantação da ponte (guardas, etc), parece impedir ou tornará quase impossível a saída dos carros do quintal, porque vai fechando até não haver ângulo para dobrar a esquina. A coisa está preta e só se resolve com uma trapalhada em que nem é bom pensar. Isto se houver solução. Se alguém pedisse uma salganhada para aquele local, dificilmente se poderia imaginar o que a fotografia documenta.

O bom senso mandava que, durante a concepção do projecto, fossem tidos em conta todos os pormenores que poderiam estar em causa e que o local merecesse um tratamento particular em virtude da existência do porto da Bácora.

Podia-se, inclusivamente, negociar com o proprietário do quintal a cedência de lugares gratuitos no parque de estacionamento, ali a dois passos, como forma de compensar eventuais direitos adquiridos, solução que ainda poderá ser tentada. Até porque os quintais fronteiros ao rio não têm acesso para carros, só aquele o tem, cedido em condições que hoje nunca seriam atendidas.

Resolvido esse problema, poder-se-ia encontrar uma solução que viabilizasse não só a implantação da ponte que está projectada, mas também, de algum modo, a valorização patrimonial do porto da Bácora, memória multi-secular da cidade.

O mínimo que a gestão socialista pode fazer, se quiser respeitar a memória da cidade e o seu património, é emendar a mão, retirar a placa de cimento que vergonhosamente aplicou em cima da entrada do rio, reabilitar o porto e encontrar uma solução de consenso com o proprietário, que também não se pode opôr ao interesse público, quando ele é avassaladoramente maior que um pequeno “direito” particular. E que é o caso.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


COVID-19: Município de Alcanena testa todos os trabalhadores e autarcas »  2021-01-19 

O Município de Alcanena vai efectuar, durante esta semana, testes de rastreio à COVID-19 a todos os trabalhadores, incluindo os funcionários das escolas, sapadores bombeiros municipais de Alcanena e também a todos os membros das mesas de voto para as eleições presidenciais, delegados e presidentes das juntas de freguesia ou seus representantes.
(ler mais...)


Bombeiros Torrejanos: assembleia-geral adiada »  2021-01-11 

A assembleia-geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Torrejanos, convocada para o próximo dia 19 de Janeiro, foi adiada, esperando-se agora uma nova convocatória. A reunião magna dos bombeiros torrejanos tinha como ordem de trabalhos a eleição de novos corpos sociais da associação, mas como até ao prazo estipulado pelos estatutos não deu entrada nenhuma lista candidata, o presidente da mesa da assembleia não teve outro remédio que não adiar a reunião.
(ler mais...)


Olhos de Água: estacionamento vai custar meio milhão »  2021-01-10 

 

A Câmara Municipal de Alcanena aprovou, por unanimidade, na sua reunião realizada a 21 de dezembro, o projeto de execução do parque de estacionamento da praia fluvial dos Olhos de Água, adjudicado à firma EcoSalix – Sistemas Ecológicos de Engenharia Natural, Lda.
(ler mais...)


Entroncamento: deputados do PS querem obras na estação »  2021-01-10 

Depois de todos os partidos da oposição terem levantado o assunto aquando do orçamento de Estado, chegou a vez de os deputados do PS eleitos por Santarém defenderem agora uma “intervenção profunda” na Estação Ferroviária do Entroncamento para tornar esta infraestrutura “moderna e segura”.
(ler mais...)


Montepio agradece a colaboradores »  2021-01-10 

“Chegados ao fim do ano, ano em que muitos de nós, de uma ou outra forma, vimos a nossa vida suspensa, o Montepio Nossa Senhora da Nazaré de Torres Novas regozija-se por chegar ao fim de todos estes meses, sem ter tido necessidade de encerrar as suas portas, de virar costas aos seus utentes”, assinala a colectividade em nota de imprensa.
(ler mais...)


Rotary Club do Entroncamento apoia famílias carenciadas »  2021-01-10 

Apesar de um ano 2020 imensamente atípico, com implicações devastadoras na sociedade em múltiplos domínios, entres os quais a sustentabilidade de diversas famílias, o Rotary Club do Entroncamento levou à prática alguns dos seus projectos, nomeadamente o apoio a famílias necessitadas.
(ler mais...)


Fátima: escola de hotelaria ganha prémio nacional »  2021-01-10 

A Escola de Hotelaria de Fátima foi galardoada com um prémio nacional numa edição dos Hospitality Education Awards, os prémios da formação turística em Portugal. A edição é promovida pela Forum Turismo e pretende distinguir projectos, instituições e pessoas, que se destacam no sector da Hotelaria e Turismo.
(ler mais...)


Alcanena - Município cede imóvel para lar do CRIT »  2020-12-19 

Foi assinada, no dia 27 de Novembro de 2020, a escritura da cedência do direito de superfície a favor do Centro de Reabilitação e Integração Torrejano – CRIT, do edifício propriedade do Município de Alcanena, sito na Avenida Marquês de Pombal, em Alcanena, no qual será criado um Lar Residencial para Pessoas com Deficiência, não existindo, no concelho, uma resposta social para casos que requeiram internamento em estruturas deste tipo.
(ler mais...)


História de Natal: Beatriz nasceu na ambulância dos voluntários torrejanos »  2020-12-11 

Nuno Gorjão e Pedro Matos, do corpo de Bombeiros Voluntários Torrejanos, vão ter uma história para contar: por volta da meia-noite do dia 4 de Dezembro, estes homens dos  "voluntários torrejanos" receberam uma chamada telefónica de uma mulher grávida e as circunstâncias levaram a que tivessem realizar o parto na ambulância, a caminho do hospital.
(ler mais...)


Companheiros de estrada: um acordo sem objecto e um ante-projecto mais rápido que a luz »  2020-12-07 

É mais uma história de encantar da maioria socialista que envolve obras e outras especialidades. Um acordo que não tem objecto e um ante-projecto de uma estrada de 500 mil que foi mais rápido que a velocidade da luz.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-01-11  Bombeiros Torrejanos: assembleia-geral adiada
»  2021-01-10  Olhos de Água: estacionamento vai custar meio milhão
»  2021-01-10  Entroncamento: deputados do PS querem obras na estação
»  2021-01-19  COVID-19: Município de Alcanena testa todos os trabalhadores e autarcas
»  2021-01-10  Montepio agradece a colaboradores