• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 23 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 19° / 9°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  19° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Antigo porto da Bácora destruído pela calada

Sociedade  »  2020-10-10 

Atentado contra o património da cidade

Umas carradas de terra e uma placa de cimento por cima: assim se destrói uma das mais antigas entradas do rio, o multisecular porto da Bácora. Desgraçadamente, num projecto que visava “aproximar os cidadãos do rio”. A vaga destruidora, sem freio, vai arrasando aos poucos o que restava da antiga vila.

Citado nos textos medievais, descrito por Artur Gonçalves no inventário dos portos do rio Almonda, o porto da Bácora era uma das últimas entradas do rio na zona histórica de Torres Novas. Ainda na memória de muitos também com o nome de “porto das lavadeiras”, por ser aquele local um dos de maior concentração de mulheres a lavar roupa nas águas do Almonda, local aprazível com a grande tarambola da Horta das Pedras numa margem, a outra tarambola mesmo em frente, agarrada ao muro de um quintal, era agora o acesso que restava ao rio Almonda em todo o troço que vai da Ponte da Levada até à ponte do Nogueiral, destruído que foi o porto das Bonitinhas durante a construção do Edifício Parque e deixado em seu lugar um pestilento mijadouro de superfície que é uma das emblemáticas vergonhas do centro da cidade.

Chegados ao fim da travessa que desemboca no rio, na Bácora, o porto estava (e está, ainda que aterrado) à direita de quem desce, encostado ao último edifício cujo quintal não tinha acesso ao pequeno largo e muito menos acesso directo para a entrada de carros no quintal.

Era a casa de João Clara (o “patrão João”, como o povo lhe chamava), e como todas as casas deste troço do rio só tinha entrada para o quintal a partir das portas da própria casa. Acontece que, por volta dos anos 50, a casa de João Clara foi vendida e o novo proprietário terá pedido para construir um pequeno passadiço em direcção ao quintal, onde abriu um portão para dar entrada a carros.

O passadiço passava por cima do porto da Bácora, foi uma clara decisão de lesa património (nenhum dos outros quintais tinha ou tem acesso a carros, não havia razão nenhuma para que as autoridades locais cedessem à pretensão), mas ainda assim a estrutura ficou intocada, permanecia o acesso ao rio, livre de obstáculos e, dada a altura do passadiço, podia-se caminhar de pé até à entrada do rio. Continuou por ali durante alguns anos a actividade das lavadeiras e as pescarias do Nabiça, que ali amarrava os barcos.

Com a construção da pequena ponte da Bácora para acesso ao antigo mercado municipal no Almonda Parque, já nos anos 70 e após o mercado ter deixado a praça 5 de Outubro, o acesso dos carros pelo portão do quintal e pelo passadiço não encontrou problemas, pois a ponte não impedia a manobra dos carros.

Mas, com o novo projecto para o agora denominado “parque Almonda”, a nova ponte da Bácora assume dimensões e área de implantação das guardas muito além das dimensões da velha ponte e, azar dos azares, travava o acesso de carros ao quintal em causa.

A decisão camarária, em sede de projecto não se atrapalhou: tapa-se o porto da Bácora, prega-se uma placa de cimento por cima para o carro passar e já está. Assim foi, pela calada, de modo a que não se desse pelo caso, e os cidadãos mais atentos não atrapalhassem as obras.

Mas o azar ainda não tinha acabado. Mesmo com a placa de cimento que tapou o porto da Bácora, o desenvolvimento da implantação da ponte (guardas, etc), parece impedir ou tornará quase impossível a saída dos carros do quintal, porque vai fechando até não haver ângulo para dobrar a esquina. A coisa está preta e só se resolve com uma trapalhada em que nem é bom pensar. Isto se houver solução. Se alguém pedisse uma salganhada para aquele local, dificilmente se poderia imaginar o que a fotografia documenta.

O bom senso mandava que, durante a concepção do projecto, fossem tidos em conta todos os pormenores que poderiam estar em causa e que o local merecesse um tratamento particular em virtude da existência do porto da Bácora.

Podia-se, inclusivamente, negociar com o proprietário do quintal a cedência de lugares gratuitos no parque de estacionamento, ali a dois passos, como forma de compensar eventuais direitos adquiridos, solução que ainda poderá ser tentada. Até porque os quintais fronteiros ao rio não têm acesso para carros, só aquele o tem, cedido em condições que hoje nunca seriam atendidas.

Resolvido esse problema, poder-se-ia encontrar uma solução que viabilizasse não só a implantação da ponte que está projectada, mas também, de algum modo, a valorização patrimonial do porto da Bácora, memória multi-secular da cidade.

O mínimo que a gestão socialista pode fazer, se quiser respeitar a memória da cidade e o seu património, é emendar a mão, retirar a placa de cimento que vergonhosamente aplicou em cima da entrada do rio, reabilitar o porto e encontrar uma solução de consenso com o proprietário, que também não se pode opôr ao interesse público, quando ele é avassaladoramente maior que um pequeno “direito” particular. E que é o caso.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


O QUE A CÂMARA QUER DESTRUIR: O porto da Bácora, atentado patrimonial - por J. Júlio Antunes »  2020-10-22 

O “Jornal Torrejano”, como já nos habituou, tomou a iniciativa de denunciar o atentado patrimonial da destruição do porto da Bácora e tapar o acesso pedonal ao rio. Nos tempos medievais ali existia um acesso desde a muralha da cerca até ao rio, evidenciado também durante as últimas obras na rua da Levada.
(ler mais...)


CDU debate saúde »  2020-10-22 

A Comissão Coordenadora Concelhia de Torres Novas da CDU - Coligação Democrática Unitária vai realizar a segunda sessão da iniciativa "Torres Novas à Conversa", desta vez subordinada ao tema "Tratar da Saúde em Tempos de Pandemia", que vai ter lugar sábado, dia 24 de Outubro, às 16h, no auditório municipal de Torres Novas.
(ler mais...)


Renova reforça apoio a artistas nacionais: “O vosso talento traz valor à nossa marca”, salienta Paulo Pereira da Silva »  2020-10-22 

Um violinista e artista visual, quatro bailarinos e coreógrafos e um compositor, oriundos de projectos distintos e criadores - ou criativos - de três propostas diferentes e desconhecidas dos restantes, vão encontrar-se no mesmo palco para, sob curadoria de Martim Sousa Tavares, levar ao público português, em 2021, um espectáculo de dança, que deverá percorrer diversas salas do país.
(ler mais...)


Banda Operária faz hoje 147 »  2020-10-21 

A Banda Operária Torrejana (BOT) assinala, hoje, 21 de Outubro, os seus 147 anos de existência oficial, contados a partir da data dos estatutos aprovados em 1873. Contudo, a filarmónica de Torres Novas é a mais antiga do concelho em actividade, já que estão documentadas várias actuações da banda em acontecimentos cívicos da vila, como a procissão do Corpo de Deus, desde meados da década de 50 do século XIX.
(ler mais...)


Nersant prepara sessão online sobre programas financiados »  2020-10-15 

A Associação Empresarial da Região de Santarém (Nersant) realiza no próximo dia 19 de Outubro uma sessão online para apresentação de programas financiados disponíveis para aumentar a competitividade das empresas da região.
(ler mais...)


Eleições para as CCDRs: uma farsa dos donos do regime »  2020-10-14 

Se nas grandes questões do regime (aquelas que têm que ver com os altos poderes, os altos cargos, as grandes decisões), PS e PSD tratam entre si as maneiras de repartir o bolo, sem dar cavaco aos parceiros da geringonça que lhe têm garantido anos de poleiro iniciados com uma derrota nas legislativas, no caso do PS, sem ligar patavina ao CDS, companheiro de governos no passado, no caso do PSD, as eleições para as CCDR são a prova acabada dessa arrogância política que faz PS e PSD pensarem que são donos do país.
(ler mais...)


Orçamento de Estado e IVA dos Municípios: Torres Novas no seu lugar, atrás de 84 concelhos »  2020-10-13 

Há um ano por esta altura, um erro nos quadros da devolução de parte do IVA cobrado nos municípios, na documentação do Orçamento de Estado para 2020, atirava para Torres Novas uma incrível verba de 1,5 milhões de euros a receber, à frente de todos os concelhos do país à excepção de Lisboa, Porto, Oeiras e Albufeira.
(ler mais...)


Noiserv: concerto gratuito no aniversário do novo Teatro Virgínia »  2020-10-09 

Para assinalar o 15.º aniversário da remodelação do actual edifício, o Teatro Virgínia tem agendado um concerto de Noiserv com entrada gratuita (mediante levantamento prévio de bilhete, limitado a 2 por pessoa), que terá lugar na próxima terça-feira, dia 13 de Outubro, a partir das 21h30.
(ler mais...)


Águas do Ribatejo no combate às perdas de água »  2020-10-02 

Portugal celebra desde 1983 o Dia Nacional da Água a 1 de Outubro para assinalar o início do ciclo hidrológico ou ciclo urbano da Água. A data tem assumido particular importância num tempo em que governos, instituições, organizações não governamentais, investigadores e entidades gestoras, nacionais e internacionais, demonstram uma crescente preocupação com o fenómeno das alterações climáticas e o seu impacto na biodiversidade, no ambiente e na qualidade de vida dos seres vivos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-10-10  Antigo porto da Bácora destruído pela calada
»  2020-09-30  Dinheiro público gasto em programa de chamadas telefónicas: Câmara maravilha: 20 mil euros gastos para o boneco
»  2020-09-28  Morador denuncia em reunião do executivo municipal de Torres Novas: “Resíduos da fábrica de Vendas Novas são depositados no Carreiro da Areia”
»  2020-10-13  Orçamento de Estado e IVA dos Municípios: Torres Novas no seu lugar, atrás de 84 concelhos
»  2020-10-14  Eleições para as CCDRs: uma farsa dos donos do regime