• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 30 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 15° / 5°
Períodos nublados
Qua.
 17° / 6°
Períodos nublados
Ter.
 19° / 8°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  18° / 9°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Antigo porto da Bácora destruído pela calada

Sociedade  »  2020-10-10 

Atentado contra o património da cidade

Umas carradas de terra e uma placa de cimento por cima: assim se destrói uma das mais antigas entradas do rio, o multisecular porto da Bácora. Desgraçadamente, num projecto que visava “aproximar os cidadãos do rio”. A vaga destruidora, sem freio, vai arrasando aos poucos o que restava da antiga vila.

Citado nos textos medievais, descrito por Artur Gonçalves no inventário dos portos do rio Almonda, o porto da Bácora era uma das últimas entradas do rio na zona histórica de Torres Novas. Ainda na memória de muitos também com o nome de “porto das lavadeiras”, por ser aquele local um dos de maior concentração de mulheres a lavar roupa nas águas do Almonda, local aprazível com a grande tarambola da Horta das Pedras numa margem, a outra tarambola mesmo em frente, agarrada ao muro de um quintal, era agora o acesso que restava ao rio Almonda em todo o troço que vai da Ponte da Levada até à ponte do Nogueiral, destruído que foi o porto das Bonitinhas durante a construção do Edifício Parque e deixado em seu lugar um pestilento mijadouro de superfície que é uma das emblemáticas vergonhas do centro da cidade.

Chegados ao fim da travessa que desemboca no rio, na Bácora, o porto estava (e está, ainda que aterrado) à direita de quem desce, encostado ao último edifício cujo quintal não tinha acesso ao pequeno largo e muito menos acesso directo para a entrada de carros no quintal.

Era a casa de João Clara (o “patrão João”, como o povo lhe chamava), e como todas as casas deste troço do rio só tinha entrada para o quintal a partir das portas da própria casa. Acontece que, por volta dos anos 50, a casa de João Clara foi vendida e o novo proprietário terá pedido para construir um pequeno passadiço em direcção ao quintal, onde abriu um portão para dar entrada a carros.

O passadiço passava por cima do porto da Bácora, foi uma clara decisão de lesa património (nenhum dos outros quintais tinha ou tem acesso a carros, não havia razão nenhuma para que as autoridades locais cedessem à pretensão), mas ainda assim a estrutura ficou intocada, permanecia o acesso ao rio, livre de obstáculos e, dada a altura do passadiço, podia-se caminhar de pé até à entrada do rio. Continuou por ali durante alguns anos a actividade das lavadeiras e as pescarias do Nabiça, que ali amarrava os barcos.

Com a construção da pequena ponte da Bácora para acesso ao antigo mercado municipal no Almonda Parque, já nos anos 70 e após o mercado ter deixado a praça 5 de Outubro, o acesso dos carros pelo portão do quintal e pelo passadiço não encontrou problemas, pois a ponte não impedia a manobra dos carros.

Mas, com o novo projecto para o agora denominado “parque Almonda”, a nova ponte da Bácora assume dimensões e área de implantação das guardas muito além das dimensões da velha ponte e, azar dos azares, travava o acesso de carros ao quintal em causa.

A decisão camarária, em sede de projecto não se atrapalhou: tapa-se o porto da Bácora, prega-se uma placa de cimento por cima para o carro passar e já está. Assim foi, pela calada, de modo a que não se desse pelo caso, e os cidadãos mais atentos não atrapalhassem as obras.

Mas o azar ainda não tinha acabado. Mesmo com a placa de cimento que tapou o porto da Bácora, o desenvolvimento da implantação da ponte (guardas, etc), parece impedir ou tornará quase impossível a saída dos carros do quintal, porque vai fechando até não haver ângulo para dobrar a esquina. A coisa está preta e só se resolve com uma trapalhada em que nem é bom pensar. Isto se houver solução. Se alguém pedisse uma salganhada para aquele local, dificilmente se poderia imaginar o que a fotografia documenta.

O bom senso mandava que, durante a concepção do projecto, fossem tidos em conta todos os pormenores que poderiam estar em causa e que o local merecesse um tratamento particular em virtude da existência do porto da Bácora.

Podia-se, inclusivamente, negociar com o proprietário do quintal a cedência de lugares gratuitos no parque de estacionamento, ali a dois passos, como forma de compensar eventuais direitos adquiridos, solução que ainda poderá ser tentada. Até porque os quintais fronteiros ao rio não têm acesso para carros, só aquele o tem, cedido em condições que hoje nunca seriam atendidas.

Resolvido esse problema, poder-se-ia encontrar uma solução que viabilizasse não só a implantação da ponte que está projectada, mas também, de algum modo, a valorização patrimonial do porto da Bácora, memória multi-secular da cidade.

O mínimo que a gestão socialista pode fazer, se quiser respeitar a memória da cidade e o seu património, é emendar a mão, retirar a placa de cimento que vergonhosamente aplicou em cima da entrada do rio, reabilitar o porto e encontrar uma solução de consenso com o proprietário, que também não se pode opôr ao interesse público, quando ele é avassaladoramente maior que um pequeno “direito” particular. E que é o caso.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Bloco acusa Pedro Ferreira de esconder acção da Polícia Judicária nos serviços municipais »  2020-11-27 

Segundo comunicado de imprensa do Bloco de Esquerda, uma brigada da Polícia Judiciária esteve em Torres Novas na passada sexta-feira, tendo feito buscas na sede das juntas de freguesia de Torres Novas e na sede do Partido Socialista, tendo-se depois deslocado para o edifício dos paços do concelho, adiantando os bloquistas que as acções prosseguiram na segunda-feira e terça feira seguintes, no edifício da Câmara, com incidência em processos de urbanismo.
(ler mais...)


Morreu Fernando Duque Simões, proprietário da Fótica »  2020-11-22 

Morreu no domingo, dia 23, num hospital de Lisboa, Fernando Duque Simões, uma personalidade marcante da comunidade torrejana dos últimos 50 anos. Tinha 89 anos.

De família oriunda da Mata, freguesia de Chancelaria, nasceu em Torres Novas em 1931.
(ler mais...)


Câmara promove inquérito sobre “dinâmicas culturais” »  2020-11-06 

No contexto da definição do Plano Estratégico Municipal para a Cultura, o Município de Torres Novas encomendou ao POLOBS - Observatório de Políticas de Comunicação e Cultura da Universidade do Minho o estudo «Dinâmicas Culturais Torres Novas 2020: Contributos para a elaboração do Plano Estratégico Municipal para a Cultura», que contempla duas fases diferentes a decorrer entre 2020 e 2021, informa uma nota de imprensa da autarquia.
(ler mais...)


BASTA organiza marcha lenta este sábado »  2020-11-06 

O Movimento de cidadãos #BASTA vai promover uma marcha-lenta entre Carreiro da Areia e Torres Novas, amanhã, sábado, para mais uma vez sensibilizar autarcas e cidadãos para a gravidade dos crimes ambientais. A concentração dos veículos está marcada para as 16h, no largo da Igreja, em Carreiro da Areia.
(ler mais...)


Concelho da Barquinha comemora 184.º aniversário »  2020-11-06 

O concelho de Vila Nova da Barquinha prepara-se para celebrar o seu 184.º aniversário. No dia 6 de Novembro de 1836, a rainha D. Maria II assinou um decreto que criava o concelho de Vila Nova da Barquinha, composto pelos extintos concelhos de Atalaia, Paio de Pele e Tancos.
(ler mais...)


EDITORIAL: Um crime contra o património cultural será sempre um crime contra o património cultural »  2020-11-06 

As obras, aquelas que vão fazendo e desfazendo os tempos percorridos por uma cidade, mesmo aquelas que se destacam de uma certa simplicidade e atraem, no momento da sua novidade, ampla simpatia e admiração, mesmo essas esbatem-se um dia na normalidade dissolvente que as gerações vão impondo à paisagem que se torna aparentemente imutável.
(ler mais...)


Plano de Nacional de Investimentos: lamúria geral, só Abrantes está feliz »  2020-11-05 

O Plano Nacional de Investimentos que o Governo apresentou deixa a Chamusca revoltada, Santarém queixa-se, o PCP diz que os principais investimentos ficam por fazer, o PSD diz mais ou menos o mesmo. O PS distrital está satisfeito, Abrantes rejubila com uma nova ponte à porta.
(ler mais...)


Estrada que liga Entroncamento a Riachos está como nova »  2020-11-04 

Apesar de já estar ao serviço há algumas semanas, a estrada municipal 1179, que liga Entroncamento a Riachos, foi formalmente reinaugurada  esta quarta-feira, dia 4 de Outubro. Os presidentes de câmara do Entroncamento e Torres Novas, ambos eleitos pelo PS, e os presidentes de junta de Riachos e das duas freguesias do Entroncamento, foram ver a obra e teceram elogios ao trabalho realizado.
(ler mais...)


Hospitais da CHMT: visitas só aos domingos »  2020-10-28 

O conselho de administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo decidiu restringir o número de dias por semana em que é possível fazer visita a doentes internados. Assim passa a ser permitida apenas uma visita semanal por doente, visita essa que será restrita ao dia de Domingo.
(ler mais...)


Empreendedorismo: Câmara monta presépio antes dos Santos »  2020-10-26 

Em pleno mês de Outubro, com dias de sol ainda a fazer lembrar o verão, a Câmara de Torres Novas já montou o presépio de Natal às portas da cidade, mais propriamente na rotunda dos Negréus.

É claro que ainda os Santos vêm a caminho e um presépio montado em meados de Outubro não deixa de surpreender.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-11-22  Morreu Fernando Duque Simões, proprietário da Fótica
»  2020-11-27  Bloco acusa Pedro Ferreira de esconder acção da Polícia Judicária nos serviços municipais
»  2020-11-06  EDITORIAL: Um crime contra o património cultural será sempre um crime contra o património cultural
»  2020-11-05  Plano de Nacional de Investimentos: lamúria geral, só Abrantes está feliz
»  2020-11-04  Estrada que liga Entroncamento a Riachos está como nova