• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 18 Junho 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 22° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Dom.
 23° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 20° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 14°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Nova farmácia: vereador alvo de queixa-crime por alegado favorecimento e abuso de poder

Sociedade  »  2020-09-12 

Urbanismo em Torres Novas, cada tiro cada melro

O vice-presidente da Câmara de Torres Novas é o alvo de uma queixa crime apresentada pelos patronos de uma farmácia de Torres Novas, que se considera vítima de favorecimento em favor de uma concorrente, no âmbito do processo de licenciamento de mais uma farmácia na cidade, onde já existem 7 farmácias.

O processo é antigo: em Outubro passado, a câmara de Torres Novas, a pedido do INFARMED, entidade a quem compete, em última instância, a autorização de abertura de novas farmácias, aprovava um parecer favorável à deslocalização da farmácia de Alcorochel para o edifício Beira-Rio, na cidade.

O parecer teve os votos contra da oposição, pois já na altura havia dúvidas quanto a alguns aspectos do processo administrativo da Câmara que havia emitido uma certidão à farmácia de Alcorochel, para que esta se pudesse candidatar à deslocalização para a cidade, sabendo-se que a farmácia Central teria solicitado uma mesma certidão em data anterior. Já ficara claro, nessa altura, o contencioso que rodeava o processo.

A posição das restantes farmácias sediadas na cidade também era claramente contra o parecer da Câmara, já que as sete farmácias existentes em Torres Novas colocam a cidade no maior rácio farmácia / n.º de habitantes, a romper praticamente o limite legal.

Em Dezembro o INFARMED voltou à carga, não satisfeito com a justificação da maioria socialista ao seu parecer favorável de Outubro. Em nova inquirição à autarquia, o INFARMED, entre outras razões, não aceitava como argumento o facto de em Alcorochel vir a ser instalado um depósito de farmácia, em contra-ponto à saída da farmácia, porque, dizia aquela organização, naquele momento já não era possível tal iniciativa e que, portanto, essa possibilidade não podia ser tida em conta.
Surda e muda às reservas do INFARMED, ao facto de aquela zona rural do concelho ficar sem farmácia, às estatísticas, à posição unânime das farmácias da cidade e aos votos contra da oposição, a maioria socialista seguiu em frente, confirmou o parecer favorável à deslocalização da farmácia de Alcorochel para o Beira-Rio. A oposição, PSD e Bloco, votou contra, mas a farmácia em Alcorochel parecia ter mesmo o destino traçado.

INFARMED insiste e pergunta
Mas ao assunto não morreria ali. O INFARMED voltou à carga, ainda não satisfeito com os argumentos da maioria socialista. Nesta nova inquirição à Câmara de Torres Novas, para que reavaliasse o seu parecer, o INFARMED começa por fazer notar que, ouvindo as partes em jogo, todas as pronúncias eram desfavoráveis à intenção da Câmara, menos a da maioria socialista. A organização junta à inquirição as pronúncias que pediu a todas as 7 farmácias de Torres Novas, que contestam com grande quantidade de

argumentos a posição camarária, a pronúncia que pediu à Comissão de Utentes da Saúde, também desfavorável, e perguntava claramente, em comunicação de 6 de Agosto, se apesar das pronúncias todas desfavoráveis, “a Câmara mantém o parecer positivo sobre a transferência da farmácia Inácio”, a farmácia de Alcorochel, para o edifício Beira-Rio, em Torres Novas.

O grande problema é que esta inquirição do INFARMED vem acompanhada das pronúncias das 7 farmácias, onde se fazem valer os seus argumentos contra o parecer da Câmara, mas a novidade vem do facto de uma das farmácias, a que se diz prejudicada por ter solicitado a certidão em data anterior ao pedido da farmácia de Alcorochel, ter apresentado uma queixa-crime contra o vice-presidente da Câmara, Luís Silva, por alegado favorecimento e abuso de poder, envolvendo nessa queixa duas funcionárias do município.
O processo, interposto no DIAP do Tribunal Judicial de Santarém, está obviamente em segredo de justiça, mas os patronos da acção recordam, no documento enviado ao INFARMED e à câmara, que o processo crime está em fase de autuação e nele “são visados o vice-presidente da câmara e duas funcionárias da mesma câmara” e que constitui objecto da investigação “a (inusitada) dualidade de tratamento e de critérios seguidos em dois processos de certidão camarária”. Os advogados do queixoso explicam que “a intervenção administrativa camarária neste processo foi objecto de denúncia criminal, por suspeitas de favorecimento intencional e indevido da Farmácia Inácio, em detrimento dos interesses da Farmácia Central.

Registe que Luís Silva e as duas funcionárias em causa não estão ainda acusados de nada. Só o Ministério Público decidirá, depois da fase de inquérito, se há matéria para acusação e julgamento. Até lá, é apenas o queixoso que, nos termos da queixa-crime, os acusa de práticas e factos que só a justiça poderá avaliar. Para os detentores de cargos políticos, as molduras penais relacionadas com favorecimento e prevaricação são significativas e vão de um a cinco anos de prisão e perda de mandato, conforme as situações.

Uma história com barbas
Tudo isto, nomeadamente as dúvidas quanto a alguns aspectos do processo que conduziu à certidão passada à farmácia de Alcorochel, já era sabido há muitos meses, afinal logo de início, exactamente nos termos em que agora os advogados põem o assunto em letra mais redonda: que tudo se evidencia “confrontando-se com os tempos de apreciação e decisão do pedido formulado pela Farmácia Inácio, com os tempos de apreciação e decisão de idêntico pedido apresentado, em momento anterior, pela Farmácia Central”.

A firma de advogados que representa o queixoso faz notar que o processo crime se encontra ainda em fase de inquérito, mas os factos nele apurados e a conclusões que nele vierem a estabelecer-se “não deixarão de ter relevância e impacto no âmbito do processo administrativo”.

Isto porque, se vier a confirmar-se o núcleo dos factos, a certidão dada pela Câmara à farmácia Inácio, “está viciada de origem por ilícitos de natureza penal (em particular, prevaricação e abuso de poder)”, dizem ainda.

Com todo este cenário complicado, a maioria socialista fez finca-pé, e na sua reunião da passada semana, dia 1 de Setembro, recusou-se a reavaliar o seu parecer, mantendo-o, apesar dos apelos da oposição.

A arte de assobiar para o lado
No parecer dos serviços jurídicos da câmara, a defender que o executivo não devia reavaliar o parecer como pedia o INFARMED, em retórica simplória e a empurrar com a barriga para a frente o assunto principal, omitindo-o, diz-se que “não foi propugnado pelo INFARMED que exista alguma modificação dos elementos existentes no procedimento ou que a novidade dos elementos seja substancialmente relevante”. Isto é, para os serviços jurídicos do município, a queixa crime, incidindo num vereador e duas funcionárias, não introduz nenhuma modificação dos elementos dos procedimentos. E que, na hipótese de a queixa obter viabilidade e se provarem os factos, anulando a certidão camarária, com as consequências criminais que ainda possam advir, nada disso é “uma novidade substancialmente relevante”.

O INFARMED é que pelos vistos acha que é. Ou assim parece. E por isso pediu à câmara para reapreciar a sua posição. O JT contactou o INFARMED no sentido de saber se, perante este cenário, aquele organismo vai aceitar definitivamente o parecer camarário e atribuir a autorização de deslocalização da farmácia de Alcorochel para a cidade, mas táe ao fecho da edição não chegou nenhuma resposta.

Caso tudo decorra como pretende a Câmara, cujo parecer é vinculativo, e o INFARMED dê mesmo luz verde à mudança da farmácia de Alcorochel para o Beira-Rio, e caso mais tarde os tribunais venham a provar os factos constantes da queixa-crime, a pesada indemnização que venha a ser pedida pelos prejudicados recairá sobre os visados na queixa-crime.

João Quaresma: “Câmara devia reflectir”
“É nosso entendimento que a câmara municipal de Torres Novas, devia, no mínimo, reflectir sobre os argumentos que fundamentaram a decisão de autorizar a transferência da farmácia de Alcorochel para a cidade de Torres Novas”, que foram expostos pelo vice-presidente da Câmara na reunião do passado dia 16 de Dezembro, “argumentos estes, aliás, que são fácil e integralmente desmontados pela defesa que as restantes farmácias de Torres Novas apresentaram junto do INFARMED” – disse o vereador do PSD na reunião.
Contrariamente ao parecer dos serviços, o vereador defende que a Câmara se devia pronunciar quanto à matéria constante do projecto de decisão do INFARMED e das pronuncias efectuadas pelas restantes farmácias de Torres Novas. “Na verdade, estas colocam em causa a decisão da câmara e a sua fundamentação” – remata Quaresma.

Helena Pinto: “A situação mudou”
O BE entende que a Câmara deveria aproveitar esta oportunidade proporcionada pelo INFARMED para alterar o seu parecer sobre a transferência da Farmácia de Alcorochel para a cidade e mantém a posição que defendeu sobre esta matéria, assim como os argumentos apresentados na altura. “Mas, já agora, importa dizer que existem novos argumentos, pois a situação mudou radicalmente. A pandemia evidenciou a necessidade da existência da farmácia fora da cidade. E não se utilize o argumento de que outras já saíram de outras freguesias. É certo, mas isso será mais uma razão para não repetir o erro”, diz a vereadora.
“Mas ainda existe outra situação que deveria levar o PS a uma posição mais ponderada – a queixa-crime contra o vice-presidente da Câmara por suspeitas de favorecimento intencional e indevido da Farmácia Inácio, em detrimento dos interesses da Farmácia Central”, conclui Helena Pinto.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Ribatejo e Oeste agora ou nunca, dizem CIMs »  2021-06-17 

No fecho da nossa edição de papel, na noite de terça-feira, não tinha ainda chegado às redacções a informação da realização da cerimónia de hoje, quinta-feira, em Santarém, em que os dirigentes das três Comunidades Intermunicipais (Lezíria, Médio Tejo e Oeste) iriam assinar um memorando de entendimento a exigir que as três unidades territoriais sejam aglutinadas numa única de nível superior (de 3 NUT III a uma NUT II), prefigurando uma futura região fora da actual grande Região de Lisboa e Vale do Tejo.
(ler mais...)


Crédito Agrícola tem “balcão 24” em Torres Novas »  2021-06-15 

A partir do dia 16 de Junho, a CCAM Ribatejo Norte e Tramagal passa a disponibilizar aos seus clientes um novo serviço bancário na agência de Torres Novas. O Balcão 24 é o serviço de self-service do Crédito Agrícola e faz parte do conjunto de serviços que compõem o sistema multicanal cujo objectivo é oferecer aos clientes um leque alternativo de canais de utilização, diz a instituição em comunicado de imprensa.
(ler mais...)


Renova lança higiénico Divine »  2021-06-14 

A Renova acaba de revelar o seu novo papel higiénico “Divine”, “direccionado a todos os que procuram um papel higiénico verdadeiramente ímpar, com elevado grau de maciez e suavidade para o conforto na sua utilização, sem descurar a preocupação com a redução do consumo de plástico de uso único, sendo embalado em papel reciclável e biodegradável”, diz comunicado de imprensa da empresa.
(ler mais...)


O rio Almonda e o futuro da RENOVA - João Carlos Lopes »  2021-06-05 

1.

A Fábrica de Papel do Almonda, hoje assumidamente RENOVA, foi constituída em 1939 e começou a laborar no dia 3 de Maio de 1940. No local, margem direita do rio Almonda frente à povoação de Moinho da Fonte, existira em tempos mais recuados uma primitiva fábrica de papel que captava a água do rio através de uma vala (ainda não havia qualquer represa), elevando-a para dentro do edifício fabril com uma tarambola, construída na grande empreitada de 1825, adjudicada a Francisco Lopes Marques, um mestre de obras de Torres Novas.
(ler mais...)


Autárquicas 2021: CDU avança com Guedelha para recuperar lugar na vereação »  2021-05-17 

Nuno Guedelha, de 45 anos, é o cabeça-de-lista da CDU à câmara municipal de Torres Novas nas próximas eleições autárquicas. Este é o quarto candidato conhecido, depois de Tiago Ferreira (PSD), Pedro Ferreira (PS) e António Rodrigues (independente).
(ler mais...)


Impotência institucional - carlos paiva »  2021-05-10 

Segundo noticia a TSF, a Agência Portuguesa do Ambiente multou a Fabrióleo em 400 mil euros e ordenou a demolição de várias edificações ilegais, incluindo uma ETAR, presentes naquela unidade industrial.
(ler mais...)


Nascente do rio Almonda: recuperação de casa junto à barragem vai valorizar o local »  2021-05-10 

Um projecto de recuperação de uma casa e sua envolvência junto à nascente do rio Almonda, propriedade particular de Natércia Torrinha, pode ajudar a tornar o local mais aprazível a quem o visita, já que se pretende, também, garantir o acesso às margens do rio.
(ler mais...)


Vexame: 20 milhões para o rio Nabão, 5 milhões para o Alviela, meio milhão para o Almonda »  2021-05-07 

É verdade que não passam de promessa do Governo para empurrar câmaras socialistas em ano de eleições. Mas mesmo no campeonato das promessas, Torres Novas é humilhada.

 Em meados de Abril, o Ministério do Ambiente anunciou querer travar a poluição do rio Nabão com um investimento de cerca de 20 milhões de euros, destinados a obras de infraestruturas de combate à poluição, cuja principal causa é atribuída à estação de tratamento de Seiça, no concelho de Ourém.
(ler mais...)


António Rodrigues vai a jogo: “Estou a concorrer só para presidente da Câmara” »  2021-05-04 

Candidata-se para vencer, não esconde, mas admite que não há vitórias antecipadas. Não concorre contra ninguém, apenas por amor a Torres Novas: “O movimento P’la Nossa Terra nasceu antes das autárquicas de 2017.
(ler mais...)


Tudo e mais alguma coisa sobre o jardim do Almonda Parque: 100 anos e muitas histórias »  2021-04-23 

Foi horta durante séculos, logo pegada à fábrica de chitas, depois “social club”, picadeiro da cavalaria, campo de jogos, recinto de feiras e mercados para ser trucidado por um parque de estacionamento. Na posta restante, fica agora um pequeno jardim.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-06-05  O rio Almonda e o futuro da RENOVA - João Carlos Lopes
»  2021-06-14  Renova lança higiénico Divine
»  2021-06-15  Crédito Agrícola tem “balcão 24” em Torres Novas
»  2021-06-17  Ribatejo e Oeste agora ou nunca, dizem CIMs