• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 20 Agosto 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 37° / 22°
Períodos nublados
Qui.
 38° / 22°
Céu limpo
Qua.
 37° / 18°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  33° / 14°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Aprovado o estudo prévio para a reabilitação da Levada/Caldeirão

Sociedade  »  2018-11-23 

Estacionamento passa de 62 lugares efectivos para apenas 16

É mais um dos projectos que fazem parte do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Torres Novas. O estudo prévio da primeira fase do projecto de reabilitação da Levada/Caldeirão (eles chama “Nogueiral”, ver caixa), foi aprovado em reunião camarária (13 de Novembro), contando com os votos favoráveis da maioria socialista, a abstenção do PSD e o voto contra da vereadora do Bloco de Esquerda.

O projecto abrange a zona da antiga levada (hoje parte dela subterrânea), desde a rotunda do hospital velho até ao Largo José Lopes dos Santos (“largo do Teatro Virgínia”), o laranjal fronteiro ao quartel novo dos bombeiros, parte da avenida dos Bombeiros Voluntários e a rua do Caldeirão, numa área de aproximadamente 10 mil metros quadrados e visa, genericamente, “criar novas zonas verdes e zonas exteriores para eventos culturais de pequena e média dimensão”, bem como “valorizar a circulação pedonal e melhorar as zonas urbanas de fruição e lazer”, segundo diz a memória descritiva facultada pela autarquia torrejana.

“A zona em estudo é determinante ao nível dos diferentes equipamentos urbanos aqui localizados: o Teatro Virgínia, os Bombeiros Voluntários de Torres Novas, o Montepio Nossa Senhora da Nazaré, o “Edifício StartUp” (baptismo católico, certamente), o Centro Comercial, o centro cultural da antiga central hidroeléctrica e o antigo hospital”, diz ainda a nota, sem explicar por que razão ou em relação a quê “é determinante”.

O estudo contempla a criação do “Jardim das Laranjeiras” na zona do actual laranjal, para uso público, prevê melhoramentos ao nível da circulação pedonal na zona entre a Avenida Dr. João Martins de Azevedo, Rua dos Bombeiros e a Rua do Bom Amor.

A Rua do Caldeirão ficará condicionada apenas a trânsito de serviço e emergência e o edifício da antiga central hidroelétrica é para ser transformado num espaço “para fins didático-culturais”. Na Avenida dos Bombeiros Voluntários, o projecto prevê “a correcção do traçado e reperfilamento para oito metros de largura” e o “largo do Virgínia” é para ser transformado “numa praça urbana”.  O custo destes projectos ronda meio milhão de euros.

O aspecto mais polémico deste estúdio prévio (ainda não é o projecto e pode ser sujeito a alterações), diz respeito ao estacionamento. Actualmente, estão disponíveis 62 lugares efectivos e organizados (e não “caóticos”, como diz a memória descritiva) e o estudo prevê que fiquem apenas 16, o que faz antever bastantes dificuldades se pensarmos que o parque actual serve uma casa de espectáculos da dimensão e importância regional do teatro Virgínia.

Na reunião camarária o assunto mereceu algum debate, tendo a maioria socialista rejeitado um pedido da vereadora do Bloco de Esquerda para que o assunto fosse retirado para uma melhor análise, prerrogativa que assiste aos partidos da oposição e que já aconteceu em relação ao PSD. Por outro lado, não estava não processo a acta da comissão de análise, só entregue posteriormente a muito custo e não presente, igualmente, um relatório de uma reunião feita com técnicos do município para debater o processo, referida pelo vice-presidente, Luís Silva, que não a quis revelar.

Recorde-se que todos estes projectos do PEDU são elaborados à margem dos serviços municipais competentes e fora do escrutínio político da vereação camarária. Na reunião, o vereador do PSD, António Nobre (que substitui João Quaresma) disse, apenas que considerava que o ponto podia ser retirado, sem insistir, pediu “um estudo de tráfego ou trânsito realizado há anos” e absteve-se.

SOBRE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO, segundo os projectistas

 Para as adaptações propostas à circulação automóvel e estacionamento, o estudo contempla, segundo o projectista:

 A interface entre a Av. Dr. João Martins de Azevedo, Rua dos Bombeiros e a Rua do Bom Amor será melhorada pela implantação eficaz da rotunda com a circulação pedonal.

 A Rua do Caldeirão ficará condicionada apenas a trânsito de serviço e emergência promovendo-se a ligação com a Rua da Levada nos dois sentidos, como actualmente, e para trânsito local.

 Na Rua do Caldeirão, com a reconstrução para fins didático-culturais do edifício da antiga central hidroelétrica propõe-se transformar o espaço numa “rua sem carros”, “potenciando a vivência urbana”.

 No conjunto Avenida Dr. João Martins de Azevedo/Rotunda/Rua Do Bom Amor, propõe-se a resolução do trânsito na confluência das três vias através do redesenho da rotunda existente.

Na Avenida dos Bombeiros Voluntários, propõe-se a correcção do traçado e reperfilamento para 8.0 metros de largura de forma a permitir integrar a Praça do Teatro Virgínia e “laranjal”.

 A intervenção no Largo José Lopes dos Santos tem como objectivo primordial a criação de uma praça urbana constituindo uma nova  centralidade na Cidade de Torres Novas, acabando com os 62 lugares de estacionamento e reduzindo-os para 16.

ALGUMAS QUESTÕES COLOCADAS PELO BLOCO DE ESQUERDA

 Ignora o troço do rio nas traseiras do edifício Açude Real, mais uma vez o rio é desconsiderado. Porquê?

 Reduz a largura da avenida dos Bombeiros Voluntários para proporcionar estacionamento automóvel mesmo em frente ao Quartel dos Bombeiros e em curva – será isto uma boa prática?

 Rotunda: porquê alargar a rotunda para duas faixas? Este alargamento retira espaço ao passeio por onde circulam os peões e potencia o aumento da velocidade numa entrada da cidade

 Cobertura da levada: a reabilitação da central do Caldeirão prevê o retorno da água à levada, porquê tapá-la neste troço?

 A deslocação da estátua ao Bombeiro vai retirar espaço ao “laranjal” e fica mais escondida. Porque não mantê-la no mesmo local, mesmo sem o repuxo?

 Rua do Caldeirão: não nos parece muito adequado tanto espaço verde, que necessitará de manutenção no futuro e consumirá água, quando pode existir uma solução mais simples e enquadrada com o projecto da Central do Caldeirão

 Existem 2 zonas com contentores de resíduos (bastante feias) – mas não se encontra no projecto a previsão de locais de recolha de resíduos e até a possibilidade de instalação de “ilhas ecológicas” subterrâneas

 Será justo e equilibrado gastar mais de 500 mil euros, meio milhão de euros neste projecto? Tendo em conta as necessidades do concelho e as necessidades da cidade, não nos parece nada equilibrado.

 O Bloco de Esquerda lamenta a posição assumida pelo Partido Socialista que negou o pedido para que este assunto transitasse para outra reunião, assim como lamenta só ter tido acesso à documentação do CLDU praticamente no fim da reunião e pretende analisar a acta da reunião onde se debateu este estudo prévio e os contributos entregues pelo arquitecto Vassalo Rosa e pela arquitecta Leonor Calixto.

OS BOIS PELOS NOMES

 A área desta intervenção urbana estende-se desde o início da rotunda do hospital velho até ao largo José Lopes dos Santos. Esta é a zona da Levada, por nela correr a levada que vai até ao Caldeirão vinda do Açude Real e que ainda corre por baixo do alcatrão, desde o início do edifício Açude Real até entrar na velha central eléctrica. Aliás, a rua da Levada estendia-se, com este nome, até quase à actual rotunda, onde havia uma ponte e, do lado de lá do muro da rua, no actual “largo do Virgínia”, eram as hortas do Silva e do Amora. A seguir, o projecto estende-se pela rua do Caldeirão, na zona do Caldeirão. Pergunta-se: o que tem isto a ver com o “Nogueiral”? Nada. O Nogueiral é a zona que fica a nascente do actual parque de estacionamento do Almonda, onde está a rua com o mesmo nome. Pergunta-se então: por que chamaram “Nogueiral” à zona da Levada/Caldeirão? Porque na horta do Silva também havia duas ou três nogueiras há 70 anos? Não, foi por tonteira e descontracção natural, apenas. A mesma parvoíce que leva a que se insista em chamar “convento” a um edifício que foi construído, novinho em folha, para o hospital da Misericórdia em final do século XIX, já o convento tinha ido para os anjinhos há décadas. Mas não, não é por chamarem 500 vezes “convento” ao antigo hospital que ele passa a ser convento, nem o Nogueiral sai do sítio onde está. Leis da física, e contra isso, batatas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Torres Novas: manuais gratuitos para o 3.º CEB e secundário »  2019-08-15 

O executivo municipal aprovou por unanimidade o alargamento da distribuição gratuita de manuais escolares aos alunos do escalão A e B do 3.º CEB (ciclo do ensino básico) e ensino secundário.

“No âmbito das competências de acção social da câmara, já são comparticipados os cadernos de actividades aos alunos até ao 6.
(ler mais...)


Legislativas: mulheres chegam-se à frente na região mais marialva do antigamente »  2019-08-09 

No Ribatejo, aquele Ribatejo marialva de antigamente, já nada é o que era. Quatro dos cinco partidos com representação parlamentar no distrito, PS, PSD, CDS e Bloco apresentam mulheres como cabeças de lista às legislativas de Outubro.
(ler mais...)


Pias Longas: QUERCUS exige responsabilidades e arrasa autarquias »  2019-07-26 

A QUERCUS acaba de tomar posição sobre os aterros ilegais do aeródromo de Pias Longas e é contundente: faz notar que mesmo após o embargo da Câmara de Ourém, continuaram os aterros, que se traduzem no “grave atentado ambiental”.
(ler mais...)


Pias Longas: aterros já chegam aos caminhos e trilhos utilizados por população e desportistas »  2019-07-22 

 

Os aterros, constituídos por toneladas de pedras e terra, que pretendem alongar a pista do aeródromo de Pias Longas, na fronteira entre os concelho de Ourém e Torres Novas, continuam em marcha, apesar do alegado embargo decretado pela câmara de Ourém e da alegada comunicação da câmara de Torres Novas junto do município vizinho.
(ler mais...)


Olá cidade! »  2019-07-09 

Torres Novas comemorou ontem, dia 8 de Julho, mais um aniversário da elevação a cidade. Dias antes, terá havido em local apropriado mais uma jornada, mais uma, de apresentação de obras digitais. Milhões de flores entre as ruínas, como diz a canção.
(ler mais...)


Legislativas: PSD agastado, PS calado, Bloco rachado, PCP ao lado »  2019-07-06 

As listas dos candidatos às legislativas de Outubro, pelo distrito de Santarém, estão na ordem do dia e mobilizam as máquinas partidárias. São processos em que corre sempre algum sangue, com os contendores a evocarem “a vontade do povo”, “o povo do distrito” e outros argumentos patéticos para justificar intenções, vontade e decisões, quando elas passam e só, pela arregimentação de militantes.
(ler mais...)


Judite Gonçalves, proprietária de loja de ferragens no largo da botica: “Vim para ficar, pelo menos mais trinta anos” »  2019-07-04 

Judite Gonçalves tem 50 anos e é natural de Tomar, embora viva desde sempre no concelho de Torres Novas. Filha de pai outeirense e mãe moreirense, há 30 anos que reside no Outeiro Pequeno. Nunca antes

Um ramo de flores vermelhas no balcão recebe-nos quando entramos e vemos que alguma coisa mudou por ali.
(ler mais...)


Petição pelo fim imediato e definitivo dos aterros no aeródromo de Pias Longas »  2019-06-30 

Corre na net e tem já dezenas de subscritores uma petição pública exigindo o fim imediato e definitivo dos aterros no “aeródromo de Pias Longas”, um projecto implantado na fronteira entre os concelhos de Ourém e Torres Novas, no caso do município torrejano em território da freguesia de Chancelaria, próximo do Senhor da Serra e dos Moinhos da Pena.
(ler mais...)


Catarina Picton Santos: “Manter viva esta escola é uma homenagem à minha mãe” »  2019-06-21 

Esta não é a história de uma mulher num lugar outrora reservado a homens. É muito mais do que isso.
É a história de uma mulher, de um exemplo, de um legado e das mulheres que a sucedem.
(ler mais...)


Aterro do aeródromo continua perante a passividade da maioria socialista »  2019-06-09 

Aquilo que poderá ser um enorme atentado ecológico contra o território do concelho, continua como se nada fosse. Num mês, mais algumas toneladas foram acrescentadas ao aterro do alegado aeródromo de Pias Longas.

O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém, entrou agora muito mais de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de mais de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-07-26  Pias Longas: QUERCUS exige responsabilidades e arrasa autarquias
»  2019-07-22  Pias Longas: aterros já chegam aos caminhos e trilhos utilizados por população e desportistas
»  2019-08-09  Legislativas: mulheres chegam-se à frente na região mais marialva do antigamente
»  2019-08-15  Torres Novas: manuais gratuitos para o 3.º CEB e secundário