• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 24 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 22° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 22° / 6°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Aprovado o estudo prévio para a reabilitação da Levada/Caldeirão

Sociedade  »  2018-11-23 

Estacionamento passa de 62 lugares efectivos para apenas 16

É mais um dos projectos que fazem parte do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Torres Novas. O estudo prévio da primeira fase do projecto de reabilitação da Levada/Caldeirão (eles chama “Nogueiral”, ver caixa), foi aprovado em reunião camarária (13 de Novembro), contando com os votos favoráveis da maioria socialista, a abstenção do PSD e o voto contra da vereadora do Bloco de Esquerda.

O projecto abrange a zona da antiga levada (hoje parte dela subterrânea), desde a rotunda do hospital velho até ao Largo José Lopes dos Santos (“largo do Teatro Virgínia”), o laranjal fronteiro ao quartel novo dos bombeiros, parte da avenida dos Bombeiros Voluntários e a rua do Caldeirão, numa área de aproximadamente 10 mil metros quadrados e visa, genericamente, “criar novas zonas verdes e zonas exteriores para eventos culturais de pequena e média dimensão”, bem como “valorizar a circulação pedonal e melhorar as zonas urbanas de fruição e lazer”, segundo diz a memória descritiva facultada pela autarquia torrejana.

“A zona em estudo é determinante ao nível dos diferentes equipamentos urbanos aqui localizados: o Teatro Virgínia, os Bombeiros Voluntários de Torres Novas, o Montepio Nossa Senhora da Nazaré, o “Edifício StartUp” (baptismo católico, certamente), o Centro Comercial, o centro cultural da antiga central hidroeléctrica e o antigo hospital”, diz ainda a nota, sem explicar por que razão ou em relação a quê “é determinante”.

O estudo contempla a criação do “Jardim das Laranjeiras” na zona do actual laranjal, para uso público, prevê melhoramentos ao nível da circulação pedonal na zona entre a Avenida Dr. João Martins de Azevedo, Rua dos Bombeiros e a Rua do Bom Amor.

A Rua do Caldeirão ficará condicionada apenas a trânsito de serviço e emergência e o edifício da antiga central hidroelétrica é para ser transformado num espaço “para fins didático-culturais”. Na Avenida dos Bombeiros Voluntários, o projecto prevê “a correcção do traçado e reperfilamento para oito metros de largura” e o “largo do Virgínia” é para ser transformado “numa praça urbana”.  O custo destes projectos ronda meio milhão de euros.

O aspecto mais polémico deste estúdio prévio (ainda não é o projecto e pode ser sujeito a alterações), diz respeito ao estacionamento. Actualmente, estão disponíveis 62 lugares efectivos e organizados (e não “caóticos”, como diz a memória descritiva) e o estudo prevê que fiquem apenas 16, o que faz antever bastantes dificuldades se pensarmos que o parque actual serve uma casa de espectáculos da dimensão e importância regional do teatro Virgínia.

Na reunião camarária o assunto mereceu algum debate, tendo a maioria socialista rejeitado um pedido da vereadora do Bloco de Esquerda para que o assunto fosse retirado para uma melhor análise, prerrogativa que assiste aos partidos da oposição e que já aconteceu em relação ao PSD. Por outro lado, não estava não processo a acta da comissão de análise, só entregue posteriormente a muito custo e não presente, igualmente, um relatório de uma reunião feita com técnicos do município para debater o processo, referida pelo vice-presidente, Luís Silva, que não a quis revelar.

Recorde-se que todos estes projectos do PEDU são elaborados à margem dos serviços municipais competentes e fora do escrutínio político da vereação camarária. Na reunião, o vereador do PSD, António Nobre (que substitui João Quaresma) disse, apenas que considerava que o ponto podia ser retirado, sem insistir, pediu “um estudo de tráfego ou trânsito realizado há anos” e absteve-se.

SOBRE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO, segundo os projectistas

 Para as adaptações propostas à circulação automóvel e estacionamento, o estudo contempla, segundo o projectista:

 A interface entre a Av. Dr. João Martins de Azevedo, Rua dos Bombeiros e a Rua do Bom Amor será melhorada pela implantação eficaz da rotunda com a circulação pedonal.

 A Rua do Caldeirão ficará condicionada apenas a trânsito de serviço e emergência promovendo-se a ligação com a Rua da Levada nos dois sentidos, como actualmente, e para trânsito local.

 Na Rua do Caldeirão, com a reconstrução para fins didático-culturais do edifício da antiga central hidroelétrica propõe-se transformar o espaço numa “rua sem carros”, “potenciando a vivência urbana”.

 No conjunto Avenida Dr. João Martins de Azevedo/Rotunda/Rua Do Bom Amor, propõe-se a resolução do trânsito na confluência das três vias através do redesenho da rotunda existente.

Na Avenida dos Bombeiros Voluntários, propõe-se a correcção do traçado e reperfilamento para 8.0 metros de largura de forma a permitir integrar a Praça do Teatro Virgínia e “laranjal”.

 A intervenção no Largo José Lopes dos Santos tem como objectivo primordial a criação de uma praça urbana constituindo uma nova  centralidade na Cidade de Torres Novas, acabando com os 62 lugares de estacionamento e reduzindo-os para 16.

ALGUMAS QUESTÕES COLOCADAS PELO BLOCO DE ESQUERDA

 Ignora o troço do rio nas traseiras do edifício Açude Real, mais uma vez o rio é desconsiderado. Porquê?

 Reduz a largura da avenida dos Bombeiros Voluntários para proporcionar estacionamento automóvel mesmo em frente ao Quartel dos Bombeiros e em curva – será isto uma boa prática?

 Rotunda: porquê alargar a rotunda para duas faixas? Este alargamento retira espaço ao passeio por onde circulam os peões e potencia o aumento da velocidade numa entrada da cidade

 Cobertura da levada: a reabilitação da central do Caldeirão prevê o retorno da água à levada, porquê tapá-la neste troço?

 A deslocação da estátua ao Bombeiro vai retirar espaço ao “laranjal” e fica mais escondida. Porque não mantê-la no mesmo local, mesmo sem o repuxo?

 Rua do Caldeirão: não nos parece muito adequado tanto espaço verde, que necessitará de manutenção no futuro e consumirá água, quando pode existir uma solução mais simples e enquadrada com o projecto da Central do Caldeirão

 Existem 2 zonas com contentores de resíduos (bastante feias) – mas não se encontra no projecto a previsão de locais de recolha de resíduos e até a possibilidade de instalação de “ilhas ecológicas” subterrâneas

 Será justo e equilibrado gastar mais de 500 mil euros, meio milhão de euros neste projecto? Tendo em conta as necessidades do concelho e as necessidades da cidade, não nos parece nada equilibrado.

 O Bloco de Esquerda lamenta a posição assumida pelo Partido Socialista que negou o pedido para que este assunto transitasse para outra reunião, assim como lamenta só ter tido acesso à documentação do CLDU praticamente no fim da reunião e pretende analisar a acta da reunião onde se debateu este estudo prévio e os contributos entregues pelo arquitecto Vassalo Rosa e pela arquitecta Leonor Calixto.

OS BOIS PELOS NOMES

 A área desta intervenção urbana estende-se desde o início da rotunda do hospital velho até ao largo José Lopes dos Santos. Esta é a zona da Levada, por nela correr a levada que vai até ao Caldeirão vinda do Açude Real e que ainda corre por baixo do alcatrão, desde o início do edifício Açude Real até entrar na velha central eléctrica. Aliás, a rua da Levada estendia-se, com este nome, até quase à actual rotunda, onde havia uma ponte e, do lado de lá do muro da rua, no actual “largo do Virgínia”, eram as hortas do Silva e do Amora. A seguir, o projecto estende-se pela rua do Caldeirão, na zona do Caldeirão. Pergunta-se: o que tem isto a ver com o “Nogueiral”? Nada. O Nogueiral é a zona que fica a nascente do actual parque de estacionamento do Almonda, onde está a rua com o mesmo nome. Pergunta-se então: por que chamaram “Nogueiral” à zona da Levada/Caldeirão? Porque na horta do Silva também havia duas ou três nogueiras há 70 anos? Não, foi por tonteira e descontracção natural, apenas. A mesma parvoíce que leva a que se insista em chamar “convento” a um edifício que foi construído, novinho em folha, para o hospital da Misericórdia em final do século XIX, já o convento tinha ido para os anjinhos há décadas. Mas não, não é por chamarem 500 vezes “convento” ao antigo hospital que ele passa a ser convento, nem o Nogueiral sai do sítio onde está. Leis da física, e contra isso, batatas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)


João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre »  2019-02-09 

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas.
(ler mais...)


Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre »  2019-02-07 

Um grupo de moradores do Carreiro da Areia esteve presente na reunião camarária de terça-feira, em protesto contra a poluição e os efeitos que se fazem sentir na aldeia. Já há quem tenha abandonado a povoação, mas nem as casas se conseguem vender.
(ler mais...)


Rodoviária em greve »  2019-02-04 

Decorre hoje, dia 4 de Fevereiro, e amanhã, dia 5 de Fevereiro, as greves convocadas pelo STRUP para as Rodoviárias do Tejo, do Lis e Oeste.
“Apesar das mentiras e manobras dissuasoras que as administrações foram divulgando na semana que antecedeu à greve, mais uma vez o balanço da greve é bastante positivo neste primeiro dia de luta, tendo a adesão sido  esmagadora entre os motoristas com vínculos de trabalho não precários, aos quais se juntaram alguns trabalhadores com vínculos precários tradicionalmente usados pelas administrações das empresas para justificar falsos números de adesão à greve”, diz comunicado da estrutura sindical chegado às redacções.
(ler mais...)


Ribatejo foi outra vez fintado »  2019-01-30 

A auto-estrada A13, que visa ligar a Marateca a Coimbra e também unir o Ribatejo pelo seu interior, está há anos parada às portas de Almeirim enquanto não há a nova ponte junto à Chamusca para ligar a via ao nó da Atalaia.
(ler mais...)


Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito” »  2019-01-28 

 

 Liliana Domingos tem 39 anos, é natural da Meia Via e trabalha há 19 anos como operadora especializada, no “Recheio”. Aos 14, deu os primeiros passos numa das suas muitas paixões, a rádio, e três anos depois pisou um palco pela primeira vez, integrando o elenco de “O Despertar da Primavera”, uma peça de Frank Wedekind levada a cena pelo Teatro Meia Via.
(ler mais...)


Joana Pintassilgo, técnica de informática: “Já não se nota tanto o desconforto dos homens na relação profissional” »  2019-01-21 

 

Joana da Silva Pintassilgo tem 41 anos e é natural de Torres Novas. Formou-se como técnica profissional especializada em tecnologias de informação e comunicação. Isto, há vinte anos, numa altura em que não era usual encontrar muitas mulheres na informática.
(ler mais...)


Torres Novas: regressão demográfica ameaça coesão do concelho como a conhecemos »  2019-01-17 

Até aqui pensava-se que Torres Novas iria resistir à regressão demográfica, já clara há uns anos, de concelhos como Tomar e Abrantes, com grandes zonas “rurais”, para não falar de outros cujo cenário é catastrófico.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-02-09  João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre
»  2019-02-21  A Tasca: nova vida com Paulo Emílio
»  2019-01-28  Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”
»  2019-01-30  Ribatejo foi outra vez fintado
»  2019-02-07  Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre