• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 15 Dezembro 2018    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 16° / 4°
Céu nublado com chuva moderada
Seg.
 14° / 5°
Períodos nublados
Dom.
 16° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  17° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Aprovado o estudo prévio para a reabilitação da Levada/Caldeirão

Sociedade  »  2018-11-23 

Estacionamento passa de 62 lugares efectivos para apenas 16

É mais um dos projectos que fazem parte do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Torres Novas. O estudo prévio da primeira fase do projecto de reabilitação da Levada/Caldeirão (eles chama “Nogueiral”, ver caixa), foi aprovado em reunião camarária (13 de Novembro), contando com os votos favoráveis da maioria socialista, a abstenção do PSD e o voto contra da vereadora do Bloco de Esquerda.

O projecto abrange a zona da antiga levada (hoje parte dela subterrânea), desde a rotunda do hospital velho até ao Largo José Lopes dos Santos (“largo do Teatro Virgínia”), o laranjal fronteiro ao quartel novo dos bombeiros, parte da avenida dos Bombeiros Voluntários e a rua do Caldeirão, numa área de aproximadamente 10 mil metros quadrados e visa, genericamente, “criar novas zonas verdes e zonas exteriores para eventos culturais de pequena e média dimensão”, bem como “valorizar a circulação pedonal e melhorar as zonas urbanas de fruição e lazer”, segundo diz a memória descritiva facultada pela autarquia torrejana.

“A zona em estudo é determinante ao nível dos diferentes equipamentos urbanos aqui localizados: o Teatro Virgínia, os Bombeiros Voluntários de Torres Novas, o Montepio Nossa Senhora da Nazaré, o “Edifício StartUp” (baptismo católico, certamente), o Centro Comercial, o centro cultural da antiga central hidroeléctrica e o antigo hospital”, diz ainda a nota, sem explicar por que razão ou em relação a quê “é determinante”.

O estudo contempla a criação do “Jardim das Laranjeiras” na zona do actual laranjal, para uso público, prevê melhoramentos ao nível da circulação pedonal na zona entre a Avenida Dr. João Martins de Azevedo, Rua dos Bombeiros e a Rua do Bom Amor.

A Rua do Caldeirão ficará condicionada apenas a trânsito de serviço e emergência e o edifício da antiga central hidroelétrica é para ser transformado num espaço “para fins didático-culturais”. Na Avenida dos Bombeiros Voluntários, o projecto prevê “a correcção do traçado e reperfilamento para oito metros de largura” e o “largo do Virgínia” é para ser transformado “numa praça urbana”.  O custo destes projectos ronda meio milhão de euros.

O aspecto mais polémico deste estúdio prévio (ainda não é o projecto e pode ser sujeito a alterações), diz respeito ao estacionamento. Actualmente, estão disponíveis 62 lugares efectivos e organizados (e não “caóticos”, como diz a memória descritiva) e o estudo prevê que fiquem apenas 16, o que faz antever bastantes dificuldades se pensarmos que o parque actual serve uma casa de espectáculos da dimensão e importância regional do teatro Virgínia.

Na reunião camarária o assunto mereceu algum debate, tendo a maioria socialista rejeitado um pedido da vereadora do Bloco de Esquerda para que o assunto fosse retirado para uma melhor análise, prerrogativa que assiste aos partidos da oposição e que já aconteceu em relação ao PSD. Por outro lado, não estava não processo a acta da comissão de análise, só entregue posteriormente a muito custo e não presente, igualmente, um relatório de uma reunião feita com técnicos do município para debater o processo, referida pelo vice-presidente, Luís Silva, que não a quis revelar.

Recorde-se que todos estes projectos do PEDU são elaborados à margem dos serviços municipais competentes e fora do escrutínio político da vereação camarária. Na reunião, o vereador do PSD, António Nobre (que substitui João Quaresma) disse, apenas que considerava que o ponto podia ser retirado, sem insistir, pediu “um estudo de tráfego ou trânsito realizado há anos” e absteve-se.

SOBRE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO, segundo os projectistas

 Para as adaptações propostas à circulação automóvel e estacionamento, o estudo contempla, segundo o projectista:

 A interface entre a Av. Dr. João Martins de Azevedo, Rua dos Bombeiros e a Rua do Bom Amor será melhorada pela implantação eficaz da rotunda com a circulação pedonal.

 A Rua do Caldeirão ficará condicionada apenas a trânsito de serviço e emergência promovendo-se a ligação com a Rua da Levada nos dois sentidos, como actualmente, e para trânsito local.

 Na Rua do Caldeirão, com a reconstrução para fins didático-culturais do edifício da antiga central hidroelétrica propõe-se transformar o espaço numa “rua sem carros”, “potenciando a vivência urbana”.

 No conjunto Avenida Dr. João Martins de Azevedo/Rotunda/Rua Do Bom Amor, propõe-se a resolução do trânsito na confluência das três vias através do redesenho da rotunda existente.

Na Avenida dos Bombeiros Voluntários, propõe-se a correcção do traçado e reperfilamento para 8.0 metros de largura de forma a permitir integrar a Praça do Teatro Virgínia e “laranjal”.

 A intervenção no Largo José Lopes dos Santos tem como objectivo primordial a criação de uma praça urbana constituindo uma nova  centralidade na Cidade de Torres Novas, acabando com os 62 lugares de estacionamento e reduzindo-os para 16.

ALGUMAS QUESTÕES COLOCADAS PELO BLOCO DE ESQUERDA

 Ignora o troço do rio nas traseiras do edifício Açude Real, mais uma vez o rio é desconsiderado. Porquê?

 Reduz a largura da avenida dos Bombeiros Voluntários para proporcionar estacionamento automóvel mesmo em frente ao Quartel dos Bombeiros e em curva – será isto uma boa prática?

 Rotunda: porquê alargar a rotunda para duas faixas? Este alargamento retira espaço ao passeio por onde circulam os peões e potencia o aumento da velocidade numa entrada da cidade

 Cobertura da levada: a reabilitação da central do Caldeirão prevê o retorno da água à levada, porquê tapá-la neste troço?

 A deslocação da estátua ao Bombeiro vai retirar espaço ao “laranjal” e fica mais escondida. Porque não mantê-la no mesmo local, mesmo sem o repuxo?

 Rua do Caldeirão: não nos parece muito adequado tanto espaço verde, que necessitará de manutenção no futuro e consumirá água, quando pode existir uma solução mais simples e enquadrada com o projecto da Central do Caldeirão

 Existem 2 zonas com contentores de resíduos (bastante feias) – mas não se encontra no projecto a previsão de locais de recolha de resíduos e até a possibilidade de instalação de “ilhas ecológicas” subterrâneas

 Será justo e equilibrado gastar mais de 500 mil euros, meio milhão de euros neste projecto? Tendo em conta as necessidades do concelho e as necessidades da cidade, não nos parece nada equilibrado.

 O Bloco de Esquerda lamenta a posição assumida pelo Partido Socialista que negou o pedido para que este assunto transitasse para outra reunião, assim como lamenta só ter tido acesso à documentação do CLDU praticamente no fim da reunião e pretende analisar a acta da reunião onde se debateu este estudo prévio e os contributos entregues pelo arquitecto Vassalo Rosa e pela arquitecta Leonor Calixto.

OS BOIS PELOS NOMES

 A área desta intervenção urbana estende-se desde o início da rotunda do hospital velho até ao largo José Lopes dos Santos. Esta é a zona da Levada, por nela correr a levada que vai até ao Caldeirão vinda do Açude Real e que ainda corre por baixo do alcatrão, desde o início do edifício Açude Real até entrar na velha central eléctrica. Aliás, a rua da Levada estendia-se, com este nome, até quase à actual rotunda, onde havia uma ponte e, do lado de lá do muro da rua, no actual “largo do Virgínia”, eram as hortas do Silva e do Amora. A seguir, o projecto estende-se pela rua do Caldeirão, na zona do Caldeirão. Pergunta-se: o que tem isto a ver com o “Nogueiral”? Nada. O Nogueiral é a zona que fica a nascente do actual parque de estacionamento do Almonda, onde está a rua com o mesmo nome. Pergunta-se então: por que chamaram “Nogueiral” à zona da Levada/Caldeirão? Porque na horta do Silva também havia duas ou três nogueiras há 70 anos? Não, foi por tonteira e descontracção natural, apenas. A mesma parvoíce que leva a que se insista em chamar “convento” a um edifício que foi construído, novinho em folha, para o hospital da Misericórdia em final do século XIX, já o convento tinha ido para os anjinhos há décadas. Mas não, não é por chamarem 500 vezes “convento” ao antigo hospital que ele passa a ser convento, nem o Nogueiral sai do sítio onde está. Leis da física, e contra isso, batatas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Chamusca: município promove saúde oral nas escolas »  2018-12-14 


O Município da Chamusca, em parceria com a Biblioteca Escolar e com a Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC Chamusca/Golegã), apresentou uma candidatura ao projeto “Escovar na Escola 2018/2019” com o projeto "Sorrisos Cintilantes" para atribuição de cerca de 400 Kits de higiene oral (copo, escova e dentífrico) a todas as crianças de educação pré-escolar e escolas 1º ciclo do Concelho, no âmbito do programa SOBE (Saúde Oral, Bibliotecas Escolares), informa nota da autarquia.
(ler mais...)


“Crescem flores onde estiveres - A vida de Joaquim Alberto contada pelo próprio", sábado, em Riachos »  2018-12-13 

 “Crescem flores onde estiveres – a vida de Joaquim Alberto contada pelo próprio” é o relato, na primeira pessoa, das mil vidas do ex-diácono católico, companheiro dos padres operários, revolucionário romântico, militante anti-fascista, membro da LUAR, exilado, preso político, cooperativista, animador de associações de emigrantes em França, amante das canções de Brel, amigo do Zeca, fundador da Comunal de Árgea, caçador de utopias, riachense antes e no fim de tudo – o título evoca uma canção do seu amigo Pedro Lobo Antunes (que mais tarde seria director do GAT e vereador na Câmara de Torres Novas) e que com ele, em finais de 1974, ergueu a experiência socialmente revolucionária que foi a cooperativa Comunal, na aldeia de Árgea, freguesia de Olaia deste concelho.
(ler mais...)


ENTREVISTA: Rosário Marcelino, primeira presidente da Banda Operária »  2018-12-11 

Rosário Marcelino, mulher, mãe, trabalhadora e presidente da BOT:

 “Com esta acumulação de funções alguém tem ficado para trás. E é sempre a família que fica

 Maria do Rosário Nalha Marcelino tem 50 anos, é natural da Chamusca e viveu em Lisboa até aos 17 anos, altura em que se mudou para Torres Novas.
(ler mais...)


Renova apresenta livro em Espanha sobre instalação com rolos de papela higiénico de 20 quilómetros »  2018-12-11 

   Com vídeo 

A Renova apresenta na próxima quinta-feira, dia 13, o livro “Explosão de Cor RAL 7”, na Escola de Design de Sevilha, uma obra que resulta do trabalho de uma equipa de professores e de estudantes do último curso de Design de Interiores.
(ler mais...)


Renova apresenta livro em Espanha sobre instalação com rolos de papela higiénico de 20 quilómetros »  2018-12-11 

A Renova apresenta na próxima quinta-feira, dia 13, o livro “Explosão de Cor RAL 7”, na Escola de Design de Sevilha, uma obra que resulta do trabalho de uma equipa de professores e de estudantes do último curso de Design de Interiores.
(ler mais...)


Ambiente: ProTejo prepara manifestação em defesa de activistas processados »  2018-12-11 

Ainda não se sabe bem como, nem quando, mas o movimento ProTejo pretende organizar uma manifestação em em defesa de activistas ambientais que enfrentam processos judiciais. Activistas que têm dado voz e o peito às balas relativamente a problemas ambientais, nomeadamente focos de poluição no rio Tejo e seus afluentes.
(ler mais...)


Alcanena: “Aquanena” deverá ser o nome da empresa municipal de águas e saneamento »  2018-12-11 

Depois de uma primeira tentativa falhada, a câmara e assembleia municipal de Alcanena aprovaram o nome da recém criada Empresa Municipal de Águas e Saneamento de Alcanena E.M., S.A.. Aquanena é o nome desta nova entidade jurídica, que aparece para fazer a gestão destes serviços que estavam entregues à Austra e Luságua.
(ler mais...)


Constância mantém qualidade de água “exemplar” »  2018-12-11 

O município de Constância mantém o selo de qualidade exemplar de água para consumo humano, atribuído pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), refere a autarquia em comunicado de imprensa.
(ler mais...)


Recolha de sangue em Parceiros de Igreja »  2018-12-11 

A Associação de Dadores de Sangue de Torres Novas, em colaboração com o motoclube “Os Marzias” de Parceiros de Igreja (Torres Novas), promove mais uma colheita de sangue no próximo dia 16 de Dezembro, entre as 9 e a 13 horas, na sede dos motards, em frente ao edifício da junta de freguesia.
(ler mais...)


Ponte da Bácora: obras ainda não começaram, mas custos já aumentaram 30% »  2018-12-10 

 

Mais de 120 mil euros (até ver) para uma ponte pedonal secundária parecem não comover a maioria socialista, que não encontra outras prioridades para gastar o dinheiro do município.

O projecto do PEDU para a zona da Bácora e respectiva ponte e para o que resta da margem do rio na antiga Horta das Pedras, onde pomposamente se quer instalar o “parque Almonda”, foi mote para alguma discussão na reunião camarária de 21 de Novembro.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2018-11-27  Morreu João Manuel Henriques (“Sapateiro”)
»  2018-11-23  Aprovado o estudo prévio para a reabilitação da Levada/Caldeirão
»  2018-11-15  Barquinha: “o valor do sal”
»  2018-11-21  Torres Novas: ministro do Ambiente assinou protocolos do Fundo Ambiental no antigo hospital
»  2018-11-23  O Almonda faz 100 anos sábado