• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O Partido Republicano (1)

Opinião  »  2014-10-03  »  Gabriel Feitor

É a primeira vez que colaboro com um periódico. Saúdo-vos, leitores e interessados na história local. Ao longo do tempo, tenho desenvolvido trabalho de investigação sobre a história de Alcanena e do seu actual termo. Apresento hoje uma introdução ao estudo que irá ser publicado semanalmente nesta crónica do Jornal Torrejano, acerca do impetuoso início do Partido Republicano Português (PRP) em Alcanena. Iremos ainda abordar a sua acção na localidade, assim como nas freguesias que viriam a formar o município em 1914.

Para enquadramento, teremos de abordar esta questão e reportá-la a um quadro nacional e internacional. Numa perspectiva conceptual, o século XIX foi o século do liberalismo – revoluções liberais defendidas por uma burguesia que se serviu da média e pequena burguesia urbana e rural, predominando o conceito de liberdade. O Partido Socialista Português (PSP), filiado na Internacional Socialista, é fundado em 1875. O PRP, conivente com acções do Partido Progressista e do PSP, foi fundado no ano subsequente, prevalecendo no seu ideário o conceito da igualdade. O PRP foi um partido de massas, tendencialmente burguês, mas aberto a todas as classes, com o objectivo de alcançar uma forte adesão.

O quadro em que Alcanena se insere durante esse período é curioso. Começa a preponderar, peculiarmente no período da Regeneração, uma elite de proprietários, negociantes e industriais na vida política do concelho. A sua influência nos principais órgãos de administração – câmara, administração do concelho, regedoria, julgado de paz, junta de paróquia, entre outros – protagonizada pelo rotativismo entre Regeneradores e Progressistas, é notada, na maioria dos acontecimentos e atitudes tomadas pelos alcanenenses, por um sentimento de autonomia perante a sua sede municipal. O que explica o boom das gentes de Alcanena na sociedade torrejana e nas várias mudanças já conhecidas? O quadro económico em que se vivia, devido à conjuntura internacional, explica-o. Segundo Oliveira Martins, a Regeneração foi o «o nome português do capitalismo».1

Voltaremos ao assunto, com os antecedentes e percursores do PRP em Alcanena.

1 MARTINS, Oliveira – Portugal Contemporâneo, Lisboa, Guimarães Editores, 1986. Vol. 2, p. 240.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?