• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 
 Últimos artigos por...

Maria Augusta Torcato

 

Boas intenções e boas ações »  2018-01-04 

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de ... (ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29 

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.

É uma classe tão importante e resistente que, ao longo dos tempos, não só não sofreu qualquer extinção, como se ... (ler mais...)


Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia? »  2017-11-15 

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.

Segundo a ciência, a capacidade de cheirar e sentir odores pode influenciar o humor e provocar sensaç&otild... (ler mais...)


Tubarões e mortos-vivos »  2017-02-01 

Ultimamente (infelizmente, nada que me surpreenda) temos assistido a comportamentos e atitudes tão surreais para o século XXI, que as anacronias são permanentes. Mas, o tipo de anacronia que se deteta é, quase sempre, a analepse. E o que é a analepse? É o recuo no tempo, ou seja, uma personagem-narrador revive, retorna ou reconstrói informações ou acontecimentos do passado e este t... (ler mais...)


Equilíbrio entre os pratos da balança: deceção e revolta »  2017-01-18 

Poder-se-ia pensar em algo positivo, quando se utiliza a palavra equilíbrio, mas, neste momento, o que sinto não se enquadra no campo semântico de “equilíbrio”. Esta ponderação apenas se revela na proporcionalidade entre a deceção e a revolta que me dominam, provocando um grande desequilíbrio interior. A relação é, até, de consequência: ... (ler mais...)


Carta para a pequenina e doce Alice »  2017-01-04 

Natal, 2016
Minha pequenina e doce Alice, este foi o teu primeiro Natal. O teu primeiro Natal connosco. A verdade é que foi no Natal do ano passado que te anunciaste, mas não sabíamos que eras tu. Agora já sabemos. E estamos todos, todinhos, muito felizes contigo.
Daqui a uns anos, quando puderes ler e entender, questionar-te-ás acerca do motivo que me levou a escrever-te quando tinhas apenas cinco ... (ler mais...)


E se fosse eu? Onde está o melhor de nós? »  2016-12-14 

Num mundo conturbado, em que nos invadem através dos meios de comunicação situações de crueldade, pobreza e misérias humanas, é estranho que haja tantas pessoas que parecem ficar indiferentes perante o sofrimento, em alguns casos extremo, de um ser seu semelhante, às vezes, apenas distante fisicamente, mas cuja distância deixa de existir quando as imagens se assenhoreiam dos nossos ... (ler mais...)


Toda a gente dá, toda a gente tira. Será? »  2016-11-30 

Nós cuidamos do mundo e o mundo cuida de nós. Tão simples. Tão linear. Então por que não é assim? Então por que é que o mundo está como está? E nós estamos como estamos? Nem nós nem o mundo estamos bem.

Há muito li, creio que em Vergílio Ferreira, uma afirmação, “Toda a gente dá e toda a gente tira”,... (ler mais...)


Presunção de saber ou simplesmente bazófia »  2016-11-02 

Sim, pior do que a ignorância é a presunção de saber e o quotidiano vai-nos mostrando como esta premissa se concretiza a nossos olhos e ouvidos.

Condenava o Padre António Vieira os peixes, porque se comiam uns aos outros, mas o que queria mesmo condenar era o comportamento dos homens que, à semelhança dos peixes, também se comiam uns aos outros.

A mensagem do pregador mant&... (ler mais...)


Anisocronias: como entendê-las? »  2016-02-17 

Procurei, não é que não soubesse, o significado da palavra “anisocronia” no dicionário. Isto porque de há algum tempo, quando vejo ou ouço algumas coisas ou pessoas, não me sai da cabeça que só parecem “anisocronias”. De tal modo a teimosia racional se operou que tive necessidade de desconstruir o próprio pensamento.

A anisocronia é um ... (ler mais...)


Saber para quê? »  2016-02-03 

Para saber, claro! Há alguma dúvida?!

Às vezes, apetece-me ser como Caeiro, heterónimo de Fernando Pessoa, que afirmava que se ria do que os homens pensavam sobre as coisas, porque sobre as coisas não havia nada para pensar. As coisas são o que são e não o que pensamos delas. Pensar sobre elas parece deturpar-lhes o verdadeiro sentido, as coisas deixam de ser o que são para... (ler mais...)


Porque a vida é sempre mais ou menos do que desejamos »  2016-01-20 

Sim, a vida é sempre mais ou menos do que desejávamos… ou desejamos, do que queríamos… ou queremos, do que sonhávamos…ou sonhamos, do que idealizávamos… ou idealizamos. Sempre. Para todos. Todos desejamos, todos gostaríamos de ter tudo perfeito, signifique isso o que significar.

Ao longo da vida, sentem-se, vivem-se muitas mudanças e uma dessas mudanças... (ler mais...)


Ano novo, vida nova… »  2016-01-06 

De promessas está o inferno cheio. Mas eu prometo-me, para este novo ano, perder os dez quilos que pus no ano velho, praticar semanalmente exercício físico, escolher alimentos mais saudáveis e arranjar tempo para mim, para ser feliz. Tempo. Tempo e dinheiro. Será? Não me parece. Um ano acaba e outro começa, ou então o ano velho continua com um recomeço de calendário, mascara... (ler mais...)


Cabelos brancos: assunção ou moda? »  2015-12-02 

Os cabelos brancos tornaram-se (-me) mais visíveis. Ou é porque há mais gente com idade para cabelos brancos, ou é porque muitas das pessoas de cabelos brancos deixaram de os pintar de outra cor; ou é porque os cabelos brancos passaram a assumir-se e a aceitar-se como os cabelos de outras cores, ou é porque é moda, ou então é porque, tão simplesmente, eu sou uma pessoa com c... (ler mais...)


A normalidade da anormalidade. Talvez um dia… »  2015-11-18 

O que é a normalidade? O que é a anormalidade? De base antitética, são representações ou estados que se fundiram. A normalidade tornou-se anormalidade. A anormalidade tornou-se normalidade.

Tudo ou quase tudo pode ser normal. Tudo ou quase tudo pode ser anormal. Depende dos referentes, das perspetivas. Todavia, há algo que em momento algum ou em contexto algum deve ser compreendido e adm... (ler mais...)


Espelho meu, espelho meu… »  2015-11-03 

Não, não vou replicar a tão famosa e frustrante pergunta “Espelho meu, espelho meu, há alguém mais belo do que eu?” que a rainha má eternizou.

O espelho é um objeto interessante. Por um lado, associa-se à descoberta e valorização da beleza, já que o espelho reflete as imagens, que se podem considerar, de acordo com os padrões sociais que se ... (ler mais...)


O manel e a maria »  2015-10-22 

O manel é dado à boa paz. Gosta da bola e de trocar cromos, algo que hoje já pouco se faz.

A maria não é tão dada à boa paz. A maria gosta de implicar com o manel. Ele diz que ela é mandona. Tem de se fazer sempre o que diz!

Porém, há dias, a conversa entre estas crianças levaria qualquer adulto a pensar.

– Eu pedi, para os meus anos, uma... (ler mais...)


Dar e receber palavras, palavras boas… »  2015-10-08 

A gratidão gira em círculo. E eu não posso deixar de te agradecer as lembranças, o reconhecimento pelo caminho feito. Hoje é dia do professor. Todos os dias o são. Fui ao email, procurei o mês de maio. E lá estão elas: as tuas palavras, que guardei na memória e no coração. E com um orgulho do tamanho do mundo. Partilho-as, minha querida aluna, com todos ... (ler mais...)


Trechos »  2015-09-27 

O encontro foi casual. Como são, presume-se, casuais todos os encontros que ocorrem no supermercado. Mesmo quando são programados, este espaço poderá ser o palco desses encontros, porventura, pela praticidade que oferece. Além do encontro, realizam-se compras indispensáveis para o funcionamento do corpo e de uma casa.

O encontro casual proporcionou a conversa, o destaque de um trecho de vida. P... (ler mais...)


Êxodos de ontem e de hoje »  2015-09-11 

Os tempos que foram e os tempos que são têm marcas gravadas em si que perdurarão. Entre essas marcas estão os êxodos. Os tempos que virão, porventura, continuarão a tatuar no seu corpo o que representa qualquer êxodo: a fuga à pobreza; a fuga à guerra; a fuga aos extremismos religiosos ou políticos; a fuga às ditaduras e opressões; a fuga à mis&eacut... (ler mais...)


 

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...