• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quinta, 20 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Dom.
 36° / 21°
Céu limpo
Sáb.
 36° / 16°
Períodos nublados
Sex.
 31° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 17°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 
 Últimos artigos por...

Maria Augusta Torcato

 

Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01 

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito. Meu Deus, como eu procrastino! E como me aflijo desta aflição que a procrastinação me cria.

Ent&atild... (ler mais...)


Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira »  2018-08-15 

Esta é uma crónica pequenina, muito ligeira, leve e fresca, como devem ser as refeições nos dias de muito calor e em período de férias. A crónica “das férias” virá na seguinte ronda de escritaria. Esta é, assim, uma crónica de férias.

Desde a crónica anterior (e não última, como me “repreendeu” um amigo), n&... (ler mais...)


O meu Ti Boino »  2018-08-09 

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o ac... (ler mais...)


A avó Augusta, a foice e a vassoura »  2018-07-12 

Esta crónica vai apresentar o formato de duas em uma. É que, apesar das temáticas e problemáticas quotidianas fervilharem na minha cabecinha, não tenho tido tempinho algum para escrever. E o ato de escrever exige pelo menos um bocadinho de tempo. Não é algo que se faça “vou ali e já volto”. Pelo menos comigo não é assim. Mas também não &eacut... (ler mais...)


Ali. Além. E aqui também. »  2018-05-03 

Abril foi ontem. Maio é hoje. O ontem e o hoje devem dar as mãos e refazer o amanhã. É imperioso. Tal como é imperioso que se saibam os verdadeiros sentidos de abril e de maio. Abril e Maio. Um tem um dia que marca o valor e a conquista da liberdade. O outro o valor do trabalhador e as suas conquistas.

Porém, quem está um bocadinho atento já se deve ter apercebido que a liberdade... (ler mais...)


Quando se sente que já não se pertence »  2018-04-04 

Fui ao banco. E uma ação tão singela e banal gerou um terramoto interior, porque o que ali se sentiu era o que se sentia há já algum tempo, mas pela natureza humana de existência e resistência se vai negando ou adiando ou fingindo que não existe – um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença.

A verdade é que já há muito qu... (ler mais...)


- Filha, só velhos, velhos, velhos... »  2018-03-08 

A minha mãe está doente. E este facto é, e não é, o assunto desta crónica. Haverá, inevitável e infelizmente, muitas mães e muitos pais doentes, cujos filhos ou filhas se preocuparão como eu me preocupo e a sentirem-se impotentes e tristes face à doença, à velhice e ao que ambas carregam.

Mas o que me leva a escrever sobre este assunto tão... (ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04 

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de ... (ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29 

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.

É uma classe tão importante e resistente que, ao longo dos tempos, não só não sofreu qualquer extinção, como se ... (ler mais...)


Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia? »  2017-11-15 

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.

Segundo a ciência, a capacidade de cheirar e sentir odores pode influenciar o humor e provocar sensaç&otild... (ler mais...)


Tubarões e mortos-vivos »  2017-02-01 

Ultimamente (infelizmente, nada que me surpreenda) temos assistido a comportamentos e atitudes tão surreais para o século XXI, que as anacronias são permanentes. Mas, o tipo de anacronia que se deteta é, quase sempre, a analepse. E o que é a analepse? É o recuo no tempo, ou seja, uma personagem-narrador revive, retorna ou reconstrói informações ou acontecimentos do passado e este t... (ler mais...)


Equilíbrio entre os pratos da balança: deceção e revolta »  2017-01-18 

Poder-se-ia pensar em algo positivo, quando se utiliza a palavra equilíbrio, mas, neste momento, o que sinto não se enquadra no campo semântico de “equilíbrio”. Esta ponderação apenas se revela na proporcionalidade entre a deceção e a revolta que me dominam, provocando um grande desequilíbrio interior. A relação é, até, de consequência: ... (ler mais...)


Carta para a pequenina e doce Alice »  2017-01-04 

Natal, 2016
Minha pequenina e doce Alice, este foi o teu primeiro Natal. O teu primeiro Natal connosco. A verdade é que foi no Natal do ano passado que te anunciaste, mas não sabíamos que eras tu. Agora já sabemos. E estamos todos, todinhos, muito felizes contigo.
Daqui a uns anos, quando puderes ler e entender, questionar-te-ás acerca do motivo que me levou a escrever-te quando tinhas apenas cinco ... (ler mais...)


E se fosse eu? Onde está o melhor de nós? »  2016-12-14 

Num mundo conturbado, em que nos invadem através dos meios de comunicação situações de crueldade, pobreza e misérias humanas, é estranho que haja tantas pessoas que parecem ficar indiferentes perante o sofrimento, em alguns casos extremo, de um ser seu semelhante, às vezes, apenas distante fisicamente, mas cuja distância deixa de existir quando as imagens se assenhoreiam dos nossos ... (ler mais...)


Toda a gente dá, toda a gente tira. Será? »  2016-11-30 

Nós cuidamos do mundo e o mundo cuida de nós. Tão simples. Tão linear. Então por que não é assim? Então por que é que o mundo está como está? E nós estamos como estamos? Nem nós nem o mundo estamos bem.

Há muito li, creio que em Vergílio Ferreira, uma afirmação, “Toda a gente dá e toda a gente tira”,... (ler mais...)


Presunção de saber ou simplesmente bazófia »  2016-11-02 

Sim, pior do que a ignorância é a presunção de saber e o quotidiano vai-nos mostrando como esta premissa se concretiza a nossos olhos e ouvidos.

Condenava o Padre António Vieira os peixes, porque se comiam uns aos outros, mas o que queria mesmo condenar era o comportamento dos homens que, à semelhança dos peixes, também se comiam uns aos outros.

A mensagem do pregador mant&... (ler mais...)


Anisocronias: como entendê-las? »  2016-02-17 

Procurei, não é que não soubesse, o significado da palavra “anisocronia” no dicionário. Isto porque de há algum tempo, quando vejo ou ouço algumas coisas ou pessoas, não me sai da cabeça que só parecem “anisocronias”. De tal modo a teimosia racional se operou que tive necessidade de desconstruir o próprio pensamento.

A anisocronia é um ... (ler mais...)


Saber para quê? »  2016-02-03 

Para saber, claro! Há alguma dúvida?!

Às vezes, apetece-me ser como Caeiro, heterónimo de Fernando Pessoa, que afirmava que se ria do que os homens pensavam sobre as coisas, porque sobre as coisas não havia nada para pensar. As coisas são o que são e não o que pensamos delas. Pensar sobre elas parece deturpar-lhes o verdadeiro sentido, as coisas deixam de ser o que são para... (ler mais...)


Porque a vida é sempre mais ou menos do que desejamos »  2016-01-20 

Sim, a vida é sempre mais ou menos do que desejávamos… ou desejamos, do que queríamos… ou queremos, do que sonhávamos…ou sonhamos, do que idealizávamos… ou idealizamos. Sempre. Para todos. Todos desejamos, todos gostaríamos de ter tudo perfeito, signifique isso o que significar.

Ao longo da vida, sentem-se, vivem-se muitas mudanças e uma dessas mudanças... (ler mais...)


Ano novo, vida nova… »  2016-01-06 

De promessas está o inferno cheio. Mas eu prometo-me, para este novo ano, perder os dez quilos que pus no ano velho, praticar semanalmente exercício físico, escolher alimentos mais saudáveis e arranjar tempo para mim, para ser feliz. Tempo. Tempo e dinheiro. Será? Não me parece. Um ano acaba e outro começa, ou então o ano velho continua com um recomeço de calendário, mascara... (ler mais...)


 

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima
»  2018-09-12  »  José Mota Pereira Poesia nos posters
»  2018-09-12  »  Anabela Santos Rentrée