• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 23 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 34° / 18°
Períodos nublados
Ter.
 36° / 20°
Céu limpo
Seg.
 38° / 18°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  35° / 18°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Olha, a gaivota! Olha a gaivota!

Opinião  »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

"Eu bem que tinha feito muitos planos para as férias. Queria fazer de tudo um pouco: dormir muito; ler muito"

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito. Meu Deus, como eu procrastino! E como me aflijo desta aflição que a procrastinação me cria.

Então, nada melhor do que lembrar! Olha, a gaivota! E isto é diferente de “Olha a gaivota!”. Pois, foi assim que surgiu e se marcou um momento das férias.

As férias, neste ano, vieram numa altura em que, claramente, eram necessárias. Sê-lo-ão sempre, mas há anos em que as não há, há anos em que não se sente tanto a sua falta e haverá quem nunca saiba o que são férias. Haverá de tudo. Mas, as minhas, neste ano, vieram numa altura em que eu bem precisava. Precisava cortar com o espaço - físico, social e psicológico.

Assim, munida do que parecia imprescindível, lá parti (até parece que foi para muito longe, mas não!). Fui acompanhada de dois sobrinhos – ainda crianças, mas não o suficiente para darem muito trabalho e pelo menos já é possível fazer com eles boa conversa, algo de que gosto muito e tenho dificuldade de prescindir quando estou com gente. Até porque a boa conversa está cada vez mais difícil. Difícil de tudo, de encontrar, de promover, de fazer, de tudo...

Juntou-se, mais tarde, a nós a minha filha. E com ela é que são verdadeiras férias, porque me sinto amparada e parece que há uma transferência do meu peso (não literal) para ela. E ela conhece-me muito bem. É bom quando temos alguém que nos conhece assim, porque se evitam muitas perdas de tempo em entendimentos ou à procura deles. E é nessa altura que as conversas são mesmo melhores.

Eu bem que tinha feito muitos planos para as férias. Queria fazer de tudo um pouco: dormir muito; ler muito; passear muito; aproveitar bem a praia e a piscina. Mas como é que se pode fazer tanto em tão pouco tempo? Até levei comigo os livros para a minha leitura e para a leitura dos meus sobrinhos. Esta minha ideia é que deveria ter ido de férias. Um saco repleto de livros para férias! Onde é que já se viu isto? Só no tempo da Maria Cachucha. E esses tempos estão muito longe, para bem de umas coisas e para mal de outras.

“Ó tia, tem calma!”, dizia-me o rapaz que não avançava além das quinze páginas de “Ulisses”, de Maria Alberta Menéres. Pois. E ele ainda tinha mais dois para ler que eu, cheia de boas intenções, tinha levado. A rapariga tinha “O ano da morte de Ricardo Reis”, de Saramago, mas tinha de ser. Eu até levei “Jangada de Pedra”, para reler e ser solidária na leitura do autor. Mas as primeiras vinte páginas que ela leu até lá foram sem problemas, o pior foi quando a rapariga encontrou a sua professora de Português, em plena praia, que, quando soube das minhas planificações, lhe disse (e a mim também) que aquilo não se fazia...

Pronto. Assim, resolvi contar ao rapaz a história de Ulisses, a seguir veio a de Aquiles e outros heróis, uns gregos e outros troianos. O rapaz até me perguntou o que tinha a ver o Aquiles com o tendão. Ora, como se vê, até foi boa esta conversa. Foi bom contar estas histórias todas, de que eu gosto tanto, e cada vez tenho menos ouvidinhos disponíveis para as reterem. Até disse que qualquer dia lhes contaria a história de uma rapariga, heroína fantástica, que eu aprecio particularmente pela sua coragem, força e capacidade de desafiar aquilo que não considerava justo ou correto, a Antígona. Até que ouvi: “Para (leia-se pára), mãe, estamos de férias!”. (...) Isso mesmo. Fiquei em pausa. (...)  A seguir, eu, que já me havia queixado de não ter visto ainda gaivotas, voltei a ouvir: “Olha, uma gaivota! Olha a gaivota!”. Pois claro que olhei e lembrei-me logo foi do Fernão Capelo Gaivota. Mas já não me atrevi a contar a história às “crianças”! Afinal, estávamos de férias!

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima