• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 13 de Novembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 20° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 21° / 11°
Períodos nublados
Qua.
 21° / 10°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  20° / 9°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Olha, a gaivota! Olha a gaivota!

Opinião  »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

"Eu bem que tinha feito muitos planos para as férias. Queria fazer de tudo um pouco: dormir muito; ler muito"

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito. Meu Deus, como eu procrastino! E como me aflijo desta aflição que a procrastinação me cria.

Então, nada melhor do que lembrar! Olha, a gaivota! E isto é diferente de “Olha a gaivota!”. Pois, foi assim que surgiu e se marcou um momento das férias.

As férias, neste ano, vieram numa altura em que, claramente, eram necessárias. Sê-lo-ão sempre, mas há anos em que as não há, há anos em que não se sente tanto a sua falta e haverá quem nunca saiba o que são férias. Haverá de tudo. Mas, as minhas, neste ano, vieram numa altura em que eu bem precisava. Precisava cortar com o espaço - físico, social e psicológico.

Assim, munida do que parecia imprescindível, lá parti (até parece que foi para muito longe, mas não!). Fui acompanhada de dois sobrinhos – ainda crianças, mas não o suficiente para darem muito trabalho e pelo menos já é possível fazer com eles boa conversa, algo de que gosto muito e tenho dificuldade de prescindir quando estou com gente. Até porque a boa conversa está cada vez mais difícil. Difícil de tudo, de encontrar, de promover, de fazer, de tudo...

Juntou-se, mais tarde, a nós a minha filha. E com ela é que são verdadeiras férias, porque me sinto amparada e parece que há uma transferência do meu peso (não literal) para ela. E ela conhece-me muito bem. É bom quando temos alguém que nos conhece assim, porque se evitam muitas perdas de tempo em entendimentos ou à procura deles. E é nessa altura que as conversas são mesmo melhores.

Eu bem que tinha feito muitos planos para as férias. Queria fazer de tudo um pouco: dormir muito; ler muito; passear muito; aproveitar bem a praia e a piscina. Mas como é que se pode fazer tanto em tão pouco tempo? Até levei comigo os livros para a minha leitura e para a leitura dos meus sobrinhos. Esta minha ideia é que deveria ter ido de férias. Um saco repleto de livros para férias! Onde é que já se viu isto? Só no tempo da Maria Cachucha. E esses tempos estão muito longe, para bem de umas coisas e para mal de outras.

“Ó tia, tem calma!”, dizia-me o rapaz que não avançava além das quinze páginas de “Ulisses”, de Maria Alberta Menéres. Pois. E ele ainda tinha mais dois para ler que eu, cheia de boas intenções, tinha levado. A rapariga tinha “O ano da morte de Ricardo Reis”, de Saramago, mas tinha de ser. Eu até levei “Jangada de Pedra”, para reler e ser solidária na leitura do autor. Mas as primeiras vinte páginas que ela leu até lá foram sem problemas, o pior foi quando a rapariga encontrou a sua professora de Português, em plena praia, que, quando soube das minhas planificações, lhe disse (e a mim também) que aquilo não se fazia...

Pronto. Assim, resolvi contar ao rapaz a história de Ulisses, a seguir veio a de Aquiles e outros heróis, uns gregos e outros troianos. O rapaz até me perguntou o que tinha a ver o Aquiles com o tendão. Ora, como se vê, até foi boa esta conversa. Foi bom contar estas histórias todas, de que eu gosto tanto, e cada vez tenho menos ouvidinhos disponíveis para as reterem. Até disse que qualquer dia lhes contaria a história de uma rapariga, heroína fantástica, que eu aprecio particularmente pela sua coragem, força e capacidade de desafiar aquilo que não considerava justo ou correto, a Antígona. Até que ouvi: “Para (leia-se pára), mãe, estamos de férias!”. (...) Isso mesmo. Fiquei em pausa. (...)  A seguir, eu, que já me havia queixado de não ter visto ainda gaivotas, voltei a ouvir: “Olha, uma gaivota! Olha a gaivota!”. Pois claro que olhei e lembrei-me logo foi do Fernão Capelo Gaivota. Mas já não me atrevi a contar a história às “crianças”! Afinal, estávamos de férias!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Joaquim Paço d`Arcos »  2018-11-09  »  Jorge Carreira Maia

Foi só agora que cheguei à leitura de Joaquim Paço d’Arcos (1908-1979). Não fazia parte daquele grupo de escritores tidos por referência, apesar de ter sido bastante lido nos anos 40 e 50 do século passado.
(ler mais...)


Orçamento municipal 2019 »  2018-11-09  »  António Gomes

O OM é o documento orientador mais importante da gestão municipal.

É um documento técnico que deve ter plasmadas as contas do município, mas é sobretudo um documento político que espelha as prioridades e as opções de quem aqui governa.
(ler mais...)


Coesão »  2018-10-27  »  João Carlos Lopes

A criação da província do Ribatejo, em 1936, surgiu na sequência de movimentações das “forças vivas” de toda uma vasta região que, grosso modo, vai de Vila Franca a Abrantes, e cujo potencial económico (a agricultura, sobretudo, mas já os grandes polos industriais emergentes), enunciava razões de sobra para um “destaque” face à imensa e diversa Estremadura.
(ler mais...)


O campo das piscinas »  2018-10-27  »  António Gomes

Entendamo-nos: o acesso à fruição de piscinas por puro recreio, manutenção física ou prática desportiva deveria ser de acesso fácil. Infelizmente, em Torres Novas, a generalidade da população, na época do calor, no verão, não tem onde refrescar-se, não temos piscinas de verão e as que já tivemos são recordadas com muita saudade.
(ler mais...)


Compreender e prevenir as doenças cardiovasculares »  2018-10-27  »  Juvenal Silva

Na categoria de doenças cardíacas e cardiovasculares, estão englobadas vários tipos de doenças, entre as quais destaco: aterosclerose, angina de peito e ataque cardíaco.
As artérias desempenham um importantíssimo trabalho de transporte de sangue do coração para outras partes do nosso corpo.
(ler mais...)


O desejo da barbárie »  2018-10-24  »  Jorge Carreira Maia

Vive-se, em Portugal, uma doce ilusão, a de que ainda não fomos tocados pelo vírus do populismo. É um facto que os principais agentes políticos têm evitado recorrer ao mais sombrio populismo político.
(ler mais...)


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-11-09  »  Jorge Carreira Maia Joaquim Paço d`Arcos
»  2018-11-09  »  António Gomes Orçamento municipal 2019