• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Não há fartura que não dê em fome

Opinião  »  2020-04-05  »  Maria Augusta Torcato

"Os silêncios e as quietudes que ansiávamos e de que estávamos tão carentes não são estes que nos deram"

Eu sei que o ditado popular é ao contrário, “não há fome que não dê em fartura”. Mas, aqui, na realidade que hoje vivemos , e dependendo da perspetiva de análise, creio que se aplica melhor o inverso. Aliás, está mesmo um mundo às avessas, não só conotativa, mas literalmente. Os tempos que se vivem são novos, mas não trazem nem a curiosidade, nem o prazer da habitual novidade. São tempos difíceis (há muito que se anunciavam), de ansiedade, insegurança , de perigos e riscos vários. E de uma incerteza sofrida. São tempos de silêncios e quietudes. Mas os silêncios e as quietudes que ansiávamos e de que estávamos tão carentes não são estes que nos deram, que chegaram de não sei de onde, de mansinho, invisíveis, inaudíveis, insípidos e inodoros e que não sabemos como enfrentar e vencer com sucesso.

Porém, voltemos ao ditado popular. Entre tantos medos e preocupações, dou comigo a pensar no que hei de fazer que seja melhor para a minha mãe. Angustia-me, permanentemente, não propriamente a minha situação, mas de alguns dos meus. Um filha na linha da frente da batalha, como tantos filhos e filhas de alguém, e uma mãe, octegenária, doente, mas muito controladinha e supervisionada, cuja autonomia e independência sempre se cultivaram. Domínio na sua casa, na qual recebia, diariamente os dois netos mais novos. Com um almoçava; com a mais pintainha brincava apenas, ao fim da tarde, com se duas crianças se divertissem e jogassem ao “faz de conta”. As rotinas eram cumpridas divinamente. Padaria ao lado, o pequeno supermercado ali pertinho de casa, na praça principal da vila, e os mercados, à quarta feira e ao sábado, locais de abastecimento das verduras, dos queijos pequeninos, das azeitonas, do pão de milho, das laranjas e de tudo que era específico da sra Maria e do sr Manuel. Tudo tinha de ser realizado e cumprido como sempre fora. E, a verdade, é que eram estas rotinas que funcionavam como pontos de encontro com os outros que, à sua semelhança, viveram ao longo dos tempos experiências de vida que os fizeram, que tornaram as pessoas no que são. A verdade é que são poucos os jovens a irem abastecer-se a estes espaços. São os mais velhos é que vão. E o respeito, a consideração e o carinho que nutrem reciprocamente vendedores e compradores são, no mínimo, extraordinários. Um verdadeiro campo de estudo das relações humanas.

E. de repente, tudo mudou.
De repente, passou-se da promoção de uma vida ativa com alguma qualidade, para uma promoção de vida resignada, confinada, resguardada, para não se pôr em risco a própria. E, como se gere, nestes espíritos mais velhos, mais experientes e mais sapientes a imposição de regras que considerávamos serem um malefício, e que o eram de facto, e agora são um benefício?

A minha mãe está farta de estar em casa. Nem o triângulo eu-mãe-meu irmão consegue resolver e aliviar esta ansiedade e este drama que vai crescendo. Nunca o estar sozinho, que antes era tão mau e se combatia, passou a ser tão bom e protetor. Como se explica? Não se explica. Não se consegue explicar. Ou até talvez se consiga. Mas não se entende!

Diz-me que está farta. Que podia ir só ali ao poupança comprar alguma coisa (porque quando nos pede as compras só pensa nas compras para aquele dia e para aquela hora). Eu digo: “Não, mãezinha, não podes. E fica aí , no cimo das escadas, eu fico aqui.”. Às vezes vou só até meio, para mostrar fotos dos netos. Mas ela está farta. Farta mesmo. Há três semanas que não sai de casa. Já me disse que não queria saber disto para nada, que há de ser o que Deus quiser. Mas sei que está preocupada com o que se vai passando pelo mundo com os velhos e com todos. Para quem é tão agarrada à vida, isso não lhe passa ao lado como o vento bravo.

Ontem, já em desespero, disse-lhe: “Tem paciência, mãezinha, eu ando doida com trabalho, com as aulas à distância (em aparte, já creio que de distância não têm nada, porque parece que nunca tive os alunos tão presentes e omnipresentes) e com tantas outras coisas, que temos mesmo de fazer!” E rematei: “E, agora, ninguém pode ficar doente e ninguém pode morrer!”. Ficou a pensar. Continuei: “Já viste que não pode, sequer, haver um funeral decente? Ninguém se pode despedir, não há ninguém no funeral, é tudo tão triste e as pessoas têm de ser cremadas?!”

Aí, explodiu: “Ai, isso é que não! Queimada!? Queimados temos andado nós a vida inteira! Era só o que faltava!”.
Fiquei sem palavras. Tens razão, mãe. Tens sempre razão! Que velhaca esta vida! Mas é a que temos. E há e haverá sempre alguém que está ou estará pior.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia