• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Abril 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 18° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 22° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  20° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato

Opinião  »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

"Quanto maior o medo, maior terá de ser a coragem para se enfrentar o que provoca o medo"

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio. Mas é bom andar de comboio. A opção tinha sido consciente, muito maturada. Muito negociada com a família. Queria ir sozinha. Precisava ir sozinha. Aquele tempo de viagem era-me tão necessário. Não sei bem para quê ou porquê. Simplesmente precisava dele. Talvez precisasse mesmo de me sentir anónima e sentir o desconhecimento e a indiferença por parte dos que me rodeavam do que estava a viver. Para onde ia e o que ia fazer.

Tinha pedido que me levassem até à estação. Sabia que, no início e no fim da viagem, tinha alguém. O tempo entre a partida e a chegada seria, então, todo meu. Lembro-me de ter reparado com mais pormenor nas coisas e apreciei-as. Parecia que os meus sentidos estavam mais apurados. Talvez quisesse gravar coisas diárias, simples, e que não sabia como iriam ser a seguir. Lembro-me de sentir o orvalho da manhã. Lembro-me que havia algum nevoeiro. O sol ainda não tinha nascido. Lembro-me de ouvir o apito e o som balanceado da máquina e depois o som estridente dos travões nos carris. Olhava para o bilhete, na minha mão, e caminhava, procurando não me enganar no percurso. Tinha de ter atenção à linha.

Esperei pouco tempo. O comboio arrastou-se, até parar por completo. Entrei. Queria muito ficar do lado da janela. Sentei-me. Precisava olhar o exterior a correr, umas vezes mais depressa, outras vezes mais devagar. Mas é uma das maravilhas da viagem de comboio a visão da paisagem, seja ela qual for. Há imagens únicas.

No banco em frente, estava acomodado um casal, já com idade. Era da zona de Abrantes. Também ia a Lisboa. Ia visitar a filha. A sra era extremamente simpática e com facilidade fizemos conversa acerca da vida, da realidade, do mundo... mas eu precisava também de silêncios. Aliás, precisava mesmo era de conversar comigo. E não me apetecia perturbar aquele momento, partilhando as vivências das anteriores seis semanas. Não queria também que, em algum momento, houvesse algum constrangimento. Alguma pena. Não. Isso não. Queria mesmo era que aquela viagem fosse, mesmo que no fundo fosse a fingir, o mais natural possível e fosse apenas uma viagem, sem quaisquer outras significações. Só que não era bem assim. Desde meados de novembro que aquela ecografia tinha mudado tudo. E mesmo que os dias das semanas seguintes tivessem sido tão preenchidos de afazeres, de dor, de ansiedade e de insegurança, nada me apagava o momento em que recebi a informação e me questionava acerca do modo de dizer aos meus.

Como se diz, a quem amamos e devemos proteger, que estamos doentes? Se pudesse, nunca diria. Mas não podia fingir que estava tudo bem. E também percebi que não podia fugir, nem podia esconder-me. Por isso, o melhor era mesmo enfrentar. E a melhor forma de enfrentar, se é que há uma melhor forma, é aceitar, é adaptarmo-nos, sem abdicarmos de sermos nós. Sem abdicarmos de viver. Custe o que custar. Porque a vida sempre custa. Mas quando se vive com uma guilhotina sobre a cabeça, como um carcinoma de alto grau, não há tempo a perder a pensar quando ela vai cair. Não se pode mesmo perder tempo nisso. E viver é cumprir as rotinas e desejar manter tudo como era antes de se saber. Tudo igual, se bem que os sonhos agora são diferentes. É onde eu noto grande diferença. Mas, manter-se a fidelidade ao que se é, manter-se a essência, isso é o que melhor posso fazer para sentir a vida em mim e a minha vida. É claro que é o que sinto. Com a defesa de todo o respeito pelos diferentes e múltiplos sentires de toda a gente, independentemente da sua situação e do quão é mais ou menos exigente.

Um ano. Um ano passou desde este dia e esta viagem. Viagens houve muitas outras. Mais nenhuma de comboio. Só a primeira desses ciclos.
Houve, também, alguma reflexão e assomo de dúvidas em relação à publicação desta crónica. Mas pretende-se que a mesma ultrapasse o eu e se alargue a quem, na mesma situação ou em situação mais grave, resiste, enfrentando todos os dias, para somar só que seja um bocadinho mais de tempo à sua vida. Se bem que ninguém saiba, verdadeiramente, o que a vida lhe reserva e se tenha consciência de que o tempo tem um poder tão inexorável, há pessoas que vivem em cada dia uma ansiedade atroz e a expressão que mais se lhes ouve é “Estamos sempre com medo.” E é assim que se tem de viver. Sempre com medo. Porém, é o medo que desperta a coragem. Só há coragem quando há medo. E quanto maior o medo, maior terá de ser a coragem para se enfrentar o que provoca o medo. Por isso, é, essencialmente, pela coragem e pela aprendizagem que fiz, que escrevo. Porque, ao escrever, sinto que resgato o que sou, ou o que era. E só quem vive algumas experiências percebe o quanto isso é tão necessário. Estamos sempre com medo.

Mas este é um medo que não nos pára. É um medo que nos abana, nos acorda e mantém em sobressaltos. E isso significa que estamos vivos.
O comboio continuava a deslizar, algumas vezes, muito lento. Na zona da Ribeira de Santarém, o sol já começava a nascer. Os seus raios rompiam as nuvens e entravam pelo canavial que ladeava aquela parte do rio e eis que, quando olhei para o céu, vi um nascer do sol sublime. E, de repente, escrito a vermelho sobre as nuvens brancas estava: “Saída de Emergência”. A frase inscrita no vidro da janela da carruagem espelhou-se, ampliando-se, naquele céu e naquela aurora. Falei para mim que não conseguiria outra saída melhor. E era importante saber onde era a saída no percurso que iniciava.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Barbárie ou bem comum »  2020-04-05  »  João Carlos Lopes

O perigoso anarquista e cripto-comunista Papa Francisco já tinha dito e vem dizendo, desde 2013, que “esta economia mata”. Mais recentemente, na saudação ao Ano Novo e falando de paz, desmascarou a hipocrisia dos países e governantes que enchem a boca de paz e todos os anos aumentam escandalosamente as despesas com armamento e com os seus exércitos.
(ler mais...)


Estudar em casa »  2020-04-05  »  Anabela Santos

Devido às Covid-19, este mal que assombra todo o mundo em geral, cerca de dois milhões de alunos, em Portugal, foram retirados da escola e enviados para casa onde, até ao dia de hoje, têm de permanecer, sabendo que “não estão de férias”, como afirma Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação.
(ler mais...)


E depois do “corona”? »  2020-04-05  »  António Gomes

Não se conhece a cura para o corona vírus. Mandaram-nos ficar em casa para fazer o combate. E é assim mesmo. Não havendo cura, o melhor é apostar na prevenção. O isolamento social é pois o melhor remédio.
(ler mais...)


Intervalo »  2020-04-05  »  Jorge Salgado Simões

O que mais me impressiona nos últimos dias é o silêncio. A sensação de que alguém carregou num botão e que, de repente, travámos a fundo, como se tudo isto fosse um grande intervalo indefinido.
(ler mais...)


OS VENTOS DA NOSSA INQUIETAÇÃO »  2020-04-05  »  José Alves Pereira

Os tempo preocupantes que vivemos não são propícios a pensamentos e análises com lucidez e serenidade, mergulhando-nos em múltiplos casos colaterais, em detrimento do essencial. Teorias da conspiração, responsabilizações de países e entidades num clima em que a desorientação e o medo levam a um irracional desabafar de sentimentos, transportando por arrastão, de forma descontextualizada, modos de vida e de sociabilidade.
(ler mais...)


Não há fartura que não dê em fome »  2020-04-05  »  Maria Augusta Torcato

Eu sei que o ditado popular é ao contrário, “não há fome que não dê em fartura”. Mas, aqui, na realidade que hoje vivemos , e dependendo da perspetiva de análise, creio que se aplica melhor o inverso.
(ler mais...)


Fico em (que) casa »  2020-04-05  »  Ana Lúcia Cláudio

“Quando, no dia 31 de dezembro de 2019, ao comer aquela passa, desejei passar mais tempo com a minha família, não era bem nisto que estava a pensar” - É uma das muitas frases com alguma graça que circula por estes dias nas redes sociais, provando que o terror psicológico da gestão de um vírus e dos seus efeitos colaterais ainda consegue aguçar a criatividade e o sentido de humor.
(ler mais...)


Um arco-íris em tons de cinza, por Inês Vidal »  2020-04-05  »  Inês Vidal

Por estes dias, pedi às minhas filhas que pintassem um arco-íris para pendurarmos na porta de casa. Algo que dissesse, em todas as línguas latinas, e a quem por ali passasse, “vai ficar tudo bem”. No fundo, acho que me queria sentir uma boa mãe, daquelas que passaram os últimos quinze dias em casa a fazer de ponte entre seus filhos, uma escola fechada e uma resma de aulas online que mais parecia trabalhos forçados.
(ler mais...)


Uma comunidade de seres racionais »  2020-04-04  »  Jorge Carreira Maia

A senhora Thatcher terá escrito, num livro de memórias sobre o tempo em que foi primeira-ministra, que “não existe essa coisa de sociedade, o que há e sempre haverá são indivíduos”.
(ler mais...)


Três efeitos virais »  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia

POLÍTICA E ECONOMIA. De um momento para o outro todo um modo de compreender a política se alterou. Por influência das duas principais constelações ideológicas nascidas do Iluminismo – o liberalismo e o marxismo – a política tinha, paulatinamente, sucumbido aos imperativos da economia.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-03-09  »  Rui Anastácio Carso, por Rui Anastácio
»  2020-03-19  »  Rui Anastácio Extraordinário
»  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia Três efeitos virais
»  2020-04-05  »  Inês Vidal Um arco-íris em tons de cinza, por Inês Vidal
»  2020-04-05  »  Maria Augusta Torcato Não há fartura que não dê em fome