• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 18° / 9°
Céu nublado
Qua.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 12°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato

Opinião  »  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato

"Gosto de escolas. Lembro que a escola, para mim, que era tão pequena e vivia numa aldeiazinha do Alentejo, representava tudo o que queria."

Sempre tive, e continuo a ter, um fascínio por escolas. Quando se atravessa uma aldeia, uma pequena vila, ou até um monte ou pequenino aglomerado de casinhas, os edifícios que albergavam as escolas têm uma traça comum e especial. O meu olhar fica preso. De todas as vezes imagino a alegria, os sons, as brincadeiras que por ali teriam ocorrido. Imagino avós à conversa, à espera dos netos. Imagino até algumas avós a irem à escola, durante os intervalos, para levarem o lanche da manhã ou da tarde aos seus queridos e amados netos, enquanto os pais trabalhavam fora, durante todo o dia, mas de coração tranquilo, porque sabiam que os filhos estavam com quem os amava e protegia. Os avós são, aliás, aqueles de quem que se diz que são pais duas vezes.

Gosto de escolas. Lembro que a escola, para mim, que era tão pequena e vivia numa aldeiazinha do Alentejo, representava tudo o que queria. A escola era, para mim, um mundo tão grande num mundo tão pequeno! Nada havia mais importante numa aldeia que a escola. Era um espaço agregador. Era um espaço de partilha. Era um espaço respeitável e reconhecido. Era um espaço que criava pontes para o futuro e um futuro melhor. Era um espaço de sonhos. Sempre senti que a escola era o coração da minha aldeia e de todas as aldeias do mundo. E se o coração é o órgão mais importante do corpo, então a escola era o mais importante das aldeias e das vilas e até das cidades. As escolas são o coração do mundo!

Mas, as mudanças, tal como as escolas, fazem parte do mundo. De tal modo, que parece que o mundo não será mundo sem mudanças. As mudanças passaram a mudar tudo. Passaram a mudar tudo tão depressa que nem dão tempo à mudança de mudar.

Uma das coisas que as mudanças fizeram foi arrancar o coração às aldeias. Achou-se que o seu coração era pequenino e era preciso um maior. Isso seria bom para todos. Principalmente para as crianças. E estas seriam jovens, adultos, pais, mães e avós melhores…talvez!

Assim, as aldeias e algumas vilas foram morrendo, sem coração. Os avós deixaram de ter netos a quem entregar o lanche na escola, deixaram de ter netos para levar, esperar e trazer da escola. E as raízes que se criavam e fortaleciam e os laços que enlaçavam as pessoas deixaram, pura e simplesmente, de existir. E, além do coração, a identidade, o gosto, o sentimento de pertença àquela terra também deixaram de existir. Mas como se vive sem coração, sem raízes, sem identidade, sem um princípio e sem se entender o fim?

Por tudo isto, pela perda que se foi criando, o nada e o vazio começaram a imperar. Justificam-se o nada e o vazio com a interioridade, com a distância, com a falta de oportunidades, com a ausência de pessoas, com um sem número de razões que são, em simultâneo, causa e consequência.

O que se queria era lugares com muita gente, mesmo que a muita gente implicasse ser-se menos gente. Muita gente pode significar, na leitura de muitos, desenvolvimento, progresso, futuro. E nesta gente deixaram de caber os mais velhos, os que ficaram nas aldeias, nas pequenas vilas, nos lugares mais recônditos, mas mais aprazíveis, mais saudáveis, mais puros, mais autênticos, mas também, muitos deles, em decadência e em morte lenta.

Tudo o que existia e nos definia e daria razão de ser ao futuro desapareceu. Arrancaram-lhe o coração.

E então veio um vírus. E um simples vírus veio obrigar-nos a pensar no que tínhamos e permitimos que acabasse. Hoje, as aldeias e as pequenas vilas são espaços que se oferecem salutarmente à fuga da imensidão de gente da cidade, mas muitas vezes não é possível fugir. Hoje, querem ver-se os avós e deseja-se a sua ajuda e tal não é possível. Hoje, querem-se outras alternativas aos grandes corações, que trazem vários problemas e riscos e se revelam muito mecânicos, e não há corações pequenos, sentidos, com vida real, verdadeiramente humanos.

Por ironia do destino ou por qualquer lei do retorno, hoje temos consciência que talvez aquilo que desprezamos e matamos seria o garante da nossa sobrevivência e razão de ser da nossa existência.

Por isso, as antigas escolinhas, corações arrancados dos espaços, serão, na minha perspetiva, lugares onde os fantasmas bons gostarão de permanecer, porque neles há memórias de vida, saúde, avós e convívio, tudo aquilo que agora gostaríamos de ter e nos é vedado. Ironia do destino ou lei do retorno?

E, já agora, parabéns ao JT, que entra no 27.º ano de publicação ininterrupta. Sabemos que o jornalismo é também uma escola. E o jornalismo de proximidade, aquele que se faz na imprensa regional e local é, talvez, o que mais faz para manter ainda corações de aldeias e pequenas vilas a bater, tentando, com esforço, muitas vezes, a sua reanimação!

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal