• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 23 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 19° / 9°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  19° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato

Opinião  »  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato

"Gosto de escolas. Lembro que a escola, para mim, que era tão pequena e vivia numa aldeiazinha do Alentejo, representava tudo o que queria."

Sempre tive, e continuo a ter, um fascínio por escolas. Quando se atravessa uma aldeia, uma pequena vila, ou até um monte ou pequenino aglomerado de casinhas, os edifícios que albergavam as escolas têm uma traça comum e especial. O meu olhar fica preso. De todas as vezes imagino a alegria, os sons, as brincadeiras que por ali teriam ocorrido. Imagino avós à conversa, à espera dos netos. Imagino até algumas avós a irem à escola, durante os intervalos, para levarem o lanche da manhã ou da tarde aos seus queridos e amados netos, enquanto os pais trabalhavam fora, durante todo o dia, mas de coração tranquilo, porque sabiam que os filhos estavam com quem os amava e protegia. Os avós são, aliás, aqueles de quem que se diz que são pais duas vezes.

Gosto de escolas. Lembro que a escola, para mim, que era tão pequena e vivia numa aldeiazinha do Alentejo, representava tudo o que queria. A escola era, para mim, um mundo tão grande num mundo tão pequeno! Nada havia mais importante numa aldeia que a escola. Era um espaço agregador. Era um espaço de partilha. Era um espaço respeitável e reconhecido. Era um espaço que criava pontes para o futuro e um futuro melhor. Era um espaço de sonhos. Sempre senti que a escola era o coração da minha aldeia e de todas as aldeias do mundo. E se o coração é o órgão mais importante do corpo, então a escola era o mais importante das aldeias e das vilas e até das cidades. As escolas são o coração do mundo!

Mas, as mudanças, tal como as escolas, fazem parte do mundo. De tal modo, que parece que o mundo não será mundo sem mudanças. As mudanças passaram a mudar tudo. Passaram a mudar tudo tão depressa que nem dão tempo à mudança de mudar.

Uma das coisas que as mudanças fizeram foi arrancar o coração às aldeias. Achou-se que o seu coração era pequenino e era preciso um maior. Isso seria bom para todos. Principalmente para as crianças. E estas seriam jovens, adultos, pais, mães e avós melhores…talvez!

Assim, as aldeias e algumas vilas foram morrendo, sem coração. Os avós deixaram de ter netos a quem entregar o lanche na escola, deixaram de ter netos para levar, esperar e trazer da escola. E as raízes que se criavam e fortaleciam e os laços que enlaçavam as pessoas deixaram, pura e simplesmente, de existir. E, além do coração, a identidade, o gosto, o sentimento de pertença àquela terra também deixaram de existir. Mas como se vive sem coração, sem raízes, sem identidade, sem um princípio e sem se entender o fim?

Por tudo isto, pela perda que se foi criando, o nada e o vazio começaram a imperar. Justificam-se o nada e o vazio com a interioridade, com a distância, com a falta de oportunidades, com a ausência de pessoas, com um sem número de razões que são, em simultâneo, causa e consequência.

O que se queria era lugares com muita gente, mesmo que a muita gente implicasse ser-se menos gente. Muita gente pode significar, na leitura de muitos, desenvolvimento, progresso, futuro. E nesta gente deixaram de caber os mais velhos, os que ficaram nas aldeias, nas pequenas vilas, nos lugares mais recônditos, mas mais aprazíveis, mais saudáveis, mais puros, mais autênticos, mas também, muitos deles, em decadência e em morte lenta.

Tudo o que existia e nos definia e daria razão de ser ao futuro desapareceu. Arrancaram-lhe o coração.

E então veio um vírus. E um simples vírus veio obrigar-nos a pensar no que tínhamos e permitimos que acabasse. Hoje, as aldeias e as pequenas vilas são espaços que se oferecem salutarmente à fuga da imensidão de gente da cidade, mas muitas vezes não é possível fugir. Hoje, querem ver-se os avós e deseja-se a sua ajuda e tal não é possível. Hoje, querem-se outras alternativas aos grandes corações, que trazem vários problemas e riscos e se revelam muito mecânicos, e não há corações pequenos, sentidos, com vida real, verdadeiramente humanos.

Por ironia do destino ou por qualquer lei do retorno, hoje temos consciência que talvez aquilo que desprezamos e matamos seria o garante da nossa sobrevivência e razão de ser da nossa existência.

Por isso, as antigas escolinhas, corações arrancados dos espaços, serão, na minha perspetiva, lugares onde os fantasmas bons gostarão de permanecer, porque neles há memórias de vida, saúde, avós e convívio, tudo aquilo que agora gostaríamos de ter e nos é vedado. Ironia do destino ou lei do retorno?

E, já agora, parabéns ao JT, que entra no 27.º ano de publicação ininterrupta. Sabemos que o jornalismo é também uma escola. E o jornalismo de proximidade, aquele que se faz na imprensa regional e local é, talvez, o que mais faz para manter ainda corações de aldeias e pequenas vilas a bater, tentando, com esforço, muitas vezes, a sua reanimação!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)


IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes »  2020-10-09  »  António Gomes

O ano que atravessamos, e com toda a certeza também o próximo, são anos de excepção, anos particularmente difíceis para muitas famílias. Os rendimentos são menores, em alguns casos muito menores, muitos negócios fecharam ou estiveram fechados vários meses, o que aí vem ainda não se sabe, mas advinha-se, infelizmente.
(ler mais...)


Crónicas de Timor I - Vida em isolamento - anabela santos »  2020-10-09  »  AnabelaSantos

Este texto será o relato de uma quarentena ou de uma solidão imposta, sem floreamento ou qualquer romantismo pela razão óbvia: é um isolamento e é imposto.
Depois da clausura de vinte e oito horas dentro de um avião que me leva até Timor e que, mesmo fazendo escala no Dubai e na Malásia, não abriu as suas portas para, pelo menos, desentorpecer as pernas e arejar um pouco.
(ler mais...)


A falta de cidadania de quem a recusa - ana lúcia cláudio »  2020-10-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Os primeiros dias de regresso às aulas têm sido marcados por dois grandes assuntos. O primeiro, o que nos assola a todos desde Março e que obrigou os responsáveis das escolas a definir e adaptar estratégias e formas de prevenção do coronavírus, na sequência das directrizes definidas pela Direcção-Geral de Saúde.
(ler mais...)


A roleta russa - jorge carreira maia »  2020-09-28  »  Jorge Carreira Maia

A questão do novo coronavírus tornou-se uma espécie de roleta russa em dois momentos. No primeiro, o tambor da pistola roda para descobrirmos se somos ou não contaminados. Caso sejamos, ele torna a rodar, agora de forma decisiva.
(ler mais...)


Boys - rui anastácio »  2020-09-28  »  Rui Anastácio

A palavra parece ser inglesa, mas é apenas aparência. É uma palavra portuguesa, com certeza. Foi proferida, pela primeira vez, nos idos anos 90 pelo actual secretário-geral das nações unidas. “No jobs for the boys”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio