• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 15 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 30° / 18°
Períodos nublados
Seg.
 30° / 19°
Períodos nublados com chuva fraca
Dom.
 28° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT

Opinião  »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

"Falemos então nas eleições de 12 Dezembro e dos seus resultados"

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil. Parecem-nos, todavia, sinais de um processo estrutural mais abrangente e distante no tempo, de degenerescência institucional, político e social, o que não é o objecto deste texto, pelo que nos limitaremos a abordar os desenvolvimentos mais recentes.

Em Junho de 2016, para resolver dissensões internas no Partido Conservador e acalmar o descontentamento social, o primeiro-ministro, David Cameron, convocou um referendo sobre a permanência ou saída da Grã-Bretanha da UE., o chamado Brexit. Apesar das pressões, intrigas, e instigação do medo, os britânicos optaram, ainda que pela margem mínima, por sair da UE. Habituada esta a não respeitar escolhas que não a dos directórios de Bruxelas, iniciou-se o jogo da chantagem, da humilhação e desqualificação dos eleitores desalinhados. Com o Brexit parecia ter chegado o apocalipse! E foi assim durante três anos, esperando a inversão dos acontecimentos, pressionando um segundo ou terceiro referendos, os necessários até o resultado ser o pretendido. Entretanto os grupos sociais e os parlamentares na Câmara dos Comuns, que se tinham empenhado pela permanência na UE, tudo vão fazendo para obstaculizar a concretização da vontade popular. Neste período, o Brexit tornou-se omnipresente na vida política britânica chegando, hoje, a um ponto de saturação. Enquanto isso, expressões de pauperização, precariedade laboral, racismo e xenofobia emergem como sinais da crise, a par da degradação de vários serviços públicos em que o mais visível e preocupante é o NHS (serviço nacional de saúde).

Falemos então nas eleições de 12 Dezembro e dos seus resultados. Na noite eleitoral, a partir das projecções dos lugares obtidos, logo se falou na vitória esmagadora de uns, os conservadores, e na derrota histórica de outros, os trabalhistas. Comecemos por analisar o sistema eleitoral que conduziu a estes resultados e que não mereceu, por cá, grandes considerações. Razões para tal silêncio? É que, desde há muito, o Bloco Central, PS/PSD, acolitado pelo comentariado oficial do regime, com o pretexto de aproximar os eleitos dos eleitores, tenta “vender“ o voto por círculos uninominais e com isso distorcer a vontade popular e impor uma rotatividade dual na vida partidária. A manobra é simples: com menos votos assegurar maiorias absolutas de eleitos. Veja-se o caso inglês. O Partido Conservador, com 43% de votos, consegue 56 % de lugares (365), enquanto o Partido Trabalhista com 32 % fica-se pelos 31 % de lugares (203). Com o método proporcional o primeiro teria menos 85 eleitos, não atingindo a maioria absoluta (326) e o segundo mais 5.

Na base destes resultados, em que as percentagens de votantes são praticamente omitidos, os comentários tomam por bons os dos lugares, como se vê distorcedores da expressão dos cidadãos votantes, para a partir daí tecerem especulações políticas e ideológicas. Erigem em personagem a crucificar o líder trabalhista Jeremy Corbyn passado à condição de “esquerdista radical”, “novo Estaline”, “marxista requentado” e outras idiotices que dariam para sorrir não fosse ela a expressão de um estado de demência reaccionária. O seu programa “socialista” remetia apenas para algumas nacionalizações em áreas estratégicas, como a energia, gás e ferrovias, degradadas pelas privatizações levadas a cabo por anteriores governos. Diga-se que, segundo o The Guardian de 1 de Outubro de 2017, estes planos tinham ampla aprovação pública. Quanto ao Brexit, Corbyn foi sempre titubeante, nunca se percebendo sua opção, e talvez por isso abandonado por parte do seu eleitorado tradicional.

Entre um Brexit, que não desejavam e cuja concretização é incerta, e uma vitória da “esquerda” de Jeremy Corbyn e do Partido Trabalhista, os grupos políticos e económicas dominantes puseram as fichas em Boris Johnson e no Partido Conservador, descobrindo nele o truão capaz das bizarrias e traquibérnias necessárias ao momento, usando a imprensa tabloide como aliada, que nele viu o artista a promover junto das classes populares. A UE, esta UE, é cada vez mais aos olhos dos cidadãos, não um processo de cooperação e solidariedade, mas um directório de potências apostadas num processo de integração e concentração capitalista e de rivalidade entre sectores do grande capital, nomeadamente da Grã-Bretanha e do eixo franco-alemão. Daqui emergem as políticas antipopulares, a postura arrogante e “neocolonial” sobre os pequenos países e economias, o condicionamento das organizações e partidos de esquerda, enquanto dão livre trânsito às forças populistas e de extrema-direita de que são expressão o extremismo nazi na Alemanha, o protofascismo na Ucrânia, o populismo em Itália, o despotismo de Urban na Hungria, e manifestações de intolerância contra imigrantes e refugiados.

Deverá constituir sinal de preocupação que países como os EUA, Brasil e Reino Unido, tenham a dirigi-los sujeitos tão desqualificados, política e eticamente, como Trump, Bolsonaro e Boris Johnson. Há antecedentes históricos que nos relembram como, para resolver as crises sociais, contradições e descontentamentos populares, os grupos possidentes recorrem a este tipo de bonifrates, em manobras de diversão que abrem caminho a outras bem mais perigosas.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira