• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 02 Abril 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 18° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 21° / 5°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 6°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O (de) mérito de Chicão

Opinião  »  2020-02-07  »  Ana Lúcia Cláudio

"Nós por cá vamos dando, orgulhosamente, o exemplo, também no que a questões de paridade respeita"


A questão da paridade e da (pouca) intervenção das mulheres na política voltou à ordem do dia, na sequência da eleição do novo presidente do CDS. O jovem Chicão, que, curiosamente, veio ocupar o lugar deixado vago pela primeira mulher-presidente na história do partido – Assunção Cristas –, encabeça uma Comissão Política em que nos 59 nomes que a integram existem apenas seis mulheres. “Não há mulheres na direcção de Chicão”, lê-se em parangonas na imprensa nacional.

É de lamentar este retrocesso num caminho que parecia estar já a avançar na direção certa, em Portugal e na Europa, com as mulheres a assumirem cada vez mais lugares de relevo na política e na sociedade. Veja-se a actual Comissão Europeia, presidida pela primeira vez por uma mulher a encabeçar um colégio de comissários quase paritário.
Na primeira entrevista depois de eleito, Chicão foi confrontado por Miguel Sousa Tavares, de forma directa e ao seu estilo, sobre este facto: "Não gosta de mulheres?", disparou. Após algum desconforto com a questão, o presidente do CDS avançou com uma justificação infeliz para esta quase ausência feminina, ao afirmar que foi o possível no pouco tempo de que dispôs, tendo o critério usado sido o do “mérito”.

“Mérito”! Tem sido sempre este o argumento invocado pela facção masculina que nunca viu com bons olhos as quotas para mulheres na política. A escolha não deve basear-se no género mas no “mérito”, dizem. Isto significaria que nunca houve historicamente o mesmo número de mulheres com “mérito”. E que foi a falta de “mérito” que justificou que a política tenha nascido e crescido como um feudo masculino. O motivo é obviamente outro. A política nasceu e cresceu em reuniões entre grupos de amigos-homens que se encontravam em cortes, tertúlias, praças públicas e demais espaços para discutir as questões da governação. As mulheres estavam onde? Em casa, a garantir a continuidade das famílias, sendo responsáveis pela educação, saúde e bem-estar das mesmas. E esta ocupação das mulheres, e sobretudo das mulheres-mães, sempre foi um obstáculo a que elas participassem mais na vida política.

As coisas mudaram. É verdade. A promoção da igualdade, a divisão de tarefas e o Estado a assegurar um leque de serviços que as libertaram das suas funções tradicionais, contribuíram para uma maior disponibilidade das mulheres para começarem a intervir na vida pública. Só que os lugares, esses, já estavam ocupados e havia pouca vontade de os ceder. Só as quotas podem fazer esta inversão. Foi assim nos países nórdicos, mais avançados nestas realidades, e terá que ser assim em todos os outros. Porque se o “mérito” é sem dúvida o principal critério o mesmo só poderá ser avaliado de forma justa se forem dados a todos e a todas as mesmas condições.

Nós por cá vamos dando, orgulhosamente, o exemplo, também no que a questões de paridade respeita. Se olharmos para a actual Comissão Política do PSD de Torres Novas, recentemente eleita, verificamos que as mulheres estão em maioria, representando 7 dos quinze elementos eleitos.
P.S. Não sou fã de diminutivos, pseudónimos ou alcunhas. Mas neste caso, Chicão parece-me perfeito.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Três efeitos virais »  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia

POLÍTICA E ECONOMIA. De um momento para o outro todo um modo de compreender a política se alterou. Por influência das duas principais constelações ideológicas nascidas do Iluminismo – o liberalismo e o marxismo – a política tinha, paulatinamente, sucumbido aos imperativos da economia.
(ler mais...)


Extraordinário »  2020-03-19  »  Rui Anastácio

A Henriqueta tem 14 anos, é minha filha e teve a delicadeza de me informar que quem diz extraordinário são os velhos. Claro está, que eu do alto dos meus 49 anos não me considero um velho e vivo sobretudo a pensar no futuro, frequentemente não vivendo o presente e sendo por isso extraordinariamente estúpido.
(ler mais...)


Carso, por Rui Anastácio »  2020-03-09  »  Rui Anastácio

Ao que parece, a CIM do Médio Tejo iniciou a colocação de sinalização da “Grande Rota do Carso”. Hoje, as grandes rotas podem ser um importante instrumento de desenvolvimento turístico. Em Portugal, temos o extraordinário exemplo da Rota Vicentina, que leva todos os anos muitos milhares de turistas, de todo o mundo, ao sudoeste alentejano e à costa vicentina.
(ler mais...)


Outra vez as estradas »  2020-03-07  »  António Gomes

A Assembleia Municipal de Torres Novas foi chamada a pronunciar-se sobre o estado das estradas do concelho e sobre uma solução apresentada pelo Bloco.
A proposta recomendava o levantamento rigoroso da dimensão da rede viária a necessitar de intervenção (o que existe é um levantamento feito pelas juntas de freguesia que nos diz que existem 126 estradas e ruas em mau estado), a abertura de um concurso público para empreitada a realizar nos próximos 3 anos e com um valor de 5 milhões de euros.
(ler mais...)


A SAGA / FUGA DE FRANCISCO DUARTE MENDES »  2020-03-07  »  José Alves Pereira

O título deste texto é uma adaptação, a partir de uma obra de ficção, do escritor galego Gonzalo Torrente Ballester, A Saga e Fuga de J.B. Como veremos, seria difícil encontrar um título que melhor correspondesse aos factos aqui reportados, sendo que são já poucos os viventes que de tal guardam memória.
(ler mais...)


Fabrióleo »  2020-03-07  »  Acácio Gouveia

As notícias sobre processos intentados pela Fabrióleo contra Pedro Triguinho merecem algumas reflexões. Pedro Triguinho, recorde-se, havia acusado a Fabrióleo de ser causadora de cancros na população vítima da poluição produzida por aquela empresa.
(ler mais...)


Um vírus abre uma fresta »  2020-03-06  »  Jorge Carreira Maia

Nos acontecimentos ligados à emergência do coronavírus, podemos dizer que há duas realidades ligadas acidentalmente. A primeira diz respeito à eventual pandemia, à facilidade do contágio que proporciona um mundo aberto e no qual toda gente viaja para todo o lado.
(ler mais...)


Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto. »  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões

Portugal precisa de uma solução aeroportuária para Lisboa. O aeroporto Humberto Delgado está saturado, a sofrer obras que vão permitir aumentar ainda mais o tráfego aéreo na capital e que dão muito jeito à concessionária da ANA, mas que não resolvem o problema de base: aquela localização, no centro da cidade, não tem futuro, não tem capacidade, não é aceitável do ponto de vista da segurança ou da qualidade de vida dos milhares de residentes próximos.
(ler mais...)


Retratos, por Inês Vidal »  2020-03-03  »  Inês Vidal

Matilde é filha de um alfaiate que costurava togas para juízes em Coimbra e de uma modista de alta costura, responsável pelas criações que a mulher de Carmona vestia. Filipe é alentejano e foi atrás de Cristina, que chegou a Torres Novas.
(ler mais...)


Pau de dois bicos »  2020-02-22  »  Anabela Santos

Como sabemos, um pau de dois bicos tem dois lados, o positivo e o negativo. É normalíssimo que, ao longo da vida, se encontrem várias situações que consideramos trazerem, ao mesmo tempo, vantagens e desvantagens por variadas razões.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto.
»  2020-03-06  »  Jorge Carreira Maia Um vírus abre uma fresta
»  2020-03-09  »  Rui Anastácio Carso, por Rui Anastácio
»  2020-03-19  »  Rui Anastácio Extraordinário
»  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia Três efeitos virais