• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O (de) mérito de Chicão

Opinião  »  2020-02-07  »  Ana Lúcia Cláudio

"Nós por cá vamos dando, orgulhosamente, o exemplo, também no que a questões de paridade respeita"


A questão da paridade e da (pouca) intervenção das mulheres na política voltou à ordem do dia, na sequência da eleição do novo presidente do CDS. O jovem Chicão, que, curiosamente, veio ocupar o lugar deixado vago pela primeira mulher-presidente na história do partido – Assunção Cristas –, encabeça uma Comissão Política em que nos 59 nomes que a integram existem apenas seis mulheres. “Não há mulheres na direcção de Chicão”, lê-se em parangonas na imprensa nacional.

É de lamentar este retrocesso num caminho que parecia estar já a avançar na direção certa, em Portugal e na Europa, com as mulheres a assumirem cada vez mais lugares de relevo na política e na sociedade. Veja-se a actual Comissão Europeia, presidida pela primeira vez por uma mulher a encabeçar um colégio de comissários quase paritário.
Na primeira entrevista depois de eleito, Chicão foi confrontado por Miguel Sousa Tavares, de forma directa e ao seu estilo, sobre este facto: "Não gosta de mulheres?", disparou. Após algum desconforto com a questão, o presidente do CDS avançou com uma justificação infeliz para esta quase ausência feminina, ao afirmar que foi o possível no pouco tempo de que dispôs, tendo o critério usado sido o do “mérito”.

“Mérito”! Tem sido sempre este o argumento invocado pela facção masculina que nunca viu com bons olhos as quotas para mulheres na política. A escolha não deve basear-se no género mas no “mérito”, dizem. Isto significaria que nunca houve historicamente o mesmo número de mulheres com “mérito”. E que foi a falta de “mérito” que justificou que a política tenha nascido e crescido como um feudo masculino. O motivo é obviamente outro. A política nasceu e cresceu em reuniões entre grupos de amigos-homens que se encontravam em cortes, tertúlias, praças públicas e demais espaços para discutir as questões da governação. As mulheres estavam onde? Em casa, a garantir a continuidade das famílias, sendo responsáveis pela educação, saúde e bem-estar das mesmas. E esta ocupação das mulheres, e sobretudo das mulheres-mães, sempre foi um obstáculo a que elas participassem mais na vida política.

As coisas mudaram. É verdade. A promoção da igualdade, a divisão de tarefas e o Estado a assegurar um leque de serviços que as libertaram das suas funções tradicionais, contribuíram para uma maior disponibilidade das mulheres para começarem a intervir na vida pública. Só que os lugares, esses, já estavam ocupados e havia pouca vontade de os ceder. Só as quotas podem fazer esta inversão. Foi assim nos países nórdicos, mais avançados nestas realidades, e terá que ser assim em todos os outros. Porque se o “mérito” é sem dúvida o principal critério o mesmo só poderá ser avaliado de forma justa se forem dados a todos e a todas as mesmas condições.

Nós por cá vamos dando, orgulhosamente, o exemplo, também no que a questões de paridade respeita. Se olharmos para a actual Comissão Política do PSD de Torres Novas, recentemente eleita, verificamos que as mulheres estão em maioria, representando 7 dos quinze elementos eleitos.
P.S. Não sou fã de diminutivos, pseudónimos ou alcunhas. Mas neste caso, Chicão parece-me perfeito.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia