• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Maio 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 33° / 19°
Períodos nublados
Qua.
 34° / 20°
Céu limpo
Ter.
 33° / 18°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Retratos, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-03-03  »  Inês Vidal

"Cruzamo-nos nas ruas. A terra é pequena. Dizemos bom dia, boa tarde, está tudo bem? Mas não ficamos para ouvir a resposta"

Matilde é filha de um alfaiate que costurava togas para juízes em Coimbra e de uma modista de alta costura, responsável pelas criações que a mulher de Carmona vestia. Filipe é alentejano e foi atrás de Cristina, que chegou a Torres Novas. Francisco era ilusionista de profissão e passava o dia 25 de Dezembro em palco, de manhã à noite, esquecendo como era ao certo uma ceia de Natal. Alzira trabalhou em Boston, Estados Unidos da América, durante 50 anos. Não fala uma única palavra de inglês.

Mas o que sabemos nós de cada um deles? Que Matilde Bué é presidente da União Desportiva e Recreativa da Zona Alta, que Filipe Mendes tinha, até ao dia em que a casa desabou, uma loja de vinhos na Praça 5 de Outubro, que o senhor Francisco Rodrigues caminha diariamente pelas ruas da cidade, gozando o merecido descanso que a idade traz e que Alzira Branco é uma senhora com 95 anos, acabados de fazer, esperta e despachada, de um jeito único, que nos coloca a nós, aqueles na casa dos 30, envergonhados a um canto.

Se não são de Torres Novas, todos aqui vivem. Conhecemo-los de vista, sabemos o que fazem, por onde andam, mas não os conhecemos. Vislumbramos caras, reconhecemos as feições, mas estamos longe de ver corações.

O corropio da vida faz-nos assim. Entre trabalho e casa, as 24 horas do dia são poucas, para nós e para os nossos, quanto mais para nos dedicarmos a conhecer os outros. Sentamo-nos à mesa do jantar exaustos, ansiosos que chegue a hora de deitar para podermos, finalmente, descansar. E no dia seguinte recomeça tudo outra vez. Não sabemos o que os nossos filhos fazem na escola. Os nossos filhos sabem onde trabalhamos, mas não têm a mínima ideia do que fazemos, ao certo. Não nos conhecemos dentro de nossa casa. Impossível conhecer os que nos rodeiam.

Cruzamo-nos nas ruas. A terra é pequena. Dizemos bom dia, boa tarde, está tudo bem? Mas não ficamos para ouvir a resposta. O tempo corre, a cabeça anda a mil, a pensar no que ainda está por fazer antes de findar o dia. E assim passam horas, dias, uma vida. Até que acabamos assim, sem realmente saber quem somos.

Cada rosto esconde uma história. Tendemos, fruto da hipocrisia que não me tenho cansado de referir, a deixar-nos atrair pelas histórias cujo rosto mais nos diz. Os restantes, partimos imediatamente do errado princípio de que não terão histórias que nos interessem. Mas cada rosto é uma história. Uma história que não é melhor nem pior do que a nossa. É a dele. E é única. Perdemos horas entre revistas cor-de-rosa e redes sociais, numa ânsia de ver o que fazem os nomes sonantes dos nossos dias, como vivem, o que viveram. Mas não paramos um segundo para conhecer a pessoa que cumprimentamos todos os dias quando saímos de casa. De onde vem, porque veio, como aqui chegou.

Adoro retratos. Gosto de rostos, cicatrizes, rugas, marcas de expressão. Gosto de imaginar o que está por trás de cada uma daquelas assinaturas do tempo ou do ser. Tenho a sorte de ter duas profissões que me dão espaço para conhecer as pessoas. Como jornalista, é meu dever parar para as ouvir, como pessoa atrás de um balcão tenho a sorte de que me exijam tempo para ouvir um pouco do que me querem dizer. E a verdade é que me surpreendo sempre que paro para ouvir a história do outro. Do rosto mais improvável, vem a maior prova de que a vida é uma roda gigante, daquelas cheias de luppings. Qualquer uma, mas mesmo qualquer uma, seria digna de ser escrita. Qualquer dia, vou escrevê-las todas.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Agora era cores - joão carlos lopes »  2020-05-25  »  João Carlos Lopes

A tabacaria Central era uma grande casa, três andares com centenas de produtos: papeis, livros, canetas, brinquedos, jogos, carrinhos de miniatura, um nunca mais acabar de coisas que nos enchiam os olhos em tantas salas, escadarias e corredores forrados de novidades.
(ler mais...)


NÃO DEIXEMOS CONFINAR A LIBERDADE! »  2020-05-25  »  José Alves Pereira


Em política, os homens foram sempre e serão sempre ingenuamente enganados pelos outros e por si próprios, enquanto não aprenderem a discernir, por detrás das frases, das declarações e das promessas morais, religiosas, políticas e sociais, os interesses destas ou daquelas classes.
(ler mais...)


FOTO (QUASE COMO O CINEMA) PARAÍSO - josé mota pereira »  2020-05-25  »  José Mota Pereira

A notícia surgiu pelo facebook.
Cumprindo o ciclo da vida, noticiou-se o encerramento da Fotocor. Quem é de Torres Novas, sabe do que falo. Em Torres Novas, toda a gente conhece a Fotocor. Porque a Fotocor foi mais que um estabelecimento comercial.
(ler mais...)


Sinais de Fogo - rui anastácio »  2020-05-25  »  Rui Anastácio

Por vezes, penso que Portugal é uma obra-prima inacabada, tal como o romance “Sinais de Fogo”, de Jorge de Sena.
Portugal é um país maravilhoso com um povo também, razoavelmente maravilhoso. Um povo com uma enorme sabedoria, mas desconfiado e invejoso por natureza.
(ler mais...)


A Igreja e a pandemia em Portugal »  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia

Em todo o processo ligado à pandemia provocada pelo coronavírus, a Igreja Católica em geral, e a portuguesa em particular, teve uma atitude que merece louvor. A Igreja portuguesa, e é nela que centro este artigo, mostrou que não é apenas uma instituição guardiã da fé e tradição apostólicas, mas ainda um factor de razoabilidade dos comportamentos sociais, exercendo uma influência muito importante na atitude de muitos portugueses, o que ajudou a minimizar os efeitos da pandemia.
(ler mais...)


Pela janela, por Inês Vidal »  2020-05-09  »  Inês Vidal

Comprei um bilhete de avião para ir visitar o meu primo João, que está na Suécia, por alturas do casamento dele, em Abril. Crescemos juntos, apesar da diferença de idades. Queria dar-lhe um abraço, desejar-lhe que fosse feliz - comigo aqui relativamente perto, de preferência - ao mesmo tempo que nos perguntaria como é que era possível estarmos ali, se ainda no outro dia andei com ele ao colo.
(ler mais...)


2 beijos »  2020-05-09  »  Rui Anastácio

Peúgas escuras, peúgas brancas, peúgas escuras. Um beijo, 2 beijos, um beijo vs 2 beijos.
Tinha três anos no dia 25 de Abril de 1974.

Sou um amante da liberdade e um amante incondicional da liberdade de expressão.
(ler mais...)


25 de Abril Nunca Mais! »  2020-05-09  »  José Ricardo Costa

Sempre que o calendário faz regressar o 25 de Abril, é também o clássico “25 de Abril sempre!” que regressa. A frase é bonita e voluntariosa mas tem um problema: não dá que o 25 de Abril seja para sempre.
(ler mais...)


O meu pai de fato azul escuro e gravata e um bem visível cravo vermelho. Naquele momento. senti-me compensado pela espera de 22 anos desde o negro Abril de 1953. »  2020-05-09  »  José Alves Pereira

De quantos Abris se faz uma vida que já vai longa? Cada um contará os seus, aqueles que não se medem pelo calendário, mas são marcos de destaque e lembrança. É o caso do 25 de Abril, data fronteira entre o antes e o depois; um antes que se vai escoando com a memória dos que o viveram e vão desaparecendo, e um depois que o não pode olvidar.
(ler mais...)


Onde estavas no 25 de Abril de 2020? »  2020-05-09  »  Jorge Salgado Simões

Já se pode falar do 25 de Abril? Já podemos falar do 25 de Abril sem se ser acusado de arreigado comunista ou perigoso fascista? É que isto este ano foi mesmo mau demais para ser verdade.

Eu sou dos que ainda cá não estava em 1974.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril de 2020
»  2020-05-09  »  Rui Anastácio 2 beijos
»  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia A Igreja e a pandemia em Portugal
»  2020-05-09  »  Inês Vidal Pela janela, por Inês Vidal
»  2020-05-09  »  José Ricardo Costa 25 de Abril Nunca Mais!