• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 01 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 19° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Sex.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 13°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Retratos, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-03-03  »  Inês Vidal

"Cruzamo-nos nas ruas. A terra é pequena. Dizemos bom dia, boa tarde, está tudo bem? Mas não ficamos para ouvir a resposta"

Matilde é filha de um alfaiate que costurava togas para juízes em Coimbra e de uma modista de alta costura, responsável pelas criações que a mulher de Carmona vestia. Filipe é alentejano e foi atrás de Cristina, que chegou a Torres Novas. Francisco era ilusionista de profissão e passava o dia 25 de Dezembro em palco, de manhã à noite, esquecendo como era ao certo uma ceia de Natal. Alzira trabalhou em Boston, Estados Unidos da América, durante 50 anos. Não fala uma única palavra de inglês.

Mas o que sabemos nós de cada um deles? Que Matilde Bué é presidente da União Desportiva e Recreativa da Zona Alta, que Filipe Mendes tinha, até ao dia em que a casa desabou, uma loja de vinhos na Praça 5 de Outubro, que o senhor Francisco Rodrigues caminha diariamente pelas ruas da cidade, gozando o merecido descanso que a idade traz e que Alzira Branco é uma senhora com 95 anos, acabados de fazer, esperta e despachada, de um jeito único, que nos coloca a nós, aqueles na casa dos 30, envergonhados a um canto.

Se não são de Torres Novas, todos aqui vivem. Conhecemo-los de vista, sabemos o que fazem, por onde andam, mas não os conhecemos. Vislumbramos caras, reconhecemos as feições, mas estamos longe de ver corações.

O corropio da vida faz-nos assim. Entre trabalho e casa, as 24 horas do dia são poucas, para nós e para os nossos, quanto mais para nos dedicarmos a conhecer os outros. Sentamo-nos à mesa do jantar exaustos, ansiosos que chegue a hora de deitar para podermos, finalmente, descansar. E no dia seguinte recomeça tudo outra vez. Não sabemos o que os nossos filhos fazem na escola. Os nossos filhos sabem onde trabalhamos, mas não têm a mínima ideia do que fazemos, ao certo. Não nos conhecemos dentro de nossa casa. Impossível conhecer os que nos rodeiam.

Cruzamo-nos nas ruas. A terra é pequena. Dizemos bom dia, boa tarde, está tudo bem? Mas não ficamos para ouvir a resposta. O tempo corre, a cabeça anda a mil, a pensar no que ainda está por fazer antes de findar o dia. E assim passam horas, dias, uma vida. Até que acabamos assim, sem realmente saber quem somos.

Cada rosto esconde uma história. Tendemos, fruto da hipocrisia que não me tenho cansado de referir, a deixar-nos atrair pelas histórias cujo rosto mais nos diz. Os restantes, partimos imediatamente do errado princípio de que não terão histórias que nos interessem. Mas cada rosto é uma história. Uma história que não é melhor nem pior do que a nossa. É a dele. E é única. Perdemos horas entre revistas cor-de-rosa e redes sociais, numa ânsia de ver o que fazem os nomes sonantes dos nossos dias, como vivem, o que viveram. Mas não paramos um segundo para conhecer a pessoa que cumprimentamos todos os dias quando saímos de casa. De onde vem, porque veio, como aqui chegou.

Adoro retratos. Gosto de rostos, cicatrizes, rugas, marcas de expressão. Gosto de imaginar o que está por trás de cada uma daquelas assinaturas do tempo ou do ser. Tenho a sorte de ter duas profissões que me dão espaço para conhecer as pessoas. Como jornalista, é meu dever parar para as ouvir, como pessoa atrás de um balcão tenho a sorte de que me exijam tempo para ouvir um pouco do que me querem dizer. E a verdade é que me surpreendo sempre que paro para ouvir a história do outro. Do rosto mais improvável, vem a maior prova de que a vida é uma roda gigante, daquelas cheias de luppings. Qualquer uma, mas mesmo qualquer uma, seria digna de ser escrita. Qualquer dia, vou escrevê-las todas.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A roleta russa - jorge carreira maia »  2020-09-28  »  Jorge Carreira Maia

A questão do novo coronavírus tornou-se uma espécie de roleta russa em dois momentos. No primeiro, o tambor da pistola roda para descobrirmos se somos ou não contaminados. Caso sejamos, ele torna a rodar, agora de forma decisiva.
(ler mais...)


Boys - rui anastácio »  2020-09-28  »  Rui Anastácio

A palavra parece ser inglesa, mas é apenas aparência. É uma palavra portuguesa, com certeza. Foi proferida, pela primeira vez, nos idos anos 90 pelo actual secretário-geral das nações unidas. “No jobs for the boys”.
(ler mais...)


A bolha - miguel sentieiro »  2020-09-28  »  Miguel Sentieiro

O início das aulas em época de covid exigia medidas drásticas para que o descalabro pandémico não surgisse em todo o seu esplendor. As equipas especializadas do ministério da educação, em estreita ligação com as equipas especializadas da DGS, montaram uma estratégia especializada infalível baseada num único conceito: a bolha…!

Eu sei que o nome não tem um grande impacto sonoro, é um pouco mortiço até, mas interessa sobretudo o seu conteúdo em termos operacionais.
(ler mais...)


Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato »  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato

Sempre tive, e continuo a ter, um fascínio por escolas. Quando se atravessa uma aldeia, uma pequena vila, ou até um monte ou pequenino aglomerado de casinhas, os edifícios que albergavam as escolas têm uma traça comum e especial.
(ler mais...)


QUE PARECENDO SER PLURAL E DIVERSO - margarida trindade »  2020-09-28  »  Margarida Trindade

Em cima da mesa da cozinha, em casa dos meus avós, havia sempre um último número do Jornal de Abrantes. A lembrança é de umas folhas muito brancas e rígidas, de um jornal que à época já me parecia antigo, e era comparado com o Expresso ou com A Capital — outros jornais que me habituei a ver também em cima de outra mesa, na sala de estar da casa dos meus pais.
(ler mais...)


O ESPELHO - josé mota pereira »  2020-09-28  »  José Mota Pereira

Em 1992, ainda a RTP era a televisão única. Todas as quartas-feiras à noite o serão é dedicado a entrevistas protagonizadas por Carlos Cruz a uma série de personalidades. O espaço chama-se precisamente “Carlos Cruz - Quarta Feira” e numa noite a entrevista resultou numa conversa amena e franca.
(ler mais...)


Crónica de um tempo que ainda não aconteceu - jorge salgado simões »  2020-09-28  »  Jorge Salgado Simões

Ainda bem que acabaram o IC3!

Vejam o que seriam os tempos de pandemia sem aquela via, prometida há anos como contrapartida da instalação do Eco Parque do Relvão. Hoje, é lá que se tratam muitos dos resíduos perigosos do país e mesmo de outros países, e entre eles os resíduos hospitalares.
(ler mais...)


A construção de edifícios no Médio Tejo - antónio gomes »  2020-09-28  »  António Gomes

O INE divulgou as estatísticas de construção dos anos 2018 e 2019 com base em estimativas e nas informações das empresas de construção. Significa isto que deveria haver por parte do PS/Torres Novas algum cuidado naquilo que tenta impor dentro da Câmara e não levar a Câmara a divulgar dados que não são rigorosos.
(ler mais...)


Vivências, aprendizagens e emoções - anabela santos »  2020-09-28  »  AnabelaSantos

Para além das vivências, das aprendizagens e das emoções, crescimento, resiliência, luta, trabalho e solidariedade, são estas as palavras que escolho para me acompanharem nos próximos onze meses.

Daqui a algumas horas, um avião me levará até Timor, a ilha encantada, em forma de crocodilo.
(ler mais...)


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela