• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 20 de Outubro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 25° / 11°
Períodos nublados
Dom.
 22° / 10°
Períodos nublados
Sáb.
 21° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  23° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Assim não! – caderno primeiro

Opinião  »  2017-02-16  »  Gabriel Feitor

"Continuo a afirmar que não existe um projecto que sustente o desenvolvimento do concelho"

Poderia abordar na crónica desta semana a questão dos refugiados acolhidos em Alcanena – assunto que, curiosamente, preencheu o espaço político da semana que passou – e a sua a sensacional recepção que envergonhou todos quantos primam pelo bom senso. Mas não. Disso já me pronunciei publicamente nas redes sociais.

Esta semana optei por uma questão mais vasta surgida numa das múltiplas viagens que faço pelo concelho. O que mudou, afinal, em 8 anos onde era prometido o paraíso eterno? É o que abordarei ao longo das edições do Torrejano com os cadernos “Assim não!”.


1. O desenvolvimento económico
Relativamente à transparência garantida, Alcanena, de 2015 para 2016, desceu no ranking do Índice de Transparência Municipal elaborado pela TIAC, de 142º para 187º, estando neste momento em 10º lugar no universo de 13 municípios do Médio Tejo. Era esta a transparência que prometiam para que no website da Câmara Municipal não exista qualquer informação sobre as remunerações e despesas de representação dos 4 membros a tempo inteiro do executivo e dos 3 elementos do seu gabinete?


Outro ranking, elaborado pela “Bloom Consulting”, cujos indicadores medem a qualidade de vida, o turismo e o espaço para fazer negócios, colocou o município, em 2015, em 185º quando há pouco mais de 10 anos nos encontrávamos em 22º no estudo realizado pela UBI.


Falemos, porém, de casos concretos. No que diz respeito ao desenvolvimento económico do concelho, o que foi feito em relação aos prometidos mais de 240 hectares no nó da A1/A23 (inicialmente 36 hectares com a suspensão do PDM junto àquela zona)? Está em curso algum tipo de investimento? Que tipo de incentivos tem e que conversações já entoou o município? Infelizmente, até agora só contemplamos o deserto. Se o concelho continua a ter boa posição relativamente às exportações apenas e só à iniciativa privada se deve. Não existe um projecto de iniciativa de diversificação das actividades económicas nem tão-pouco de instalação das chamadas novas indústrias. Porque não largarmos de vez o não funcional e faz-de-conta Centro de Acolhimento de Iniciativa Empresarial e seguimos o conceito bem-sucedido das Startup, à semelhança de outros municípios?


Continuo a afirmar que não existe um projecto que sustente o desenvolvimento do concelho nos diversos sectores e que ateste as suas particulares potencialidades a médio/longo prazo. Não vai ser mais outro plano estratégico, encomendado a empresas e escritórios, propositadamente apenas para ir buscar fundos comunitários. Isso já foi feito e não deu resultado.
Precisamos de uma alternativa plural, séria e responsável.
Assim não!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Torres Novas, hoje, é um activo tóxico »  2017-10-17  »  Ana Trincão

Como é que o município pensa atrair investimento para as zonas industriais sem fazer o trabalho de casa primeiro? Vamos imaginar um cenário possível, que não agrada ao dono da Fabrióleo por razões que não vêm aqui ao caso - o da deslocalização da empresa para a zona industrial de Torres Novas: este cenário também não agrada à gestão da nossa câmara municipal e muito menos à empresa Águas do Ribatejo.
(ler mais...)


Assobiar para o lado »  2017-10-17  »  João António

Escrevo-vos sobre um tema que me é caro, o associativismo desportivo, ao qual já dediquei mais de metade da minha vida com grande amor e paixão. Notem que é nas mãos dos clubes e associações desportivas que está o principal motor de desenvolvimento do desporto, um dos sectores mais mediático e em que o país é mais competitivo.
(ler mais...)


Intestino, o nosso segundo cérebro »  2017-10-17  »  Juvenal Silva

É no intestino que se produz um importantíssimo neurotransmissor, a serotonina, a hormona responsável pelo bem estar, otimismo e autoconfiança. O intestino, para além de ajudar a digerir e absorver os alimentos, os seus micróbios, são agora suspeitos de nos angustiar, deprimir ou alegrar.
(ler mais...)


Menino crescido... »  2017-10-17  »  Hélder Dias

Vida normal »  2017-10-16  »  Jorge Carreira Maia

Há alturas em que o jeito de ser português mostra os seus limites. O ano de 2017 é uma dessas alturas. Não chega a nossa cultura do desenrascanço (palavra horrível com que embrulhamos a incompetência na esperteza saloia).
(ler mais...)


Pedro Ferreira »  2017-10-04  »  Jorge Carreira Maia

As eleições torrejanas tinham vários ingredientes que as tornavam muito interessantes. Em primeiro lugar, havia que medir o impacto do corte dramático, ampliado na comunicação social local, de António Rodrigues, o antigo presidente, com o PS, bem como o da avaliação negativa da actuação da câmara veiculada no espaço politizado do concelho.
(ler mais...)


A nutrição é uma força poderosa contra as alergias »  2017-10-03  »  Juvenal Silva

As alergias cada vez mais estão presentes nas nossas vidas e não nos apercebemos que podem desencadear variados tipos de problemas de saúde, por desconhecermos que inúmeros sintomas patológicos poderão estar na sua origem.
(ler mais...)


Milagres precisam-se... »  2017-10-03  »  Hélder Dias

Eleições autárquicas: O que me ocorre dizer »  2017-09-26  »  Jorge Carreira Maia

Consta que vai haver eleições autárquicas no próximo domingo. Eu gostava muito de dizer alguma coisa sobre o assunto, mas, confesso, não me ocorre nada de relevante. Eu sei que são importantes, muito importantes.
(ler mais...)


Agências de rating »  2017-09-21  »  Jorge Carreira Maia

Há uma tendência – à esquerda do PS – para censurar continuamente as agências de rating e o papel que elas têm tido na dívida portuguesa. E como consequência dessa censura dizer-se que as avaliações delas não devem ser tidas em conta, o que interessa é a vida dos portugueses e não a opinião de agências de especuladores.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-10-17  »  Ana Trincão Torres Novas, hoje, é um activo tóxico
»  2017-10-17  »  João António Assobiar para o lado
»  2017-10-17  »  Hélder Dias Menino crescido...