• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 20° / 6°
Céu limpo
Dom.
 22° / 6°
Céu limpo
Sáb.
 21° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A esquerda e os rankings escolares

Opinião  »  2018-02-09  »  Jorge Carreira Maia

"Por que motivo a esquerda deveria gostar dos rankings? Pelo facto de eles mostrarem como está a saúde das políticas de igualdade de oportunidades."

Vivemos num estranho país. Num país menos estranho do que o nosso, seria normal que as gentes de esquerda quisessem ver publicados os rankings escolares e as gentes de direita – pelo menos, aquela que tem os descendentes nos colégios privados que ocupam os primeiros lugares dos rankings – quisessem que eles não fossem publicados. Mas não é assim. As gentes de esquerda, por norma, odeiam ou, pelo menos, desprezam os rankings, enquanto a direita social gosta deles. Por que motivo, perguntará o leitor, a direita deveria querer ocultar os rankings e a esquerda deveria querê-los públicos?

Relativamente à direita social, a resposta é fácil. Esta não tem qualquer interesse em que se saiba claramente as vantagens que os seus descendentes têm no acesso à Universidade, às melhores Universidades. Quanto menor for a concorrência, quanto menor for a igualdade de oportunidades, quanto maior for o fosso entre os resultados do ensino público e os dos grandes colégios privados e quanto mais secreto for esse fosso melhor. Os filhos das elites estarão mais à vontade no acesso aos cursos que pretendem, àqueles que abrem às pessoas as melhores oportunidades. Para essa direita, o melhor seria não haver rankings e que ninguém soubesse o desempenho da escola pública.

Relativamente à esquerda social (e política, diga-se) o problema é mais complicado. Por norma, é contra os rankings porque estes hierarquizam as escolas. Um dos argumentos que mais se ouve é que os rankings não avaliam as escolas como deve ser. Este argumento, porém, é uma falácia do espantalho. Os rankings não pretendem avaliar escolas ou professores. Os rankings apenas tornam patente os resultados dos alunos organizados por estabelecimento de ensino. Um segundo argumento diz que os rankings comparam o incomparável. Este argumento é pura e simplesmente falso. O que está a ser comparado são os resultados dos alunos e esses são comparáveis. Mais, a diferença desses resultados tem consequências para o destino de cada um dos alunos.

Por que motivo a esquerda deveria gostar dos rankings?  Pelo facto de eles mostrarem como está a saúde das políticas de igualdade de oportunidades. Se os rankings avaliam alguma coisa é o trabalho do sistema educativo na promoção real – e não apenas proclamatória e virtual – da igualdade de oportunidades. Quando os rankings mostram que certas escolas públicas, mas também privadas, apresentam resultados maus ou medíocres está a mostrar-nos que o sistema – tanto a nível central como local – está a falhar no desígnio de assegurar a todos os alunos um acesso semelhante a um bem que é a educação, onde se inclui o acesso à educação superior. A esquerda prefere que isto não se saiba? Que se disfarce?

A esquerda deveria preocupar-se em assegurar condições para que o fosso dos resultados desaparecesse, para que os rankings passassem a mostrar que os alunos pobres e/ou do interior têm as mesmas possibilidades reais – e não meramente virtuais – que os filhos das elites que frequentam os grandes colégios. A esquerda, se estivesse preocupada com os filhos dos seus potenciais eleitores, em vez de esconder a mensagem e tentar matar o mensageiro (os rankings), deveria exigir discriminação positiva eficaz no apoio às escolas em dificuldades e reivindicar condições para um ensino rigoroso e de qualidade em todo o sistema público. Parece, contudo, que a esquerda gosta mais dos seus preconceitos ideológicos (ainda por cima incongruentes) do que das pessoas reais. Infelizmente.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


Aero… coisa, mas muito séria »  2019-02-21  »  António Gomes

A noticia teve origem na informação prestada em reunião de câmara pelo vice-presidente da mesma: aeroporto internacional, 4 Kms de pista, 160 voos/dia, 200 milhões de investimento, etc..

E foi apresentada com pompa e circunstância, uma grande mais valia para Torres Novas e arredores.
(ler mais...)


Opções »  2019-02-21  »  Anabela Santos

E de repente, quando somos agradavelmente surpreendidos por um montante razoável em euros de que não estávamos à espera, a reação é de espanto e de alegria. Faz falta, é sempre bem vindo.

A partir do momento em que recebemos tão agradável notícia, impõe-se um pensamento … o que fazer com todo o dinheiro recebido?
O mais correto e consciente seria poupar, mas como há tantas coisas pendentes que nunca foram resolvidas por não haver essa tal quantia, a hipótese da poupança põe-se logo de parte.
(ler mais...)


Para quê tanto vermelho? »  2019-02-21  »  Ana Sentieiro

O Dia de São Valentim é, à semelhança do Carnaval, do Dia da Mulher, do Dia da Aproximação do Pi ou do próprio Dia do Pi, uma celebração à qual não foi atribuída o estatuto de feriado e, como tal, não é respeitada no agregado de festividades.
(ler mais...)


Beija o chão e abraça a humilhação »  2019-02-15  »  Ana Sentieiro

Olá! O meu nome é Ana, mas podes tratar-me por “caloira” num tom agressivo e um tanto incomodativo ou, se preferires, “besta”, acompanhado com “Enche vinte!” entoado de um modo pouco sugestivo.
Desde miúdos que somos inevitavelmente encurralados, durante um almoço com amigos dos nossos pais, no meio de breves golos de cerveja e rápidas trincas no papo-seco com patê de atum, na conversa dos “áureos tempos de faculdade”… Esta conversa consiste na partilha de histórias que remontam ao tempo em que todos eles possuíam um farfalhudo cabelo e conseguiam apertar o cinto das calças, bem como subir ao segundo andar sem se agarrarem ao corrimão com a língua de fora e a respiração acelerada.
(ler mais...)


Caixa, Marcelo, Venezuela e Papa »  2019-02-08  »  Jorge Carreira Maia

1. CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS. O que se tem vindo a saber da Caixa Geral de Depósitos dá razão aos que, na União Europeia, julgam ser necessário impor uma espécie de protectorado aos países do sul da Europa.
(ler mais...)


Lisboetas? »  2019-02-07  »  Inês Vidal

Tento fazer este exercício: o que é que as pessoas que não conhecem Torres Novas ficaram a saber sobre o nosso concelho, depois de lerem o artigo publicitário disfarçado de reportagem, que saiu no sábado numa alegada revista, de um honrado semanário nacional? Ora bem.
(ler mais...)


Caminhamos para o abismo »  2019-02-07  »  António Gomes

Foi recentemente colocado em discussão pública (já terminada) o Plano Estratégico Educativo Municipal para os próximos 4 anos. Este plano é da responsabilidade da autarquia, que o encomendou a um centro de estudos da Universidade Nova de Lisboa coordenado pelo professor David Justino.
(ler mais...)


Caridade ou justiça social »  2019-02-07  »  Anabela Santos

O “Gui” que não é Gui, torrejano que não é torrejano, miúdo que já não é miúdo, vagueia pela cidade durante o dia e noite absorvido pelos seus pensamentos, com um olhar vago, distante.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-01-28  »  Inês Vidal Quim
»  2019-01-25  »  Jorge Carreira Maia Lições de História
»  2019-01-30  »  Gabriel Feitor O Ribatejo foi, mais uma vez, adiado
»  2019-02-07  »  Inês Vidal Lisboetas?
»  2019-02-08  »  Jorge Carreira Maia Caixa, Marcelo, Venezuela e Papa