• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 20 Agosto 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 38° / 22°
Períodos nublados
Qua.
 37° / 18°
Céu limpo
Ter.
 33° / 14°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O Ribatejo foi, mais uma vez, adiado

Opinião  »  2019-01-30  »  Gabriel Feitor

" eis a hegemonização política de Abrantes, com a complacência e fretes dos senhores presidentes da região"

Estou de consciência tranquila quando defendi, em agosto passado, no âmbito da consulta dos investimentos prioritários para a região, a conclusão da ligação do antigo IC3, previsto no PRN desde 1985, entre a Atalaia (Barquinha) e Almeirim. Defendi então, como continuo a defender, que este assunto era importante para a região, não para o Médio Tejo, que não entendo ser uma região, mas sim para o Ribatejo uno e coeso. A questão da travessia do Tejo é mais um exemplo de porque se devia trazer novamente à ordem do dia o assunto da regionalização, a defesa do Ribatejo uno e questionar este tipo de divisões administrativas que nos querem impingir a partir dos gabinetes de Lisboa. Esta empreitada resolveria dois problemas graves: o desvio de transito pesado das localidades de Almeirim, Alpiarça e Chamusca – e lembremo-nos da importância do Eco Parque do Relvão – e a construção de uma nova travessia do Tejo que colmatará a actual e vergonhosa situação da Ponte da Chamusca.

O Plano Nacional de Investimentos 2030 foi conhecido esta semana e, como seria de esperar, este projecto não fora contemplado. Sucedeu o que eu havia avisado em agosto: a hegemonização política de Abrantes, que vai ficar com uma nova ponte sobre o Tejo através da conclusão IC9 entre aquela cidade e Ponte de Sor, com a complacência e fretes dos senhores presidentes de câmara da região. E eu volto a repetir: isto não é nada contra Abrantes; eu só peço é o equilíbrio territorial que não se verifica.

Tal era de esperar porquê? Fácil. Semanas antes da realização da reunião do órgão executivo da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT), o Conselho Intermunicipal, de onde deveriam sair as conclusões da discussão sobre os investimentos prioritários para a região num caderno de decisões a apresentar ao Governo, já um deputado à Assembleia da República, eleito pelo círculo de Santarém, se andava a vangloriar pelas redes sociais do seu papel na decisão de uma nova travessia do Tejo, como se a marosca já estivesse pronta, e a presidente da CIMT, também presidente da autarquia abrantina, se desdizia em declarações sobre o assunto em que não se percebia muito bem onde começava o exercício de um cargo e acabava o de outro.

Valeu bem a pena a CIMT vir para a comunicação social desfazer-se em comunicados com uma estéril listagem de projectos que não é mais do que um expediente político mediático.

Além da importância estratégica para a região, este projecto era, definitivamente, um factor de arranque da união e coesão do Ribatejo. O Ribatejo foi, mais uma vez, adiado.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)


Balanço político da legislatura »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação.
(ler mais...)


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-09  »  Ana Sentieiro Carteiro
»  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia Livros para férias
»  2019-08-09  »  Inês Vidal Bons Sons
»  2019-08-09  »  António Gomes À mulher de César não basta ser séria…