• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quinta, 22 de Fevereiro de 2018
Pesquisar...
Dom.
 18° / 3°
Períodos nublados
Sáb.
 16° / 2°
Céu limpo
Sex.
 16° / 3°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  16° / 3°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O que se perfila

Opinião  »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

"Parte dos socialistas parece ansiosa em libertar-se do apoio da esquerda para voltar às suas velhas políticas, que conduziram o país onde se sabe."

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos. O primeiro problema é o próprio tipo de solução política existente. O facto do governo não ser de coligação, com um acordo político sólido e com a responsabilidade partilhada por toda a esquerda, conduz a que todos comecem a calcular o que pode ser mais benéfico para si próprios. Um governo de coligação distribuiria mais justamente pelos três partidos os méritos e os deméritos da governação, sem que tivéssemos de assistir ao espectáculo impúdico que, por vezes, nos é oferecido do regatear de méritos na praça pública.

O segundo problema é que a partir de agora a idiossincrasia de cada partido vais ser mais forte do que a necessidade de sustentar uma solução política consistente. O PS está a retornar ao que é há muito. O caso das rendas da EDP é um sinal importante de que assim é. Como foi sublinhado por Miguel Sousa Tavares, o silêncio do governo – mas também da oposição de direita – perante o discurso de Mariana Mortágua, na aprovação do Orçamento, foi revelador de que o PS não deixou de ser o que era. Juntamente com o PSD e o CDS, um sustentáculo dos interesses instalados que devoram a fazenda pública e a privada. Parte dos socialistas parece ansiosa em libertar-se do apoio da esquerda para voltar às suas velhas políticas, que conduziram o país onde se sabe.

Também o BE e o PCP estão pouco dispostos a trocar, no futuro, o conforto ideológico de partidos de contestação por um papel de partidos de governo dentro do actual quadro de compromissos do país na esfera europeia e do euro. O que o país precisa das esquerdas é de um programa sério de reforma do Estado, construindo uma transparência que não existe, um projecto de diminuição do papel dos governos na instrumentalização das instituições públicas, um desígnio de modernização da economia e um plano sólido da preparação dos cidadãos para enfrentar os desafios da economia globalizada. Tudo isto dentro de um quadro de reforço da liberdade de iniciativa privada e de igualdade de oportunidades. O que o eleitorado de esquerda vai ter à sua disposição, a continuarmos no actual caminho, será bem diferente. Um PS amancebado, mais uma vez, com os grandes interesses, o BE preso em causas fracturantes e o PCP limitado à reivindicação social. O país e o eleitorado de esquerda mereciam outra coisa.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Contra... »  2018-02-21  »  Hélder Dias

A Igreja, o espírito e o sexo »  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia

A recente declaração do cardeal Clemente sobre abstinência sexual dos católicos recasados e a intensa luta, ao mais alto nível da hierarquia católica, sobre problemas de ordem moral tornam manifesta, mais uma vez, a grande dificuldade que a Igreja Católica enfrenta nas sociedades modernas.
(ler mais...)


A HISTÓRIA DAS TERAPIAS NÃO CONVENCIONAIS »  2018-02-15  »  Juvenal Silva

Quando o ser humano surgiu no planeta, os animais já o habitavam e as plantas já existiam há mais de 400 milhões de anos. As plantas conforme hoje as conhecemos, evoluíram a partir de espécies de algas primitivas.
(ler mais...)


Rankings »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais.
(ler mais...)


Gritos mudos »  2018-02-15  »  José Mota Pereira

Cada noite de frio, cada rajada deste vento polar convocam-nos para escutarmos aqueles a quem falta o conforto mínimo do agasalho. Esses são muito mais do que aqueles que se recolhem nos recantos das ruas e recebem nestes dias o aparato mediático com políticos de afecto, oportunidade (ia a escrever oportunista vejam lá) e verbo fácil.
(ler mais...)


A culpa é da árvore? »  2018-02-15  »  Denis Hickel

Ninguém pode ter deixado de reparar que já vamos em Fevereiro e a chuva ainda não foi o suficiente para sairmos da situação de seca e fazer correr os pequenos ribeiros. Ou ainda, que circula nos media que estão 40 milhões de mudas de eucalipto prontas para ir para o solo, seja para recuperar as perdas das áreas ardidas, ou mesmo ampliar a plantação para a indústria da pasta de papel.
(ler mais...)


A efetividade nos postos de trabalho ajuda tudo e todo »  2018-02-15  »  António Gomes

Encontra-se em fase de aplicação o PREVPAP – Programa de Regularização Extraordinário dos Vínculos Precários na Administração Pública.
A lei 112/2017 prevê os procedimentos do processo de regularização dos precários do Estado, onde se incluem os trabalhadores das autarquias locais.
(ler mais...)


Democratizar a mobilidade »  2018-02-15  »  Nuno Curado

Dada a sua dimensão, tenho cada vez mais a opinião de que Torres Novas teria muito a beneficiar com a promoção e melhoria das suas condições de mobilidade suave. Isto é, os meios de deslocação que não envolvem veículos motorizados, seja de bicicleta, a pé ou outro meio não motorizado.
(ler mais...)


"Passeio" pela cidade com o Gustavo »  2018-02-15  »  Anabela Santos

Há convites irrecusáveis…
- Gustavo, vamos à festa de aniversário do LIJ (Lar de Infância e Juventude), na alcaidaria do castelo?
O Gustavo com um sorriso de gozo, olhou para baixo e respondeu:
- Não posso! Ei!!! É o Gustavo.
(ler mais...)


O lado esquerdo da vida »  2018-02-15  »  Margarida Oliveira

É no lado esquerdo do peito que nos bate o coração. É lá o refúgio sagrado da nossa generosidade, abnegação e um profundo amor ao próximo.
Um músculo magnífico, que nos alimenta a razão, também mais assente no lado esquerdo do cérebro, a metade sentimental.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia A Igreja, o espírito e o sexo
»  2018-02-15  »  Anabela Santos "Passeio" pela cidade com o Gustavo
»  2018-02-15  »  Inês Vidal Associativismo